Alergia ao glúten: tudo o que você precisa saber

A alergia ao glúten é uma condição cada vez mais popular entre as pessoas. Será que ela realmente existe? Hoje respondemos a esta pergunta e sugerimos como agir para evitar complicações.
Alergia ao glúten: tudo o que você precisa saber

Escrito por Josberth Johan Benitez Colmenares, 14 Julho, 2021

Última atualização: 14 Julho, 2021

O glúten se tornou o vilão de uma alimentação saudável nas últimas décadas. A proteína é responsável pela doença celíaca e pela sensibilidade ao glúten não-celíaca, uma reação com sintomas semelhantes aos da condição anterior. Recentemente, uma terceira condição foi adicionada: alergia ao glúten. Mas existe realmente uma verdadeira alergia a essa proteína?

Existe uma alergia ao glúten?

A alergia ao glúten está em discussão
As situações clínicas relacionadas à intolerância ao glúten geralmente se manifestam na forma de desconforto abdominal e diarreia.

Não existe a alergia ao glúten, pelo menos se a considerarmos estritamente de um ponto de vista científico. O glúten é uma proteína encontrada na cevada, centeio e trigo (entre outras) que pode desencadear as seguintes condições:

  • Doença celíaca : é uma doença autoimune que é desencadeada quando o paciente, denominado celíaco, ingere glúten. Ou seja, o corpo ataca a si mesmo, especificamente nas vilosidades que revestem o intestino. Isso produz sintomas gastrointestinais, embora também possam se manifestar em outras partes do corpo. Não tem cura, seu tratamento consiste em abandonar a proteína da dieta alimentar.
  • Sensibilidade ao glúten não-celíaca: é uma doença recentemente aceita caracterizada pela presença de sinais gastrointestinais após a ingestão de glúten. No entanto, os pacientes com teste negativo para doença celíaca. O tratamento também consiste em omitir permanentemente a proteína da dieta.

Como a Coeliac UK, nos lembra com razão, nem a doença celíaca nem a sensibilidade ao glúten são alergias. Pessoas diagnosticadas com uma dessas condições costumam se referir a ela como uma alergia ao glúten. Em parte porque é mais fácil simplificar ao expor o que são quando devem explicar a um familiar, amigo ou outra pessoa.

Embora este seja um termo impreciso do ponto de vista médico, na prática é muito útil evitar detalhes técnicos. Com a sua ajuda, fica rapidamente claro que o seu corpo não reage bem à ingestão da proteína.

Lembre-se de que as alergias se distinguem por reações quase instantâneas que envolvem sintomas respiratórios, erupções cutâneas ou nervosas. Nenhum dos sintomas das condições acima apresenta essa qualidade.

Embora a resposta esteja definida, ainda temos mais uma pergunta: por que alguns afirmam ter reações alérgicas após comer alimentos com glúten?

O que é uma alergia ao trigo?

Alergia ao glúten
É provável que a “alergia ao glúten” seja na verdade o resultado de uma reação alérgica a outro componente do trigo, da cevada e do centeio, por exemplo.

As evidências nos dizem que a alergia ao trigo, junto com as condições mencionadas acima, é o terceiro distúrbio mais comum relacionado ao glúten. Assim, sua prevalência é menor: estudos sugerem que afeta menos de 1% das pessoas.

Assim, o que muitos acreditam ser uma alergia ao glúten nada mais são do que condições alérgicas que se desenvolvem após a ingestão de trigo.

Embora seja composta por glúten, a proteína não é a única responsável pelas reações alérgicas. Isso explica porquê os pacientes só têm complicações com o trigo e não com outros alimentos, como cevada ou centeio. De fato, pode causar febre do feno. Entre suas manifestações mais comuns destacamos as seguintes:

  • Erupções cutâneas com urticária.
  • Secreções nasais.
  • Espirros.
  • Asma.
  • Inchaço.
  • Dor de cabeça.
  • Diarréia.
  • Cólica.
  • Náusea e vomito
  • Anafilaxia.

Esses sintomas são desencadeados quase imediatamente após a ingestão de um alimento com trigo (pão, por exemplo). Também podem surgir antes do contato externo, uma vez que muitos produtos são utilizados entre seus ingredientes (cosméticos, xampus e outros).

Outra explicação possível pode ser encontrada na alergia alimentar. Estudos sugerem que afeta 10% da população, com prevalência cada vez maior. É provável, então, que as condições alérgicas sejam causadas por outros alimentos que você ingere junto com o glúten, e não por esta proteína em si.

O que eu faço se suspeitar que tenho alguma dessas condições?

É recomendável consultar um especialista para descartar ou diagnosticar um episódio de alergia a um alimento (incluindo trigo) ou condições relacionadas ao glúten, como doença celíaca ou sensibilidade não celíaca ao glúten. É importante fazer isso se você notar que os sintomas são persistentes ou especialmente perigosos.

Por exemplo, a anafilaxia pode ser fatal. Desenvolve-se em minutos ou segundos e, e deixa a pessoa sem capacidade de reação, os prognósticos não são positivos. É por isso que a consulta com o especialista é algo que não se deve omitir, para que se descubra a verdadeira causa e se inicie o tratamento.

Em resumo: não há alergia ao glúten, então a razão é encontrada em outra condição quando os sintomas de alergia são experimentados. Se você decidir eliminar o glúten da dieta, recomendamos fazê-lo sob a supervisão de uma nutricionista.

Ele guiará o processo e recomendará um plano alimentar para compensar as deficiências que podem ser geradas no processo.

Pode interessar a você...
Alergia ao trigo: tudo o que você precisa saber
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Alergia ao trigo: tudo o que você precisa saber

A alergia ao trigo é uma condição que afeta cerca de 1% da população. Descubra em que consiste, sintomas, causas e tratamento.



  • Elli L, Branchi F, Tomba C, Villalta D, Norsa L, Ferretti F, Roncoroni L, Bardella MT. Diagnosis of gluten related disorders: Celiac disease, wheat allergy and non-celiac gluten sensitivity. World J Gastroenterol. 2015 Jun 21;21(23):7110-9.
  • Ricci G, Andreozzi L, Cipriani F, Giannetti A, Gallucci M, Caffarelli C. Wheat Allergy in Children: A Comprehensive Update. Medicina (Kaunas). 2019 Jul 23;55(7):400.
  • Savage J, Johns CB. Food allergy: epidemiology and natural history. Immunol Allergy Clin North Am. 2015 Feb;35(1):45-59.