Os 7 mitos de saúde mental mais comuns

A saúde mental ainda é cercada de preconceitos e tabus. Hoje descobrimos 7 mitos comuns que persistem na sociedade.
Os 7 mitos de saúde mental mais comuns

Última atualização: 24 dezembro, 2022

Todo dia 10 de outubro é comemorado o Dia Mundial da Saúde Mental. Como aponta a Organização Mundial da Saúde (OMS), o objetivo deste dia é “conscientizar sobre os problemas de saúde mental em todo o mundo e mobilizar esforços em prol da saúde mental”. Como parte desta iniciativa, compilamos uma lista dos mitos de saúde mental mais comuns.

Certamente, na última década houve avanços em termos de campanhas de conscientização sobre transtornos mentais. Apesar dessas conquistas, ainda há um longo caminho a percorrer se levarmos em conta o tabu, o estigma e o preconceito que persistem na sociedade. Esperamos que os mitos sobre saúde mental que elaboramos contribuam para a normalização dessas condições.

Principais mitos sobre saúde mental

Como nos lembra o UNICEF, desmascarar os mitos que cercam os transtornos mentais ajuda a eliminar o estigma e motivar as pessoas a procurar ajuda profissional. Este é o objetivo de nossa seleção de mitos sobre saúde mental, para a qual reunimos uma série de elementos comuns errôneos que milhares de pessoas acreditam serem verdadeiros. Vamos ver o que eles são e o que as evidências dizem sobre eles.

1. Os transtornos mentais são raros

Segundo a OMS, cerca de 280 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de depressão; isto é 5% da população adulta. Quanto à ansiedade, a OMS estima que cerca de 264 milhões de pessoas em todo o mundo sofram dela, com uma prevalência de 3,6% no mundo (varia de acordo com a área).

Esses dois distúrbios sozinhos são responsáveis por mais de 500 milhões de pessoas, por isso é um mito que os problemas mentais sejam raros. O fato de muitos decidirem não procurar ajuda profissional, esconder quando o fazem ou optar por não falar publicamente sobre isso não significa que eles não existam. Ficar calado sobre uma doença mental a torna invisível, mas não a faz desaparecer.

2. Transtornos mentais acontecem nas pessoas fracas

Mitos sobre saúde mental incluem que ela só aparece em pessoas fracas
Dizer que os transtornos mentais só aparecem em pessoas com personalidades específicas não apenas minimiza o problema, mas o estigmatiza.

Outro dos grandes mitos sobre a saúde mental diz que todas as condições se desenvolvem em pessoas com fraqueza mental. Ou seja, naqueles que carecem de caráter, firmeza, determinação ou que se recusam a ter um pensamento positivo. Nada poderia estar mais longe da verdade, pois faz parte deste discurso que minimiza estes distúrbios em comparação com outros que podem afligir o corpo.

Por exemplo, ninguém faria um comentário como que aqueles que sofrem de arritmia cardíaca, asma, doença celíaca, hipertensão ou lúpus o fazem porque são fracos de caráter. Transtorno de estresse pós-traumático, transtorno bipolar, transtorno obsessivo-compulsivo ou ataques de pânico não são desencadeados por falta de caráter, negatividade ou falta de assertividade.

Embora ainda estejamos entendendo os mecanismos ocultos de todas essas condições, sabemos que alterações químicas, predisposição genética, lesões cerebrais e fatores ambientais mediam seu desenvolvimento. Como você pode ver, são critérios semelhantes aos que medeiam outras doenças e distúrbios do corpo. O critério da falta de caráter é diretamente implausível.

3. Afetam apenas mulheres e adolescentes

Um preconceito comum é associar problemas de saúde mental apenas a mulheres e adolescentes. Isso levou homens e adultos a desconfiarem de procurar ajuda profissional, tudo porque o transtorno não se encaixa em seu gênero ou idade.

Embora seja verdade que por vários motivos as mulheres são mais propensas a desenvolver alguns transtornos do que os homens, e que muitos deles costumam se manifestar na adolescência, na realidade qualquer pessoa pode sofrer de um transtorno mental.

Por exemplo, os pesquisadores observam que as mulheres têm duas vezes mais chances de desenvolver transtornos de humor, enquanto os homens têm duas vezes mais chances de desenvolver transtornos por uso de substâncias. Em relação à idade, há evidências de que os idosos são mais propensos a desenvolver depressão (até 19% dos maiores de 50 anos a manifestam).

4. A ajuda profissional só deve ser procurada em casos graves

Procurar ajuda profissional é um passo que muitos pacientes se recusam a dar por dois motivos: repercussões sociais (estigma, acusações, preconceitos e outros) e por acreditar que seu problema não é tão grave. Esta última é particularmente interessante, e podemos entendê-la melhor se compararmos novamente com outras doenças.

Quão comum é que um paciente voluntariamente decida não tratar sua miopia, sua asma ou sua doença cardíaca, considerando que não é grave? Claro que podemos encontrar exemplos, mas o normativo é que, se houver um tratamento disponível após o diagnóstico, ele seja seguido para melhorar o bem-estar e reduzir os sintomas.

Nos transtornos mentais, é imprudente evitar procurar ajuda profissional porque os sintomas ainda podem ser tolerados (ou escondidos). Os distúrbios geralmente pioram na ausência de tratamento, portanto, é recomendável lidar com eles para evitar que fiquem fora de controle.

5. Os problemas de saúde mental são difíceis de tratar

Os mitos sobre a saúde mental incluem que é difícil lidar com
Ao contrário dos tratamentos médicos convencionais, a psicoterapia requer um pouco de esforço por parte do paciente. No entanto, isso não impossibilita o processo terapêutico.

Alguns até pensam que nenhum tratamento está disponível. Todo paciente diagnosticado com transtorno mental perceberá que, após manter o tratamento a médio e longo prazo, sua vida melhorou consideravelmente em relação à sua ausência. Alguns casos podem apresentar alguma resistência, mas felizmente existem alternativas para enfrentá-los de diferentes ângulos.

A ingestão de medicamentos, mudanças no estilo de vida e apoio psicológico são apenas algumas das opções para lidar com um problema mental. Os resultados podem ser vistos a curto ou médio prazo, e na maioria das vezes estão associados a resultados satisfatórios. Você nunca deve hesitar em procurar um profissional porque acha que não há solução factual para o problema.

6. Pessoas com transtornos mentais são “loucas”

É impossível listar os mitos da saúde mental sem mencionar o termo “louco”. A primeira coisa a notar é que não existe um diagnóstico médico chamado “insanidade “. Nenhum psiquiatra ou psicólogo diagnosticará um paciente como “louco”, pois não existe tal doença. O termo foi usado até o século 19 para se referir a qualquer tipo de comportamento não regulatório.

Hoje, os distúrbios de saúde mental foram catalogados muito bem. Por exemplo, temos o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais em sua atual quinta versão. Classifica e descreve os distúrbios da mente e fornece critérios para o seu diagnóstico. “Insanidade” é um termo pejorativo que não deve ser usado para se referir a problemas desse tipo.

7. Problemas mentais se traduzem em tristeza e mau humor

Existem dezenas e dezenas de transtornos mentais. Mesmo assim, muitas pessoas associam esses problemas à tristeza ou ao mau humor. Talvez porque depressão, ansiedade e transtorno bipolar (entre outros) estejam na vanguarda das manifestações mais comuns. De qualquer forma, essas condições nem sempre são caracterizadas por esses sintomas.

De fato, muitos casos de depressão, ansiedade e bipolaridade podem ser surpreendentemente facilmente camuflados por trás de um rosto alegre. Por exemplo, a depressão sorridente pode ser tão difícil de distinguir que mesmo as pessoas mais próximas do paciente não estão cientes de um problema subjacente. Parte da conscientização é parar de associar esses sinais como protótipos de todos os transtornos de saúde mental.

Embora existam muitos mitos sobre a saúde mental, esperamos que os que escolhemos ajudem a reduzir os preconceitos que os cercam. Não hesite em procurar ajuda profissional ou, em qualquer caso, apoiar um amigo ou conhecido que esteja passando por uma batalha desse tipo. A normalização desses problemas nos permitirá compreender verdadeiramente sua dimensão, prevalência e consequências.

Pode interessar a você...
O que são fobias? Descubra seus sintomas e características
Muy Salud
Leia em Muy Salud
O que são fobias? Descubra seus sintomas e características

As fobias são transtornos psicopatológicos caracterizados por um medo intenso e irracional de um objeto, animal, situação ou evento.



  • ESEMeD/MHEDEA 2000 Investigators, Alonso, J., Angermeyer, M. C., Bernert, S., Bruffaerts, R., Brugha, T. S., … & Vollebergh, W. A. M. Prevalence of mental disorders in Europe: results from the European Study of the Epidemiology of Mental Disorders (ESEMeD) project. Acta psychiatrica scandinavica. 2004; 109: 21-27.
  • Volkert, J., Schulz, H., Härter, M., Wlodarczyk, O., & Andreas, S. The prevalence of mental disorders in older people in Western countries–a meta-analysis. Ageing research reviews. 2013; 12(1): 339-353.

Los contenidos de esta publicación se redactan solo con fines informativos. En ningún momento pueden servir para facilitar o sustituir diagnósticos, tratamientos o recomentaciones provenientes de un profesional. Consulta con tu especialista de confianza ante cualquier duda y busca su aprobación antes de iniciar o someterse a cualquier procedimiento.