Causas e fatores de risco da hipertensão

Para alguns tipos de hipertensão, não há causa conhecida. Em outros, pode ser devido ao desenvolvimento de outras doenças. Fatores de risco podem aumentar as chances de desenvolvê-la, portanto, a mudança de hábitos serve como método preventivo. Nós vamos te contar mais sobre o assunto a seguir.

A hipertensão ocorre quando a pressão exercida nas paredes dos vasos sanguíneos é maior do que a convencional. As causas da hipertensão ainda não foram definidas, embora se saiba que algumas doenças e hábitos favorecem o seu aparecimento. Acredita-se que o componente genético também desempenhe um papel importante.

A hipertensão geralmente se manifesta por meio de comorbidades. Problemas cardíacos, renais, desequilíbrios endócrinos e problemas de saúde nas artérias são os mais frequentes. Um tratamento de longo prazo e a mudança de alguns hábitos do dia a dia previnem complicações gerais.

Causas da hipertensão

Em termos gerais, nenhuma causa específica de hipertensão foi encontrada. Em porcentagem, as chances de desenvolvê-la são maiores com a idade e sabe-se que algumas doenças podem causá-la como efeito colateral.

No entanto, tudo isso depende do tipo de pressão alta. Normalmente, dois tipos são distinguidos: primário (ou essencial) e secundário. Abaixo, revisamos o que se sabe sobre eles:

Causas da hipertensão primária

Genética como uma das causas da hipertensão
A hereditariedade pode desempenhar um papel fundamental nesta doença, uma vez que grupos familiares inteiros com hipertensão essencial foram descritos.

Hipertensão primária ou essencial é aquela para a qual não há causa conhecida. Embora estudos tenham sido desenvolvidos ao longo das décadas, não há consenso sobre os catalisadores que motivam seu surgimento. Embora as causas não possam ser explicadas, é uma condição tratável com a ajuda de medicamentos anti-hipertensivos.

Foi demonstrado que a hipertensão essencial pode ter um componente genético significativo, em torno de 30%, sem que os genes responsáveis por ela tenham sido identificados. Ela se desenvolve ao longo dos anos e, se não tratada adequadamente, pode causar problemas no coração, nos rins e no sistema endócrino.

Causas de hipertensão secundária

A hipertensão secundária se origina devido a um distúrbio subjacente. Estima-se que entre 5% e 10% dos diagnósticos da doença sejam de causa secundária. É comum que ela apareça repentinamente, e também que os valores sejam maiores do que na variante essencial.

Entre os fatores causais da hipertensão secundária, destacamos o seguinte:

  • Apneia obstrutiva do sono: Estudos têm considerado a relação entre a apneia e o desenvolvimento de hipertensão. As alterações que ocorrem durante um episódio podem causar hipertensão noturna, que progride para diurna devido à ativação simpática, estresse oxidativo, inflamação e disfunção endotelial.
  • Doença renal: existe um paradoxo entre a doença renal e a hipertensão. Estudos e pesquisas indicam que o último pode ser uma consequência ou uma causa do primeiro.
  • Problemas da tireoide : também está documentada a ligação entre os distúrbios da tireoide como causa da hipertensão. Episódios de hipertensão podem ser causados por hipertireoidismo e hipotireoidismo.
  • Tumores na glândula adrenal: Embora sejam menos comuns do que os outros, também existe evidência de que um tumor nestas glândulas pode levar a hipertensão.

Outras alterações que podem causar hipertensão são a ingestão de alguns medicamentos, drogas recreativas, diabetes e problemas cardíacos.

Como indicamos, isso representa cerca de 10% dos diagnósticos, o que significa que 90% dos casos não têm origem delimitada. No entanto, os fatores de risco podem alertá-lo para um possível desenvolvimento.

Fatores de risco para hipertensão

Estilo de vida sedentário é uma das causas da hipertensão.
Os fatores de risco modificáveis têm a vantagem de que podem ser tratados como um método preventivo.

Tal como acontece com outros tipos de doença, os hábitos podem desencadear a hipertensão. Vários deles foram identificados, os quais são divididos em modificáveis e não modificáveis. Entre os principais temos os seguintes:

  • Obesidade ou sobrepeso : estar com sobrepeso ou obesidade é um fator importante no desenvolvimento de pressão alta. Esse vínculo foi cuidadosamente estudado e acredita-se que faça parte da resposta às altas taxas de diagnóstico da doença. Leve em consideração que, segundo a OMS, hoje existem 1,130 milhão de hipertensos.
  • Consumo de tabaco e álcool : Está documentado que as pessoas que ingerem álcool ou tabaco em quantidades relativamente grandes têm pressão arterial mais alta. A redução no consumo está relacionada à diminuição dos valores de pressão.
  • Inatividade física : um estilo de vida sedentário é o gatilho para muitos problemas de saúde. Está comprovado que o sedentarismo pode ser, junto com outros fatores, um gatilho para a hipertensão. Em contraste, o exercício tem sido associado a um controle natural dos níveis de pressão nas artérias.
  • Dieta desequilibrada : especialmente aquela em que o sódio tem concentração acima dos níveis recomendados. Uma dieta desse tipo e com valores calóricos e lipídicos elevados desencadeia uma série de distúrbios fisiológicos que resultam em alterações na pressão arterial.
  • Idade : como já indicamos, o envelhecimento é um fator de risco para o desenvolvimento da doença. Ela está relacionada a uma deterioração natural da flexibilidade dos vasos sanguíneos, maior sensibilidade ao sódio e alterações hormonais (como menopausa ou andropausa).
  • Histórico familiar: Dado o componente genético da doença, as chances de sofrer de hipertensão aumentam se um ou ambos os pais já lidam com ela. O histórico da família também pode ser transportado para uma geração anterior, os avós.
  • Estresse: Pesquisas e estudos têm demonstrado que o estresse e outros transtornos psicossociais podem ocasionar o desenvolvimento da doença. Geralmente, ele não pode ser determinado como uma causa primária, mas opera junto a outros fatores para gerar as respostas fisiológicas.

Outro fator de risco que pode ser definido entre as causas da hipertensão é a baixa ingestão de potássio. O fato de você apresentar um ou mais desses fatores não significa que você desenvolverá a doença no futuro, mas significa que suas chances são ligeiramente maiores do que entre aqueles que não os apresentam.

Embora não possamos dizer que a hipertensão seja evitável, reverter os fatores de risco modificáveis é útil para aqueles com predisposição. Se você tem histórico familiar da doença, está acima do peso ou sofre de doenças crônicas como diabetes, deve prestar atenção aos seus níveis de pressão arterial.

Recomenda-se que todos os adultos verifiquem seus níveis de pressão arterial pelo menos uma vez por ano. A frequência deve aumentar conforme você envelhece. Se possível, viste um especialista anualmente para avaliar os níveis de uma forma geral.

Lembre-se de que essa condição geralmente não causa sintomas, característica que lhe valeu o apelido de assassina silenciosa.

  • Agarwal, A., Williams, G. H., & Fisher, N. D. Genetics of human hypertension. Trends in Endocrinology & Metabolism. 2005; 16(3): 127-133.
  • Barri, Y. M. Hypertension and kidney disease: a deadly connection. Current hypertension reports. 2008; 10(1): 39-45.
  • Berta, E., Lengyel, I., Halmi, S., Zrínyi, M., Erdei, A., Harangi, M., … & Bodor, M. Hypertension in thyroid disorders. Frontiers in endocrinology. 2019; 10: 482.
  • Atwell, T. D., Wass, C. T., Charboneau, J. W., Callstrom, M. R., Farrell, M. A., & Sengupta, S. Malignant hypertension during cryoablation of an adrenal gland tumor. Journal of vascular and interventional radiology. 2006; 17(3): 573-575.
  • Friedman, G. D., Klatsky, A. L., & Siegelaub, A. B. Alcohol, tobacco, and hypertension. Hypertension. 1982; 4(5_pt_2): III143.
  • Liu, M. Y., Li, N., Li, W. A., & Khan, H. Association between psychosocial stress and hypertension: a systematic review and meta-analysis. Neurological research. 2017; 39(6): 573-580.
  • Martins, L. C. G., de Oliveira Lopes, M. V., Guedes, N. G., Diniz, C. M., & de Oliveira Carvalho, P. M. Sedentary lifestyle in individuals with hypertension. Revista brasileira de enfermagem. 2015; 68(6): 697-704.
  • Messerli, F. H., Williams, B., & Ritz, E. Essential hypertension. The Lancet. 2007; 370(9587): 591-603.
  • Nuraini, B. (2015). Risk factors of hypertension. Jurnal Majority. 2015; 4(5).
  • Nguyen, T., & Lau, D. C. The obesity epidemic and its impact on hypertension. Canadian Journal of Cardiology. 2012; 28(3): 326-333.
  • Pescatello, L. S., Franklin, B. A., Fagard, R., Farquhar, W. B., Kelley, G. A., & Ray, C. A. Exercise and hypertension. Medicine & Science in Sports & Exercise. 2004; 36(3): 533-553.
  • Phillips, C. L., & O’Driscoll, D. M. Hypertension and obstructive sleep apnea. Nature and science of sleep. 2013; 5: 43.
  • Rimoldi, S. F., Scherrer, U., & Messerli, F. H. Secondary arterial hypertension: when, who, and how to screen?. European heart journal. 2014; 35(19): 1245-1254.
  • Ritz, E. Hypertension and kidney disease. Clinical nephrology. 2010; 74: S39-43.
  • Sparrenberger, F., Cichelero, F. T., Ascoli, A. M., Fonseca, F. P., Weiss, G., Berwanger, O., … & Fuchs, F. D. Does psychosocial stress cause hypertension? A systematic review of observational studies. Journal of human hypertension. 2009; 23(1): 12-19.