Os 5 efeitos colaterais mais comuns dos anticoncepcionais

O uso de anticoncepcionais orais pode causar um grande número de efeitos colaterais. Muitos desses sintomas desaparecem sem a necessidade de tratamento médico.

Um dos métodos anticoncepcionais mais usados por mulheres em todo o mundo são as pílulas anticoncepcionais. Elas são acessíveis, baratas e fáceis de administrar, porém, podem causar efeitos indesejáveis. Descubra abaixo, os 5 efeitos colaterais mais comuns dos anticoncepcionais.

As pílulas anticoncepcionais foram criadas há mais de 50 anos e geram variações nos níveis de estrogênio para impedir a ovulação. Estudos mostram que, além de prevenir a gravidez essas pílulas protegem contra outras patologias, como a doença inflamatória pélvica (DIP) e a gravidez ectópica.

A forma de usar esse método contraceptivo é muito simples, o que faz dele muito popular entre as mulheres jovens. Elas devem tomar apenas 1 comprimido por dia sempre no mesmo horário, o tratamento deve começar no primeiro dia do ciclo menstrual ou no primeiro domingo após o início do ciclo menstrual.

Mecanismo de ação dos anticoncepcionais

Os 5 efeitos colaterais mais comuns dos anticoncepcionais
Esses medicamentos influenciam o nível de alguns hormônios.

Antes de falar sobre os efeitos colaterais dos anticoncepcionais orais, é importante entender seu mecanismo de ação. Isso ocorre porque a maioria dos sintomas indesejados acontece devido às alterações hormonais geradas pelo composto.

As pílulas anticoncepcionais causam alterações nos níveis de hormônios chamados estrogênios, fornecendo estrogênio, etinilestradiol e progestagênio. Os componentes mais importantes são estrogênios e progesterona, os quais gerarão as mudanças necessárias para evitar a ovulação.

O estrogênio suprime a atividade do hormônio folículo estimulante (FSH) no ovário, evitando o aparecimento de um folículo dominante. Este folículo dominante é aquele que poderá se tornar um óvulo maduro. Os estrogênios também regulam e equilibram o ciclo menstrual da mulher.

Por sua vez, a progesterona inibe a secreção do hormônio luteinizante (LH), o que impede a liberação de um óvulo maduro. Ambos os componentes devem trabalhar em conjunto para gerar o efeito anticoncepcional desejado, porque separados não conseguiriam.

Os 5 efeitos colaterais mais comuns dos anticoncepcionais

Apesar da grande utilidade das pílulas como métodos anticoncepcionais, as alterações hormonais produzidas tendem a criar efeitos colaterais. Eles não costumam ter um grande impacto na vida diária das mulheres; e os efeitos colaterais desaparecem por conta própria após alguns dias.

Vários estudos relatam que até 30,8% das mulheres que tomam anticoncepcionais apresentam pelo menos uma reação adversa a eles. A frequência dos sintomas apresentados pode variar em função da idade, raça, condições físicas das pessoas estudadas e da bibliografia consultada.

No entanto, entre os sintomas e sinais que podem aparecer com maior frequência como parte dos efeitos adversos, destacam-se os seguintes:

1. Ganho de peso

Um estudo anteriormente citado realizado pela revista Pharmaceutical Care afirma que o ganho de peso é o efeito colateral mais comum dos anticoncepcionais. Ele pode ocorrer em até 14% das mulheres, na maioria dos casos o ganho de peso é devido à retenção de líquidos.

As variações no peso corporal não costumam ser tão significativas em mulheres que não eram obesas antes do tratamento com anticoncepcional oral. Em termos gerais, estima-se que o ganho de peso costuma ser inferior a 2 quilos, portanto, é um aumento mínimo e não é preocupante.

Este sintoma costuma ser temporário e desaparece por conta própria após 2 ou 3 meses de uso contínuo. No entanto, não existem estudos conclusivos que confirmem a relação entre o ganho de peso e o uso de pílulas anticoncepcionais.

2. Dor de cabeça

As dores de cabeça são um sintoma comum durante a menstruação; no entanto, podem ocorrer como parte dos efeitos colaterais dos anticoncepcionais. Este sintoma pode ser explicado de forma fisiológica por uma diminuição repentina nos níveis de estrogênio no corpo.

As mulheres que usam pílulas anticoncepcionais têm níveis de estrogênio até 4 vezes maiores do que o normal. Isso faz com que durante a menstruação haja uma queda brusca e o consequente aparecimento do sintoma.

A apresentação desse sintoma não depende da dose de hormônios ingeridos, de fato, os estrogênios em baixas doses previnem o aparecimento de enxaquecas. A frequência desse efeito adverso é alta e pode aparecer em até 20% das mulheres de acordo com vários estudos.

3. Náuseas e vômitos

Os 5 efeitos colaterais mais comuns dos anticoncepcionais
Os distúrbios gastrointestinais são comuns.

As pílulas anticoncepcionais podem causar vários distúrbios gastrointestinais, entre os quais se destacam náuseas e vômitos. No entanto, geralmente são leves e não representam uma emergência médica.

Na maioria dos casos, não é necessária atenção médica e eles desaparecem por conta própria com doses repetidas. De fato, estudos mostram que desaparecem espontaneamente em 35,5% dos casos e apenas 4,5% merecem atendimento médico especializado.

Estes sintomas costumam ser maiores durante as primeiras doses, no entanto, tomar a pílula com as refeições, ou antes de dormir pode ajudar. É importante ter em mente que se as náuseas ou os vômitos não desaparecerem após 3 meses, você deve consultar o seu médico.

4. Sangramento de escape

Este é um sintoma muito frequente e se trata de um sangramento vaginal que pode ser confundido com a menstruação, mas aparece antes do esperado. Geralmente aparece durante os primeiros 3 meses de tratamento ou quando a paciente esquece de tomar uma das pílulas.

O sangramento pode aparecer como um processo de adaptação do útero para ter um endométrio mais fino. Também pode aparecer devido aos diferentes níveis de estrogênios utilizados pelo corpo. Apesar do sangramento, a pílula ainda é eficaz, desde que nenhuma pílula tenha sido esquecida.

A duração deste sintoma é geralmente inferior a 5 dias e a quantidade de sangue expelida é pequena na maioria dos casos. No entanto, é importante consultar o seu médico se você tiver sangramento intenso por 3 dias ou sangramento leve por mais de 5 dias.

5. Dor nas mamas

A dor nas mamas é muito comum durante o uso de anticoncepcionais combinados, ou seja, aqueles que usam estrogênios e progestagênios. Atualmente, não se sabe exatamente se a dor é causada pelo aumento do tamanho das mamas ou pela estimulação dos receptores de dor localizados na região.

O normal é que a dor nas mamas desapareça aos poucos, deve ser imperceptível depois de alguns meses. Se você sentir dor constante e ou se sentir um caroço na mama, consulte o seu médico imediatamente. Além disso, é importante consultar um especialista se a dor for muito intensa.

Outros efeitos dos anticoncepcionais

Os efeitos colaterais dos anticoncepcionais já mencionados são aqueles que aparecem de forma aguda, porém, o uso consumo de anticoncepcionais por muito tempo pode ter consequências para a saúde. De acordo com informações fornecidas pelo Instituto Nacional do Câncer, eles aumentam o risco de câncer de mama e de útero.

No entanto, nem todos os efeitos são negativos, de fato, a instituição afirma que os anticoncepcionais orais são capazes de reduzir o risco de câncer de endométrio, do ovário e de cólon.

Apesar da idade, as pílulas anticoncepcionais ainda são um dos métodos mais usados para prevenir a gravidez. Os efeitos colaterais de curto prazo costumam ser muito leves e desaparecem por conta própria em algumas semanas.

  • Calderón Obando A. Anticonceptivos oral. Revista Médica Sinergia. 2017; 2 (3): 16-21.
  • Aegidius K et al. Oral contraceptives and increased headache prevalence. Neurology. 2006; 66 (3): 349-353.
  • García Sevillano L, Arranz Madrigal E. Estudio de las reacciones adversas de los anticonceptivos hormonales desde la farmacia comunitaria. Pharm Care Esp. 2014; 16(3): 98-109.
  • Arrate N, Linares D, Molina H et al. Efectos secundarios de los anticonceptivos hormonales en usuarias del método asistentes a las consultas de planificación familiar. MediSan. 2013;17(03):415-425.
  • Carbajal-Ugarte J, Cárdenas-Blanco A, Pastrana-Huanaco E, López-Berrio D. Eficacia y efectos adversos de
    anticonceptivos hormonales. Rev Med Inst Mex Seguro Soc. 2008; 46 (1): 83-87.
  • Yasmeen A, Syed MH, Meraya AM, Albarraq AA, Makeen HA et al. Utilization pattern and side effect profile of oral anticonceptives: A community-based cross-sectional study among Saudi women. Int J Clin Pharm. 2020;42(3):887-894.