As 6 doenças autoimunes mais comuns

O sistema imunológico pode se voltar contra seu hospedeiro em raras ocasiões. Nestes casos, geralmente aparecem quadros sintomáticos generalizados como febre, fraqueza, mal-estar e inflamação.
As 6 doenças autoimunes mais comuns

Escrito por Josberth Johan Benitez Colmenares, 02 Setembro, 2021

Última atualização: 18 Setembro, 2021

O sistema imunológico é o mecanismo de defesa do organismo humano, com o qual se combatem infecções e patologias extrínsecas (bactérias, vírus, viróides, príons, etc.) e também eventos internos, como uma cepa de células cancerígenas. Até o momento, são conhecidas mais de 80 doenças autoimunes, que afetam de 3 a 5% de todos os habitantes.

Postula-se que o sistema imunológico existe porque existem agressões exógenas e endógenas, ou seja, seu único papel e desenvolvimento evolutivo é voltado para responder aos danos. Infelizmente, as células imunológicas às vezes ficam “confusas” e começam a atacar partes do corpo humano que não são um problema.

Muitas doenças genéticas foram positivamente correlacionadas com herança genética, infecções e gatilhos ambientais. Além disso, deve-se notar que existem componentes autoimunes em muitas patologias que não são totalmente considerados neste grupo. Se você quiser saber mais sobre este assunto, continue lendo.

As 10 doenças autoimunes mais comuns

Do ponto de vista funcional, nosso sistema imunológico é geralmente classificado em 2 grandes categorias: inato e adquirido ou específico. No entanto, conforme indicado pelo portal Elsevier, esta classificação é apenas educacional. As seguintes premissas devem ser levadas em consideração:

  • O sistema imunológico inato ativa o adquirido em resposta a uma infecção exógena.
  • O sistema imunológico adquirido usa os elementos do inato para combater eventos infecciosos.
  • A parte inata desse sistema é a primeira linha de defesa do hospedeiro. Possui mecanismos pré-existentes que são ativados rápida e inespecificamente em resposta a um evento infeccioso.
  • O sistema imunológico adquirido gera respostas específicas às moléculas contra as quais combate. Portanto, ele “treina” ao longo do tempo e responde melhor aos contatos subsequentes com o mesmo patógeno. A especificidade desse sistema é promovida, por exemplo, com a vacinação.

O sistema imunológico adquirido é específico, diverso (responde a uma ampla variedade de antígenos), tem memória (amplifica a resposta em exposições subsequentes), é especializado e, talvez o mais importante, não é autorreativo. Infelizmente, em doenças autoimunes, essa última postulação não se mantém.

Como indica o National Cancer Institute (NIH), uma doença autoimune é “aquela condição na qual o sistema imunológico do corpo ataca os próprios tecidos do corpo, pois os confunde com tecidos estranhos e / ou patógenos”. Em geral, esses tipos de doenças causam inflamação em várias partes do corpo simultaneamente.

Os sinais e sintomas comuns dessas condições são cansaço, febre, dores musculares, problemas nas articulações, desequilíbrios da pele, dor abdominal, problemas de digestão e glândulas inchadas. A seguir, contaremos a você tudo sobre as 6 doenças autoimunes mais comuns. Vá em frente.

As doenças autoimunes afetam 3-5% da população mundial. A etiologia de muitos deles é desconhecida.

1. Artrite reumatóide

Dentre as doenças autoimunes, destaca-se a artrite reumatoide
Essa condição afeta mais as mulheres idosas.

De acordo com a Unidad de Investigación del Hospital Universitario la Princesa, a artrite reumatoide (AR) é uma doença crônica com distribuição universal, salvo exceções específicas. Está provado que 1,6% dos pacientes com sintomas de dor nas articulações acreditam ter AR, mas na verdade 25% deles realmente sofrem com isso.

A prevalência real varia de acordo com a população do estudo, mas está em uma faixa entre 0,2% e 5% da população mundial. Essa patologia é classificada dentro do espectro das doenças autoimunes, uma vez que células do sistema imunológico começam a atacar o tecido articular em primeiro lugar devido a certas disfunções.

Acredita-se que, na fase pré-clínica, tanto fatores exógenos quanto endógenos podem fazer com que o organismo produza autoanticorpos (como o fator reumatoide), processo que leva em média 3 a 5 anos. Uma vez que a reação é estabelecida, os linfócitos B e T estão envolvidos na degradação e destruição do tecido articular.

Isso se traduz em clara dor nas articulações, mas também em febre, fadiga, cansaço, perda de apetite e até mesmo problemas de pele, olhos, pulmões e outros órgãos. Por exemplo, 5-10% dos pacientes com artrite reumatóide podem desenvolver doença renal ao longo do tempo.

Em 20% dos casos, a artrite reumatoide se apresenta como um único episódio seguido por um período de remissão de um ano ou menos.

2. Lúpus eritematoso sistêmico

O lúpus eritematoso sistêmico é outra doença autoimune comum, conforme indicado pela Biblioteca de Medicina dos Estados Unidos. Nessa patologia, o sistema imunológico do paciente ataca diferentes órgãos e tecidos, causando danos e inflamação característicos dos tecidos. O dano mais óbvio é epidérmico, sofrido por 90% dos pacientes.

Como acontece com quase todas as doenças autoimunes, a causa do lúpus eritematoso sistêmico é desconhecida. Suspeita-se que possa surgir como uma combinação de fatores genéticos, hormonais e ambientais (vírus, incidência solar, medicamentos, etc.).

Sintomas associados

Alguns de seus sintomas típicos são os seguintes:

  • Sintomas gerais: perda de peso, fadiga e febre que se manifestam de forma consistente. Esses sintomas são de natureza infecciosa, mas não há infecção que os preceda.
  • Pele: vermelhidão da pele, especialmente nas áreas das bochechas e nariz (eritema em asas de borboleta). As úlceras também costumam aparecer no revestimento do tecido oral.
  • Pulmões: várias patologias podem derivar do lúpus na área pulmonar. Isso inclui pleurisia, pneumonite, êmbolos pulmonares e sangramento interno.
  • Rins: inflamação do tecido renal (nefrite). Geralmente se manifesta com a presença de sangue na urina.
  • Lesões osteoarticulares: dores nos músculos e inflamação das articulações. 90% dos pacientes com lúpus eritematoso sistêmico têm artrite.

Como você pode ver, essa patologia ocorre de várias maneiras, todas generalizadas (daí o nome “sistêmica”). Em qualquer caso, a taxa de sobrevivência 20 anos após o diagnóstico é de 90%. Medicamentos antimaláricos, antiinflamatórios não esteroidais (AINEs), glicocorticóides e imunossupressores podem aliviar muito os sintomas.

A prevalência geral é de 4 a 250 casos por 100.000 habitantes. É uma doença de baixíssima incidência.

3. Esclerose múltipla (EM)

A esclerose múltipla é outra das doenças autoimunes mais comuns e, infelizmente, uma das mais temidas. Como indica a National MS Society, a EM é uma doença crônica que ataca o sistema nervoso central (SNC). A evolução, a gravidade e os sintomas dependem de cada caso, pois a destruição do tecido nervoso varia muito.

Estima-se que mais de 2,3 milhões de pessoas tenham esclerose múltipla em todo o mundo. A faixa de apresentação mais alta está entre 20 e 50 anos de idade e 2/3 dos pacientes são mulheres.

Curiosamente, neste caso, evidenciou-se uma agregação familiar evidente. A prevalência na população geral é de 0,1-0,3%, mas irmãos de pessoas já afetadas têm probabilidade 10 a 20 vezes maior (4%). Gêmeos do mesmo episódio de fertilização têm 30% de chance de apresentá-la se seu irmão tiver.

Além da predisposição genética, deve haver um gatilho exógeno que faz com que o sistema imunológico ataque seus próprios tecidos. Essas são as bainhas de mielina, o material que protege e envolve as células nervosas. O vírus Epstein-Barr, a varicela ou o herpes zoster foram postulados como desencadeadores claros.

Sintomas associados

Entre os sintomas mais claros de MS, encontramos o seguinte:

  • Problemas de visão: A neurite óptica é, em muitos casos, o primeiro sinal de esclerose múltipla. Estima-se que até 50% dos pacientes com neurite óptica acabarão desenvolvendo EM em algum momento da vida. Nessa patologia, ocorrem ataques ao nervo óptico, que resultam em dor e perda da acuidade visual.
  • Dormência ou fraqueza de uma ou mais extremidades: geralmente ocorre em um dos 2 planos do corpo. Conforme a doença progride, a fraqueza muscular torna-se crônica, até se tornar uma condição incapacitante. Este é um sinal claro de lesão nervosa sistêmica.
  • Tremores, falta de coordenação e marcha instável.

A maioria das pessoas com EM tem um curso recorrente-remitente. Isso significa que eles têm sintomas novos ou piores durante um determinado período e, então, experimentam uma melhora parcial ou total. Em qualquer caso, o dano produzido nas bainhas de mielina neste período não cicatriza com o tempo, daí a cronicidade da patologia.

Hoje, a expectativa de vida de uma pessoa com EM é quase igual à de uma pessoa sem EM.

4. Diabetes tipo I

O sistema imunológico pode se voltar contra seu hospedeiro em raras ocasiões. Nestes casos, geralmente aparecem quadros sintomáticos generalizados.
Alguns desses pacientes são diagnosticados após sofrer complicações decorrentes da doença.

Outra das doenças autoimunes mais comuns na sociedade em geral. Como indica a Clínica Mayo, nessa variante do diabetes o pâncreas produz muito pouca insulina ou não a sintetiza. A insulina é um hormônio essencial, permitindo que as células absorvam a glicose (açúcar) e a usem como energia.

Nesse caso, o sistema imunológico direciona suas forças erroneamente para o tecido pancreático produtor de insulina (ilhotas de Langerhans), de forma que esse órgão se torna incapaz de sintetizar o hormônio. O diabetes tipo 1 afeta 1 em cada 10 pacientes diabéticos, o que representa 0,2% da população geral.

O diabetes tipo I geralmente está associado a pessoas jovens e é o menos comum. 90% dos pacientes diabéticos são adultos e têm o tipo II. Este último está associado a fatores evitáveis, como estilo de vida sedentário ou obesidade.

5. Psoríase

Terminamos com outro velho conhecido, pois estima-se que a psoríase afete de 1 a 3% da população mundial, ou seja, 125 milhões de pessoas. Conforme indicado pelo portal Actas Dermo-Sifiliográfica, nesta dermatose os linfócitos T CD4 + infiltram-se na epiderme, causando hiperplasia.

A hiperplasia epidérmica surge como uma superestimulação do crescimento dos queratinócitos, as células dominantes da pele. À medida que crescem demais, formam manchas cutâneas em forma de placa que têm aparência seca e natureza coceira. Novamente, a etiologia da psoríase é desconhecida, mas o estresse, as infecções e o trauma são destacados como desencadeadores.

6. Outras doenças autoimunes

Para encerrar o tópico que nos preocupa aqui, apresentamos uma lista de outras doenças autoimunes importantes que não queremos deixar no pipeline. Dentre as mais marcantes que não foram abordadas, destacam-se as seguintes:

  • Doença de Addison: nesta condição, as glândulas supra-renais não produzem hormônios suficientes, porque o sistema imunológico atacou e destruiu suas células. Tem uma prevalência de 4 a 6 pacientes por 100.000 pessoas, por isso é considerada uma doença rara em muitos países.
  • Miastenia gravis: o sistema imunológico danifica os receptores musculares de forma crônica e irreversível. Portanto, os músculos do paciente ficam fracos e o paciente se cansa com muita facilidade.
  • Doença de Graves: uma patologia que leva a uma glândula tireoide hiperativa (hipertireoidismo). Nesse caso, a resposta anormal do sistema imunológico leva a glândula a produzir mais hormônio tireoidiano do que deveria. É muito mais comum em mulheres, afetando 2% delas.

Quando as células imunológicas atacam o próprio corpo

O padrão de ação é muito semelhante em todas essas patologias. Em um cenário normal, o sistema imunológico inato e adquirido detecta uma série de moléculas de um vírus ou bactéria (antígenos) e as destrói. O problema surge quando os autoantígenos das células do corpo não são reconhecidos adequadamente e seu ataque ocorre.

Quando o tecido corporal é identificado como estranho, o sistema imunológico produz autoanticorpos que marcam as células hospedeiras como prejudiciais. Assim, os linfócitos e outros corpos celulares causam danos e inflamação em áreas que não são realmente perigosas. Essas são as bases de todas as doenças auto-imunes.

Embora as causas exatas de seu surgimento não sejam conhecidas, em (quase) todos os casos está estipulado que existe uma predisposição genética para o surgimento dessas doenças. Mesmo assim, deve haver um estressor exógeno (infecção, condições ambientais ou doenças) que ative o sistema imunológico em primeira instância para atacar o próprio corpo.

Pode interessar a você...
Sistema imunológico: características e funções
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Sistema imunológico: características e funções

Os seres vivos possuem um sistema imunológico tanto inato quanto adaptativo que nos permite combater as infecções. Continue lendo para saber mais!



  • Bahr, N. C., & Boulware, D. R. Methods of rapid diagnosis for the etiology of meningitis in adults. Biomarkers in medicine. 2014; 8(9): 1085-1103.
  • Honda, H., & Warren, D. K. Central nervous system infections: meningitis and brain abscess. Infectious disease clinics of North America. 2009; 23(3): 609-623.
  • Lampl, C., Yazdi, K., Buzath, A., & Klingler, D. Migraine-like headache in bacterial meningitis. Cephalalgia. 2000; 20(8): 738-739.
  • Rotbart, H. A. Meningitis and encephalitis. Human enterovirus infections. 1995; 271-289.