Como a hipertensão é diagnosticada?

O diagnóstico da hipertensão é feito por especialista com auxílio de monitor de pressão arterial ou teste com aparelho de MAPA. No entanto, em alguns casos, podem ser solicitados exames laboratoriais ou de imagem. Descubra o procedimento padrão a seguir.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma pessoa é considerada hipertensa quando seus valores de pressão são iguais ou superiores a 140/90 mmHg. Como raramente desenvolvem sintomas, a maioria das pessoas não tem conhecimento da doença.

O diagnóstico da hipertensão é feito com a ajuda de dispositivos específicos e alguns testes adicionais.

Essa condição está relacionada a problemas renais e cardiovasculares, portanto, um diagnóstico precoce é útil para evitar complicações desagradáveis. Todos os adultos devem saber seus valores de pressão arterial de forma recorrente, de preferência com o acompanhamento de um especialista qualificado.

Exames de diagnóstico de hipertensão

O diagnóstico de hipertensão requer equipamentos diversos
A medição da pressão arterial pode ser realizada pontualmente ou por um determinado período de tempo, usando dispositivos específicos.

Tradicionalmente, o diagnóstico da hipertensão é feito por meio de um medidor de pressão arterial, também conhecido como monitor de pressão arterial ou esfigmomanômetro. A manguito comprime externamente o braço ou punho do paciente e, em seguida, libera a pressão para medir a pressão sistólica (quando o coração se contrai) e a diastólica (quando ele relaxa) no processo.

Para um diagnóstico objetivo, o médico deve repetir o teste várias vezes no momento e ao longo de duas ou três semanas. Quando pelo menos três valores de hipertensão arterial foram obtidos com um intervalo de 7 dias, entende-se que a pessoa sofre de hipertensão. No entanto, o diagnóstico pode exigir confirmação.

A razão é que existe hipertensão do avental branco. A ansiedade e o medo podem aumentar os níveis de estresse em um consultório médico, então os resultados são sempre condicionais. Para uma avaliação mais precisa, o especialista recomendará um teste do dispositivo ABPM ou um MDPA.

Monitoramento ambulatorial da pressão arterial (MAPA)

A monitoração ambulatorial da pressão arterial, mais conhecida como MAPA, é um teste que mede os valores da pressão arterial em 24 ou 48 horas. Consiste em um pequeno dispositivo que é ativado automaticamente a cada 20 ou 30 minutos para realizar a medição. Ele carrega uma memória com um registro que contabiliza valores elevados.

Sua utilidade é que nos permite saber como se comporta a pressão arterial quando o paciente realiza suas atividades diárias. Pesquisas confirmam que é um método seguro, fácil e prático.

Monitoramento residencial da pressão arterial (MDPA)

É uma alternativa ao teste anterior, que permite obter valores prolongados mas com intervalos maiores. A desvantagem é que não mede valores quando as pessoas estão fazendo atividades, nem quando dormem. Ainda assim, é um teste sólido ao qual recorrer em caso de dúvida.

Em geral, um monitor digital de pressão arterial é utilizado para sua mediação. O paciente passa a fazer as medições com base nos intervalos sugeridos pelo médico e, a seguir, transmite as informações para análise posterior. As evidências mostram sua eficácia, embora as pessoas devam ser esclarecidas sobre como realizar o procedimento para evitar resultados alterados.

Com base em medições de consultório, testes de ABPM e MDPA, o médico deve ter informações suficientes para fazer um diagnóstico de hipertensão. Seguindo a American Heart Association, esse diagnóstico é feito com base no seguinte:

  • Hipertensão estágio 1: varia de 130/139 mmHg para pressão sistólica a 80/89 mmHg para diastólica.
  • Hipertensão estágio 2: os valores da pressão sistólica são iguais ou maiores que 140 mmHg e iguais ou maiores que 90 mmHg para a diastólica.

Com base nisso, é possível prescrever um tratamento. Se as dúvidas persistirem, o especialista pode pedir exames adicionais.

Exames laboratoriais para o diagnóstico de hipertensão

Se você opta por fazer exames laboratoriais, geralmente é porque há suspeita de que seja hipertensão secundária. Este nome é conhecido para o aumento da pressão arterial causado por uma doença primária, geralmente localizada no coração, rins ou sistema endócrino.

Como se estima que 10% dos casos de hipertensão são secundários, existe um protocolo para o seu diagnóstico. Ele consiste em realizar os seguintes testes:

  • Uroanálise: por meio da qual se pode determinar se a tensão é causada pela ingestão do medicamento ou pela presença de diabetes.
  • Exames de sangue: usados para avaliar a função renal, embora também possam ser usados para avaliar os níveis de glicose no sangue, colesterol, triglicerídeos, eletrólitos, tireoide e muito mais.

Se todos os valores estiverem corretos, o especialista pode optar por exames de imagem antes de afastar a hipótese de hipertensão secundária.

Testes de imagem para pressão alta

A ressonância magnética é um método utilizado para o diagnóstico de hipertensão arterial secundária.
Esses testes permitem detectar problemas estruturais em determinados órgãos relacionados ao controle da pressão arterial.

São menos frequentes do que um teste diagnóstico clássico ou um teste de laboratório, embora sejam o último bastião para tentar descartar as causas primárias da doença. Os mais usados são os seguintes:

  • Ecocardiograma: por meio de imagens produzidas por ondas, é possível determinar a presença de anomalias cardíacas. Ele permite que você veja o coração em movimento para analisar sua dinâmica.
  • Tomografia computadorizada ou ressonância magnética: ambas utilizadas para descartar a presença de tumor nas glândulas suprarrenais, conhecido como feocromocitoma. Eles são menos usados do que os anteriores, embora em certos contextos possam ser úteis.

Se depois de desenvolver todos esses testes o especialista não encontrar nenhuma correlação, ele descartará a hipertensão como um fenômeno secundário. Se alguma alteração for percebida, a resposta pode ser encontrada no diagnóstico diferencial.

Diagnóstico diferencial de hipertensão

Existem muitas doenças ou condições que podem estar associadas à hipertensão. Entre os mais comuns destacamos os seguintes:

  • Insuficiência renal: foi demonstrada uma relação paradoxal entre hipertensão e insuficiência renal. Ambos podem gerar um ao outro, por isso é uma das primeiras coisas que o cardiologista deve descartar. Pode ser aguda ou crônica e é tratada de acordo com sua gravidade.
  • Medicamentos ou drogas: os efeitos colaterais de alguns medicamentos podem causar hipertensão, e também interação com drogas recreativas. O paciente deve informar o médico sobre as mudanças na ingestão do medicamento para procurar um padrão relacionado.
  • Hipotireoidismo: Muitos estudos e pesquisas sugeriram o hipotireoidismo como causa da hipertensão secundária. As anormalidades podem ser detectadas por meio de um exame de sangue e pela presença de outros sintomas, como ganho de peso, sudorese e ansiedade.

Se alguma dessas condições for confirmada, o respectivo tratamento será iniciado. Se nenhuma causa for encontrada, o diagnóstico será hipertensão em um de seus graus ou tipos devido a uma causa primária.

Em seguida, se procede a encontrar a melhor maneira de controlar os níveis com base na terapia medicamentosa e mudanças no estilo de vida.

  • Barochiner, J., Cuffaro, P. E., Aparicio, L. S., Elizondo, C. M., Giunta, D. H., Rada, M. A., … & Waisman, G. D. Reproducibility and reliability of a 4-day HBPM protocol with and without first day measurements. Revista de la Facultad de Ciencias Medicas (Cordoba, Argentina). 2011; 68(4): 149-153.
  • Cobos, B., Haskard-Zolnierek, K., & Howard, K. White coat hypertension: improving the patient–health care practitioner relationship. Psychology research and behavior management. 2015; 8: 133.
  • Grossman, E. Ambulatory blood pressure monitoring in the diagnosis and management of hypertension. Diabetes care. 2013; 36; S307-S311.
  • Kotliar, C., Obregon, S., Koretzky, M., Botto, F., Di Leva, A., Boscaro, M., … & Ferdinand, K. C. Improved identification of secondary hypertension: use of a systematic protocol. Annals of translational medicine. 2018; 6(15).
  • Krzesinski, J. M., & Cohen, E. P. Hypertension and the kidney. Acta Clinica Belgica. 2007; 62(1),: 5-14.
  • Rondanelli, R., & Rondanelli, R. Hipertensión arterial secundaria en el adulto: evaluación diagnóstica y manejo. Revista Médica Clínica Las Condes. 2015; 26(2): 164-174.
  • Saito, I., Ito, K. U. N. I. H. I. K. O., & Saruta, T. A. K. A. O. Hypothyroidism as a cause of hypertension. Hypertension. 1983; 5(1): 112-115.
  • Stabouli, S., Papakatsika, S., & Kotsis, V. Hypothyroidism and hypertension. Expert review of cardiovascular therapy. 2010; 8(11): 1559-1565.
  • Young, W. F. Adrenal causes of hypertension: pheochromocytoma and primary aldosteronism. Reviews in Endocrine and Metabolic Disorders. 2007; 8(4): 309-320.