Como sair da rotina

Daniela Andarcia · 12 junho, 2021
Aceitar a situação, identificar a causa e avaliar os objetivos são os três primeiros passos para sair da rotina. Descubra como executá-los, bem como outras dicas que você pode colocar em prática.

Você pode chegar a um ponto na vida em que a estagnação parece dominar. Você se sente cansado, entediado e exausto sem motivo. O que mais desespera é a sensação de estar encurralado, de estar sempre fazendo as coisas; o trabalho fica pesado e, ainda por cima, se acumula. É quando você se pergunta como sair dessa rotina.

O segredo para sair da rotina mental e física é agir, o melhor de tudo é você não precisa de outra pessoa, a menos que queira; você só precisa querer, e tentar fazer a mudança. Descubra algumas dicas que serão úteis para quebrar a rotina.

10 dicas para sair da rotina

Algumas rotinas estão tão arraigadas em nossas vidas que custa um pouco mais nos livrarmos delas; é normal ficar assustado e na defensiva porque você fará uma grande mudança; você deve saber o por quê dessa mudança, e com isso ela será mais tranquila. Para fazer isso, comece com:

1. Aceite a situação

Se quiser saber como sair da rotina é preciso fazer uma reflexão.
Um momento a sós para identificar os problemas atuais pode ser necessário.

A negação pode tornar impossível fazer as mudanças necessárias, portanto, perceber que você está preso numa rotina é o primeiro passo. Leve em consideração que é comum estar nesta situação, e que ela não durará para sempre se você dicidir pela mudança.

Pensar que o tédio é sinônimo de exaustão ou que uma ação exigirá muito esforço o fará girar em um ciclo sem fim, aumentando sua angústia e insatisfação, por isso você deve estar disposto a fazer mudanças úteis.

Outra maneira de começar é eliminar pensamentos de culpa em relação a si mesmo, julgamentos pessoais podem te desviar do seu verdadeiro propósito, então você precisa se concentrar apenas em se esforçar para sair do atoleiro.

2. Identifique a causa

A depressão pode se tornar um obstáculo para agirmos. Portanto, é necessário que você identifique através de um autoexame a verdadeira causa pela qual você se sente mal.

Talvez o trabalho não seja tão satisfatório para você, você se sinta preso e em um beco sem saída, seu relacionamento não está indo como você esperava ou vários pequenos estresses estão causando esgotamento emocional.

Para identificar a raiz do problema, é conveniente que você responda a estas perguntas:

  • O que me faz sentir feliz ou alegre em minha vida?
  • O que está me estressando agora?
  • Quando faço as atividades é porque me sinto obrigado ou porque quero?
  • Minhas amizades e relacionamentos me dão alegria?
  • Estou com meu parceiro ou no trabalho porque já investi tempo e esforço, e não tenho outra escolha?

Se você considera que essas emoções são um fardo muito pesado para carregar, procure a ajuda de um especialista.

3. Avalie os objetivos

Metas reais podem te oferecer um propósito. É aconselhável definir metas que você possa cumprir, embora não seja ruim que você defina uma ou outra que no momento esteja fora do seu alcance.

Porém, leve em consideração que grande parte de seus objetivos deve ser ajustado à sua realidade, caso contrário você se envolverá em uma quimera que te levará diretamente ao fracasso e, portanto, você se sentirá frustrado e com pouca coragem para retomar.

É importante que você lembre que não há nada de errado em dar um passo atrás e ajustar os objetivos, na verdade, essa é a chave para seguir em frente. Seja persistente até conseguir.

4. Faça pequenas alterações

Ao perceber que está preso a uma rotina que está ofuscando a sua vida, a primeira coisa que você pode ter é uma descarga de adrenalina para restaurar completamente seus hábitos, fazendo grandes e importantes mudanças.

Parece ótimo, certo? Bem, a verdade é que fazer mudanças abruptas em sua rotina pode ter resultados desfavoráveis, angustiantes e difíceis de cumprir. Começar com pequenas mudanças, talvez uma ou duas, dará a você algum controle e gerenciamento da mudança.

Observe também que fazer pequenas alterações faz parecer que o progresso é mais lento e leva mais tempo para saber se elas estão funcionando ou não. Uma dica que pode ser útil é que, se você puder identificar o que está causando sua rotina, concentre-se primeiro nas pequenas mudanças e depois aumente progressivamente.

Se o motivo for trabalho, por exemplo, considere a possibilidade de mudar de departamento.

5. Leve em consideração o cuidado pessoal

Os cuidados pessoais serão sempre uma boa prática, pode até ser que o motivo de se estar desmotivado seja a negligência com a saúde. Certifique-se de refrescar o corpo e a mente, aumentar a energia e a motivação.

Modificar seu estilo de vida com as seguintes atividades pode ajudá-lo a se concentrar mais e a obter uma atitude melhor em relação às mudanças de rotina:

  • Faça pausas após um projeto difícil.
  • Relaxe de vez em quando, mesmo que não haja nenhum razão específica.
  • Pratique exercícios físicos regularmente.
  • Tire uma folga quando se sentir exausto.
  • Passe momentos com pessoas queridas.
  • Tente conciliar qualidade de vida e sonhos restauradores.
  • Faça refeições saudáveis e balanceadas.

6. Desconecte a mente

Se você quer saber como sair da rotina, o exercício é uma opção.
Os exercícios são uma ótima maneira de liberar a mente e o estresse.

É normal ter rotinas como escovar logo ao se levantar ou tomar um copo d’água antes de ir para a cama. Mas uma vida cheia de hábitos e sem variedade tende a ser entediante, cansativa e até deprimente.

Para desconectar a mente você pode começar desligando seus dispositivos por alguns minutos. Acredita-se que, quando você se afasta por um tempo considerável, o córtex pré-frontal dorsolateral começa a resolver quebra-cabeças com base em regras e padrões de conhecimento que você adquiriu em experiências anteriores.

Desfocar seu cérebro pode aumentar suas habilidades para resolver problemas e adquirir novos conhecimentos e, assim, sair da rotina. Para isso:

  • Deixe seu cérebro divagar.
  • Ande alguns quarteirões.
  • Reserve um tempo para se conectar com a natureza.
  • Desenhe ou rabisque em uma folha de papel em branco.
  • Tire uma soneca agradável.

O segredo para desconectar sua mente é evitar estímulos externos.

7. Seja mais impulsivo

A impulsividade tem suas nuances ruins, porém o outro lado da moeda é que dependendo de como você aborda seus impulsos, eles podem ser seguros e benéficos. Entre as vantagens está o aumento da confiança e a oportunidade de explorar novas opções.

Alguns impulsos saudáveis podem ser os seguintes:

  • Diga sim para uma determinada data.
  • Inscreva-se para um evento de terapia de dança.
  • Faça uma viagem para conhecer um país e sua cultura.
  • Inscreva-se como voluntário para liderar um projeto.

8. Seja realista

Pessoas realistas, na maioria das vezes, focam nas opções possíveis para resolver um problema. Uma boa prática é evitar culpar estranhos por ter um estilo de vida tão rotineiro.

As coisas não são consertadas magicamente, e sentar e esperar que elas aconteçam como você deseja também não é frutífero. Então, você deve se lembrar que a única pessoa que pode fazer uma mudança é você. Ignorar fatores externos e refletir sobre suas ações permitirá que você foque e concentre sua energia no objetivo.

9. Reconhecer quando não é uma rotina

Existem rotinas que podem ser uma ilusão total, porque você está sendo manipulado pela depressão. Sentir-se preso e pensar que escapar é impossível dá a falsa ilusão de que você sempre deve estar preso a uma rotina.

Existem alguns sintomas que podem indicar quando uma rotina está sujeita à depressão.

  • Falta de energia.
  • Pouco interesse nas atividades diárias.
  • Dificuldade em sentir prazer na vida.
  • Falta de motivação e produtividade.
  • Baixa autoestima.

Embora esses sintomas sejam geralmente muito leves, eles afetam o desenvolvimento da sua vida diária. Muitas vezes as pessoas não percebem que têm depressão e isso as obriga a manter uma rotina indesejada.

10. Procure apoio

Para alguns casos, buscar apoio adicional é uma boa opção. Se você considera que está travado e que suas possíveis tentativas de sair da rotina não tiveram sucesso, então é bom que você peça a ajuda de um terapeuta.

Isso pode ajudá-lo a identificar as áreas da sua vida com as quais você não se sente confortável, encontrar os hábitos que não estão funcionando para você e fazer uma mudança efetiva e de forma positiva.

Sair da rotina: as rotinas podem ser boas, mas não em excesso

É saudável que haja rotinas em nossas vidas, como escovar três vezes ao dia e antes de ir para a cama ou beber um copo d’água. Porém, nem todos os nossos dias devem ser marcados por rotinas, isso a longo prazo se torna algo tedioso, e pode causar depressão e cansaço.

Para romper com esses hábitos você deve estar atento à situação, identificar o que te causa estresse ou tristeza, estabelecer metas realistas, não se esquecer dos cuidados pessoais e, quando for necessário, desconectar sua mente dos agentes externos. Lembre-se sempre de que reservar um tempo para si mesmo é uma opção muito boa.

  • Szczepanski, S. M., & Knight, R. T. (2014). Insights into human behavior from lesions to the prefrontal cortex. Neuron, 83(5), 1002–1018. https://doi.org/10.1016/j.neuron.2014.08.011
  • Kisa, C., Yildirim, S. G., & Göka, E. (2005). Ataklik ve Ruhsal Bozukluklar [Impulsivity and mental disorders]. Turk psikiyatri dergisi = Turkish journal of psychiatry, 16(1), 46–54.