Causas e fatores de risco da doença celíaca

Embora as causas da doença celíaca não sejam totalmente claras, suspeita-se que ela seja causada pela convergência de vários fatores. Hoje vamos mostrar quais são esses fatores e os riscos que os acompanham.
Causas e fatores de risco da doença celíaca

Escrito por Josberth Johan Benitez Colmenares, 28 Junho, 2021

Última atualização: 29 Junho, 2021

De acordo com estimativas da Celiac Disease Foundation, 1 em cada 100 pessoas tem doença celíaca. A prevalência dela no mundo tem aumentado nas últimas décadas, talvez devido ao maior aumento nos exames sorológicos (como as evidências indicam).

Embora as causas da doença celíaca não sejam muito claras, acredita-se que ela seja resultado de uma combinação de fatores genéticos, ambientais e dietéticos.

Também conhecida como intolerância ao glúten, é muito comum que a doença esteja associada ao continente europeu, principalmente a países como Itália, Irlanda, Suécia ou Finlândia. Hoje veremos o motivo dessa relação e descobriremos o que se sabe até agora sobre a sua etiologia.

Principais causas da doença celíaca

A doença celíaca, informalmente chamada de intolerância ao glúten ou simplesmente DC, é uma doença autoimune que é desencadeada pela interação do glúten com o corpo. Simplificando, o glúten é um grupo de proteínas encontradas no trigo, cevada, centeio e seus grãos cruzados.

Quando uma pessoa com o distúrbio ingere glúten, uma resposta autoimune é desencadeada, estimulando os glóbulos brancos a atacar as vilosidades do intestino delgado. Com o tempo, esse revestimento se torna liso e não consegue absorver alguns nutrientes. Embora entendamos o processo, ainda não sabemos o que causa a doença celíaca.

No entanto, tudo parece indicar que ela se desenvolve por meio de uma confluência de predisposições genéticas, fatores ambientais e hábitos alimentares. Vamos conhecer estes e outros elementos relacionados:

Genética e doença celíaca

As causas da doença celíaca incluem fatores genéticos.
Embora a doença celíaca tenha uma origem multifatorial, a genética desempenha um papel importante em seu desenvolvimento.

Estudos identificaram vários genes relacionados à manifestação da doença celíaca. Especificamente, sabe-se que os alelos HLA estão em 95% dos pacientes diagnosticados. Por sua vez, mais de 40 loci genômicos foram associados ao desenvolvimento dessa doença autoimune.

Isso explicaria, por exemplo, por que a doença é relativamente comum em filhos de pais celíacos. É importante ressaltar que a predisposição genética aumenta as chances, mas não determina com certeza a ocorrência da doença. Por exemplo, 35% da população têm alelos HLA, mas não manifesta os sintomas. É necessário um catalisador externo.

A genética também explicaria por que a doença é mais comum em algumas áreas geográficas. As evidências sugerem que a prevalência mais alta no mundo (5,6% na população do Saara Ocidental) pode ser devido ao alto nível de consanguinidade.

Por sua vez, alelos relacionados são relativamente comuns na população europeia, como alguns estudos sugerem. Isso seria uma explicação parcial do motivo pelo qual a prevalência é maior em países com ancestrais europeus, conforme sugerido pelas taxas de prevalência globais.

Fatores ambientais e doença celíaca

Como nem todos os portadores dos alelos desenvolvem a doença, fatores ambientais também foram sugeridos como possíveis gatilhos. Um dos principais são as infecções, pois foi demonstrado que episódios desse tipo em idade precoce podem aumentar o risco de apresentar o distúrbio na idade adulta.

Acredita-se que as infecções possam modificar a permeabilidade intestinal, levando a manifestações autoimunes. Estudos têm sugerido que as infecções por rotavírus predispõem ao desenvolvimento da doença, especialmente em pessoas com fatores genéticos latentes.

Embora mais pesquisas ainda sejam necessárias a esse respeito, acredita-se que o corpo interprete erroneamente a sequência de proteínas das infecções por rotavírus com as do glúten. Isso causaria o desequilíbrio após a ingestão.

Dieta e hábitos na infância

Outras possíveis causas da doença celíaca é a alimentação, especificamente a introdução tardia ou precoce de glúten na dieta. Apesar da controvérsia, tem sido sugerido que uma ingestão tardia do grupo de proteínas pode aumentar as chances de sofrer de intolerância no futuro.

Pesquisas estimam que a introdução precoce não protege os pacientes da doença, apenas atrasa o tempo para que ela comece a se manifestar. É possível que a relação entre infecções, predisposição genética e hábitos alimentares sejam fatores que influenciam na medida que as crianças se desenvolvem em seus primeiros anos.

Fatores de risco para doença celíaca

As causas da doença celíaca incluem a síndrome de Down.
A relação entre a doença celíaca e outras condições, como a síndrome de Down, foi demonstrada. Esta última pode ser um fator importante no desenvolvimento da doença.

De acordo com a Johns Hopkins Medicine, a doença celíaca é mais comum nos seguintes casos:

  • Ter ascendência europeia: devido à sua predisposição genética, é mais provável que você desenvolva a doença se tiver um ancestral direto ou distante de povos europeus.
  • Ter diabetes tipo 1: estima-se que a prevalência da doença celíaca entre os pacientes com diabetes tipo 1 esteja perto de 8%. Isso se deve, em parte, ao fato de que ambas condições demonstraram compartilhar alelos em comum, estando geneticamente relacionadas.
  • Interrupção precoce da amamentação: Alguns estudos sugerem que o “desmame precoce” está associado a um maior risco de contrair a doença. Se ele ocorrer precocemente e for complementado com outros fatores de risco, há maiores chances de desenvolver a doença.
  • Presença de outras doenças autoimunes: Algumas indicações sugerem que esse distúrbio é mais comum em pessoas que sofrem de outras doenças autoimunes, como artrite reumatoide, hipotireoidismo, alopecia areata e outras.
  • Pacientes com síndrome de Down: observou-se uma prevalência da doença em até 43% em pessoas com síndrome de Down. Essa síndrome também é mais propensa a outras doenças autoimunes.
  • Síndrome do intestino irritável (SII): finalmente, as evidências apoiam a hipótese de que os pacientes com SII são mais propensos a desenvolver esse transtorno autoimune. Na verdade, hoje os exames sorológicos são frequentes nesses grupos para descartar a doença celíaca.

Complementando tudo isso, pesquisas indicam que episódios estressantes são comuns antes do diagnóstico da doença ou do início dos sintomas. Este catalisador pode ser adicionado aos outros como um sistema de múltiplas causas da doença celíaca.

Vá ao médico em caso de dúvida

Todo paciente diagnosticado deve saber que, no momento, essa doença não tem cura. Mudanças na dieta permitem uma vida sem incidência de sequelas associadas à condição. Se você suspeitar que sofre dessa doença, não hesite em consultar um especialista para realizar os testes que permitem uma opinião objetiva.

Pode interessar a você...
Síndrome do intestino permeável: sintomas, causas e tratamento
Muy SaludLeia em Muy Salud
Síndrome do intestino permeável: sintomas, causas e tratamento

A síndrome do intestino permeável é uma patologia descoberta recentemente que está intimamente relacionada aos hábitos alimentares. Saiba mais a se...



  • Catassi, C., Gatti, S., & Lionetti, E. World perspective and celiac disease epidemiology. Digestive diseases. 2015; 33(2): 141-146.
  • Ciacci, C., Siniscalchi, M., Bucci, C., Zingone, F., Morra, I., & Iovino, P. Life events and the onset of celiac disease from a patient’s perspective. Nutrients. 2013; 5(9): 3388-3398.
  • Cohn, A., Sofia, A. M., & Kupfer, S. S. Type 1 diabetes and celiac disease: clinical overlap and new insights into disease pathogenesis. Current diabetes reports. 2014; 14(8): 517.
  • El-Salhy, M., Lomholt-Beck, B., & Gundersen, D. The prevalence of celiac disease in patients with irritable bowel syndrome. Molecular Medicine Reports. 2011; 4(3): 403-405.
  • Ivarsson A, Hernell O, Stenlund H, Persson LA. Breast-feeding protects against celiac disease. Am J Clin Nutr. 2002 May;75(5):914-21.
  • Lionetti E, Castellaneta S, Francavilla R, Pulvirenti A, Tonutti E, Amarri S, Barbato M, Barbera C, Barera G, Bellantoni A, Castellano E, Guariso G, Limongelli MG, Pellegrino S, Polloni C, Ughi C, Zuin G, Fasano A, Catassi C; SIGENP (Italian Society of Pediatric Gastroenterology, Hepatology, and Nutrition) Working Group on Weaning and CD Risk. Introduction of gluten, HLA status, and the risk of celiac disease in children. N Engl J Med. 2014 Oct 2;371(14):1295-303.
  • Lionetti, E., & Catassi, C. The role of environmental factors in the development of celiac disease: what is new?. Diseases. 2015; 3(4): 282-293.
  • Murray JA, Van Dyke C, Plevak MF, Dierkhising RA, Zinsmeister AR, Melton LJ 3rd. Trends in the identification and clinical features of celiac disease in a North American community, 1950-2001. Clin Gastroenterol Hepatol. 2003 Jan;1(1):19-27.
  • Myléus, A., Hernell, O., Gothefors, L., Hammarström, M. L., Persson, L. Å., Stenlund, H., & Ivarsson, A. Early infections are associated with increased risk for celiac disease: an incident case-referent study. BMC pediatrics. 2012; 12(1): 1-8.
  • Sanchez-Mazas A, Nunes JM, Middleton D, Sauter J, Buhler S, McCabe A, Hofmann J, Baier DM, Schmidt AH, Nicoloso G, Andreani M, Grubic Z, Tiercy JM, Fleischhauer K. Common and well-documented HLA alleles over all of Europe and within European sub-regions: A catalogue from the European Federation for Immunogenetics. HLA. 2017 Feb;89(2):104-113.
  • Smyth, D. J., Plagnol, V., Walker, N. M., Cooper, J. D., Downes, K., Yang, J. H., … & Todd, J. A. Shared and distinct genetic variants in type 1 diabetes and celiac disease. New England Journal of Medicine. 2008; 359(26): 2767-2777.
  • Stene LC, Honeyman MC, Hoffenberg EJ, Haas JE, Sokol RJ, Emery L, Taki I, Norris JM, Erlich HA, Eisenbarth GS, Rewers M. Rotavirus infection frequency and risk of celiac disease autoimmunity in early childhood: a longitudinal study. Am J Gastroenterol. 2006 Oct;101(10):2333-40.
  • Singh, P., Arora, A., Strand, T. A., Leffler, D. A., Catassi, C., Green, P. H., … & Makharia, G. K. Global prevalence of celiac disease: systematic review and meta-analysis. Clinical Gastroenterology and Hepatology. 2018; 16(6): 823-836.
  • Sollid LM, Lie BA. Celiac disease genetics: current concepts and practical applications. Clin Gastroenterol Hepatol. 2005 Sep;3(9):843-51.
  • Wijmenga, C., & Gutierrez-Achury, J. Celiac disease genetics: past, present and future challenges. Journal of pediatric gastroenterology and nutrition. 2014; 59: S4-S7.
  • Zubillaga, P., Vitoria, J. C., Arrieta, A., Echaniz, P., & Garcia-Masdevall, M. D. Down’s syndrome and celiac disease. Journal of Pediatric Gastroenterology and Nutrition. 1993; 16(2): 168-171.