Sinais e sintomas da asma

Embora possam ser muito variados, os sintomas da asma ocorrem em episódios leves, moderados ou graves. Conhecê-los é de grande ajuda para diagnosticar a doença em casa, e saber quando ir ao médico para iniciar o tratamento.
Sinais e sintomas da asma

Escrito por Josberth Johan Benitez Colmenares, 11 Junho, 2021

Última atualização: 11 Junho, 2021

A asma é uma doença crônica que afeta as vias aéreas. Durante um ataque típico, elas ficam inflamadas e secretam muco, o que impede que o ar circule normalmente. Embora não haja cura, ela pode ser tratada com grande eficiência; portanto, conhecer os sintomas da asma é muito importante para fazer um diagnóstico inicial.

Embora a asma geralmente passe por períodos de remissão, na verdade é uma doença com a qual os pacientes precisam aprender a conviver.

O diagnóstico precoce, durante os primeiros anos de vida, é muito útil para saber como lidar com as crises crônicas, caso ocorram. Tudo isso é mais fácil se você conhecer os sintomas, tanto os frequentes quanto os menos comuns.

Sintomas comuns de asma

Vários estudos e investigações contabilizaram a prevalência de asma no mundo. Os sintomas variam de acordo com cada região, assim como catalisadores ambientais, infecciosos ou alérgicos. Apesar disso, sabemos que os mais comuns são os seguintes:

Sibilância

Os sintomas da asma incluem respiração ofegante
A sibilância é muito óbvia tanto para o paciente quanto para os médicos.

O som que os pacientes asmáticos emitem ao respirar é denominado sibilo. É talvez o sinal mais característico da doença, e motivo pelo qual quem sofre decide procurar um especialista para inciar o tratamento. É gerado ao expirar, embora dependendo da gravidade também possa ocorrer ao inspirar.

A sibilância é frequentemente utilizada como diagnóstico da doença nos primeiros anos de vida, acompanhada, claro, de outros elementos como histórico familiar, histórico médico, sintomas alérgicos e outros padrões. O pediatra deve ter cuidado, pois sabemos que nem toda sibilância é sintoma de asma.

Isso também se aplica a adultos. A frequência dos episódios desse tipo ao longo do ano, sua intensidade e sua relação com uma possível condição diferencial são fundamentais para determinar se são causados por asma.

Aperto no peito

A inflamação dos brônquios pode causar aperto no peito, um sintoma de asma que também pode levar a outra complicação: ansiedade. Quem sofre da doença sente que o peito está comprimido, que o ar não entra completamente ou que, quando entra, não circula livremente.

É comum que o aperto ou a dor piorem em determinadas posições, o que pode afetar a qualidade de vida das pessoas afetadas. A ansiedade gerada por esse aperto pode levar a ataques de pânico, especialmente se esta for a primeira vez que você experimenta um episódio grave ou não sabe que tem asma.

Falta de ar

Outro dos sintomas mais comuns da asma, intimamente relacionado ao anterior. Esse sinal é descrito como a sensação de um peixe fora d’água : por maior que seja a respiração do paciente, apenas uma pequena porção chega aos pulmões.

As pessoas podem desenvolver dispneia (dificuldade respiratória) repentinamente ou após um catalisador. Por exemplo, a prática de exercícios moderados ou intensos pode causar episódios desse tipo em pacientes asmáticos. Poeira, umidade, odores fortes, vapores, gases ou alergias também são desencadeadores.

Transtornos do sono

A conjunção dos sintomas acima pode gerar distúrbios do sono, sintoma que condiciona a qualidade de vida por outro ângulo. Sua incidência na asma infantil foi estudada, embora, é claro, também ocorra na idade adulta.

Os distúrbios são gerados porque muitos pacientes relatam a incapacidade de respirar ao repousar na posição horizontal. Devido a isso eles optam por colocar a parte superior em um ângulo mais pronunciado na direção vertical, mesmo nesta posição alguns sentem apenas uma ligeira melhora.

O distúrbio mais comum é a insônia, que pode causar outros sintomas, como ansiedade ou depressão. O tratamento personalizado pode aliviar os sintomas a ponto de devolver o sono de qualidade a quem está lidando com a doença, de forma que não prejudique o trabalho, as relações sociais ou o temperamento.

Tosse

O quinto e último sintoma mais comum da asma é a tosse. Isso geralmente ocorre no início da noite e pode piorar ou se desenvolver em climas frios, umidade, alergias e outros catalisadores.

As evidências indicam que ela é utilizada como indicador da doença nos primeiros anos de vida, embora existam estudos que motivam a ser mais cauteloso no diagnóstico caso ela ocorra de forma isolada.

A tosse pode evoluir para uma condição crônica, o que geralmente piora os sintomas da doença. Às vezes pode causar resfriados, gripes ou infecções de algum tipo; portanto, deve ser tratada para evitar complicações no estado de saúde, principalmente se for um sinal recorrente.

Sintomas incomuns de asma

Embora a maioria dos pacientes desenvolva os sintomas de asma acima, outros sintomas menos frequentes derivados da doença também podem ocorrer. Eles nem sempre acompanham os outros sintomas e podem ser decorrentes de outras condições, por isso é necessário ter cuidado ao fazer o autodiagnóstico ou a automedicação.

Dito isso, entre os raros sintomas de asma, temos:

  • Comichão na garganta, queixo ou tórax.
  • Sensação de coceira nas vias respiratórias.
  • Transtornos psicológicos como sequelas das crises.
  • Fadiga e mau humor.
  • Falta de concentração (devido à falta de sono).

Fatores que podem complicar os ataques de asma

Os sintomas da asma são múltiplos
Algumas infecções podem estar associadas e complicar o quadro da asma.

A maioria dos pacientes asmáticos pode levar uma vida normal. No entanto, não é incomum que eles desenvolvam complicações, que raramente são fatais se houver um diagnóstico prévio e disponibilidade de tratamento.

Alguns dos catalisadores para complicar os sintomas da asma incluem o seguinte:

  • Infecções.
  • Estresse e ansiedade.
  • Exercícios moderados ou intensos.
  • Alergias.
  • Ingestão de alguns medicamentos (como aspirina e antiinflamatórios não esteroidais).
  • Obesidade.
  • Rir ou chorar fora de controle.

A relação entre asma e dieta é documentada, a tal ponto que as pessoas devem implementar mudanças no estilo de vida para obter melhorias. Caspa, ácaros, penas, fumaça e outros agentes semelhantes também podem agravar os sintomas para estágios crônicos.

As complicações são importantes durante a gravidez, pois podem colocar em risco a vida do bebê; especialmente durante ataques moderados ou graves. É por isso que o tratamento supervisionado por um médico especialista é importante.

Quando procurar assistência médica?

Caso apresente um ou mais dos sintomas descritos, recomenda-se a consulta médica. É possível que seja uma alergia temporária, ou qualquer outro diagnóstico diferencial, mas se a causa for a doença, um tratamento planejado para neutralizá-la pode ser implementado imediatamente.

O prognóstico da asma é muito bom, desde que ela seja acompanhada em visitas periódicas ao especialista e o tratamento por ele indicado seja implementado. Não é possível determinar quando uma condição leve irá evoluir para grave, portanto, não é recomendado adiar a assistência médica se houver suspeita dessa condição.

Preste atenção especial quando os sintomas começarem a se tornar mais frequentes e intensos, pois este é um sinal de que não está sendo feito o suficiente para tratá-los. Caso você esteja em terapia, deve consultar o especialista sobre a possibilidade de um tratamento alternativo que possa melhorar os sintomas de forma mais eficaz.

Pode interessar a você...
Causas e fatores de risco da asma
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Causas e fatores de risco da asma

A asma é uma condição muito comum. As pessoas podem implementar uma série de hábitos para evitar o seu aparecimento.



  •  Accinelli, R. A., Rivas-García, V. S., & Ñaña-Pomasonco, A. G. La tos crónica intratable no siempre es asma. Diagnóstico. 2019; 58(2): 101-104.
  • Espinoza-Rodríguez, J. C., Jiménez-Báez, M. V., Ceballos-Martínez, Z. I., Sandoval-Jurado, L., & Tena-Fernel, N. M. Trastorno del sueño. Un problema frecuente en los pacientes pediátricos diagnosticados con asma. Alergia, Asma e Inmunología Pediátricas. 2020; 29(2): 47-51.
  • Lai, C. K., Beasley, R., Crane, J., Foliaki, S., Shah, J., Weiland, S., & ISAAC Phase Three Study Group. Global variation in the prevalence and severity of asthma symptoms: phase three of the International Study of Asthma and Allergies in Childhood (ISAAC). Thorax. 2009; 64(6): 476-483.
  • Osman, L. M., McKenzie, L., Cairns, J., Friend, J. A. R., Godden, D. J., Legge, J. S., & Douglas, J. G. Patient weighting of importance of asthma symptoms. Thorax. 2001; 56(2): 138-142.
  • Pearce, N., Aït-Khaled, N., Beasley, R., Mallol, J., Keil, U., Mitchell, E., & Robertson, C. Worldwide trends in the prevalence of asthma symptoms: phase III of the International Study of Asthma and Allergies in Childhood (ISAAC). Thorax. 2007; 62(9): 758-766.
  • Rona, R. J. Epidemiología del asma y su relación con nutrición. Rev. chil. enferm. Respire. 2001; 85-93.
  • Rosenberg, G. A. Asma y embarazo. Arch Alerg Inmunol Clín. 2007;  38(2): 50-57.
  • Vega-Briceño, L. E., & Sánchez, I. Tos persistente como expresión de asma en el niño. Revista chilena de pediatría. 2004; 75(5): 463-470.
  • Zamarroni, F. A., & López, J. G. H. Sibilancias tempranas recurrentes y factores de riesgo para el desarrollo futuro de asma. Alergia, asma e inmunología pediátricas. 2016; 25(1): 12-23.