Diferenças entre hormônios e neurotransmissores

Os hormônios são secretados no sangue e os neurotransmissores na fenda sináptica. Suas funções são diferentes, mas são mais semelhantes do que podem parecer à primeira vista.
Diferenças entre hormônios e neurotransmissores
Samuel Antonio Sánchez Amador

Escrito e verificado por el biólogo Samuel Antonio Sánchez Amador em 11 Setembro, 2021.

Última atualização: 11 Setembro, 2021

O corpo humano requer o trabalho sinérgico de muitas substâncias para funcionar adequadamente. O sistema endócrino é uma peça essencial para explicar a comunicação sistêmica dentro do corpo, uma vez que os hormônios que são liberados no sangue atingem seus órgãos-alvo e permitem uma comunicação perfeita entre as diferentes partes do corpo. Quais são as diferenças entre hormônios e neurotransmissores?

Os hormônios pertencem ao sistema endócrino, mas os neurotransmissores estão incluídos no sistema nervoso. Embora ambos os grupos de compostos tenham a comunicação dentro do corpo como sua principal funcionalidade, nas linhas a seguir você verá que suas diferenças são muito extensas. Se você quiser explorar uma comparação detalhada entre hormônios e neurotransmissores, continue lendo.

Quais são as diferenças entre hormônios e neurotransmissores?

Hormônios e neurotransmissores são dois tipos de moléculas de sinalização química que são sintetizadas dentro do corpo dos animais. Sua função comum é estabelecer comunicação entre as células, mas, como você verá a seguir, existem mais diferenças do que semelhanças entre elas. Sem perder mais tempo, mostramos todas as diferenças entre hormônios e neurotransmissores.

1. Sistema endócrino e sistema nervoso

As diferenças entre hormônios e neurotransmissores incluem o sistema ao qual pertencem
Embora ambos os hormônios e neurotransmissores tenham uma função de comunicação entre as células, eles pertencem a sistemas diferentes. Em certos casos, como acontece na neuro-hipófise, esses sistemas entram em contato.

Por mais óbvia que essa distinção possa parecer, é necessário deixar claro, em primeiro lugar, que os neurotransmissores fazem parte do sistema nervoso, enquanto os hormônios estão incluídos no sistema endócrino. Na própria definição de cada um dos termos, você pode ver esta diferença vital: por exemplo, um hormônio é qualquer substância secretada pelas glândulas endócrinas.

Os hormônios são concebidos como elementos-chave para a comunicação celular, uma vez que sua função principal é enviar sinais entre tecidos distantes. As glândulas endócrinas são responsáveis por sua liberação e diferem das demais (apócrinas ou parácrinas) por não possuírem ducto excretor. Assim, os hormônios são despejados diretamente nos capilares sanguíneos e viajam no sangue até seu alvo.

Em vez disso, os neurotransmissores localizam seu volume funcional no sistema nervoso e sua ação é muito mais imediata. Esses compostos são liberados de um neurônio pré-sináptico e cruzam a sinapse (espaço) que separa a célula nervosa de seu alvo. Após a liberação, eles são recebidos pelo neurônio pós-sináptico e permitem a transmissão do impulso nervoso.

Assim, a primeira das diferenças entre hormônios e neurotransmissores está no sistema orgânico do qual fazem parte. Os hormônios nascem das glândulas endócrinas (sistema endócrino) e transportam sinais através do sangue, enquanto os neurotransmissores cruzam as sinapses neuronais e permitem a transmissão de impulsos (sistema nervoso).

2. Os hormônios são universais, mas os neurotransmissores são produzidos apenas por animais

Como já dissemos, nos animais vertebrados, os hormônios são responsáveis pela comunicação de órgãos e tecidos. Assim, eles desempenham um papel essencial nos processos fisiológicos como digestão, metabolismo, respiração, percepção sensorial, excreção, repouso, resposta ao estresse e muito mais. No entanto, esses não são os únicos seres vivos que os expressam.

As plantas também apresentam esses compostos, conhecidos na biologia como fitohormônios. Segundo fontes profissionais, essas moléculas exercem seu trabalho em concentrações muito baixas e alteram os padrões de crescimento dos vegetais, permitindo seu controle. Eles também modulam a queda das folhas, a floração, a formação dos frutos e a germinação das sementes.

Animais invertebrados apresentam componentes semelhantes aos hormônios, mas deve-se observar que estes não são secretados pelas glândulas endócrinas. Quando liberados pelas células nervosas básicas, eles são conhecidos como neuro -hormônios e modulam os padrões de crescimento e reprodução em insetos e outros seres vivos.

Com todas essas linhas, queremos refletir que os hormônios estão presentes em animais e plantas. Por outro lado, os neurotransmissores só se expressam em animais, pelo menos com sua função estrita: transmitir uma mensagem de neurônio para neurônio. Na falta de redes neurais, o termo “neurotransmissor” não pode ser aplicado a nenhum composto vegetal.

Embora alguns neurotransmissores sejam encontrados em vertebrados e plantas semelhantes, nas plantas eles não podem ser considerados como tal. Uma vez que as plantas não têm neurônios ou um sistema nervoso complexo, por definição elas não possuem neurotransmissores.

3. Os tipos dentro de cada categoria são diferentes

Até agora, descrevemos que os hormônios são endócrinos e estão em animais e plantas, enquanto os neurotransmissores são nervosos e são expressos apenas em vertebrados. A seguir, revisamos as categorias dentro de cada um desses grupos de moléculas de maneiras diferentes.

Tipos de hormônios

Os tipos de hormônios podem ser resumidos na seguinte lista:

  • Derivados de aminoácidos: como o nome sugere, esses hormônios são derivados de aminoácidos, moléculas orgânicas que constituem a espinha dorsal das proteínas. As bases desses compostos hormonais são a tirosina e o triptofano.
  • Peptídicos: os hormônios peptídicos são compostos de peptídeos (cadeias de aminoácidos) de comprimento variável. Como não conseguem atravessar a membrana celular, esses compostos apresentam receptores-alvo na superfície do órgão / tecido-alvo. Como curiosidade, deve-se destacar que eles constituem uma parte importante das práticas de doping no esporte.
  • Lípidicos: como o próprio nome sugere, são compostos orgânicos de natureza lipídica. Por serem lipofílicos (eles têm afinidade por lipídios), eles podem atravessar a membrana celular (que é abundante em fosfolipídios), então seus receptores-alvo são encontrados dentro da célula, especificamente no citosol.

Como você pode ver, os hormônios são classificados de acordo com sua composição química e sua capacidade de entrar (ou não) dentro da célula-alvo. Mais de 50 compostos hormonais diferentes foram detectados em humanos e outros animais, conforme indicado pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos.

Tipos de neurotransmissores

Os tipos de neurotransmissores estão resumidos na seguinte lista:

  • Aminoácidos: Aminoácidos como glutamato, aspartato e glicina atuam como neurotransmissores. Também fazem parte das proteínas, pois lembramos que são formadas por 100 a 300 aminoácidos ordenados de maneira específica.
  • Moléculas de sinalização gasosa: Por exemplo, óxido nítrico e monóxido de carbono são substâncias gasosas capazes de passar através da membrana celular e agir como neurotransmissores.
  • Aminas traço: são compostos endógenos considerados neuromoduladores de monoaminas.
  • Peptídeos : dentro deste grupo estão os neurotransmissores mais famosos, como a oxitocina, a somatostatina e os peptídeos opióides. Muitos deles estão relacionados aos mecanismos de recompensa do circuito cerebral e aos vícios.
  • Purinas: as purinas (bases nitrogenadas) também raramente podem atuar como neurotransmissores.

As diferenças entre hormônios e neurotransmissores nessa frente podem ser resumidas em um ponto muito simples: os neurotransmissores relatam uma variedade maior em termos de composição química. Cerca de 40 neurotransmissores foram registrados no cérebro humano, mas estima-se que mais de 500 existam na natureza.

4. Trabalho remoto e trabalho imediato

Os hormônios são secretados no sangue e os neurotransmissores na fenda sináptica. Suas funções são diferentes, mas são mais semelhantes do que podem parecer à primeira vista.
Embora os hormônios tenham uma poderosa capacidade de ação, eles precisam viajar pela corrente sanguínea para exercer seu efeito, o que o retarda. O sistema nervoso age mais rapidamente.

Como indica a Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos, os hormônios são mensageiros muito poderosos e leva apenas uma pequena quantidade para causar grandes mudanças no corpo.

De qualquer forma, esses compostos agem lentamente, pois precisam ser liberados pelas glândulas, viajar pelo sistema sangüíneo, chegar ao receptor da célula-alvo e estimulá-lo.

Por essas razões, os tratamentos hormonais geralmente não começam a relatar efeitos positivos até 1 ou 2 semanas após o início. Por outro lado, a ação dos neurotransmissores é muito mais imediata, pois basta que eles sejam liberados e percorram o espaço sináptico antes de atingir o alvo. A lacuna entre os neurônios não excede 20-30 nanômetros.

Devido ao imediatismo da ação dos neurotransmissores, uma mensagem enviada do cérebro para qualquer parte do corpo leva menos de 2 décimos de segundo, atingindo a velocidade de 360 quilômetros por hora. As diferenças entre hormônios e neurotransmissores nesta frente contam por si mesmas: os neurotransmissores exercem seu efeito muito mais rápido.

Os hormônios levam de minutos a dias para agir, enquanto os neurotransmissores levam alguns milissegundos.

5. Outras diferenças entre neurônios e neurotransmissores

Nos pontos citados, coletamos as diferenças mais importantes entre neurônios e neurotransmissores, mas existem muito mais. Nós os apresentamos resumidamente na lista a seguir:

  1. Os neurotransmissores cruzam apenas a fenda sináptica para atingir o alvo, enquanto os hormônios devem viajar parte da corrente sanguínea.
  2. Os hormônios controlam o crescimento, o desenvolvimento e a reprodução. Por outro lado, os neurotransmissores estão limitados ao campo de transmissão do sinal nervoso.
  3. Os hormônios regulam os tecidos distantes por meio de receptores intracelulares ou extracelulares, enquanto os neurotransmissores afetam apenas o neurônio pós-sináptico imediatamente próximo ao local onde foram liberados.

Embora as diferenças entre as duas moléculas pareçam muito claras, é necessário enfatizar que alguns neurotransmissores atuam como hormônios em determinadas situações. Eles são chamados de neuro-hormônios, uma vez que são liberados no sangue em vez da fenda pré-sináptica, apesar de não serem hormônios para uso. No entanto, esse comportamento esporádico não é a norma.

Critérios do neurotransmissor

Embora nenhum hormônio seja capaz de ser transportado como neurotransmissor, há situações em que ocorre o contrário. Por esse motivo, a linha que divide os dois compostos está ficando cada vez mais fraca. Na tentativa de circunscrever melhor os neurotransmissores e separá-los de outras moléculas, os seguintes requisitos são postulados:

  1. A substância que é liberada no espaço sináptico deve estar dentro do neurônio. Se viesse de algum lugar diferente do corpo neuronal, não poderia ser considerado um neurotransmissor.
  2. As enzimas que permitem a síntese do neurotransmissor também devem ser encontradas naturalmente dentro do neurônio. Criar esses compostos é muito complexo, portanto, para um neurotransmissor ser considerado como tal, todas as ferramentas para montá-lo devem ser encontradas no ambiente neural.
  3. O efeito do neurotransmissor deve ser o mesmo em todos os cenários possíveis.

Diferenças entre neurônios e neurotransmissores: não tantos quanto pode parecer

Diferenciar um neurotransmissor de um hormônio é simples, uma vez que um composto hormonal nunca será secretado por um neurônio no espaço sináptico, nem produzirá um impulso elétrico. De qualquer forma, a existência de neuro-hormônios complica muito a questão, já que vários neurotransmissores podem ser liberados no sangue e estimular células distantes.

Assim, as diferenças que mencionamos são gerais, mas sempre há exceções à regra. Afinal, o que define toda substância é seu comportamento no plano fisiológico e sua composição química, não a categoria a que pertence.

Pode interessar a você...
Células Natural Killer: características e funções
Muy SaludLeia em Muy Salud
Células Natural Killer: características e funções

As células Natural Killer são um tipo de linfócito ligado à imunidade inata do organismo. Elas destroem células cancerosas e patógenos