Como a pressão arterial baixa é diagnosticada

A hipotensão é a queda da pressão arterial no corpo. Ela pode ou não desenvolver sintomas quando acontece, e por essa razão o diagnóstico gira em torno de vários exames feitos por um especialista. Hoje revisaremos alguns dos mais importantes.
Como a pressão arterial baixa é diagnosticada

Escrito por Josberth Johan Benitez Colmenares, 24 Junho, 2021

Última atualização: 24 Junho, 2021

De acordo com a Harvard Health Publishing, uma pessoa é considerada como tendo hipotensão ou pressão arterial baixa quando os valores caem 20 mmHg para a faixa sistólica e 10 mmHg para a faixa diastólica.

Isso, claro, dependendo do contexto, já que a American Heart Association nos lembra que apenas na presença de sintomas é feita essa denominação. Como eles nem sempre aparecem, o diagnóstico de pressão arterial baixa requer vários exames.

Embora a queda da pressão arterial cause sintomas diferentes da sua condição oposta, a hipertensão, é muito importante descobrir as causas que a desencadeiam, descartar possíveis diagnósticos diferenciais e iniciar um tratamento personalizado. Hoje vamos explicar como proceder para detectá-la por meio de exames de laboratório e imagens.

Exames e métodos para o diagnóstico da pressão arterial baixa

Diagnosticar a pressão arterial baixa é muito simples.
Para diagnosticar a pressão arterial baixa, basta usar um monitor de pressão arterial. No entanto, outros estudos podem ser feitos para determinar a origem da condição.

Como as evidências indicam, a primeira coisa que o especialista fará durante o diagnóstico de pressão arterial baixa é uma anamnese estruturada e a aferição da pressão arterial juntamente à frequência cardíaca em várias posições (vertical e supina).

Este é o ponto de partida, a partir dele é possível determinar os possíveis exames complementares. A seguir, expandimos o procedimento deste e de outros exames para diagnosticar para hipotensão:

Anamnese

A anamnese é a coleta de informações com base no histórico médico e perguntas ao paciente.

O especialista analisará se o paciente sofre de alguma condição ou doença, sua possível inclusão em grupos de risco, ingestão de medicamentos e as características ou sintomas que ocorrem durante a queda da pressão arterial (por exemplo, se ocorre após comer, fazer exercícios ou ficar em pé).

Avaliação clínica inicial

É feita em silêncio, em uma sala que oscila entre 20 e 24 graus, após o paciente estar 5 minutos em repouso e tentando criar um ambiente calmo. O médico continuará medindo a pressão arterial em intervalos de 60 a 180 segundos. Ele fará esta avaliação em diferentes ângulos, em pé ou sentado.

A mudança nos níveis de pressão arterial devido à variações na posição do corpo é conhecida como hipotensão ortostática. O paciente também pode ser alimentado e ventilado 20 minutos depois. A hipotensão pós-prandial ocorre quando a pressão cai após cada refeição, por isso possui um diagnóstico prático.

Teste de estresse

Dependendo dos próprios critérios, o especialista também pode motivar diferentes situações estressantes para o diagnóstico de hipotensão. Por exemplo, você pode fazer um teste de estresse cardíaco, aferir a pressão em mudanças repentinas de posição, ajustar a temperatura ambiente ou administrar medicamentos que promovem batimentos cardíacos rápidos.

Exames de sangue

Estudos indicam que uma parte importante do diagnóstico de hipotensão é descartar condições catalizadoras, como diabetes, anemia, deficiências de vitaminas, doenças neurodegenerativas e outras. Algumas dessas condições podem ser identificadas por meio de um exame de sangue; portanto, exames desse tipo serão feitos como um complemento.

Manobra de Valsalva

É uma técnica em que o paciente tenta respirar com a boca fechada. Em certas condições, a pressão arterial pode apresentar desequilíbrios na sua faixa padrão. Nesse caso, quedas repentinas serão analisadas durante ou após o término do teste. Normalmente, a instabilidade de pressão neste cenário é devida a problemas no sistema nervoso autônomo.

Teste da mesa de inclinação

Se durante a avaliação clínica inicial o especialista não encontrar um teste definitivo que acuse a queda da pressão arterial, a técnica da mesa inclinada pode ser usada. Consiste em colocar o paciente em uma mesa especial que pode passar da vertical para a horizontal em apenas alguns segundos.

Os resultados da pressão arterial serão então medidos e interpretados com base nas informações descritas acima. É provável que o paciente desmaie durante o teste se a descida levar à síncope.

Eletrocardiograma

É usado para detectar anormalidades no coração com base nos sinais elétricos. Ele pode detectar, por exemplo, irregularidades do ritmo cardíaco, algumas anormalidades na estrutura do órgão ou na velocidade dos batimentos cardíacos.

Exames de imagem para o diagnóstico de pressão arterial baixa

Como existem inúmeras condições que podem causar pressão arterial baixa, o médico fará exames de imagem para diagnosticar as mais óbvias. Para isso ele pode recorrer a um ecocardiograma.

Com a ajuda desse método, imagens detalhadas do coração são obtidas por meio de ondas sonoras de alta frequência. O teste detecta a condição do músculo cardíaco, suas câmaras, sua eficiência de bombeamento e seu tamanho, entre outras coisas.

Diagnóstico diferencial de pressão arterial baixa

O diagnóstico de pressão arterial baixa depende do contexto.
Muitas condições podem ser identificadas como possíveis causas da pressão arterial baixa; a maioria delas está relacionada à mecânica cardíaca.

Durante o diagnóstico, o especialista também descarta condições que podem ser confundidas com sintomas de hipotensão. A evidência indica que os mais comuns são os seguintes:

  • Insuficiência cardíaca congestiva.
  • Infarto do miocárdio.
  • Miocardite.
  • Pericardite.
  • Doença cardiovascular.
  • Insuficiência venosa crônica.
  • Diabetes insípido.
  • Insuficiência suprarrenal.
  • Desidratação.
  • Hipotireoidismo.
  • Consumo de drogas.
  • Gravidez.

Os transtornos de ansiedade ou ataques de pânico também podem causar sintomas muito semelhantes aos da hipotensão. Conforme apropriado, exames adicionais serão feitos para descartar completamente essas e outras condições.

Assim que for feito o diagnóstico de pressão arterial baixa, o tratamento prosseguirá. Ele tem como objetivo atacar o problema subjacente e ser complementado com pequenas mudanças no estilo de vida.

O tratamento também pode ser complementado com a ingestão de alguns medicamentos, uso de meias elásticas e aumento da ingestão de sódio na dieta. Em qualquer caso, é sempre determinado de forma personalizada com base nos resultados dos exames.

Pode interessar a você...
Qual é o melhor momento para medir a pressão arterial?
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Qual é o melhor momento para medir a pressão arterial?

Manter o controle da pressão arterial é um método preventivo eficaz que pode ser feito em casa. Descubra quando e como você deve fazer isso.



  • Gupta, V., & Lipsitz, L. A. Orthostatic hypotension in the elderly: diagnosis and treatment. The American journal of medicine. 2007; 120(10): 841-847.
  • Lahrmann, H., Cortelli, P., Hilz, M., Mathias, C. J., Struhal, W., & Tassinari, M. EFNS guidelines on the diagnosis and management of orthostatic hypotension. European journal of neurology. 2006; 13(9): 930-936.
  • Lanier, J. B., Mote, M. B., & Clay, E. C. Evaluation and management of orthostatic hypotension. American family physician. 2011; 84(5): 527-536.
  • Palma, J. A., & Kaufmann, H. Epidemiology, diagnosis, and management of neurogenic orthostatic hypotension. Movement disorders clinical practice. 2017; 4(3): 298-308.