O que é reabilitação cognitiva?

O que é reabilitação cognitiva? Quais são os seus benefícios para as pessoas com lesão cerebral? Vamos te contar tudo no artigo a seguir.
O que é reabilitação cognitiva?
Leticia Aguilar Iborra

Escrito e verificado por la psicóloga Leticia Aguilar Iborra em 25 Maio, 2021.

Última atualização: 25 Maio, 2021

A reabilitação cognitiva é um assunto relativamente novo. Refere-se aos diferentes métodos usados para compensar ou melhorar os déficits cognitivos que ocorrem como consequência de certas alterações produzidas por lesões cerebrais ou doenças que influenciam o correto funcionamento cognitivo.

Nesse sentido, a reabilitação cognitiva não só consegue melhorar no nível cerebral e, portanto, no desempenho. Ela também consegue melhoramentos nas áreas social, familiar, pessoal e acadêmica. A importância da reabilitação cognitiva é considerável, visto que dela depende a melhora na qualidade de vida de muitas pessoas.

O que é reabilitação cognitiva?

A reabilitação cognitiva
Fazer terapia é importante para alcançar a reabilitação cognitiva.

A reabilitação cognitiva é entendida como o “conjunto de procedimentos e técnicas cujo objetivo principal é alcançar melhorias tanto no desempenho cognitivo da pessoa, como em outras áreas de interesse que envolvem o indivíduo (área social, familiar e de trabalho)”.

Assim, melhora-se a adaptação a elas e a melhoria da funcionalidade do indivíduo como objetivo de alcançar um certo grau de autonomia, sem falar no aumento do nível de qualidade de vida.

Existem diferentes mecanismos de reabilitação cognitiva que às vezes estão relacionados. Em alguns casos, os programas de reabilitação cognitiva podem incluir mais de uma modalidade, convergindo entre alguns mecanismos e outros.

Mecanismos de estimulação

  • Restauração: utilizada quando há perda parcial ou diminuição significativa de desempenho em uma área específica. Aqui, os exercícios de repetição são geralmente realizados para generalizar o treinamento de consulta para a vida real. Um exemplo disso seriam os problemas de memória.
  • Compensação: busca-se promover o uso de outros mecanismos, como compensação por área afetada que não pode ser recuperada. O aprimoramento de habilidades preservadas é usado como forma de compensar as limitações da área afetada.
  • Substituição: a pessoa é ensinada a utilizar diferentes estratégias como forma de minimizar as dificuldades causadas na área afetada.  São utilizadas alternativas  com ferramentas do exterior (uso de calendários, fotografias, relógio, alarmes, etc.)
  • Ativação-estimulação: manifesta-se como uma desaceleração no processamento da informação. As estratégias de ativação são usadas como uma forma de liberar as áreas bloqueadas à sua forma mais elevada. Um exemplo disso pode ser resumido no uso de psicofármacos, modificação de comportamento ou estratégias de repetição  diante de um estímulo específico.
  • Integração: trata-se de melhorar a atividade mental de forma global. Dessa forma, se buscam eliminar as interferências no processamento da informação, atuando de forma holística.

Outras modalidades

Além dos pontos citados acima, a reabilitação cognitiva também utiliza as seguintes modalidades:

  • Cirurgia: substituição do tecido cerebral danificado. É aplicado no tratamento de doenças degenerativas, como a doença de Parkinson ou coreia de Huntington.
  • Psicofarmacologia: se utilizam drogas que melhoram a cognição corrigindo desequilíbrios químicos. Também se leva em consideração a importância da nutrição em certos casos, já que algumas doenças também se relacionam à desnutrição, como por exemplo o Alzheimer em estágio avançado.
  • Melhora de outras áreas importantes do indivíduo: o estilo de vida do indivíduo é muito importante, e não se devem poupar esforços para uma abordagem correta de sua saúde emocional e social.

A quem se destina?

A reabilitação cognitiva é útil em algumas doenças.
Alguns pacientes com doenças neurodegenerativas podem se beneficiar deste método.

A população alvo da reabilitação cognitiva é ampla e diversa. É verdade que cada pessoa é diferente e cada uma vai precisar de um programa que se adapte às suas necessidades, por isso toda reabilitação é adaptada às necessidades de cada uma das pessoas que adotam o tratamento.

Em geral, os benefícios que são alcançados com a reabilitação cognitiva são melhoras na memória, atenção, nível de processamento e velocidade de reação aos estímulos, resolução de problemas, etc. Portanto, a estimulação cognitiva é geralmente focada nos seguintes indivíduos:

  • Pessoas com lesão cerebral adquirida ou congênita.
  • Pessoas com doenças neurodegenerativas : doença de Alzheimer, doença de Parkinson, esclerose múltipla, demência por corpos de Lewy, demência frontotemporal, etc.
  • Pessoas com transtornos mentais ou transtornos do humor: depressão crônica, transtorno bipolar, etc.
  • Transtornos do neurodesenvolvimento : transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), autismo, etc.

Algumas características básicas antes de iniciar uma reabilitação cognitiva

Conforme citado no ponto anterior, a reabilitação cognitiva deve ser individualizada, adaptada às necessidades específicas da pessoa.

Por exemplo, pessoas com lesão cerebral adquirida constituem um grupo muito heterogêneo, mesmo na forma de aquisição do dano, ele pode variar devido a acidentes externos (por exemplo, pancadas) a processos internos (hemorragias cerebrais, isquemia, etc.).

Nesse sentido, deve-se levar em consideração o nível de consciência dos danos e iniciar  e regular comportamentos que estejam em consonância com o processo de reabilitação.

Além disso, a família e os terapeutas também são figuras importantes. Ou seja, não cabe apenas ao profissional implementar tarefas de treinamento que possam ser utilizadas para a vida real, mas também é necessária a ajuda de seu entorno familiar para generalizar as habilidades treinadas.

Nesse sentido, a reabilitação não está focada apenas em melhorar os déficits que a pessoa possui, mas também deve produzir mudanças na esfera social, para que o nível de adaptação e qualidade de vida aumentem.

Técnicas de aprendizagem especializadas

Em geral, a maioria dos programas de reabilitação tem como objetivo a aquisição de novas informações pelos indivíduos que são direcionados para tarefas de estimulação cognitiva. Nesse sentido, é importante identificar e usar técnicas que se mostraram eficazes em pessoas com lesão cerebral. Alguns exemplos:

  • Técnicas de aprendizagem direta: realizadas para fortalecer as habilidades acadêmicas básicas. São usadas estratégias, como dividir uma tarefa complexa em subtarefas que são menos difíceis, relacionar o novo aprendizado com experiências anteriores, usar o feedback do terapeuta, etc.
  • Aprendizagem sem erros: Esta é uma técnica de aprendizagem direta que se mostrou eficaz em indivíduos com graves problemas de memória. Consiste em oferecer as respostas corretas à tarefa até que a pessoa consiga consolidar essas novas informações. Um exemplo disso é  a aprendizagem e associação de nomes a rostos, iniciar sequências de comportamentos, etc.
  • A aprendizagem de procedimentos: ocorre por repetição e leva algum tempo. No entanto, as pessoas com déficits graves de memória se beneficiam desses tipos de técnicas baseadas em repetição.

Uma técnica complexa, mas útil

Em suma, existe uma ampla gama de programas de reabilitação cognitiva de acordo com as necessidades de cada indivíduo. Assim, pessoas com algum tipo de déficit podem apresentar melhoras ao iniciarem esse tipo de procedimento.

Os benefícios são claros, porém, não se deve esquecer a esfera emocional, familiar e social de cada pessoa que passa por esse tipo de processo.

O objetivo desse tratamento vai além do físico, incluindo outro tipo de funcionalidade na forma de se relacionar com o mundo exterior.

Pode interessar a você...
Alzheimer
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Alzheimer

O Alzheimer é uma doença neurodegenerativa caracterizada pela destruição dos neurônios do cérebro e pela diminuição da massa cerebral