Por que nossos antepassados tinham cérebros maiores

O cérebro humano passou por vários processos evolutivos para alcançar sua complexidade atual. Ao longo do caminho, particularmente desde 3000 anos atrás, seu tamanho diminuiu. Vejamos as razões.
Por que nossos antepassados tinham cérebros maiores

Última atualização: 21 dezembro, 2022

O cérebro humano continua sendo objeto de grande fascínio entre os cientistas. Muitas coisas ao seu redor permanecem um enigma, como a consciência, e outras são reinterpretadas com base nas descobertas atuais. Hoje mostramos por que nossos ancestrais tinham cérebros maiores de acordo com novos estudos sobre o assunto.

Evolução e tamanho do cérebro dos primeiros humanos

De acordo com os pesquisadores, três características definem os cérebros humanos dos primeiros macacos e ancestrais símios:

  1. O cérebro humano aumentou de tamanho significativamente. Especialmente, o fez na quantidade de neocórtex (chegou a constituir 80% do cérebro humano).
  2. Algumas seções do neocórtex foram significativamente aumentadas em relação a outras, principalmente os córtices pré-frontal, insular, parietal posterior e temporal (sabe-se que estes continuam a se desenvolver após o nascimento).
  3. As divisões funcionais fundamentais do córtex aumentaram consideravelmente com a evolução do cérebro humano (os primeiros mamíferos tinham cerca de 20 áreas corticais, enquanto se estima que os humanos modernos tenham cerca de 200 áreas).

Os primeiros ancestrais bípedes do homem divergiram dos ancestrais símios dos chimpanzés e bonobos (os parentes vivos mais próximos) há cerca de 6 milhões de anos.

Nos últimos 2 milhões de anos, o cérebro dos ancestrais bípedes evoluiu de 400/600 centímetros cúbicos para cerca de 1.200/1.600 centímetros cúbicos (sendo este último o alcance dos humanos modernos). O aumento não foi gratuito, pois estava relacionado ao custo metabólico de obtenção de alimentos e outras variáveis.

O que pode ter influenciado as mudanças?

O grande cérebro dos ancestrais tinha mais neocórtex
Achados arqueológicos permitem entender que o cérebro dos humanos primitivos era diferente do de hoje.

Certamente, obter alimentos de maior qualidade e técnicas de processamento para melhorar a digestão (como cozinhar, por exemplo) estimularam o crescimento cerebral de nossos ancestrais. Como foi sugerido, existe uma correlação positiva entre o peso do cérebro e o tempo de vida máximo da espécie. Portanto, seu crescimento também pode nos dar uma vida mais longa.

Atualmente, os especialistas estimam que o cérebro humano é formado por cerca de 100 bilhões de neurônios, mais de 100.000 quilômetros de interconexões e tem uma capacidade de armazenamento de 1,25 × 1012 bytes.

A sua evolução foi gradual e, como seria de esperar, não o fez para se adaptar às condições imediatamente atuais. O fez para se adaptar às circunstâncias do momento, algo que deve ser levado em conta ao analisar os cérebros dos antepassados e dos humanos modernos.

Por que nossos ancestrais tinham os maiores cérebros?

Além do crescimento progressivo explicado nas seções anteriores, sabe-se que o cérebro humano se contraiu significativamente nos últimos milhares de anos. Um estudo publicado na Frontiers in Ecology and Evolution em 2021 afirma que a redução ocorreu há apenas 3.000 anos. Isso contrasta com as estimativas anteriores que datavam a mudança em cerca de 30.000 anos atrás.

Os pesquisadores do artigo citado não concordam com a hipótese de que a recente redução do tamanho do cérebro seja um subproduto da redução do tamanho do corpo, como resultado de uma mudança para uma dieta agrícola ou como consequência da autodomesticação. Ou seja, as teorias que foram consideradas até então ou que pelo menos tiveram maior apoio da comunidade.

Ao contrário, apontam que foi resultado dos processos de exteriorização do conhecimento e dos benefícios da tomada de decisão dentro de um grupo.

Este último, em parte, como consequência da consolidação dos sistemas sociais de cognição distribuída e, claro, do armazenamento e troca de informações. Especificamente, o surgimento do que se conhece como inteligência coletiva é responsável por sua redução.

O cérebro da formiga: um excelente ponto de comparação

O grande cérebro dos ancestrais pode ser comparado ao das formigas
Apesar das óbvias diferenças com os humanos, o cérebro da formiga pode servir como ponto de comparação.

Para testar essa hipótese, os especialistas analisaram a evolução do cérebro das formigas. Embora seja verdade que humanos e formigas evoluíram caminhos diferentes na evolução social e cognitiva, eles compartilham muitos traços comuns. Por exemplo, a predileção por comunidades de grandes grupos, comportamentos de vida agrária, divisão do trabalho e cognição coletiva.

As formigas que manifestaram todas essas características desenvolveram cérebros menores em comparação com aquelas que não o fizeram. O surgimento da escrita, o nascimento das civilizações e a consolidação da agricultura poderiam inferir que o cérebro humano atual é muito menor que o de nossos ancestrais.

Pensamentos finais

É importante observar que o tamanho do cérebro não se traduz em maior complexidade cognitiva. Se assim fosse, elefantes, baleias e outras espécies e outras espécies teriam um grau de “inteligência” maior do que o nosso.

Portanto, os pesquisadores observam que a reorganização neuroanatômica e as mudanças no nível molecular, em conjunto com o tamanho absoluto do cérebro e o número total de neurônios, é o que determina o grau de cognição.

Da mesma forma, o cérebro humano não parou de evoluir; nem o de outras espécies animais. O cérebro atual será diferente do cérebro humano de três mil, cinco mil e dez mil anos no futuro. Ele mudará a fim de se adaptar às circunstâncias do momento, como tem feito ao longo destes anos de evolução.

Pode interessar a você...
O que é o fator neurotrófico derivado do cérebro?
Muy Salud
Leia em Muy Salud
O que é o fator neurotrófico derivado do cérebro?

O fator neurotrófico derivado do cérebro é uma neurotrofina de especial importância para a sobrevivência dos neurônios. A seguir, mais detalhes



  • Allman J, McLaughlin T, Hakeem A. Brain weight and life-span in primate species. Proc Natl Acad Sci U S A. 1993 Jan 1;90(1):118-22.
  • DeSilva, J. M., Traniello, J. F., Claxton, A. G., & Fannin, L. D. When and why did human brains decrease in size? A new change-point analysis and insights from brain evolution in ants. Frontiers in Ecology and Evolution. 2021; 712.
  • Hill J, Inder T, Neil J, Dierker D, Harwell J, Van Essen D. Similar patterns of cortical expansion during human development and evolution. Proc Natl Acad Sci U S A. 2010 Jul 20;107(29):13135-40.
  • Hofman MA. Evolution of the human brain: when bigger is better. Front Neuroanat. 2014 Mar 27;8:15.
  • Kaas JH. The evolution of brains from early mammals to humans. Wiley Interdiscip Rev Cogn Sci. 2013 Jan;4(1):33-45.
  • Verendeev A, Sherwood CC. HUMAN BRAIN EVOLUTION. Curr Opin Behav Sci. 2017 Aug;16:41-45.

Los contenidos de esta publicación se redactan solo con fines informativos. En ningún momento pueden servir para facilitar o sustituir diagnósticos, tratamientos o recomentaciones provenientes de un profesional. Consulta con tu especialista de confianza ante cualquier duda y busca su aprobación antes de iniciar o someterse a cualquier procedimiento.