O que são fobias? Descubra seus sintomas e características

Existem situações que você evita ou das quais foge porque tem um medo intenso? Em alguns casos, você sente terror ou medo de um objeto, animal ou situação? Nesse caso, você pode ter uma fobia.
O que são fobias? Descubra seus sintomas e características
Bernardo Peña

Escrito e verificado por el psicólogo Bernardo Peña.

Última atualização: 23 dezembro, 2022

O que são fobias? A palavra fobia vem da palavra grega “fobos”, que significa medo, pânico e terror. Consiste no medo excessivo, irracional e persistente de um objeto, atividade ou situação que provoca um desejo intenso de evitar. O medo deve ser reconhecido pelo próprio sujeito como excessivo e irracional e o comportamento de evitação envolvido deve causar algum grau de deficiência ou prejuízo no comportamento adaptativo.

Tipos de fobias

Três tipos de fobias podem ser distinguidos:

  • Agorafobia.
  • Fobia social.
  • Fobia simples.

Agorafobia

Refere-se ao medo de ficar sozinho em lugares abertos ou lotados. Na verdade, o que se teme é sofrer um sintoma incapacitante, como um ataque de pânico. Embora também possa se referir a circunstâncias como desmaios, quedas, urinar, vômitos, etc. O medo também pode se referir a situações em que pode ser difícil sair ou procurar ajuda se os sintomas aparecerem repentinamente.

Como resultado dessa ansiedade antecipatória, o sujeito evita esses tipos de situações ou lugares, como viagens, compras, filas, etc. Outra opção é encontrar uma pessoa para acompanhá-lo e ajudá-lo, caso ocorra o sintoma. Nos casos mais graves, o paciente fica em casa sem sair.

Na maioria dos casos, está associado a ataques de pânico, constituindo, neste caso, um transtorno de crise de pânico com agorafobia. A agorafobia sem ataques de pânico é mais típica do final da adolescência, enquanto a agorafobia com ataques de pânico ocorre por volta dos 30 anos. Esse distúrbio responde a antidepressivos, principalmente SSRIs e alprazolam.

fobias

Fobia social

Consiste no medo de situações em que o indivíduo possa ser exposto à observação de outros, como situações de desempenho social. São situações em que a pessoa pode estar sujeita ao olhar de outrem e nas quais o sujeito pode temer agir de forma humilhante ou constrangedora.

Por exemplo, falar em público é, sem dúvida, o medo social mais frequente; outros podem ser comer em público, usar serviços públicos, escrever na presença de outras pessoas, etc.

Dois tipos de fobia social podem ser distinguidos:

  • Específico ou circunscrito a determinadas situações, onde o mais comum é falar em público. Esses pacientes geralmente sofreram mais experiências de episódios de condicionamento ou traumáticos.
  • Generalizado para a maioria das situações de interação socia: é caracterizado por níveis mais elevados de neuroticismo e histórico de timidez no desenvolvimento da pessoa. Esses pacientes são mais introvertidos.

Vieses cognitivos em torno da fobia social

  • Os fóbicos sociais têm padrões muito elevados e são perfeccionistas quanto ao que é interação social adequada. Eles são muito rígidos ao julgar a qualidade ou a satisfação de um relacionamento social. Isso pode estar relacionado à sua grande sensibilidade à rejeição e às críticas e também pode torná-los mais dependentes.
  • Se compararmos sua própria avaliação de seu desempenho social com a de outros, eles se julgam muito mais negativamente. Eles nunca estão satisfeitos com seu desempenho social; eles pensam que são mais desajeitados e menos habilidosos do que realmente são.
  • Segundo o julgamento dos observadores independentes, o comportamento social dos fóbicos sociais após serem tratados com terapia comportamental e terapia cognitiva é equivalente. Mas, segundo eles, após a terapia comportamental eles ainda são julgados como socialmente desajustados e socialmente inadequados. É melhor combinar ambos os tipos de terapia, que é conhecida como terapia cognitiva comportamental.
Mulher chorando

Fobia simples

São medos persistentes de estímulos específicos ou situações diferentes das anteriores. Por exemplo, animais, alturas, espaços fechados, escuridão, sangue, etc. Na verdade, seus correlatos fisiológicos são opostos aos das outras fobias, consistindo em diminuições na atividade simpática e aumentos na atividade parassimpática.

Uma análise perceptual pré-atenciosa e inconsciente, via amígdala, de estímulos fóbicos, como cobras, aranhas, etc., é suficiente para provocar reações emocionais. Isso indica uma tendência pré -atencional no nível automático.
Indivíduos com fobia, em geral, e aqueles com agorafobia, em particular, apresentam personalidades claramente dependentes.

Presume-se que os agorafóbicos foram superprotegidos quando crianças. A superproteção extrema durante a infância pode privar as crianças da oportunidade de desenvolver um senso de domínio e controle. Isso pode criar uma vulnerabilidade psicológica para experimentar eventos negativos subsequentes de forma ansiosa.

Isso está relacionado à ansiedade de separação das figuras parentais, estudada como precursora de ataques de pânico e agorafobia. A ansiedade de separação tem mais probabilidade de ocorrer em um contexto de superproteção.

O grau de neuroticismo e reatividade autonômica é maior na agorafobia, menor na fobia social e praticamente normal na fobia simples. A importância do aprendizado e dos fatores condicionantes na gênese e manutenção desses transtornos segue uma gradação inversa à anterior.

Conclusões sobre as fobias

Em conclusão, as fobias são transtornos psicopatológicos intimamente relacionados à ansiedade. Deve-se notar que conhecer a origem da fobia e explicar por que ela ocorre não é suficiente para resolvê-la. Na verdade, muitos pacientes conhecem perfeitamente bem a origem de seus medos.

Portanto, o tratamento cognitivo-comportamental é importante. Ou seja, enfrentar o medo diretamente e trabalhar com as respostas cognitivas e emocionais.

Pode interessar a você...
As 15 fobias mais comuns
Muy Salud
Leia em Muy Salud
As 15 fobias mais comuns

As fobias são descritas como um medo irracional e patológico. Descubra as 15 fobias mais comuns, suas características e causas.



  • Cejudo de la Sierra, R., & Fernández Mesa, A. (2017). Fobia social: un fenómeno incapacitante. Revista Electrónica de Psicología Iztacala18(2), 836-851.
  • Moreno, J. R. (2017). Comprender la ansiedad, las fobias y el estrés. Ediciones Pirámide.
  • Resnik, P. (2016). Ansiedad, estrés, pánico y fobias: 100 preguntas, 101 respuestas. B DE BOOKS.

Los contenidos de esta publicación se redactan solo con fines informativos. En ningún momento pueden servir para facilitar o sustituir diagnósticos, tratamientos o recomentaciones provenientes de un profesional. Consulta con tu especialista de confianza ante cualquier duda y busca su aprobación antes de iniciar o someterse a cualquier procedimiento.