Tratamento de anafilaxia

Em vista da rapidez com que a anafilaxia pode progredir e quão perigosa pode ser, o tratamento para ela se torna mais do que necessário, urgente e vital.
Tratamento de anafilaxia

Escrito por Maite Córdova Vena, 14 Julho, 2021

Última atualização: 14 Julho, 2021

Anafilaxia é um termo utilizado para agrupar o conjunto de reações alérgicas súbitas e graves, que podem ser causadas por alimentos como o amendoim, alguns medicamentos e picadas de insetos (como a vespa germânica ou a formiga vermelha).

Elas podem ser fatais se não forem tratadas a tempo. Portanto, o tratamento para anafilaxia não pode ser adiado. Quanto mais cedo for administrado, melhor prognóstico pode haver para a pessoa afetada.

Além de causar preocupação com seu início súbito e sua rápida evolução, a anafilaxia preocupa pela forma em que ela é capaz de afetar vários sistemas do organismo (do imunológico ao cardiovascular). Isso acontece quase simultaneamente, e mais uma vez, se não for tratado, pode levar ao colapso respiratório.

Perguntas como: o que pode incluir o tratamento da anafilaxia? O que pode ser feito enquanto chega ajuda médica? É necessária alguma outra ação após eu ter alta do hospital? São algumas das mais comuns na população e, por esse motivo, tentaremos respondê-las a seguir.

Primeiros socorros e atendimento de emergência

O tratamento da anafilaxia é variado
Aprender a identificar os sintomas típicos da anafilaxia é essencial para procurar ajuda médica rapidamente. As lesões cutâneas, por exemplo, são muito características.

A anafilaxia pode ocorrer logo após a exposição ao alérgeno, bem como algum tempo depois (o que pode ser de 4 a 8 horas).

Porém, independentemente disso, quando o indivíduo começa a manifestar sintomas (inchaço, coceira, urticária, inquietação, dificuldade para respirar e falar, pulso fraco, tontura, olhos vermelhos, etc.) é fundamental procurar atendimento médico.

Enquanto os paramédicos chegam, é aconselhável prestar os primeiros socorros à pessoa. De acordo com os especialistas da Mayo Clinic, isso pode incluir o seguinte:

  • Se a pessoa estiver usando uma ou mais roupas justas, ajude-a a removê-las ou afrouxá-las.
  • Não lhe ofereça nada para comer ou beber.
  • Se você souber como fazê-lo, tente acompanhar o pulso da pessoa afetada.
  • Se ela vomitar ou se sangue sair de sua boca, vire-a de lado. Isso ajudará a evitar asfixia.
  • Não administre nenhum anti-histamínico comumente usado (a menos que a pessoa já tenha uma receita que aprove seu uso em caso de anafilaxia. Nesse caso, todas as indicações dadas pelo médico devem ser seguidas).
    • Mesmo que você dê à pessoa um anti-histamínico, não será suficiente para tratar a anafilaxia. Portanto, a ajuda médica não deve ser descartada.
  • Pergunte à pessoa se ela carrega um autoinjetor de epinefrina (adrenalina). Além disso, ajude-a a se deitar de costas e injete, pressionando o injetor contra sua coxa.
  • Se a pessoa desmaiou e não está respirando, comece a ressuscitação cardiopulmonar (RCP) até que os paramédicos cheguem.
  • Se a pessoa não desmaiou, é importante ajudá-la a ficar o mais calma possível até a chegada de ajuda. Para fazer isso, você pode se oferecer para deitar de costas e levantar as pernas.

Nunca espere que os sintomas da anafilaxia desapareçam por conta própria. A falta de assistência médica imediata pode levar à morte em cerca de meia hora.

Opções de tratamento

O tratamento da anafilaxia inclui injeções de adrenalina
A adrenalina é essencial em qualquer caso de anafilaxia, além de outros medicamentos.

Uma vez que uma pessoa foi transferida para o hospital, conforme descrito no Manual MSD, o tratamento para anafilaxia pode incluir o seguinte:

  • Epinefrina (adrenalina) por injeção sob a pele, por via intramuscular ou, às vezes, por via intravenosa ou intraóssea.
    • Geralmente, a opção intravenosa é escolhida quando a pessoa tem pressão arterial excessivamente baixa.
    • A adrenalina ajuda a relaxar os músculos das vias respiratórias e a estreitar os vasos sanguíneos.
  • Anti-histamínicos (como a difenidramina) e bloqueadores da histamina (H2) (como a cimetidina) por via intravenosa até o desaparecimento dos sintomas.
  • Drogas vasoconstritoras (para aumentar a pressão arterial).
  • Beta-agonistas inalados (como salbutamol ) para dilatar as vias aéreas, reduzir a respiração ofegante e tornar a respiração mais fácil.
  • Tubo orofaríngeo e balão de ventilação com máscara facial para fornecer oxigênio (isso é feito quando a pessoa tem grande dificuldade para respirar).
  • Soro por via intravenosa.

Uma vez administrado o tratamento de anafilaxia, o paciente será levado para uma sala de recuperação, onde seu progresso pode ser observado nas próximas horas. Isso ocorre porque, em alguns casos, os sintomas de anafilaxia reaparecem.

O que esperar após a alta?

Após a alta, o médico pode sugerir que a pessoa use uma pulseira ou outro acessório semelhante que indique as alergias de que sofre. Ele provavelmente também explicará que você deve carregar uma seringa autoinjetável de epinefrina com você para que possa usá-la se for necessário, enquanto espera a ajuda dos paramédicos.

A partir de agora, o melhor tratamento para a anafilaxia será evitar o que pode desencadear a anafilaxia (picada de inseto, alimentos, remédios, etc.).

É importante observar que você não precisa fazer mudanças drásticas no estilo de vida para evitar a anafilaxia (a menos que seja orientado pelo seu médico). Em geral, o acima mencionado é suficiente.

Pode interessar a você...
Causas e fatores de risco de anafilaxia
Muy SaludLeia em Muy Salud
Causas e fatores de risco de anafilaxia

Conhecer todas as causas e fatores de risco de anafilaxia é essencial para aplicar os melhores cuidados. A seguir algumas dicas importantes.