Os 5 anti-inflamatórios mais usados

Alguns dos sintomas mais comuns de doenças sistêmicas podem ser aliviados com o uso de compostos anti-inflamatórios. No entanto, o consumo indiscriminado deles pode desencadear efeitos colaterais
Os 5 anti-inflamatórios mais usados

Escrito por Luis Rodolfo Rojas Gonzalez, 16 Julho, 2021

Última atualização: 16 Julho, 2021

Hoje as pessoas têm acesso a uma ampla variedade de medicamentos para o tratamento de doenças. Os anti-inflamatórios são os medicamentos mais usados no mundo para aliviar as condições de forma rápida e fácil. Então, a seguir, vamos falar quais são os 5 anti-inflamatórios mais usados.

São medicamentos usados no tratamento de dores de cabeça, mal-estar, dores musculares e febre. Dentre essas drogas, as mais utilizadas são os anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) por sua capacidade de reduzir a inflamação e a dor. Eles fazem tudo isso sem gerar os efeitos adversos associados aos anti-inflamatórios esteróides.

O mecanismo de ação dessas drogas é semelhante e se baseia na inibição das próprias vias inflamatórias do organismo. São muito versáteis, por isso são utilizados na terapia de múltiplas patologias e em todas as faixas etárias com alto índice de segurança.

Quais são os 5 anti-inflamatórios mais usados?

Os anti-inflamatórios mais usados geralmente são consumidos por via oral.
Esses medicamentos são geralmente facilmente acessíveis nas farmácias e são consumidos por via oral.

Os anti-inflamatórios são amplamente usados em todo o mundo. Esses fármacos se caracterizam não apenas pela capacidade anti-inflamatória, mas também pelo efeito analgésico e antipirético. Isso permite que sejam o remédio comum para qualquer doença.

Dentro desse grupo de medicamentos, alguns têm maior efeito do que outros, por isso são indicados de acordo com a gravidade do quadro. Na verdade, a potência dos mesmos também está associada a um maior número de efeitos adversos, o que motiva a manter uma vigilância médica rigorosa enquanto são consumidos.

1. Ibuprofeno

O ibuprofeno é um medicamento oral utilizado no tratamento de condições dolorosas e no controle eficaz dos processos febris. Da mesma forma, é um dos anti-inflamatórios mais utilizados no manejo da artrite leve, dores menstruais e distúrbios musculoesqueléticos.

O efeito analgésico e antipirético dessa droga é dado por sua capacidade de inibir a síntese de prostaglandinas e outros mediadores inflamatórios pelo bloqueio da enzima ciclooxigenase. Além disso, é capaz de interferir na agregação plaquetária, prolongando o tempo de coagulação.

Estudos afirmam que o ibuprofeno tem menos efeitos gastrointestinais do que outros AINEs. No entanto, seu consumo não é recomendado em mulheres grávidas ou lactantes. Também é contra-indicado em casos de hipersensibilidade conhecida a medicamentos do mesmo grupo de anti-inflamatórios.

2. Aspirina

A aspirina, ou ácido acetilsalicílico, é uma droga que tem sido usada por muitos anos no alívio de condições dolorosas leves a moderadas e no controle da febre. Os especialistas a prescrevem para o controle e prevenção de eventos isquêmicos cardíacos e cerebrais, como a angina de peito.

O mecanismo de ação desse fármaco é semelhante ao do ibuprofeno, por bloquear a produção de prostaglandinas por meio da enzima ciclooxigenase. Da mesma forma, é considerado um potente inibidor da formação de coágulos por bloquear a produção de tromboxanos e, portanto, a agregação de plaquetas.

Os principais efeitos colaterais associados ao seu consumo manifestam-se ao nível gastrointestinal. Estes incluem uma sensação de azia, indigestão e flatulência. Além disso, alguns pacientes podem relatar vômitos, náuseas, confusão e dor de cabeça.

Por sua vez, a aspirina é contra-indicada em pacientes com alergia conhecida, úlceras estomacais e história de sangramento digestivo. Da mesma forma, não deve ser administrado a pessoas com diagnóstico prévio de insuficiência cardíaca, renal ou hepática.

3. Paracetamol

O paracetamol ou acetaminofeno é um fármaco amplamente utilizado em crianças e adolescentes por suas propriedades analgésicas e antipiréticas. No entanto, sua capacidade anti-inflamatórios é mínima em comparação com o restante dos anti-inflamatórios  não esteroides (AINEs).

Este medicamento reduz a dor ao inibir a produção de prostaglandinas no sistema nervoso central e reduz a febre ao atuar no centro regulador do hipotálamo. Seu maior uso pediátrico costuma ser atribuído ao controle da dor pós-operatória e em pacientes com dor leve.

Os efeitos colaterais do paracetamol ocorrem em muito poucos pacientes, destacando mal-estar geral, tonturas e diminuição da pressão arterial. Além disso, é contra-indicado em pessoas com alergia conhecida a AINEs, insuficiência hepática ou outras doenças deste órgão.

4. Naproxeno

Os anti-inflamatórios mais comumente usados costumam ser úteis para a dor.
A dor é uma das principais indicações para usar anti-inflamatórios.

O naproxeno é conhecido por seu grande poder de reduzir dores leves a moderadas, processos inflamatórios e febre. É usado no tratamento de doenças articulares e musculoesqueléticas, como artrite, tendinite, entorses e bursite, bem como no tratamento de enxaquecas e dores associadas à menstruação.

Como os outros AINEs, o naproxeno atua inibindo a síntese de prostaglandinas. Portanto, é vital manter um cuidado especial nos pacientes com distúrbios gastrointestinais, como úlceras e sangramento. Também devem ser tomados cuidados especiais em pacientes com um histórico dessas doenças.

Apesar de ser um dos anti-inflamatórios mais utilizados, seus efeitos colaterais incluem vômitos, náuseas, indigestão e diarreia. Além disso, esse medicamento pode ter implicações importantes no fígado, rim e nível cardiovascular.

5. Corticosteróides

São um grupo de esteroides que atuam regulando a resposta do sistema imunológico e reduzindo a liberação local e sistêmica de mediadores inflamatórios. Cortisona, prednisona e dexametasona são alguns dos mais usados em todo o mundo.

Eles são usados no tratamento de episódios agudos ou exacerbações de doenças reumáticas, como artrite, espondilite anquilosante e bursite aguda. Da mesma forma, são utilizados no controle de patologias alérgicas graves, condições inflamatórias intestinais e reações dermatológicas como o eritema multiforme.

Apesar de sua grande potência e eficácia, os corticosteroides estão associados a um grande número de efeitos adversos, que dependerão da via de administração. Em geral, estão associados à retenção de líquidos, aumento da pressão arterial, ganho de peso, aumento dos níveis de açúcar no sangue e supressão do sistema imunológico.

A supervisão médica é a chave

Os anti-inflamatórios podem ser os medicamentos mais usados no tratamento de qualquer desconforto ou doença. No entanto, devido à grande variedade dessas drogas e à quantidade de efeitos adversos associados, o monitoramento adequado de seu uso é vital.

O médico especialista é o único habilitado para indicar e encaminhar a administração de qualquer medicamento. É ele quem vai avaliar as características do quadro e as variáveis da pessoa para oferecer a melhor terapia para sua doença.

Pode interessar a você...
6 medicamentos que podem aumentar a pressão arterial
Muy Salud
Leia em Muy Salud
6 medicamentos que podem aumentar a pressão arterial

Muitos medicamentos podem aumentar a pressão arterial. Aprenda mais sobre alguns deles e a importância de controlar sua ingestão.



  • Kwon JH, Denlinger CE. Commentary: Don’t fear the nonsteroidal anti-inflammatory drugs. J Thorac Cardiovasc Surg. 2021 Feb;161(2):455-456.
  • Galán Martínez L, Osorio Acevedo A, López Medina A, Álvarez Collazo J, Álvarez J. Acciones cardiovasculares del ibuprofeno. Rev Cubana Invest Bioméd. 2010; 29( 3 ): 331-338.
  • Ramírez Labrada F, Plana Ramírez A, Ferrandiz Ramírez D, Ramírez A, Ramírez Milán O. La aspirina. El medicamento del siglo. AMC. 1999;  3( 3 ).
  • Hernández-Cortez E. Acetaminofén: el medicamento más usado en pediatría. Anest. Méx. 2016; 28( 3 ): 1-4.
  • Wojcieszyńska D, Guzik U. Naproxen in the environment: its occurrence, toxicity to nontarget organisms and biodegradation. Appl Microbiol Biotechnol. 2020 Mar;104(5):1849-1857.
  • Rice JB, White AG, Scarpati LM, Wan G, Nelson WW. Long-term Systemic Corticosteroid Exposure: A Systematic Literature Review. Clin Ther. 2017 Nov;39(11):2216-2229.