Quais são as consequências de comer rápido?

Não só importa propor uma alimentação equilibrada e variada. Também será essencial comer a uma velocidade prudente para garantir uma boa digestão.
Quais são as consequências de comer rápido?
Saúl Sánchez

Escrito e verificado por el nutricionista Saúl Sánchez.

Última atualização: 13 dezembro, 2022

Comer rápido pode gerar uma série de consequências negativas no organismo. É sempre recomendável ter um tempo prudente para alimentação que permita uma certa tranquilidade. Além disso, será decisivo controlar a ansiedade em relação à comida. Desta forma, o processo digestivo pode ser iniciado de forma eficiente, tendo em conta que a mastigação é o primeiro passo do mesmo.

As bases para manter uma dieta adequada são a variedade e o equilíbrio energético. É necessário fazer uma boa abordagem para alcançar uma boa função fisiológica. Caso contrário, você pode ter problemas ao longo do tempo que afetam o bem-estar.

O que acontece quando você come rápido?

O primeiro problema causado por comer rápido é a redução da sensação de saciedade. Durante a mastigação, é secretada uma série de substâncias que “informam” ao cérebro que ele deve reduzir gradativamente o apetite. Se essa etapa não for realizada com eficiência, você pode acabar consumindo mais calorias do que o necessário. O primeiro efeito disso é uma mudança negativa no estado da composição corporal.

Deve-se notar que aumentos na porcentagem de massa gorda no corpo geralmente estão ligados a um maior risco de adoecer. Tanto o sobrepeso quanto a obesidade são considerados fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Isso é evidenciado por pesquisas publicadas na revista Metabolism. Cria-se um estado de inflamação que prejudica o funcionamento dos sistemas.

Comer rápido pode fazer com que tanto o estômago quanto o intestino tenham que realizar um desempenho mais intenso. O processo de desintegração dos alimentos começa com a mastigação. Caso ele não for feito corretamente, o esforço exercido pelo resto do tubo será maior. A partir daqui, você pode experimentar uma menor absorção de certos nutrientes.

A formação de gases e o desconforto intestinal também aumentam. Por exemplo, fibras mal trabalhadas do ponto de vista mecânico causam fermentação. A partir daqui os gases se acumulam e podem causar dor. É verdade que a composição da dieta terá muito a ver com isso, mas um processo de mastigação insuficiente é considerado decisivo.

Como comer mais devagar?

Para comer rápido é preciso seguir várias dicas
Parece fácil, mas comer devagar pode se tornar muito difícil para algumas pessoas.

Você pode propor uma série de estratégias para comer mais devagar e melhorar sua saúde. Em primeiro lugar, será essencial evitar situações estressantes. Para isso, é preciso dormir adequadamente, pelo menos 7 ou 8 horas de qualidade, com o mínimo de interrupções possíveis. Suplementos de melatonina têm se mostrado eficientes na melhora desse parâmetro.

Deve-se levar em conta que uma boa noite de descanso melhora o funcionamento do binômio apetite-saciedade, de modo que o ganho de afetar o sono seria o dobro. Isso é evidenciado por pesquisas publicadas na revista Critical Reviews in Food Science and Nutrition. Além disso, quando o sono é ruim, a preferência por comestíveis de baixa qualidade tende a aumentar.

Será decisivo evitar iniciar as refeições com apetite excessivo. Para isso, você pode beber um copo de água fresca antes de começar a comer. É um mecanismo que possui várias evidências científicas sobre sua eficácia. Isso consegue aumentar a distensão do tecido do estômago e ativar os receptores que estimulam a saciedade.

De qualquer forma, a necessidade de cuidar do entorno não deve ser esquecida. É aconselhável evitar comer enquanto assiste televisão ou dispositivos móveis. Estes podem aumentar os níveis de estresse, levando a uma mastigação mais rápida e pior. Na medida do possível, será positivo criar uma atmosfera de relaxamento familiar, cuidando também das medidas de higiene durante o processo.

Até mesmo escolher os alimentos certos que vão compor suas refeições principais pode fazer a diferença. Não é bom começar comendo alimentos com sabor doce.

É melhor começar com um primeiro prato dominado por vegetais, como purês e saladas. Estes ajudarão a acalmar o apetite inicial, graças ao seu teor de fibras. Essa substância também ajuda a melhorar o trânsito intestinal, conforme afirma um estudo publicado na Nature Reviews.

Os suplementos podem ajudá-lo a comer devagar?

Alguns suplementos como a melatonina ajudam a melhorar a qualidade do sono, mantendo assim um bom estado emocional, reduzindo a ansiedade. Não é a única substância capaz de gerar um efeito desse tipo. Certos metabólitos do triptofano, como o 5-HTP, têm um benefício semelhante. Mesmo o próprio aminoácido consegue isso quando é incluído na dieta em doses suficientes.

Da mesma forma, substâncias como CBD (canabidiol) ou magnésio podem acalmar distúrbios emocionais. Isso facilitará a reflexão dos transtornos alimentares, por meio da má seleção de alimentos ou de comportamentos alimentares inadequados. A saúde a médio e longo prazo será favorecida.

Menção especial também deve ser feita ao papel da vitamina D. É um nutriente que pode ser sintetizado endogenamente através da exposição à luz solar. Na verdade, é encontrada em poucos alimentos e em baixas doses, portanto, a dieta não é a melhor maneira de garantir uma ingestão sólida e suficiente. Essa substância consegue influenciar a ansiedade e a inflamação no ambiente interno.

No entanto, é normal que mais da metade da população mantenha os níveis de vitamina D em faixas abaixo do recomendado. A médio prazo, isso representa um importante problema de saúde pública, pois dispara a incidência de diversas patologias crônicas e complexas. Isso influenciará até mesmo comportamentos tão rotineiros quanto comer rápido.

Para evitar chegar a uma situação deste estilo, o melhor é propor uma série de bons hábitos ao nível da exposição solar, ou optar pela suplementação. É importante neste último caso ter a supervisão de um profissional. O nutriente é solúvel em gordura e pode se acumular em doses excessivas. Não é algo frequente mas o risco existe e deve ser minimizado.

Comer rápido pode piorar os distúrbios intestinais

Comer rápido não é considerado prejudicial apenas para pessoas saudáveis. Também pode agravar os sintomas de quem já desenvolveu uma doença intestinal crônica. Hoje em dia, é cada vez mais comum sofrer de um destes problemas, como a colite ulcerosa ou a síndrome do intestino irritável. Ainda não há cura para nenhum dos dois.

Estamos falando de problemas de saúde que ocorrem com a rejeição de certos alimentos, com diarreia, com dores abdominais, com gases… Além disso, geralmente se identifica uma alteração da composição da microbiota em quem os sofre.

Não está muito claro se isso é uma causa ou consequência, mas o que se sabe com certeza é que afetar os microrganismos que habitam o intestino tem um impacto significativo no estado de saúde.

Quando esses tipos de condições são sofridos, o fato de não respeitar o processo de digestão em nível oral pode trazer uma série de consequências negativas. A sensação de dor pode aumentar quando o alimento passa pelo estômago ou intestino. A produção de gás também será maior e isso gerará desconforto permanente. Diarréia ou constipação podem até ser agravadas.

Nesses casos, é preciso cuidar dos comportamentos de higiene alimentar e tentar reduzir os níveis de ansiedade. O sistema nervoso é conhecido por gerar comunicação bidirecional com o intestino. Por esse motivo, influenciar os componentes de um pode afetar o outro. Seja como for, manter a estabilidade emocional o ajudará a comer mais devagar e também a atenuar os sintomas dessas patologias.

Até mesmo a suplementação probiótica poderia ser valorizada nesse contexto. As bactérias vivas conseguem melhorar a diversidade da microbiota e, com ela, suas funções. Isto é confirmado por um estudo publicado no Current Nutrition Reports.

A dor diminuirá gradualmente e os sintomas associados também. Desde que seja escolhida uma cepa correta de bactérias, é claro. Além disso, você experimentará uma mudança positiva em um nível emocional também. Os probióticos ajudam a prevenir a depressão.

A importância da educação para evitar comer rápido

Comer rápido nem sempre é recomendado
Para ter padrões alimentares saudáveis, é importante educar-se continuamente sobre bons hábitos alimentares.

Mesmo com tudo o que foi dito, é possível que muitas pessoas comam rapidamente por uma simples questão educacional. Eles viram seus pais agirem assim, ou cresceram em um ambiente de pressa, e aprenderam pela repetição. Nesse sentido, torna-se essencial estabelecer bons hábitos durante as primeiras fases da vida para manter um correto estado de saúde no futuro.

Não basta ensinar a comer de tudo, é preciso propor uma alimentação variada e equilibrada. Também é necessário transmitir os valores de higiene alimentar e bom comportamento à mesa na hora das refeições. Isso facilitará as relações sociais ao longo dos anos.

Também não devemos subestimar o risco de engasgar ao comer muito rápido, o que torna mais importante transmitir um certo estado de calma durante a infância. Neste momento, as crianças são mais propensas a ter problemas para engolir certos alimentos, então uma boa mastigação facilitará o processo.

Nesse sentido, os especialistas aconselham dedicar ao período de alimentação pelo menos 20 minutos por refeição. Desta forma, será gerado um ambiente descontraído que lhe permitirá comer com tranquilidade, minimizando todos os riscos expostos. O estado da composição corporal será beneficiado, conseguindo também uma digestão mais fácil posterior.

Comer rápido faz mal à saúde

Existem vários riscos associados a comer muito rápido. Portanto, não é um comportamento que deve ser replicado. Não só é necessário propor uma alimentação equilibrada e variada, outra série de bons hábitos relacionados com o processo alimentar também será decisivo para evitar alterações no estado de saúde.

Lembre-se que para manter o corpo funcional ao longo dos anos, será necessário promover uma série de rotinas em conjunto. A prática regular de atividade física deve ser promovida, dando especial ênfase ao trabalho de força. Também será essencial garantir a exposição regular e progressiva ao sol, evitando sempre queimaduras na pele.

Pode interessar a você...
Dieta para a acne
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Dieta para a acne

É possível planejar uma dieta para melhorar a acne, reduzindo a formação de espinhas e a inflamação delas.



  • Koliaki, C., Liatis, S., & Kokkinos, A. (2019). Obesity and cardiovascular disease: revisiting an old relationship. Metabolism: clinical and experimental92, 98–107. https://doi.org/10.1016/j.metabol.2018.10.011
  • Xie, Z., Chen, F., Li, W. A., Geng, X., Li, C., Meng, X., Feng, Y., Liu, W., & Yu, F. (2017). A review of sleep disorders and melatonin. Neurological research39(6), 559–565. https://doi.org/10.1080/01616412.2017.1315864
  • Muscogiuri, G., Barrea, L., Annunziata, G., Di Somma, C., Laudisio, D., Colao, A., & Savastano, S. (2019). Obesity and sleep disturbance: the chicken or the egg?. Critical reviews in food science and nutrition59(13), 2158–2165. https://doi.org/10.1080/10408398.2018.1506979
  • Jeong J. N. (2018). Effect of Pre-meal Water Consumption on Energy Intake and Satiety in Non-obese Young Adults. Clinical nutrition research7(4), 291–296. https://doi.org/10.7762/cnr.2018.7.4.291
  • Gill, S. K., Rossi, M., Bajka, B., & Whelan, K. (2021). Dietary fibre in gastrointestinal health and disease. Nature reviews. Gastroenterology & hepatology18(2), 101–116. https://doi.org/10.1038/s41575-020-00375-4
  • Mörkl, S., Butler, M. I., Holl, A., Cryan, J. F., & Dinan, T. G. (2020). Probiotics and the Microbiota-Gut-Brain Axis: Focus on Psychiatry. Current nutrition reports9(3), 171–182. https://doi.org/10.1007/s13668-020-00313-5

Los contenidos de esta publicación se redactan solo con fines informativos. En ningún momento pueden servir para facilitar o sustituir diagnósticos, tratamientos o recomentaciones provenientes de un profesional. Consulta con tu especialista de confianza ante cualquier duda y busca su aprobación antes de iniciar o someterse a cualquier procedimiento.