Como saber se é câncer de pele ou uma pinta?

Muitos dos diferentes tipos de câncer de pele podem começar a partir de uma pinta já existente. Felizmente, existem certas características que permitem diferenciar uma lesão da outra a olho nu. Te explicaremos melhor a seguir.
Como saber se é câncer de pele ou uma pinta?

Escrito por Luis Rodolfo Rojas Gonzalez, 19 Junho, 2021

Última atualização: 20 Junho, 2021

A detecção precoce do câncer de pele oferece um prognóstico melhor e está associada a menor taxa de morbidade. Em geral, manchas benignas são frequentemente confundidas com patologias neoplásicas (câncer) e preocupam os pacientes. Você está interessado em saber saber se uma lesão é câncer de pele ou uma pinta? Vamos te ensinar a seguir.

Atualmente, a identificação do câncer de pele constitui um grande desafio para os profissionais de saúde. Na maioria dos casos, essas lesões cutâneas podem passar despercebidas e não podem ser diferenciadas de uma mancha ou pinta comum. No entanto, existem algumas características que nos permitem suspeitar se é câncer de pele ou uma pinta a olho nu.

Diferenças entre câncer de pele e uma pinta

Para diferenciar o câncer de pele de uma pinta, é importante aprender a observar.
Embora o diagnóstico de câncer de pele exija uma biópsia, as características clínicas podem ser muito úteis.

As pintas ou nevos são definidos como ‘crescimentos melanocíticos benignos que geralmente se apresentam como pequenas manchas, pápulas ou nódulos da cor da pele ou marrons’. Estudos sugerem que eles estão presentes em apenas 1% dos recém-nascidos e aparecem entre 6 e 12 meses de idade. Eles continuam a aumentar em quantidade e tamanho até os 25 anos.

Em geral, é raro que uma única mancha possa se tornar maligna e levar ao câncer de pele. No entanto, a presença de um grande número de manchas típicas ou qualquer mancha displásica deve ser mantida sob supervisão contínua. Algumas pesquisas afirmam que a presença de 50 ou mais manchas aumenta muito o risco de melanoma.

Na identificação e diferenciação inicial entre o câncer de pele e uma mancha pelo paciente, é importante considerar os detalhes visíveis a olho nu. Nesse sentido, a regra do ABCDE deve ser seguida para o reconhecimento das características de uma neoplasia cutânea. Eles avaliam a forma, simetria, cor, tamanho e evolução de todas as lesões cutâneas.

Forma

As pintas benignas podem ocorrer em qualquer parte do corpo e de várias maneiras. Eles variam de uma sarda ou mancha a uma pequena protuberância na pele. Porém, a maioria se caracteriza por ser arredondada e manter uma evidente simetria nas duas metades.

Por outro lado, as lesões de câncer de pele do tipo melanoma geralmente aparecem como manchas ou elevações de formato irregular. É comum que sejam assimétricas e tenham uma parte maior que as demais. Além disso, um pouco pode ser espalhado no tecido, imitando o formato de uma mancha de taça de vinho em um lenço.

Bordas

Em relação às bordas, estudos estabelecem que as manchas são visíveis a olho nu com bordas lisas, uniformes e separadas da pele ao redor na maioria dos casos. No entanto, as lesões de melanoma costumam ter bordas desiguais e irregulares, que podem ter entalhes ou uma aparência de algodão ao longo da sua estrutura.

Esta característica deve ser considerada em associação direta com a forma e simetria de quaisquer lesões óbvias na superfície da pele. Além disso, algumas pintas podem parecer normais no início e adquirir características estranhas com o tempo. Nesse sentido, é importante manter atenção contínua a elas.

Cor

A cor é um fator fundamental na diferenciação entre o câncer de pele e uma pinta. De fato, sua importância promove um estudo aprofundado com uma dermatoscopia na consulta com o especialista. Este exame geralmente define o tipo de lesão e fornece orientação sobre a possível malignidade de uma pinta na maioria dos casos.

Nos nevos, é comum encontrar tons de marrom, rosa ou semelhantes às cores da pele. Porém, o principal aspecto que determina sua benignidade é que a cor permaneça uniforme em toda a lesão.

Por outro lado, manchas ou sinais sugestivos de câncer de pele costumam apresentar várias tonalidades que se interpõem ao longo delas. Nos melanomas, é comum encontrar misturas de tons de marrom, preto e castanho. Algumas pesquisas afirmam que os tons da borda da lesão são os mais importantes na identificação das neoplasias cutâneas.

Tamanho

Para saber a diferença entre câncer de pele ou uma pinta, você deve verificar o tamanho da lesão.
Quanto maior a lesão (especialmente se for nova ou uma mancha anterior que está diferente), maior a probabilidade dela ser maligna.

As dimensões das pintas típicas podem variar muito em termos de forma. O limite de tamanho estabelecido para considerar uma lesão benigna é de 6 milímetros. Nesse sentido, qualquer lesão que esteja acima dessas dimensões sugere algum tipo de câncer de pele.

De forma prática, alguns pacientes usam o tamanho de uma borracha de lápis como referência para a lesão. No entanto, os melanomas podem se apresentar como manchas grandes ou pintas.

Evolução

O monitoramento regular das lesões cutâneas costuma ser a chave para o diagnóstico precoce e oportuno do câncer. Neoplasias de pele geralmente aparecem como manchas que mudam de forma, simetria, bordas e cores com o tempo. Da mesma forma, eles podem aparecer espontaneamente na pele saudável.

Em alguns casos, as lesões cutâneas tendem a ter uma consistência dura, protuberante ou escamosa que aumenta a suspeita de câncer. Além disso, tornam-se maiores e mais espessos, cobrindo uma extensão maior da superfície da pele.

Sintomas concomitantes

Ao avaliar uma pinta ou mancha suspeita, outros sintomas associados devem ser levados em consideração para apoiar o diagnóstico. A presença de sangramento, secreção purulenta e coceira costumam orientar o médico. Em alguns pacientes, ocorrem distúrbios de sensação, como dormência e formigamento.

A detecção precoce faz a diferença

Hoje, é muito comum que as pessoas confundam câncer de pele com uma pinta benigna. Esse fato agrava o curso clínico da doença por não ser abordado a tempo. Portanto, se você tem várias manchas, uma lesão estranha ou uma mancha que aparece espontaneamente, você deve ir o mais rápido possível ao seu médico de confiança.

Da mesma forma, o autoexame rotineiro da pele é imprescindível, sendo uma das medidas mais importantes para o tratamento do câncer de pele em seus estágios iniciais. Além disso, o uso de proteção solar adequada e exames de acompanhamento com o dermatologista estão associados a um menor risco de câncer de pele.

It might interest you...

Prevenção do câncer de pele
Muy SaludLeia em Muy Salud
Prevenção do câncer de pele

A prevenção do câncer de pele é uma atividade simples e você só precisa fazer algumas mudanças no estilo de vida.



  • Goldstein A, Tucker M. Dysplastic Nevi and Melanoma. 
  • Black S, MacDonald-McMillan B, Mallett X et al. The incidence and position of melanocytic nevi for the purposes of forensic image comparison. Int J Legal Med. 2014; 128: 535–543.
  • Chen J, Stanley RJ, Moss RH, Van Stoecker W. Colour analysis of skin lesion regions for melanoma discrimination in clinical images. Skin Res Technol. 2003;9(2):94-104.
  • Halem M, Karimkhani C. Dermatology of the head and neck: skin cancer and benign skin lesions. Dent Clin North Am. 2012;56(4):771-90.
  • Bahnson AB, Kondratuk KE, Anderson SM. Skin Cancer Education in the Rural Salon. S D Med. 2019;72(6):267-271.
  • Jones OT, Ranmuthu CKI, Hall PN, Funston G, Walter FM. Recognising Skin Cancer in Primary Care. Adv Ther. 2020;37(1):603-616.