Tratamento da clamídia

O tratamento para a clamídia consiste em tomar antibióticos para erradicar a bactéria que causa a doença. Vamos ver quais medicamentos são aprovados, as doses e contraindicações.
Tratamento da clamídia

Escrito por Josberth Johan Benitez Colmenares, 27 Junho, 2021

Última atualização: 27 Junho, 2021

A infecção por clamídia é uma das doenças sexualmente transmissíveis (DST) mais comuns em jovens. Só na Europa ocorrem 250.000 casos por ano, de acordo com estimativas do European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC).

Embora possa criar várias complicações no corpo, o tratamento da clamídia geralmente funciona muito bem, especialmente nos estágios iniciais.

Muitos critérios são considerados na escolha da melhor terapia: sequelas geradas no corpo, idade, estado de saúde ou condições específicas (como gravidez). Hoje discutiremos as opções de tratamento para a Chlamydia trachomatis, a bactéria que causa a infecção.

Tratamento medicamentoso para clamídia

O tratamento da clamídia inclui o uso de antibióticos.
Os antibióticos são essenciais para o tratamento da clamídia. Felizmente, existem várias opções disponíveis, dependendo do contexto.

Como aponta os Centers for Disease Control and Prevention dos Estados Unidos (CDC), o tratamento para a clamídia consiste em terapia medicamentosa baseada em antibióticos. Essa é a única maneira de lidar com a infecção, a partir de pequenos ajustes na medicação específica ou dose, conforme seja apropriado.

Em contextos informais, o uso de duchas higiênicas ou remédios caseiros se tornou popular. Nenhuma dessas opções é eficaz, pois podem causar uma piora nos os sintomas ou motivar o desenvolvimento de doenças secundárias. Se você suspeitar que tem clamídia, procure assistência médica para iniciar um tratamento seguro.

Tendo esclarecido isso, e seguindo as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre como lidar com a doença, o protocolo principal para tratar a clamídia é baseado em:

  • Azitromicina (vendido em outros países como Zithromax, Azimut ou Koptin): A azitromicina é o composto ativo mais usado para tratar a infecção por Chlamydia trachomatis. Normalmente, 1 grama é administrado em dose única por via oral.
  • Doxiciclina (vendido em outros países como Doryx ou Vibramycin): A doxiciclina administrada por 7 dias em doses de 100 miligramas (duas vezes ao dia) também é usada.

As pesquisas indicam que ambos antibióticos são igualmente eficazes no tratamento da clamídia. A eficácia é de cerca de 97-98% ao final da terapia. A preferência por um medicamento ou outro é feita com base no critério do especialista. Quando o foco da infecção é anorretal, a OMS sugere o uso da doxiciclina.

Tratamentos de segunda linha

O uso de medicamentos alternativos sugeridos pelo CDC dos Estados Unidos é o seguinte:

  • Eritromicina (vendida em outros países como Bronsema, Erythrogobens, Lagarmicin ou Pantomicina): administrada em doses de 500 miligramas quatro vezes ao dia durante uma semana. Pesquisas indicam que os resultados só são positivos quando o tratamento é estendido por 7 dias, portanto, terapias mais curtas são contraindicadas.
  • Levofloxacina (Levaquin): com uma ingestão oral baseada em 50 miligramas por 7 dias contínuos. A taxa de erradicação foi estimada em 92%.
  • Ofloxacina (Floxin, Oflovir ou Budapox): administrada duas vezes ao dia em doses de 300 miligramas. O tratamento de 7 dias provou ser seguro e eficaz para os pacientes.

Como já apontamos, a escolha deve ser sempre mediada por um especialista. Não inicie um tratamento sem supervisão profissional, nem mesmo antes de a doença ser confirmada por um diagnóstico.

Tratamento da clamídia em mulheres grávidas

O tratamento da clamídia durante a gravidez é diferenciado.
Como alguns antibióticos podem se tornar teratogênicos ou interferir no desenvolvimento da gravidez, as diretrizes de tratamento mudam.

O tratamento da clamídia em mulheres grávidas é diferente do descrito acima. O uso de medicamentos como levofloxacino, ofloxacino e doxiciclina têm sido tradicionalmente considerados adversos nesta fase.

Embora os poucos estudos conduzidos estipulem os riscos como baixos, os testes em animais mostram efeitos associados a danos ao recém-nascido. Portanto, o uso deve ser evitado na ausência de evidências concretas.

A terapia recomendada neste caso é azitromicina e eritromicina. Estas são as sugestões da OMS, que mantêm as mesmas doses descritas na seção anterior. Estudos recomendam o uso do primeiro medicamento durante a gravidez, pois sua eficácia pode chegar a 97%.

Se houver reações alérgicas ou hipersensibilidade à fórmula, o uso de amoxicilina também é aprovado. Neste caso, a dose recomendada é de 500 miligramas três vezes ao dia durante uma semana.

Tratamento da clamídia em recém-nascidos

Se não for detectada precocemente, o contato com o colo do útero infectado durante o trabalho de parto pode expor o recém-nascido à doença. Normalmente, ela se manifesta por meio de conjuntivite ou pneumonia. Ambas devem ser confirmadas por meio de um diagnóstico, após o qual o CDC sugere o seguinte tratamento:

  • Eritromicina (vendida em outros países como Bronsema, Erythrogobens, Lagarmicin ou Pantomicina): 50 miligramas por quilo, quatro vezes ao dia em administração por via oral. A terapia deve ser mantida por 14 dias.
  • Azitromicina (vendida em outros países como Zithromax, Azimut ou Koptin): 20 miligramas por quilo, administrada por via oral durante 3 dias (uma vez ao dia).

A evolução da infecção e possíveis efeitos adversos em recém-nascidos devem ser monitorados de perto. O tratamento em adolescentes geralmente não difere do dos adultos, embora o especialista tenha a última palavra.

Considerações sobre o período de terapia

Os pacientes devem evitar relações sexuais durante o tratamento para evitar a propagação da infecção. Se você tem um parceiro estável, ele deve se submeter aos exames apropriados para descartar ou diagnosticar a presença da doença. Se o resultado do teste for positivo, também deve ser iniciada uma terapia à base de antibióticos.

É importante notar que os medicamentos não tratam os problemas associados à clamídia, eles apenas matam a bactéria que causa a doença. Sequelas como doença inflamatória pélvica (DIP), tracoma ou linfogranuloma venéreo devem ser tratadas separadamente.

Devemos lembrar que o tratamento para clamídia não impede que o paciente seja infectado no futuro. É por isso que uma mudança em alguns hábitos é recomendada para reduzir as chances de reinfecção. Por exemplo, usar preservativos é o primeiro passo para evitar esta e outras DSTs.

Pode interessar a você...
Como a clamídia é diagnosticada
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Como a clamídia é diagnosticada

A clamídia é uma das doenças sexualmente transmissíveis mais comuns atualmente. Hoje mostraremos técnicas e testes para diagnosticá-la.



  • Lau, C. Y., & Qureshi, A. K. Azithromycin versus doxycycline for genital chlamydial infections: a meta-analysis of randomized clinical trials. Sexually transmitted diseases. 2002; 29(9): 497-502.
  • Maiti, H., Chowdhury, F. H., Richmond, S. J., Stirland, R. M., Tooth, J. A., Bhattacharyya, M. N., & Stock, J. K. Ofloxacin in the treatment of uncomplicated gonorrhea and chlamydial genital infection. Clinical therapeutics. 1991; 13(4)_ 441-447.
  • Rahangdale, L., Guerry, S., Bauer, H. M., Packel, L., Rhew, M., Baxter, R., … & Bolan, G. (2006). An observational cohort study of Chlamydia trachomatis treatment in pregnancy. Sexually transmitted diseases. 2006; 33(2): 106-110.
  • Takahashi, S., Ichihara, K., Hashimoto, J., Kurimura, Y., Tsukamoto, T., Iwasawa, A., … & Satoh, T. Clinical efficacy of levofloxacin 500 mg once daily for 7 days for patients with non-gonococcal urethritis. Journal of Infection and Chemotherapy. 2011; 17(3): 392-396.
  • World Health Organization. WHO guidelines for the treatment of Chlamydia trachomatis. 2016.
  • Worm, A. M., Avnstorp, C., & Petersen, C. S. Erythromycin against Chlamydia trachomatis infections. A double blind study comparing 4-and 7-day treatment in men and women. Danish medical bulletin. 1985; 32(5): 269-271.