7 benefícios da compaixão de acordo com a ciência

Entre os benefícios da compaixão comprovados pela ciência, descobrimos que ela reduz a depressão e pode melhorar os sintomas de estresse no trabalho.

Esses sete benefícios da compaixão abrangem os aspectos físicos, emocionais e mentais e foram comprovados pela ciência. Muitas pessoas confundem compaixão com empatia, pois a assimilam com a capacidade de se colocar no lugar do outro. No entanto, existem grandes diferenças.

Alguns estudos sugerem que a compaixão é um sentimento inato essencial para os relacionamentos humanos. Além disso, é interpretado como uma “emoção dolorosa” que se origina justamente do infortúnio ou da dor alheia. Em qualquer caso, é vista como essencial para preservar a existência de vida.

Empatia é, segundo várias pesquisas, a percepção que temos de alguém em relação aos seus sentimentos, pensamentos e ações, entendendo que suas ações se originam como uma reação a eles.

A diferença entre os dois sentimentos é que a compaixão vai além da empatia. Uma pessoa compassiva, além de pensar e sentir a dor do outro e relacioná-la com a sua própria dor, toma a decisão de ajudá-la a superar o que causa aquele sentimento de infelicidade. Assim, a compaixão é considerada um nível mais alto de empatia.

Como aumentar a compaixão?

Os benefícios da compaixão são muitos.
Melhorar a compaixão e, portanto, a empatia, pode ser uma meta importante para se tornar pessoas melhores.

Como já mencionamos, a compaixão é um sentimento inato do ser humano. No entanto, pode ser estimulado por meio de algumas técnicas de meditação, como o mindfulness. Essa técnica, especificamente, mistura a capacidade de atenção e consciência, focada no presente.

Um estudo que buscou verificar os efeitos da meditação sobre os sentimentos de compaixão das pessoas tomou como amostra 36 pessoas divididas em dois grupos. Todos participaram de uma discussão sobre compaixão, mas apenas um dos grupos fez treinamento de meditação.

Em seguida, foi encenada uma situação em que os atores eram indiferentes a uma pessoa supostamente doente que usava muletas e por causa de sua dor não conseguia sentar-se. O 50% do grupo que recebeu treinamento de meditação tentou ajudar o ator de muletas, enquanto apenas 15% dos que não fizeram o treinamento tentaram ajudar.

Os pesquisadores concluíram que a prática da meditação desperta um sentimento altruísta nas pessoas. Isso significa que as pessoas deixam de sentir uma possível empatia e passam a agir com compaixão, deixando de lado o efeito espectador.

Os 7 benefícios da compaixão de acordo com a ciência

Você provavelmente já experimentou o sentimento de compaixão muitas vezes. Às vezes você tem consciência disso, às vezes nem tanto, mas agora você pode se lembrar disso. Vamos falar sobre os sete benefícios mais importantes da compaixão de acordo com a ciência:

1. Diminui a depressão

Estudos sobre a Terapia Focada na Compaixão ou CFT, que é usada comumente e com sucesso em psicoterapia, indicaram que ela tem uma relação clara com a redução da depressão. Uma investigação particular explica que a aplicação do CFT reduz, além da depressão, a ansiedade, a autocrítica e o sentimento de inferioridade.

De acordo com os resultados desse estudo, um mês dessa terapia baseada na compaixão aumenta os níveis de autocompaixão. Isso significa que aqueles que aplicam os princípios da compaixão a si mesmos reduzem a depressão e a ansiedade, e até mesmo o estresse.

2. Estimula atitudes positivas

A pesquisa citada acima também indica que a prática da compaixão dirigida às outras pessoas, sejam elas conhecidas ou não, estimula e aumenta as atitudes positivas. Além disso, praticar a compaixão também aumenta os sentimentos positivos de afiliação e bondade.

Isso acontece porque, depois de praticar a compaixão, os circuitos cerebrais relacionados aos sentimentos positivos são ativados. O que pode indicar que, quanto mais compassivo você for, mais esse tipo de sentimento despertará em você, o que o ajudará a ser uma pessoa mais compassiva sem ter sentimentos de pena.

3. Diminui o estresse no trabalho

O estresse no trabalho, também conhecido como burnout ou síndrome de esgotamento profissional, é um distúrbio emocional. Afeta o estilo de vida que o trabalhador leva em relação ao ambiente e às condições de trabalho e pode ter graves consequências no nível físico e psicológico. Entre os sintomas mais comuns estão depressão e ansiedade.

Esse é um fenômeno muito comum em profissionais de saúde como enfermeiros e médicos. Estudos científicos que buscam identificar os efeitos do Treinamento do Cultivo da Compaixão (CCT) nesses tipos de trabalhadores descobriram que este é um mecanismo que melhora vários aspectos da saúde.

4. Fortalece o sistema imunológico

Durante anos, as pesquisas determinaram a relação inegável entre o estresse de qualquer tipo e um sistema imunológico fraco.

Levando em consideração que o mindfulness associado à terapia compassiva reduz o estresse e os efeitos que ela causa no corpo, pode-se inferir que ser compassivo fortalece o sistema imunológico.

Mas isso não é tudo, um estudo mais aprofundado sobre a relação entre compaixão e fortalecimento do sistema imunológico indica que o apoio emocional de uma pessoa amada ou de confiança aumenta a velocidade da cura. Esse processo fisiológico está bem ligado ao bem-estar do sistema imunológico.

5. Reduz a pressão arterial

Os benefícios da compaixão
Muitos dos efeitos para a saúde desse tipo de empatia foram comprovados.

A pressão arterial, em alguns casos, é outro sintoma de estresse que não escapa aos benefícios da compaixão. Um estudo realizado pela Brigham Young University mostrou que o contato compassivo entre os casais reduz a pressão arterial em quem recebe esse tipo de contato a médio prazo.

Outra pesquisa conduzida pela Universidade do Colorado indica que os pacientes admitidos por ataques cardíacos e cirurgias mais complexas, e que recebem atendimento compassivo ou apoio emocional de profissionais de saúde, têm uma recuperação maior do que aqueles que recebem atendimento padrão.

6. Diminui a dor crônica

Doenças como fibromialgia, esclerodermia ou fadiga crônica podem gerar dor crônica difícil de suportar em nível físico e mental. No entanto, um estudo sobre o impacto do treinamento compassivo mostrou que a compaixão pode aliviar a dor crônica.

Além disso, a prática da compaixão também pode aliviar os sentimentos de raiva e sofrimento mental associados a essa condição.

7. Atua como paliativo em casos de pacientes terminais

Os pacientes terminais estão expostos a uma enorme quantidade de dores e problemas psicológicos. A medicina paliativa tem sido responsável por fornecer tratamentos que permitem que uma boa qualidade de vida seja preservada por mais tempo. O último dos benefícios da compaixão que listamos tem a ver com isso.

Um estudo que testou pacientes com câncer de pulmão em estágio terminal provou que a compaixão como tratamento paliativo teve efeitos importantes. Especificamente, os resultados publicados no New England Journal of Medicine indicaram que aqueles que tiveram uma abordagem compassiva aumentaram sua qualidade de vida.

Embora isso pareça óbvio, com base nos benefícios já mencionados, os pesquisadores descobriram que essa terapia também teve um efeito na expectativa de vida. Aqueles que participaram do experimento aumentaram sua expectativa de vida em 30%.

Alimente a compaixão e obtenha seus benefícios

Como você pode ver, os benefícios da compaixão são muitos. Eles não impactam apenas na saúde física, mas também na mental e psicológica. Praticar a compaixão é simples, requer dar um passo além do sentimento inato de sentir a dor ou angústia dos outros. Trata-se de deixar de ser espectador para agir como um agente de mudança.

  • Adriana Mosquera Pulido. La compasión, un componente de humanización en la propuesta emergente del desarrollo humano. Universidad Externado de Colombia, 2018. Disponible en: https://bdigital.uexternado.edu.co/bitstream/001/1306/1/CBA-Spa-2018-La_compasi%C3%B3n_un_componente_de_humanizaci%C3%B3n_en_la_propuesta_emergente_del_desarrollo_humano_Trabajo_de_Grado.pdf
  • Rivero, Marcelo. (2019). Empatía, el arte de entender a los demás. 10.13140/RG.2.2.30510.97605.
  • Marta Alonso. Compasión en la práctica clínica: una revisión conceptual y empírica. Disponible en: http://www.fundacionomie.org/wp-content/uploads/Art%C3%ADculo-Compasi%C3%B3n-en-la-Pr%C3%A1ctica-Cl%C3%ADnica-Marta-Alonso-Revista-Actas-de-Psiquiatr%C3%ADa.pdf
  • Janina Scarlet, Nathanael Altmeyer, Susan Knier, R. Edward Harpin. The effects of Compassion Cultivation Training (CCT) on health‐care workers. Clinical Psychologist. Vçol. 21. Issue 2. Pág. 116-124. https://doi.org/10.1111/cp.12130
  • Sánchez Segura, Miriam, González García, René Marcos, Cos Padrón, Yanelkys, & Macías Abraham, Consuelo. (2007). Estrés y sistema inmune. Revista Cubana de Hematología, Inmunología y Hemoterapia, 23(2) Recuperado en 21 de marzo de 2021, de http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0864-02892007000200001&lng=es&tlng=es.
  • Kiecolt-Glaser JK, Loving TJ, Stowell JR, Malarkey WB, Lemeshow S, Dickinson SL, Glaser R. Hostile marital interactions, proinflammatory cytokine production, and wound healing. Arch Gen Psychiatry. 2005 Dec;62(12):1377-84. doi: 10.1001/archpsyc.62.12.1377. PMID: 16330726.
  • Mumford, E., Schlesinger, H. J., & Glass, G. V. (1982). The effect of psychological intervention on recovery from surgery and heart attacks: an analysis of the literature. American journal of public health, 72(2), 141–151. https://doi.org/10.2105/ajph.72.2.141
  • G. Ruchelli, H. Chapin, B. Darnall, E. Seppala, J. Doty, S. Mackey. Compassion meditation training for people living with chronic pain and their significant others: a pilot study and mixed-methods analysis. COMPLEMENTARY/ALTERNATIVE MEDICINE| VOLUME 15, ISSUE 4, SUPPLEMENT , S117, APRIL 01, 2014. DOI:https://doi.org/10.1016/j.jpain.2014.01.479
  • Temel, Jennifer & Greer, Joseph & Muzikansky, Alona & Gallagher, Emily & Admane, Sonal & Jackson, Vicki & Dahlin, Constance & Blinderman, Craig & Jacobsen, Juliet & Pirl, William & Billings, John & Lynch, Thomas. (2010). Early Palliative Care for Patients with Metastatic Non-Small-Cell Lung Cancer. The New England journal of medicine. 363. 733-42. 10.1056/NEJMoa1000678.