5 alimentos que aumentam a pressão arterial

Você sofre de hipertensão? Nesse caso, vamos te mostrar quais alimentos você deve evitar na dieta regular para controlar este parâmetro.
5 alimentos que aumentam a pressão arterial
Saúl Sánchez

Escrito e verificado por el nutricionista Saúl Sánchez em 30 Agosto, 2021.

Última atualização: 30 Agosto, 2021

Ter pressão alta é um fator de risco para as doenças cardiovasculares. É importante controlar este parâmetro, principalmente com o passar dos anos. Embora ocorra uma determinação genética, a dieta desempenha um papel importante, e é por isso que existem alimentos que aumentam a pressão arterial.

Atualmente, existe um protótipo de dieta específico para pessoas hipertensas, conhecido como dieta DASH. Ela possui um alto espectro de alimentos capazes de exercer um efeito modulador.

Alimentos que aumentam a pressão

De acordo com uma pesquisa publicada no American Journal of Physiology, a microbiota desempenha um papel especial na modulação da pressão arterial. Nesse sentido, é aconselhável manter uma flora intestinal saudável, com muita diversidade do ponto de vista bacteriano. Qualquer situação de disbiose pode gerar um aumento nos valores de pressão arterial.

Está claro que existem alguns alimentos na dieta que comprovadamente aumentam o risco cardiovascular. Por isso eles precisam ser evitados, e deve ser promovida a ingestão daqueles que são considerados saudáveis.

A seguir mostraremos quais são os principais alimentos que aumentam a pressão arterial. Nada acontece se eles forem consumidos apenas de forma pontual, mas deve-se evitar a inclusão regular na dieta.

1. Bebidas açucaradas

Bebidas açucaradas como refrigerantes estão entre os piores alimentos que podem ser incluídos na dieta. Eles têm grandes quantidades de sódio, açúcares adicionados e aditivos. O consumo regular dessas bebidas está associado a um risco aumentado de desenvolvimento de patologias metabólicas, como o diabetes.

De fato, existem evidências de que a frutose, quando administrada na forma líquida, provoca danos significativos a órgãos como o fígado ou o pâncreas. Por esse motivo o consumo feito por crianças é muito preocupante.

Os refrigerantes são uma excelente forma de aumentar as calorias na dieta, mas neste caso são calorias vazias, pois essa bebida não contêm nutrientes essenciais. Ela nem mesmo é útil para melhorar a hidratação corporal.

Além disso, devido ao alto teor de açúcares adicionados, os refrigerantes podem afetar os níveis de pressão arterial, aumentando-os. De fato, uma ingestão elevada deles está associada a um risco cardiovascular aumentado.

Como se isso não bastasse, os refrigerantes açucarados são capazes de impactar negativamente a microbiota intestinal, principalmente quando contêm adoçantes artificiais. Muitos aditivos de uso diário reduzem a densidade e a diversidade da microbiota.

Bebida açucarada que aumenta a pressão arterial.
Os refrigerantes são alimentos que aumentam a pressão arterial e não trazem nenhum benefício à saúde.

2. Alcaçuz

Apesar de o alcaçuz ser um elemento com propriedades positivas para a saúde, ele pode provocar um aumento da pressão arterial. Claro, estamos falando do alcaçuz em sua forma natural, não de jujubas ou doces.

Esse alimento possui em sua composição alguns fitonutrientes capazes de estimular o funcionamento do sistema imunológico. Ele também pode atuar como antisséptico, reduzindo infecções por microrganismos patogênicos.

No entanto, o consumo regular de alcaçuz pode provocar a retenção de sódio e um aumento na excreção de potássio. A influência que ocorre na troca de eletrólitos afeta negativamente os níveis de pressão arterial.

3. Batatas fritas

Os tubérculos são alimentos de alta qualidade. Eles apresentam uma excelente contribuição de carboidratos complexos, ideais para incluir na dieta diária. No entanto, o método de cozimento a que eles são submetidos é decisivo. Se forem cozidos ou assados não há problema, mas a fritura reduz a qualidade deles.

Quando a batata é submetida a um processo de fritura em óleo, não apenas seu valor energético aumenta, mas também são adicionados ácidos graxos do tipo trans. Eles são produzidos pela aplicação de altas temperaturas ao óleo vegetal.

Segundo pesquisas publicadas na revista Nutrients, esse tipo de ácidos graxos aumenta a pressão arterial, os níveis de inflamação e o risco de apresentar alterações no perfil lipídico. Por isso, a presença deles na dieta deve ser reduzida ao máximo.

Para isso, basta optar por métodos de cozimento menos agressivos, utilizando uma grelha, forno, vapor ou o cozimento com água. Além disso, é fundamental usar óleos vegetais em vez de manteigas.

A batata, desde que não seja frita, é um alimento recomendado em quase todas as dietas. Ela consegue fornecer carboidratos e outros micronutrientes essenciais, além de uma boa quantidade de vitamina C. Além disso, ela concentra fibras em sua composição.

4. Bebidas alcoólicas

De todos os alimentos que foram mencionados, as bebidas alcoólicas são as únicas que devem ser completamente restringidas da dieta. Até mesmo o consumo ocasional provoca um impacto prejudicial ao organismo. Isso ocorre porque o álcool é considerado tóxico.

Além disso, e ao contrário do que se pensou por muitos muitos anos, as bebidas alcoólicas não são boas para a saúde cardiovascular. Foi demonstrado que a ingestão regular de álcool contribui para o desenvolvimento da hipertensão arterial. Além disso, a função de muitos outros órgãos, como o fígado, é afetada.

5. Café

Com o café é necessário fazer uma análise importante. A ingestão pontual dessa bebida provoca um aumento temporário da pressão arterial.

Porém, o consumo regular provoca um efeito protetor no sistema cardiovascular, reduzindo esse parâmetro. Isso é evidenciado por um estudo publicado no Journal of Human Hypertension. O teor de fitonutrientes presentes nesta bebida está associado a um melhor estado de saúde e a um menor risco cardiovascular.

Claro, é preciso ter em mente que a cafeína presente na composição do café é uma substância tóxica em altas doses. Quando é excedida a quantidade 250 miligramas em uma única ingestão ou 300 miligramas ao longo do dia, podem ocorrer efeitos colaterais. Entre eles está o aumento da pressão arterial.

Além disso, é bom lembrar que a cafeína é capaz de gerar tolerância. Isso significa que os efeitos cognitivos que ela causa são reduzidos à medida em que o organismo se acostuma com a dose.

Xícara de café que aumenta a pressão arterial.
Os hipertensos devem limitar a ingestão de café, pois ao tomá-lo o organismo experimenta um aumento momentâneo nos valores da pressão arterial.

Evite alimentos que aumentam a pressão arterial

Como você pode ver, existem vários alimentos capazes de aumentar a pressão arterial, se incluídos regularmente na dieta. Por isso, será necessário limitar o consumo caso este parâmetro esteja alterado. Ao mesmo tempo, é fundamental priorizar a presença de alimentos frescos na alimentação diária.

De qualquer forma, tanto para controlar a pressão arterial quanto para melhorar a saúde, é fundamental promover a prática de exercícios físicos e um bom descanso. Alguns hábitos, como a meditação, podem contribuir para alcançar um estado de estabilidade emocional que também afeta o funcionamento cardiovascular.

Pode interessar a você...
Como prevenir a hipertensão arterial
Muy SaludLeia em Muy Salud
Como prevenir a hipertensão arterial

A prevenção da hipertensão consiste na inclusão de alguns hábitos de vida saudáveis. Hoje explicaremos quais mudanças você pode fazer na sua rotina...



  • O’Donnell M, Mente A, Alderman MH, Brady AJB, Diaz R, Gupta R, López-Jaramillo P, Luft FC, Lüscher TF, Mancia G, Mann JFE, McCarron D, McKee M, Messerli FH, Moore LL, Narula J, Oparil S, Packer M, Prabhakaran D, Schutte A, Sliwa K, Staessen JA, Yancy C, Yusuf S. Salt and cardiovascular disease: insufficient evidence to recommend low sodium intake. Eur Heart J. 2020 Sep 14;41(35):3363-3373. doi: 10.1093/eurheartj/ehaa586. PMID: 33011774.
  • Smiljanec K, Lennon SL. Sodium, hypertension, and the gut: does the gut microbiota go salty? Am J Physiol Heart Circ Physiol. 2019 Dec 1;317(6):H1173-H1182. doi: 10.1152/ajpheart.00312.2019. Epub 2019 Oct 4. PMID: 31585045; PMCID: PMC6962615.
  • Jensen T, Abdelmalek MF, Sullivan S, Nadeau KJ, Green M, Roncal C, Nakagawa T, Kuwabara M, Sato Y, Kang DH, Tolan DR, Sanchez-Lozada LG, Rosen HR, Lanaspa MA, Diehl AM, Johnson RJ. Fructose and sugar: A major mediator of non-alcoholic fatty liver disease. J Hepatol. 2018 May;68(5):1063-1075. doi: 10.1016/j.jhep.2018.01.019. Epub 2018 Feb 2. PMID: 29408694; PMCID: PMC5893377.
  • Chandra A, Lyngbakken MN, Eide IA, Røsjø H, Vigen T, Ihle-Hansen H, Orstad EB, Rønning OM, Berge T, Schmidt EB, Tveit A, Omland T, Svensson M. Plasma Trans Fatty Acid Levels, Cardiovascular Risk Factors and Lifestyle: Results from the Akershus Cardiac Examination 1950 Study. Nutrients. 2020 May 14;12(5):1419. doi: 10.3390/nu12051419. PMID: 32423040; PMCID: PMC7284775.
  • Puddey IB, Mori TA, Barden AE, Beilin LJ. Alcohol and Hypertension-New Insights and Lingering Controversies. Curr Hypertens Rep. 2019 Sep 7;21(10):79. doi: 10.1007/s11906-019-0984-1. PMID: 31494743.
  • Xie C, Cui L, Zhu J, Wang K, Sun N, Sun C. Coffee consumption and risk of hypertension: a systematic review and dose-response meta-analysis of cohort studies. J Hum Hypertens. 2018 Feb;32(2):83-93. doi: 10.1038/s41371-017-0007-0. Epub 2018 Jan 4. PMID: 29302055.