Como a hipertensão afeta as mulheres

A hipertensão em mulheres pode se desenvolver durante ou após a menopausa, ou por meio do uso de anticoncepcionais. Descubra quais são os outros aspectos que podem causar seu aparecimento.

Segundo indicadores da Organização Mundial da Saúde (OMS), 1 em cada 5 mulheres sofre de hipertensão. Embora se saiba que a condição é mais comum em homens, a hipertensão em mulheres é condicionada por vários fatores. Como aponta o American College of Cardiology, esses fatores incluem a ingestão de anticoncepcionais orais, o percentual de gordura corporal e gravidez.

A OMS lembra que as doenças cardiovasculares são a principal causa de morte na população feminina. Elas podem ser causadas por hipertensão ou geradas como sequela. Em qualquer caso, os níveis devem ser monitorados durante a idade adulta, especialmente se houver histórico familiar ou se a paciente faz parte de grupos de risco.

Hipertensão em mulheres

A hipertensão em mulheres foi exaustivamente estudada. Por exemplo, sabe-se que embora a pressão arterial geralmente seja mais elevada em homens, a prevalência da doença é mais comum em mulheres após os 65 anos.

É importante ressaltar que, apesar dos avanços no campo, os mecanismos fisiopatológicos da diferença de sexo ainda não são totalmente compreendidos. Entre os fatores de risco exclusivos para mulheres destacamos:

Ingestão de contraceptivos orais

A hipertensão em mulheres pode ser devida a medicamentos
Os anticoncepcionais orais (ACOs) são medicamentos com grande capacidade de causar efeitos adversos, apesar de sua eficácia clínica.

Embora mais estudos sejam necessários a esse respeito, a evidência sugere um aumento da pressão arterial em mulheres que fazem ingestão permanente de anticoncepcionais orais.

Algumas pesquisas destacam que a hipertensão que se manifesta nesses grupos pode ser de até 5%. A porcentagem aumenta se a droga for combinada com tabaco e se a paciente sofrer de obesidade.

É por isso que as mulheres que tomam a pílula anticoncepcional são aconselhadas a monitorar regularmente seus níveis de pressão arterial. Caso seja descoberta alguma alteração, ela deverá ser comunicada ao médico especialista. É possível que as mudanças nos níveis de estrogênio e progesterona sejam responsáveis por esses desequilíbrios.

Porcentagem de gordura corporal

Sabe-se que a distribuição e a composição da gordura corporal varia de acordo com o gênero. Nas mulheres, a porcentagem de gordura é um pouco maior. O diagnóstico precoce da doença foi associado a níveis elevados de gordura epicárdica e visceral.

Especificamente, a evidência indica que existe uma relação entre uma maior porcentagem de gordura corporal e o aumento da pressão arterial em mulheres. Ao contrário, estudos sugerem que uma redução desses valores é benéfica para o controle dos níveis de pressão arterial em mulheres diagnosticadas.

É importante observar que o aumento da porcentagem de gordura devido a um desequilíbrio hormonal ou alimentar pode levar ao desenvolvimento de outras condições. Isso inclui colesterol alto, resistência à insulina, doenças cardíacas e síndrome metabólica.

Gravidez e hipertensão em mulheres

Deve ser feita uma menção especial em relação à gravidez e hipertensão em mulheres. Não é incomum que o processo de gestação eleve a pressão arterial, sugerindo-se inclusive que ocorra entre 6% e 10% dos casos.

Ela é conhecida como hipertensão induzida pela gravidez. Evidências indicam que é a principal causa de morbidade materna e perinatal.

Ela é mais comum na primeira gravidez e na maioria das vezes desaparece após o nascimento. Se não for controlada, pode levar à pré-eclâmpsia, geralmente durante ou após a vigésima semana de gestação. Esses episódios são mais comuns em gestações múltiplas, em mulheres com menos de 20 ou mais de 40 anos e com a obesidade como comorbidade.

É por isso que é importante monitorar os níveis de pressão arterial durante a gravidez. Essa é uma condição perigosa, pois não gera sintomas detectáveis pela mãe.

Alguns estudos associam a presença de hipertensão durante a gravidez ao baixo peso do bebê, fator que pode condicionar seu desenvolvimento nas fases posteriores.

Menopausa e hipertensão

A hipertensão em mulheres pode aparecer após a menopausa
As alterações hormonais que caracterizam a menopausa podem explicar o surgimento da hipertensão essencial nessa fase.

As alterações hormonais que ocorrem durante e após a menopausa podem ser catalisadores para o desenvolvimento de hipertensão nas mulheres.

Estima-se que a presença dessa condição em mulheres com mais de 65 anos chegue a 60%, com implicações ainda completamente incompreendidas. De acordo com alguns estudos, os sintomas da pressão alta costumam ser confundidos com as consequências da menopausa.

Há um consenso demonstrado pelas evidências de que o estrogênio representa um protetor ou regulador dos níveis de pressão elevados.

Sua presença ativa uma série de mecanismos vasodilatadores e inibe os episódios vasoconstritores quando está em níveis ideais. Quando diminuem, as mulheres ficam expostas a alterações que podem colocar em risco sua saúde.

Por isso, mulheres com mais de 50 anos devem monitorar seus níveis de pressão arterial. Isso deve ser feito pelo menos uma vez por ano, com intervalos menores se caso ela faça parte de um dos grupos de risco ou de acordo com as recomendações de um especialista.

Por fim, é importante observar que, em termos gerais, não há diferença no tratamento da hipertensão para homens ou mulheres. Em alguns contextos ele pode ser diferente, como na gravidez; mas a porcentagem é a mesma.

  • Ashraf, M. S., & Vongpatanasin, W. Estrogen and hypertension. Current hypertension reports. 2006; 8(5): 368-376.
  • Faria, A. N., Filho, F. F. R., Ferreira, S. R. G., & Zanella, M. T. Impact of visceral fat on blood pressure and insulin sensitivity in hypertensive obese women. Obesity research. 2002; 10(12): 1203-1206.
  • Gudmundsdottir, H., Høieggen, A., Stenehjem, A., Waldum, B., & Os, I. Hypertension in women: latest findings and clinical implications. Therapeutic advances in chronic disease. 2012; 3(3): 137-146.
  • Granger, J. P., Alexander, B. T., Bennett, W. A., & Khalil, R. A. Pathophysiology of pregnancy-induced hypertension. American journal of hypertension. 2001; 14(S3): 178S-185S.
  • Lubianca, J. N., & Faccin, C. S. Oral contraceptives: a risk factor for uncontrolled blood pressure among hypertensive women. Contraception. 2003; 67(1): 19-24.
  • Kanai, H., Tokunaga, K., Fujioka, S., Yamashita, S., Kameda-Takemura, K., & Matsuzawa, Y. Decrease in intra-abdominal visceral fat may reduce blood pressure in obese hypertensive women. Hypertension. 1996; 27(1): 125-129.
  • Kintiraki, E., Papakatsika, S., Kotronis, G., Goulis, D. G., & Kotsis, V. Pregnancy-induced hypertension. Hormones. 2015; 14(2): 211-223.
  • Maas, A. H. E. M., & Franke, H. R. Women’s health in menopause with a focus on hypertension. Netherlands Heart Journal. 2009; 17(2): 68-72.
  • Neves, E. B., Salamunes, A. C. C., de Oliveira, R. M., & Stadnik, A. M. W. Effect of body fat and gender on body temperature distribution. Journal of thermal biology. 2017; 70: 1-8.
  • Pimenta, E. Hypertension in women. Hypertension Research. 2012; 35(2): 148-152.
  • Sironi, A. M., Pingitore, A., Ghione, S., De Marchi, D., Scattini, B., Positano, V., … & Gastaldelli, A. Early hypertension is associated with reduced regional cardiac function, insulin resistance, epicardial, and visceral fat. Hypertension. 2008; 51(2): 282-288.
  • Taddei, S. (2009). Blood pressure through aging and menopause. Climacteric, 12(sup1), 36-40.
  • Urrea, J. Hipertensión arterial en la mujer. Revista Colombiana de Cardiología. 2018; 25: 13-20.
  • Xiong, X., Mayes, D., Demianczuk, N., Olson, D. M., Davidge, S. T., Newburn-Cook, C., & Saunders, L. D. Impact of pregnancy-induced hypertension on fetal growth. American journal of obstetrics and gynecology. 1999; 180(1): 207-213.
  • Woods, J. W. Oral contraceptives and hypertension. Hypertension. 1988; 11(3_pt_2); II11.