Enxaqueca crônica: tudo que você precisa saber

As pessoas que sofrem de enxaqueca crônica a experimentam por pelo menos 15 dias por mês. É uma desordem que requer tratamento e acompanhamento médico.
Enxaqueca crônica: tudo que você precisa saber

Escrito por Maite Córdova Vena, 31 Julho, 2021

Última atualização: 31 Julho, 2021

Quando uma pessoa tem enxaqueca por 15 dias ou mais por mês, dos quais 8 incluem todos os sintomas característicos desse transtorno, considera-se que ela pode sofrer de enxaqueca crônica. Segundo estudos realizados por especialistas em neurologia, 2% da população é acometida por esse tipo de cefaleia.

Agora, o que mais há para saber sobre a enxaqueca crônica? Isso pode representar um risco para a saúde? Requer algum tipo de tratamento especial ou acompanhamento? Vamos contar tudo a seguir.

Sintomas de enxaqueca crônica

Quando usamos o termo enxaqueca crônica, não estamos nos referindo ao fato de que é uma condição para toda a vida como tal, mas sim à frequência com que ocorre mensalmente. Como já mencionamos, deve ser evidente pelo menos 15 dias por mês. pulsátil

De acordo com uma atualização sobre o tema publicada pela Associação Colombiana de Neurologia, a enxaqueca crônica é uma complicação da doença. No mesmo nível do estado de enxaqueca, acidente cerebrovascular (AVC) que ocorre durante um episódio de enxaqueca com aura ou aura sem (ACV).

Segundo o Manual do MSD, sabemos que a enxaqueca crônica costumava ser chamada de cefaléia combinada ou mista, porque tinha características tanto de cefaléia tensional quanto de enxaqueca. Além disso, tende a ser mais comum em pessoas que usam drogas em excesso para aliviar dores de cabeça agudas.

Como em outros tipos, o sintoma mais característico da enxaqueca crônica é uma dor de cabeça latejante ou pulsátil, que pode variar de moderada a intensa. Geralmente é acompanhada por fotofobia, fonofobia, osmofobia, náuseas e vômitos. Além disso, é comum incluir aura.

Enxaqueca crônica em uma mulher.
A persistência dos sintomas por mais de 15 dias é o que determina o diagnóstico da forma crônica.

Causas e fatores de risco associados

As causas da enxaqueca são desconhecidas. No entanto, é feita referência à combinação de vários fatores, internos e externos.

No caso da enxaqueca crônica, os principais fatores de risco seriam os seguintes:

  • Sofre de ansiedade ou depressão.
  • Histórico familiar de enxaqueca (pessoas com histórico familiar têm maior probabilidade de apresentar algum tipo de enxaqueca).
  • Consumir analgésicos regularmente (embora seu uso possa aliviar as dores de cabeça, quando ingeridos em excesso e sem critérios agravam o desconforto).
  • Ser mulher em idade fértil (as mulheres tendem a ter mais probabilidade de sofrer de vários tipos de enxaqueca, de acordo com o Office on Women’s Health).

Além de tudo isso, o fato de não manter bons hábitos de vida também pode influenciar no desenvolvimento da enxaqueca crônica. Quando falamos de bons hábitos, não nos referimos apenas a uma alimentação saudável e exercícios regulares, mas também a horários regulares de dormir e comer.

Evitar certos gatilhos, bem como excessos de qualquer tipo, é benéfico. O consumo de álcool e cafeína deve ser limitado.

Diagnóstico de enxaqueca crônica

Para chegar ao diagnóstico de enxaqueca crônica, geralmente não é necessário recorrer a exames de imagem (como ressonância magnética ou tomografia computadorizada). Normalmente o diagnóstico é estabelecido pelo médico através da realização de uma entrevista com a pessoa e do respectivo exame físico.

De acordo com a equipe de especialistas do portal Minha Cefaléia, o médico pode encaminhar o psiquiatra para avaliação do profissional. Tudo isso com o objetivo de descobrir se existe algum componente de depressão ou ansiedade adicional.

Tratamento

Botox para enxaqueca crônica.
O tratamento com toxina botulínica é autorizado em casos de enxaqueca crônica.

Quando se trata do tratamento da enxaqueca crônica, uma parte farmacológica é combinada com uma não farmacológica. O único medicamento aprovado e especialmente desenvolvido para a enxaqueca crônica é a toxina botulínica, pois tem se mostrado eficaz na redução da duração da dor e da gravidade dos sintomas. Isso é confirmado pela American Headache Society. Este medicamento é administrado por injeção em áreas da cabeça e pescoço a cada 12 semanas.

Na fase aguda da enxaqueca, os mesmos medicamentos são geralmente usados na enxaqueca episódica, incluindo anticorpos monoclonais. O último bloqueia o peptídeo relacionado ao gene da calcitonina (CGRP).

Os medicamentos mais prescritos são os seguintes:

  • Analgésicos, como paracetamol.
  • Anti-inflamatórios não esteróides, como o ibuprofeno.
  • Triptanos.
  • Derivados da ergotamina.

Mudança de hábitos em face da enxaqueca crônica

É importante que o paciente se adapte ou melhore seus hábitos, a fim de manter uma boa qualidade de vida e diminuir o impacto das enxaquecas. É a combinação de tratamento adequado com um estilo de vida saudável que demonstrou proporcionar o maior número de benefícios.

Pode interessar a você...
Ansiedade na menopausa
Muy SaludLeia em Muy Salud
Ansiedade na menopausa

A ansiedade na menopausa é um dos transtornos de humor mais comuns nessa fase, junto com a depressão.