O que é diclofenaco e para que ele serve?

O diclofenaco é um medicamento geralmente usado para tratar a dor e a inflamação. Embora ele geralmente seja bem tolerado, também pode provocar alguns efeitos adversos que vale a pena conhecer.
O que é diclofenaco e para que ele serve?
Samuel Antonio Sánchez Amador

Escrito e verificado por el biólogo Samuel Antonio Sánchez Amador em 12 Setembro, 2021.

Última atualização: 12 Setembro, 2021

O diclofenaco é um medicamento anti-inflamatório não esteroide (AINE) derivado arilo-acético usado para tratar doenças inflamatórias e dor. A redução de ambas é alcançada por meio da inibição da enzima ciclooxigenase, que é fundamental na síntese das prostaglandinas. Ele pode ser prescrito por via oral, como supositório retal, injeção ou gel tópico.

Cabe destacar que diclofenaco é o nome do princípio ativo, mas os medicamentos que o contêm podem ter diversos nomes, que variam de acordo com o fabricante. Alguns deles são: Artrotec ®, Di Retard ®, Dicloabac ®, Dolo Voltaren ®, Dolotren ®, Luase ®, Normuen ® e Voltaren ®.

Esse medicamento foi patenteado em 1965 e começou a ser usado nos Estados Unidos em 1988. Em 2018, o diclofenaco era o 72º medicamento mais receitado, com mais de 11 milhões de prescrições anuais somente nesta região.

Para que o diclofenaco é usado?

Como já dissemos, o diclofenaco é um anti-inflamatório não esteroide (AINE). Geralmente, esse grupo de medicamentos é prescrito para reduzir a dor, febre e as respostas inflamatórias.

O diclofenaco faz parte do grupo dos ácidos fenilacéticos, sendo especializado na redução da inflamação. Além disso, ele possui certas propriedades analgésicas e antipiréticas compartilhadas com outros AINEs. Para atingir sua funcionalidade, esse medicamento inibe a ação das enzimas ciclooxigenase 1 (COX-1) e ciclooxigenase 2 (COX-2).

Esses grupos enzimáticos são vitais para a formação de prostaglandinas, prostaciclinas e tromboxanos. Esses 3 compostos promovem respostas inflamatórias e participam da percepção da dor (nocicepção).

A inibição da COX-2 parece estar bastante localizada no tecido alvo (líquido sinovial e articulações), conforme indicado pelo portal Statpearls. No entanto, a ação antagônica em relação à COX em outras áreas (como o estômago) pode causar o esgotamento das respostas protetoras e certos efeitos colaterais, como irritação gástrica.

Usos gerais

O diclofenaco é um medicamento que pode ser usado em vários casos, como costuma acontecer com muitos AINEs. Na lista a seguir mencionamos os usos mais comuns:

  • Doenças reumáticas inflamatórias crônicas: artrite reumatoide, espondiloartrite anquilopoiética e artrose, entre outras.
  • Reumatismo extra-articular.
  • Ataques agudos de gota.
  • Cólicas menstruais.
  • Inflamação pós traumática.
  • Dor causada por pedras nos rins e na vesícula biliar.
  • Dor após uma cirurgia, especialmente se ela estiver acompanhada de reações inflamatórias.

Embora os usos estritamente aprovados pela Food and Drug Administration (FDA) sejam mais ou menos limitados, este medicamento também é prescrito off-label para muitas outras coisas. Por exemplo, para o controle de sintomas de quadros como cálculos biliares, abrasão da córnea, febre, gota, enxaqueca, mialgia e para controlar a dor após uma episiotomia.

O diclofenaco tem muitos usos. Reduzir a inflamação e a dor nos distúrbios musculoesqueléticos é o mais comum atualmente.

Como o diclofenaco é administrado?

Apresentar a posologia completa do diclofenaco é uma tarefa muito complexa pois, como já dissemos, ele apresenta formas de administração muito diferentes. Em qualquer caso, dividimos a dose e a ingestão de acordo com a via de entrada do medicamento no organismo nas linhas a seguir.

O diclofenaco é um medicamento geralmente usado para tratar a dor e a inflamação.
A apresentação oral do diclofenaco é a mais difundida, mas ele também é comercializado na forma de gel para uso tópico.

Comprimidos para ingestão oral

Vamos nos aprofundar mais nesta variação, pois com certeza ela é a forma mais prescrita para o ambiente doméstico. Especificamente, examinaremos a bula do Diclofenaco CINFA 50 mg ®. Cada comprimido revestido desta marca contém 50 miligramas de princípio ativo, e sua dosagem pode ser resumida nos seguintes pontos:

  • Adultos e maiores de 14 anos: para os casos de dor leve, recomenda-se 100 miligramas por dia, ou seja, 2 comprimidos divididos em 2 doses diferentes. O limite de 150 miligramas por dia (3 comprimidos em 3 doses) não deve ser excedido.
  • Para cólicas menstruais: neste caso é concebido um espectro ligeiramente mais amplo, de 50 miligramas (1 comprimido) a 200 miligramas (4 comprimidos). O tratamento deve começar assim que o primeiro sintoma for observado e pode continuar por mais alguns dias.

Em todos os casos, o medicamento deve ser ingerido sem mastigar ou chupar, inteiro e com o auxílio de um copo d’água. É aconselhável tomá-lo antes de comer e com o estômago vazio.

Gel para administração tópica

Nesse caso utilizamos a bula do Diclofenac Kern Pharma 11,6 mg/g gel®. Apresentamos a seguir a dosagem para aplicação cutânea:

  • Adultos e adolescentes com mais de 14 anos: aplicar 3 ou 4 vezes por dia uma pequena camada de gel na parte inchada e dolorida. A quantidade de medicamento dependerá da extensão do local inflamado.
  • Crianças com menos de 14 anos: não existem dados suficientes para garantir a eficácia deste medicamento em crianças pequenas. Portanto, o uso não é recomendado.

O gel deve ser aplicado de forma suave e com massagens repetidas na área afetada. Após o uso é necessário lavar bem as mãos.

Solução para administração intravenosa

A bula utilizada neste caso é a do DICLOFENACO LLORENS 75 mg SOLUCION INJETÁVEL EFG®. Este medicamento é distribuído na forma de ampola para ser injetado por via intramuscular, especificamente como uma injeção intraglútea profunda no quadrante superior direito.

A dose recomendada é de 1 ampola (75 miligramas) uma vez ao dia. De qualquer forma, em casos mais graves esta dose pode ser duplicada com uma segunda injeção. Esta variação do medicamento não deve ser administrada por mais de 2 dias.

Supositório para administração retal

Por fim, apresentamos a variação de aplicação por via retal com base na bula do DICLOFENACO LLORENS 100 mg SUPOSITÓRIOS EFG ®. Nesse caso, a dose principal é de 1 supositório por dia (100 miligramas).

As doses são um pouco mais altas no caso de cólicas menstruais, de 50 a 200 miligramas por dia. A administração é por via retal, mas se esta se complica e o supositório estiver muito duro, ele pode ser resfriado na geladeira por alguns minutos antes da aplicação. A paciente não deve dividir os supositórios em pedaços, muito menos tomá-los por via oral.

Quem não deve tomar diclofenaco?

Em primeiro lugar, qualquer paciente que tenha apresentado reações de hipersensibilidade ao medicamento ou a qualquer um dos componentes não deve tomar diclofenaco em nenhuma de suas formas. Ele também não pode ser ingerido por pessoas com alergia a ácido acetilsalicílico (aspirina) ou a outros analgésicos vendidos sem receita.

Ele é contraindicado para pacientes com risco evidente de sofrer doenças cardiovasculares, como acidente vascular cerebral (AVC). Pelo mesmo motivo, ele não deve ser utilizado para o alívio da dor após cirurgias que envolvam o coração ou estruturas associadas.

Este medicamento também não costuma ser usado para controlar a dor em pessoas com úlceras gástricas e outras condições que tenham provocado lesões no sistema digestivo. Como já dissemos, sintomas gastrointestinais são muito comuns depois de tomar AINEs.

Quais são os possíveis efeitos colaterais?

Como qualquer outro medicamento existente, o diclofenaco pode causar certos efeitos colaterais de curto e longo prazo. Eles serão apresentamos a seguir, com base nos sintomas dos comprimidos de uso oral.

Começamos com os efeitos colaterais comuns que podem afetar até 1 em cada 10 pessoas:

  • Doenças do sistema nervoso: dor de cabeça e tontura.
  • Distúrbios no ouvido e labirinto: vertigem.
  • Problemas gastrointestinais: vômitos, náuseas, diarreia, azia, dor abdominal, gases e falta de apetite.
  • Distúrbios hepatobiliares: aumento das transaminases séricas.
  • Distúrbios de pele: erupções cutâneas.

Os efeitos adversos pouco frequentes (1 em 100 pessoas) geralmente se manifestam na forma de doenças cardiovasculares. Os sintomas são palpitações, dores repentinas no peito, falta de ar e inchaço nas extremidades.

Os efeitos adversos raros (até 1 em 1000 pessoas) também são múltiplos e podem ser agrupados por sistemas. Em qualquer caso, entre todos eles destacamos o inchaço facial, dificuldade para engolir, urticária, febre, sonolência e cólicas abdominais.

O que acontece se eu esquecer uma dose?

Caso se esqueça de uma dose na forma de comprimido oral (presumindo que esse seja o seu tratamento), tome-a assim que se lembrar. No entanto, se você já estiver no dia seguinte ou no horário da próxima dose, é melhor pular a dose esquecida e continuar com o tratamento normalmente. Nunca tome 2 ou mais comprimidos para neutralizar o esquecimento.

O diclofenaco é um medicamento da família dos anti-inflamatórios não esteroides, sendo frequentemente usado no tratamento da dor e inflamação.
A gastrite é um dos efeitos adversos mais comuns de todos os AINEs.

O que devo fazer em caso de overdose?

Em caso de overdose ou ingestão acidental de diclofenaco, entre imediatamente em contato com o seu médico, farmacêutico, com um pronto-socorro ou Serviço de Informação Toxicológica. Embora as fontes citadas anteriormente enfatizem que a toxicidade deste medicamento é baixa e não produz sinais clínicos graves, estes são os mais comuns:

  • Náusea e vômito.
  • Dor de estomago.
  • Fezes sanguinolentas.
  • Vômito de uma substância estranha de cor marrom.
  • Sonolência e respiração lenta.

Uma overdose em quantidade pequena se manifesta de forma quase exclusiva no trato gastrointestinal. Convulsões, perda de consciência, acidose metabólica e coma são limitados a intoxicações graves.

Como armazenar e descartar este medicamento?

Se você estiver tomando diclofenaco na forma oral, a única especificação é manter a caixa de comprimidos fora do alcance de crianças e em um ambiente cuja temperatura não seja superior a 30 graus Celsius. Por outro lado, na forma de supositórios é dada uma ênfase especial no fato de que é preciso mantê-los afastados de fontes de calor. Na forma de pomada, a validade máxima após a abertura do recipiente é de 12 meses.

Qualquer que seja a variação prescrita, não a jogue no lixo ou no vaso sanitário, pois isso pode provocar danos ao meio ambiente. Dirija-se a um local autorizado em sua região para o descarte de medicamentos. Por exemplo, na Espanha, há um ponto de coleta SIGRE na saída de quase todas as farmácias.

Notas finais sobre diclofenaco

O diclofenaco é um anti-inflamatório não esteroide (AINE) usado para aliviar a dor e a inflamação em muitas condições clínicas, desde dores menstruais até artrite. Geralmente ele é bem tolerado pelo público em geral, mas como já dissemos, o uso deve ser evitado em pacientes com histórico de problemas cardiovasculares e lesões gastrointestinais.

Lembre-se de que este medicamento alivia a dor e a inflamação, mas pode não resolver por si só a causa do quadro clínico. Por isso, é comum que ele seja prescrito junto a outros medicamentos muito mais específicos. Em caso de qualquer dúvida ou preocupação, não hesite em perguntar ao seu médico.

Pode interessar a você...
Os 5 anti-inflamatórios mais usados
Muy SaludLeia em Muy Salud
Os 5 anti-inflamatórios mais usados

Descubra quais são os anti-inflamatórios mais usados no mundo, muitos deles essenciais para algumas doenças crônicas.