Sintomas da hipertensão

Em muitas casos a hipertensão pode ser uma doença assintomática. Em outros, gera sinais que alertam as pessoas de que existe um problema latente. Conheça alguns dos sintomas da hipertensão e quando é recomendável procurar atendimento médico.

Conforme dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), existem atualmente cerca de 1,13 bilhão de pessoas hipertensas. Essa condição está associada ao desenvolvimento de outras doenças, especialmente se um tratamento de longo prazo não for aplicado. Saber os sintomas da hipertensão ajuda muito a alertar as pessoas sobre um possível problema.

A hipertensão ocorre quando a pressão exercida nas paredes dos vasos sanguíneos é maior do que o normal. Ela varia conforme o caso, mas é considerada como presente quando a pressão sistólica está acima de 140 mmHg e a diastólica acima de 90 mmHg. Muitas vezes não há sintomas, o que dificulta o seu diagnóstico em casa.

Principais sintomas de hipertensão

Conforme apontado por alguns estudos, a maioria dos pacientes com hipertensão não desenvolve nenhum sintoma. Por isso ela é considerada uma doença silenciosa, de forma que a ausência de alguns dos sinais que descreveremos brevemente não sugere que a pessoa esteja com a pressão normal.

A única maneira de saber se você tem hipertensão é por meio de um monitor de pressão arterial. Em geral, se os valores ultrapassarem o espectro normal por dois dias diferentes, é sinal de que a pessoa é hipertensa.

Embora a medição possa ser feita em casa com um monitor digital de pressão arterial, é necessária a avaliação de um especialista para determinar o tratamento e possíveis efeitos colaterais. Entre os sintomas mais comuns de hipertensão, destacamos os seguintes:

Dor de cabeça

Embora haja alguma controvérsia em torno dessa relação,  pesquisas indicam que as dores de cabeça são um sintoma relativamente comum quando a pressão não é controlada. As cefaleias podem ser leves, moderadas ou intensas, e podem piorar na ausência de medicamentos ou quando os valores da pressão arterial superam os normais.

Muitos pacientes relatam que a dor de cabeça causada é do tipo latejante. Na segunda edição da Classificação Internacional de Distúrbios de Cefaleia, a cefaleia hipertensiva foi incluída na seção “Cefaleia atribuída a distúrbios da homeostase”, especificamente na seção 10.3.

Tontura

Os sintomas de hipertensão incluem tontura.
A tontura, especialmente em pessoas mais velhas, costuma estar associada à hipertensão.

A tontura é outro sintoma muito frequente da hipertensão, conforme relatado por diversos estudos a esse respeito. Ela pode estar diretamente relacionada ao aumento da pressão nos vasos sanguíneos ou à dose de tratamento utilizada para regulá-la.

Seja como for, estes episódios são mais frequentes ao fazer movimentos bruscos depois de passar muito tempo sentado, ou quando se está muito tempo em pé. Geralmente as tonturas são leves, mas dependendo do contexto podem ser moderadas ou graves.

Dificuldade para respirar

Foi encontrada uma relação entre falta de ar e hipertensão. O sintoma é descrito como um aperto no peito, dificuldade em prender o ar, inalar ou simplesmente como uma sensação de sufocamento. Ela está associada à hipertensão pulmonar, em qualquer uma de suas variações.

Lembre-se de que este é um sinal muito ambíguo, também presente em outras condições, como DPOC, asma, doenças cardíacas e pneumonia. Ela também pode ocorrer em ataques de pânico, ansiedade e em pessoas obesas.

Hemorragias nasais

Embora sejam menos comuns que os outros sintomas, os sangramentos nasais também estão entre os sintomas mais comuns de hipertensão. A revisão da literatura parece confirmar essa hipótese, uma vez que a pressão arterial é elevada durante um episódio de epistaxe (sangramento nasal).

Investigações sugerem que este sinal não é uma sequela de um vaso sanguíneo rompido. Acredita-se que lesões no endotélio vascular, alterações nos processos de coagulação e distúrbios da microcirculação sejam os responsáveis.

Junto aesses sintomas também podem ocorrer com frequência:

  • Ritmos cardíacos irregulares.
  • Ansiedade.
  • Zumbido nos ouvidos.
  • Mudanças na visão (dificuldade de foco e visão turva, por exemplo).

Sintomas raros de hipertensão areterial

Os sintomas menos comuns da hipertensão geralmente se apresentam como alterações severas. Se a doença não foi tratada por um longo tempo ou uma alteração descontrolou os valores em níveis mais elevados, pode ocorrer o seguinte:

Náusea e vômito

Muitas vezes relacionadas a fortes tonturas, náuseas e vômitos também podem surgir de forma inesperada e evoluir para falta de apetite. Pode ocorrer devido aos efeitos colaterais do tratamento da hipertensão.

Possíveis complicações da hipertensão

Se o paciente tem hipertensão há muito tempo, mesmo quando ela não gera nenhum sintoma, várias complicações graves podem ocorrer. Muitas são as sequelas causadas pela pressão descontrolada, principalmente nos seguintes órgãos:

  • Artérias: conhecida como doença vascular. As artérias podem endurecer ou estreitar, limitando o fluxo sanguíneo. Outra complicação são os aneurismas, que podem causar hemorragias internas e colocar em risco a vida do paciente.
  • Coração: pode se manifestar por meio de diferentes problemas, embora os mais comuns sejam insuficiência cardíaca, doença arterial coronariana e aumento do lado esquerdo do coração.
  • Cérebro: causado diretamente pela hipertensão ou pela confluência dos danos anteriores. O paciente pode desenvolver acidentes vasculares cerebrais, ataque isquêmico transitório e demência, ou diminuição da capacidade cognitiva.
  • Rins: a pressão alta pode danificar os vasos sanguíneos que os rins usam para filtrar os resíduos do sangue. Isso, por sua vez, pode levar à insuficiência renal ou glomeruloesclerose (cicatrizes no rim).

Todas essas complicações podem se desenvolver em pessoas sem um sintoma visível, pelo menos até que o problema tenha avançado para estágios superiores. Na medicina existe o que é conhecido como urgência hipertensiva.

É o aumento da pressão arterial acima de 180 mmHg / 120 mmHg sem nenhum sinal. Esses tipos de episódios podem colocar em risco a vida do paciente.

Quando procurar assistência médica?

Os sintomas da hipertensão são muito variados.
O diagnóstico precoce e o tratamento oportuno desta doença são aspectos importantes.

O médico geralmente mede a sua pressão arterial em consultas de rotina. Já que é recomendado se consultar pelo menos uma vez por ano, ele será capaz de controlar seus níveis de pressão nos vasos sanguíneos.

Porém, quando ela está entre os fatores de risco, esses valores devem ser monitorados de perto. A existência de histórico familiar de hipertensão, excesso de peso ou obesidade, manutenção de uma dieta desordenada, sedentarismo, estresse e consumo excessivo de álcool ou tabaco são apenas alguns desses fatores.

Diante desses cenários, as pessoas devem medir sua pressão de forma recorrente. O ideal é que o procedimento seja feito por um especialista, embora ele também possa ser feito em casa, por meio de um monitor digital de pressão arterial.

Se você começar a apresentar algum dos sintomas de hipertensão acima descritos, ou descobrir valores anormais através do monitor de pressão arterial, não hesite em consultar o seu médico de confiança.

  • Al-Busafi, S. A., McNabb-Baltar, J., Farag, A., & Hilzenrat, N. Clinical manifestations of portal hypertension. International journal of hepatology. 2012.
  • Boiko, N. V., & Shatokhin, Y. V. Pathogenesis of nasal bleeding in the patients presenting with arterial hypertension. Vestnik otorinolaringologii. 2015; 80(5): 41-45.
  • Blasi, F. The challenge of breathlessness in the detection of pulmonary hypertension. 2012.
  • Courand, P. Y., Serraille, M., Girerd, N., Demarquay, G., Milon, H., Lantelme, P., & Harbaoui, B. (2016). The paradoxical significance of headache in hypertension. American journal of hypertension. 2016; 29(9): 1109-1116.
  • Fasce, E., Flores, M., & Fasce, F. Prevalencia de síntomas habitualmente asociados a la hipertensión arterial en población normotensa e hipertensa. Revista médica de Chile. 2002; 130(2): 160-166.
  • Fuchs, F. D., Gus, M., Moreira, L. B., Moreira, W. D., Goncalves, S. C., & Nunes, G. Headache is not more frequent among patients with moderate to severe hypertension. Journal of human hypertension. 2003; 17(11): 787-790.
  • Granados, G., Roales-Nieto, J. G., & Sagarduy, J. L. Y. Un estudio exploratorio sobre el desarrollo de creencias sobre síntomas como señales de hipertensión arterial. 2006; 18(4): 822-827.
  • Hulens, M., Rasschaert, R., Vansant, G., Stalmans, I., Bruyninckx, F., & Dankaerts, W. The link between idiopathic intracranial hypertension, fibromyalgia, and chronic fatigue syndrome: exploration of a shared pathophysiology. Journal of pain research. 2018; 11: 3129.
  • Kikidis, D., Tsioufis, K., Papanikolaou, V., Zerva, K., & Hantzakos, A. Is epistaxis associated with arterial hypertension? A systematic review of the literature. European Archives of Oto-Rhino-Laryngology. 2014; 271(2): 237-243.
  • Olesen, J. The international classification of headache disorders. (ICHD-II). Revue neurologique. 2005; 161(6-7): 689-691.
  • Tartavoulle, T. M., Karpinski, A. C., Aubin, A., Kluger, B. M., Distler, O., & Saketkoo, L. A. Multidimensional fatigue in pulmonary hypertension: prevalence, severity and predictors. ERJ open research. 2018; 4(1).