Distúrbios de memória: principais características

Os distúrbios de memória envolvem desorientação e estranheza, tanto em relação ao ambiente quanto a nós mesmos. Conheça os principais distúrbios e síndromes.
Distúrbios de memória: principais características
Bernardo Peña

Escrito e verificado por el psicólogo Bernardo Peña em 26 Julho, 2021.

Última atualização: 26 Julho, 2021

Os distúrbios de memória são todas as alterações e patologias que resultam em problemas de codificação, armazenamento e recuperação de informações.

Se não conseguimos acessar nossas memórias ou as perdemos, não saberemos onde estamos ou quem somos. Portanto, a memória é um processo cognitivo fundamental para o ser humano. Consequentemente, os distúrbios de memória podem ser devastadores.

Introdução à memória

Memórias cerebrais, processos cognitivos, memória.

A memória é um processo cognitivo que permite que as informações sejam codificadas, armazenadas e recuperadas. Se não fosse pela memória, não seríamos capazes de aprender, pensar ou saber quem somos.

Podemos dizer que a memória fornece ao ser humano os conhecimentos necessários para compreender o mundo que nos rodeia, preservando e retrabalhando as lembranças e atualizando constantemente dados e parâmetros do nosso ambiente, que está constante mudança.

Existe uma memória implícita, que inclui hábitos, associações de estímulos, eventos, ideias e habilidades motoras perceptuais (como dirigir ou dançar). Também existe uma memória explícita que engloba todas essas memórias conscientes.

O ser humano constrói a própria realidade por meio de processos cognitivos básicos como atenção, percepção e memória. É através desta última que é possível armazenar e selecionar as informações relevantes que foram processadas anteriormente.

Processos de memória

Memórias cerebrais, distúrbios mentais.

Como afirmado anteriormente, a memória funciona por meio de três processos fundamentais:

  • Codificação: elabora e transforma os estímulos para dar sentido a eles. Para realizá-la, é necessário um certo nível de atenção, e que o estímulo seja relativamente notório.
  • Armazenamento: como o próprio nome indica, armazena ou arquiva a informação previamente codificada na memória. Essa informação é arquivada esquematicamente e em função de categorias.
  • Recuperação: a sua função é trazer à consciência as informações armazenadas, voluntária ou incidentalmente. Vale ressaltar que o estado emocional pode influenciar nas memórias que podem ser recuperadas; a ansiedade pode bloquear parcialmente esse processo, por isso quando estamos no meio de uma prova não nos lembramos da resposta, mas quando ela termina, sim.

Estrutura de memória

Alguns cientistas, como Atkinson e Shiffrin, tentam estudar a estrutura e a função da memória, concluindo que ela é composta por três sistemas interativos:

  • Memória sensorial, MS. Registra estímulos externos como imagens, sons, cheiros, sabores, sensações, etc. por um curto período de tempo. Se esta informação não for processada, será rapidamente esquecida.
  • Memória de curto prazo, MCP. Sua função é organizar e analisar as informações registradas através dos sentidos. Ela permite integrar a experiência presente na memória autobiográfica e organizar planos para o futuro. Sua duração é de apenas cerca de 20 segundos e é bastante limitada.
  • Memória de longo prazo, MLP. Teoricamente, é ilimitada e permite o arquivamento sólido e estável de todos os conhecimentos e memórias. Seguindo autores como Squire e Tulving, é proposta a existência de vários tipos de MLP:
    • Declarativa: armazena todos os tipos de informações sobre fatos e eventos, bem como os conhecimentos adquiridos pelo indivíduo. Por exemplo, o conhecimento estudado na faculdade de medicina ou psicologia.
    • Procedimental: tem mais a ver com a memória de habilidades. Muitas vezes, um indivíduo aprende uma habilidade complexa, como o boxe. Se questionado, será difícil para ele explicar os detalhes de seus movimentos. Ela é do tipo inconsciente.
    • Episódica: memória autobiográfica, a linha do tempo individual que dá sentido à vida do indivíduo.
    • Semântica: armazena conhecimentos técnicos, como linguagem ou matemática. Se você perguntar a uma pessoa quando ela aprendeu uma determinada palavra, ou a construir frases, ela pode não se lembrar, mas não se esquece desse conhecimento. Ele é quase imune ao esquecimento.

Existe uma função intrínseca da memória: o esquecimento. É necessário esquecer para viver. Se nos lembrássemos de absolutamente tudo, saturaríamos o sistema cognitivo e seria extremamente difícil obter a informação armazenada.

Distúrbios de memória

Lembranças, esquecer, amnésia por estresse.

Os principais distúrbios de memória são as amnésias. Existem vários tipos: as que impedem o armazenamento de novas memórias e as que impedem o acesso às memórias.

Amnésias

Significa déficit de memória, é a perda total ou parcial da memória. Ela pode ser reversível ou irreversível, e afetar a fase de fixação, armazenamento e/ou recuperação da informação.

Amnésia de fixação

É a incapacidade de consolidar novas memórias. Quando uma pessoa sofre desse tipo de amnésia, diz-se que ela “vive no presente”, que não vai se lembrar de nada do seu passado. Dentro deste tipo estão as “amnésias anterógradas”. Elas são sempre de origem orgânica e ocorrem como resultado de um evento neurológico.

Amnésia de conservação

Memória, esquecer, amnésia, lembranças, Alzheimer.

É a incapacidade de lembrar de algo. Uma perda de memórias já armazenadas. Nem todas as memórias têm a mesma facilidade de serem esquecidas.

A lei de Ribot diz que as memórias mais recentes, menos organizadas e menos automatizadas, são mais vulneráveis à perda. Existem diferentes tipos de amnésia de conservação.

  • Global. Uma pessoa pode perder todas as memórias do seu passado.
  • Lacunar. As memórias perdidas são delimitadas no tempo.
  • Seletiva. Ela é dividida em dois tipos:
    • Episódica: um evento específico da vida é esquecido.
    • Semântica: o que se perde é o conhecimento, ou certos tipos dele.

Amnésia de evocação

Memórias de amnésia, esquecer, esquecimento, memória.

Quando a lembrança não está perdida, mas é muito difícil trazê-la para a memória. A pessoa não se lembra de algo, mas tem a sensação de saber.

Talvez ela possa ser devida a um estado emocional alterado (muita ansiedade), astenia, desatenção, exposição a um conteúdo que interfere na capacidade de recuperar informações, etc.

Pseudo amnésia

Pessoas com esse distúrbio de memória têm a sensação de que perderam a memória, mas objetivamente essa perda não existe. As agnosias, por exemplo, são amnésias sensoriais. De fato, algo que eles veem, tocam, cheiram, etc., não é reconhecido. Este tipo de amnésia é de origem orgânica.

Síndrome amnésica

Amnésia.

É um distúrbio de memória, mas sem comprometimento comportamental ou cognitivo.

Síndrome de Korsakoff-Wernicke

Suas principais características são:

  • Amnésia anterógrada (de fixação) e retrógrada parcial (de conservação).
  • Desorientação espacial e temporal.
  • Confabulação (mistura de memórias verdadeiras e falsas).
  • Falso reconhecimento.

Essa síndrome aparece devido ao consumo prolongado de álcool e uma dieta deficiente em tiamina ou vitamina B1. Nesse distúrbio apenas a memória é afetada, nada mais. Em contraste com a outra síndrome produzida pelo álcool, a demência alcoólica, em que as partes cognitivas também são afetadas.

Hipermnésia

É um distúrbio de memória em que o indivíduo é capaz de evocar ou reter uma quantidade extraordinariamente alta de informações.

Por exemplo, uma memória episódica superdimensionada com uma incapacidade de esquecer memórias da própria vida, o que interfere na clareza do pensamento do indivíduo. Alguns exemplos seriam:

  • A síndrome do sábio: geralmente são pessoas com autismo ou retardo mental que se caracterizam por aprender dados sem sentido aparente que se repetem continuamente.
  • Ecmnesia: a pessoa guarda memórias de seu passado como se elas estivessem ocorrendo no momento presente. Por exemplo, uma mãe cujo filho morreu que se levanta de manhã e prepara o café da manhã para ele.
  • Visão autobiográfica: as pessoas que a experienciaram  declaram que foi como se toda a vida passasse diante dos olhos delas. É uma exposição detalhada da autobiografia de um indivíduo em estado de perigo de morte, em momentos de alteração da consciência ou transe hipnótico.

Paramnésias

Esquecimento das memórias, Alzheimer.

São distúrbios de memória que se caracterizam pela distorção das memórias.

Distúrbios produzidos na memória

  • Confabulação: mistura de memórias verdadeiras e falsas. A pessoa conta coisas que não aconteceram tentando compensar a perda de memória em relação ao que deseja lembrar. Características principais:
    • As invenções são efêmeras.
    • O doente relata o suposto acontecimento sem pensar, falta um processo de preparação.
    • Essa anomalia pode ser facilmente provocada, dada sua propensão a se manifestar.
    • O indivíduo, uma vez confrontado com a inexistência de tais acontecimentos, não continua a manter a realidade de suas falsas descrições.
    • O conteúdo da confabulação geralmente está relacionado à ocupação usual do doente.
    • A confabulação se deve a processos orgânicos no cérebro.
  • Falsificações retrospectivas: exagero desproporcional das lembranças que a pessoa possui.
  • Falsas memórias delirantes: a pessoa retroverte uma ideia delirante antes do aparecimento da mesma. O indivíduo delira por causa de uma memória.
  • Pseudologia fantástica (mitomania): pessoas que inventam histórias que muitas vezes vivem. Elas são criadas com algum objetivo: atrair atenção para si mesma, se destacar, ganhar prestígio pessoal, etc. A pessoa conta histórias de coisas que aconteceram com ela. Essas coisas que costumam ser plausíveis, mas quando o sujeito se depara com a realidade dos fatos, acaba por reconhecê-los.
  • Na ponta da língua: ter a certeza subjetiva de que o que você quer lembrar está na sua memória, mas você não lembra. Pode ser devido a interferência na recuperação da informação.
  • Validar continuamente: quando a pessoa verifica se realizou uma tarefa rotineira porque não se lembra com clareza se a fez.

Distúrbios produzidos no reconhecimento

  • Déjá vu, déjá entendu, déjá vecu: acontece com certa frequência, é a sensação de que o que se vive já foi vivido antes. Na verdade,é um erro de reconhecimento.
  • Jamais vu, jamais entendu, jamais vecu: neste caso, o indivíduo está em uma situação conhecida que lhe é familiar, mas ele erroneamente acredita que a situação é totalmente nova.
  • Síndrome de Capgras (ilusão de Sosias): a pessoa vê um parente ou conhecido e acredita que ele é um sósia que se faz passar pela pessoa conhecida.
  • Criptoamnésia: quando uma memória se perde parcialmente e aparece na consciência como se fosse um novo conteúdo. A pessoa pode pensar que tem uma ideia original, mas não tem. Esse fenômeno poderia estar por trás de muitos casos de plágio?

Transtornos dissociativos

Memórias, esquecimento, amnésia.

São distúrbios de memória nos quais ocorre uma dissociação (separação estruturada de processos mentais que normalmente aparecem integrados). Eles nunca têm uma causa orgânica, são todos psicogênicos.

Amnésia dissociativa

É causada por um evento traumático ou extremamente estressante que impede o indivíduo de se lembrar de informações vitais. Portanto, uma lacuna de memória é criada. Pode durar de horas a décadas na vida de uma pessoa.

Fuga dissociativa

Há uma perda de memória e uma fuga da situação que gera desconforto. Há momentos em que as pessoas não se lembram de como chegaram a um lugar ou de quem são; outras sim. Elas não têm interesse em saber como ou por que chegaram ali, porque estavam tentando fugir.

Geralmente o problema aparece na idade adulta, mas é raro que se manifeste após os 50 anos. Se ele ocorreu aos 20 anos pode aparecer aos 50, mas depois desta idade já não aparece, exceto em raras exceções. Quando retorna ao seu estado original, antes do distúrbio de memória, a pessoa se lembra da experiência após a fuga, mas não da anterior.

Descubra: Tramadol

Transtorno dissociativo de identidade

É um distúrbio de memória muito raro que pode começar na infância, mas só chama a atenção mais tarde. É mais diagnosticado em mulheres que sofreram abusos desde a infância ao longo dos anos. Uma vez estabelecido, o distúrbio dura por toda a vida se não houver tratamento.

Agressividade bipolar, transtorno mental.

Duas ou várias personalidades podem ser adotadas. Há casos em que as identidades são completas (forma de andar, de se vestir, gostos, etc.). As personalidades podem aparecer simultaneamente (e em algum momento coexistir, interagir ou lutar entre si…) ou podem aparecer sucessivamente (primeiro uma, depois outra).

Essas personalidades às vezes se conhecem e às vezes não. Se nenhuma delas for conhecida, é caracterizada a amnésia simétrica. O outro caso seria a amnésia assimétrica, na qual a personalidade A conhece B, mas B não conhece A. Se todas as personalidades se conhecem, não há amnésia.

Um problema com esse transtorno é descobrir qual é a personalidade primária (verdadeira). Há quem diga que o self primário é a personalidade com as características mais aceitáveis socialmente.

Existe também um outro grupo que pensa que esta deve ser a personalidade que aparece mais vezes. Por último, outros pesquisadores acreditam que o self primário deve ser aquele que mais perdura. Quando determinamos o self primário ele é separado das outras personalidades, e as demais são denominadas como hóspedes.

Transtorno de personalidade bipolar.

A mudança de uma personalidade para outra é chamada de transição. É difícil saber quais são as verdadeiras memórias e quais não são. Esse é um transtorno muito complicado, que geralmente surge de traumas muito graves, manifestando o mecanismo de dissociação de proteção psicológica à situação. Pode aparecer no desenvolvimento de outros transtornos.

Transtornos de despersonalização

A pessoa tem uma sensação de irrealidade, como se estivesse vivendo um sonho ou como se o tempo tivesse parado. Esse transtorno geralmente surge quando alguém está sujeito a uma pressão muito intensa, seja no ambiente de trabalho, acadêmico ou social. Dois tipos são principalmente distinguidos:

  • Despersonalização: quando essa sensação de estranheza ocorre em relação a si mesmo; ao próprio corpo ou processos mentais. A pessoa que sofre com ela parece um robô.
  • Desrealização: quando se refere ao ambiente externo. Nesse caso, o paciente pode relatar que vê tudo como se estivesse em um filme.

Distúrbios de memória: conclusões

Os distúrbios de memória variam de alterações benignas simples a condições totalmente incapacitantes. A memória é um processo cognitivo fundamental para moldar a identidade, aprendizagem e experiência do indivíduo.

Se ela falha, a relação com o ambiente e com a própria identidade pode ser comprometida. Portanto, em caso de problemas de memória, é recomendável consultar um psicólogo ou médico imediatamente.

Pode interessar a você...
Psicologia da Saúde: definição e características
Muy SaludLeia em Muy Salud
Psicologia da Saúde: definição e características

A psicologia da saúde é responsável por promover o bem-estar físico e emocional, bem como a qualidade de vida das pessoas



  • Landa, N., Fernández-Montalvo, J., Tirapu-Ustarroz, J., López-Goñi, J. J., Castillo, A., & Lorea, I. (2006). Alteraciones neuropsicológicas en alcohólicos: un estudio exploratorio. Adicciones18(1), 49-60.
  • Peña-Herrera, B. (2018) Psicopatología General. Samborondón: Universidad Espíritu Santo – Ecuador.
  • Restrepo, F. L. (1993). Trastornos de la memoria. Iatreia6(2), 87-94.
  • Tirapu-Ustarroz, J., & Muñoz-Céspedes, J. M. (2005). Memoria y funciones ejecutivas. Revista de neurología41(8), 475-484.