O que pode fazer as mãos ficarem inchadas?

12 abril, 2021
This article has been written and endorsed by el médico Diego Pereira
A menos que a causa seja uma patologia crônica, na maioria dos casos, o inchaço geralmente regride por conta própria. Portanto, nem sempre é necessário ir ao médico.

Existem muitos motivos pelos quais as mãos podem ficar inchadas. Isso não significa que haja uma patologia orgânica subjacente, uma vez que várias situações comuns podem causar esse aumento de volume.

A seguir, vamos resumir algumas das causas mais frequentes e as condições específicas nas quais é necessário ir ao médico. Continue lendo!

Alguns conceitos básicos de anatomia e fisiologia

O inchaço (edema) de qualquer parte do corpo surge como consequência de vários fenômenos físicos relacionados ao sistema cardiovascular. Este último é formado pelo coração e pelos vasos sanguíneos, que podem ser venosos e arteriais.

Quando há um aumento da pressão hidrostática dentro dos vasos sanguíneos, a saída da água para o tecido circundante é favorecida. Isso pode fazer com que as mãos e os outros membros fiquem inchados.

A diminuição de algumas substâncias no plasma, como a albumina, também permite o aparecimento de edema em qualquer parte do corpo. Isso pode ser explicado por um fenômeno físico denominado pressão osmótica, que é reduzida conforme a concentração de proteínas plasmáticas e de sódio diminui.

Além de doenças, também existem fatores externos que podem alterar o equilíbrio dos vasos sanguíneos, e cada um deles corresponde a um mecanismo diferente. Mais adiante, vamos descrever os mais frequentes.

6 causas comuns para o inchaço nas mãos

A maioria dos casos em que as mãos ficam inchadas é leve e pode ocorrer em resposta a estímulos ambientais. Em casos raros, a causa são patologias agudas ou crônicas que requerem tratamento para prevenir a progressão dos sintomas. Vamos te contar tudo a seguir.

1. Exercício

O exercício no calor pode fazer as mãos ficarem inchadas.
Apesar dos benefícios óbvios de uma rotina diária de exercícios, isso pode trazer alguns efeitos colaterais temporários.

De acordo com uma publicação da Clínica Mayo, o exercício físico constante pode fazer as mãos ficarem inchadas. Uma vez que os sintomas são leves, os pacientes geralmente percebem o problema quando sentem dificuldade para remover os anéis após uma sessão de treinamento.

Embora não haja uma razão clara para explicar esse fenômeno, a causa pode ser a redistribuição do fluxo sanguíneo local em resposta às variações de temperatura. Isso é comum durante os exercícios ao ar livre e, certamente, há a influência das condições ambientais.

Geralmente não é um problema médico sério, especialmente se a intensidade do edema for muito pequena. Para evitar o acúmulo de líquido, é aconselhável mover os dedos e levantar os braços com frequência tanto antes quanto durante e depois do treinamento.

Em casos muito raros, as mãos podem ficar inchadas durante o exercício como consequência de uma hiponatremia (diminuição do sódio plasmático).

Os atletas de alto nível que consomem grandes quantidades de líquidos são os mais propensos a apresentar essa condição. Esses casos requerem tratamento médico e é possível suspeitar deles quando há confusão mental.

2. Artrite

Este termo é usado para descrever um grupo de patologias cuja alteração fundamental é a inflamação do tecido articular. Pode surgir como consequência de infecções, degeneração articular, fenômenos autoimunes, entre outras condições.

A artrite reumatoide, por exemplo, é uma doença inflamatória crônica que pode fazer as mãos ficarem inchadas, principalmente nas articulações que unem os ossos dos dedos, chamadas de interfalangeanas.

Esse edema geralmente é quente ao toque e apresenta vermelhidão na superfície da pele, já que se trata de um fenômeno inflamatório.

Geralmente há dor intensa associada, além de desvio dos dedos em casos crônicos e graves. A terapia com anti-inflamatórios não esteroides, como o ibuprofeno, é recomendada na maioria dos casos.

3. Clima muito quente

Assim como acontece durante o exercício, o calor intenso geralmente causa a redistribuição do fluxo vascular. O sangue é desviado para a superfície da pele por meio de um fenômeno de vasodilatação, que tem como resultado a transpiração abundante. Este é um mecanismo utilizado pelo corpo para perder calor quando existem condições ambientais adversas.

Em certas condições e pacientes, esse processo também pode fazer as mãos ficarem inchadas. Os sintomas geralmente são leves e transitórios e, portanto, não é necessário procurar um médico, a menos que haja outras manifestações clínicas importantes, tais como aumento da frequência cardíaca ou respiratória, confusão mental, perda da consciência ou hipotensão.

Esses últimos sintomas geralmente ocorrem em golpes de calor, cuja principal característica fisiopatológica é uma falha nos mecanismos termorregulatórios, acompanhada de desidratação, lesão renal e choque hipovolêmico, em casos muito graves.

4. Dietas ricas em sal

O sal comum ou de mesa é chamado de cloreto de sódio. O consumo excessivo dessa substância pode causar um aumento do sódio no plasma, o que tende a aumentar a pressão osmótica e promover a retenção de líquidos e a hipertensão arterial.

No entanto, em casos raros, a ingestão excessiva de sal pode levar à hipernatremia, que é um aumento patológico dessa substância no plasma.

Mencionamos um pouco acima que, em atletas, a hiponatremia pode fazer as mãos ficarem inchadas, o que pode soar um pouco contraditório. Acontece que os dois distúrbios podem causar edema por meio de mecanismos diferentes.

O aumento do sódio leva ao edema ao aumentar a pressão hidrostática nos vasos sanguíneos arteriais, enquanto a sua diminuição leva ao edema por meio da redução da pressão osmótica, em casos isolados.

5. Linfedema

Nem todas as estruturas vasculares contêm sangue no seu interior. Os vasos linfáticos contêm a linfa, uma substância rica em gorduras e células do sistema imunológico e, portanto, eles estão intimamente relacionados aos gânglios linfáticos.

Algumas patologias podem fazer as mãos ficarem inchadas, bem como outras partes do corpo (especialmente os membros inferiores), como resultado de doenças do sistema linfático. O início dos sintomas ocorre ao longo de vários meses, e o edema é mais duro do que o produzido pelo extravasamento de água.

As causas mais comuns são defeitos congênitos, inflamatórios, tumorais e infecciosos. Nesse último grupo, destaca-se a filariose linfática, uma doença parasitária causada pela Wuchereria bancrofti que, de acordo com uma publicação da Organização Mundial da Saúde (OMS), pode causar deformidades corporais significativas.

6. Reações alérgicas

As reações alérgicas podem fazer as mãos ficarem inchadas
As reações alérgicas geralmente se caracterizam por outros sintomas além do inchaço das mãos.

Situações desse tipo se caracterizam, do ponto de vista molecular, pela exposição a um agente ambiental estranho ao organismo capaz de estimular a ativação de eosinófilos, mastócitos e basófilos. Além disso, elas são acompanhadas por uma intensa liberação de imunoglobulina E.

A apresentação clínica típica capaz de fazer as mãos ficarem inchadas é o angioedema, também caracterizado por edema facial, urticária e prurido (coceira). Existem muitas substâncias capazes de desencadear essa condição, incluindo a canela e as bebidas alcoólicas.

Em casos graves, o edema facial pode causar uma obstrução das vias aéreas, requerendo assim um tratamento imediato. Existem vários medicamentos para reverter o quadro clínico, que podem variar desde anti-histamínicos até a adrenalina.

Inchaço nas mãos: é preciso ir ao médico?

Geralmente, não é necessário procurar um especialista em um caso isolado de inchaço nas mãos, especialmente se ele regredir espontaneamente e não houver sintomas associados. Em todas as outras situações, é importante solicitar uma avaliação médica, que inicialmente pode ser feita com o médico de família.

  • Flores-Villegas B, et al. Edema. Enfoque clínico. Med Int Méx 2014;30:51-55.
  • Herrera K, et al. Preeclampsia. Revista Médica Sinergia 2018;3(3):8-12.
  • Peña A, et al. Edema en miembros superiores. SEMERGEN 2015;41:424.
  • Pereira N, et al. Linfedema: actualización en el diagnóstico y tratamiento quirúrgico. Rev Chil Cir 2018;70(6):589-597.
  • Shaun Cho, MD. Peripheral Edema. Am J Med 2002;113:580-586.
  • Tincopa-Wong O. Urticaria y angioedema: una visión general. Acta Med Per 2014:31(2):111-124.