8 curiosidades sobre a memória, de acordo com a ciência

O nosso cérebro é incrível, armazenando constantemente informações que podemos acessar quando quisermos. Ele tem até mesmo a capacidade de "preencher" lacunas quando necessário.

Todos nós sabemos do que se trata, mas nem todos devem conhecer essas curiosidades sobre a memória que foram reveladas pela ciência. Certamente, em algum momento, você já se perguntou quanta informação o seu cérebro pode armazenar ou como as memórias que você achava que estivessem esquecidas podem voltar ao ouvir uma antiga canção. Pois bem, tudo isso faz parte dessas curiosidades.

A memória é uma função cerebral complexa que pode ser exercitada. Quando chega a idade adulta, é possível que algumas estruturas cerebrais sejam afetadas, que haja uma perda neuronal e uma diminuição na produção de neurotransmissores que causa o esquecimento, mas o fato é que a nossa vida fica gravada na nossa memória como uma marca indelével.

Tipos de memória

Durante muito tempo, acreditou-se que a memória estava alojada em um local específico do cérebro. Porém, alguns estudos científicos comprovaram que ela é o resultado do funcionamento de várias estruturas cerebrais. Assim, passou-se a falar sobre diferentes tipos de memória, entre as quais destacamos:

  • De trabalho.
  • Sensorial.
  • Motora.
  • Visuo-espacial.
  • Verbal.
  • Explícita e implícita.

Fases da memória

As curiosidades sobre a memória se devem à sua complexidade.
A memória ainda é um mistério, graças à enorme complexidade do sistema nervoso.

Como você imagina que os recursos sejam armazenados na memória? Precisamos dizer que, de acordo com pesquisas, a informação deve passar por três fases ou processos cognitivos antes de ser registrada e estar disponível quando for necessária. Isso significa que os processos se repetem para armazenar e para pesquisar na nossa memória.

Quando há uma falha em qualquer uma dessas três fases da memória, é que ocorre o esquecimento ou a dificuldade de memória:

  • Codificação: é nesta fase que analisamos, sintetizamos ou categorizamos a informação para incorporá-la à memória.
  • Armazenamento: é quando a informação que codificamos é armazenada na estrutura cerebral correspondente, de acordo com o tipo de informação: números, música ou imagens.
  • Recuperação: é o processo que ocorre quando precisamos nos lembrar das informações que codificamos e armazenamos no cérebro.

As 8 curiosidades sobre a memória, de acordo com a ciência

Agora você já sabe um pouco mais sobre o funcionamento da memória, mas talvez você não conheça algumas das curiosidades mais simples, porém surpreendentes. A seguir, vamos falar mais sobre elas:

1. Tem o seu próprio princípio de economia

Quanta informação você acha que o seu cérebro codifica e armazena em um dia normal? Sem dúvida, uma grande quantidade. É por isso que foi comprovado que a memória tem um princípio de economia no armazenamento dessa informação. Assim, estamos falando da memória de curto ou de longo prazo.

A memória de curto prazo é aquela que retemos durante um curto período de tempo, conforme o próprio nome indica. É imediata e se concentra em estímulos momentâneos: quando necessário, você memoriza durante alguns minutos o que precisa comprar, mas logo se esquece.

Isso não significa que essa informação foi apagada da sua memória, mas o cérebro a coloca em uma área pouco acessível, pois reconhece que ela não é algo vital.

Por sua vez, a memória de longo prazo é considerada um sistema cerebral complexo que atua para armazenar informações relevantes por tempo indeterminado. Um exemplo disso são as memórias que nos permitem saber quem somos, onde moramos, que língua falamos e quais são os nossos conhecimentos profissionais.

2. Nunca se esquece

Conforme mencionamos anteriormente, as informações que codificamos e armazenamos no cérebro nunca são esquecidas. Dependendo do tipo de informação, ela fica armazenada em uma área mais ou menos acessível. Você deve estar se perguntando o que acontece com as pessoas que apresentam esquecimentos constantemente, não é mesmo?

Pois bem, essas pessoas podem apresentar o fenômeno do esquecimento, que se refere a uma complicação para recuperar as informações armazenadas no cérebro, seja por falhas em estruturas cerebrais, como no caso do Alzheimer, ou pela falta de atenção, como acontece quando esquecemos o nome de alguém que acabamos de conhecer.

3. É afetada pelo estresse

O estresse é uma das condições que mais afeta a população mundial, impactando negativamente a nossa saúde física, mental e emocional. O nosso cérebro não é exceção: ele também é afetado. Um estudo apontou que o estresse causa problemas de aprendizagem e memória. Além disso, também perturba o sono e pode desencadear outras doenças.

Este mesmo estudo indica que o estresse aumenta ou diminui o primeiro estágio da reação de alarme. Além disso, os processos que ocorrem na amígdala basolateral e no hipocampo devido a essa condição também prejudicam a memória.

4. Completa as nossas memórias com memórias falsas

Como assim? É isso mesmo: apenas as pessoas com hipermnésia são capazes de se lembrar de eventos passados exatamente como eles aconteceram. As outras pessoas recebem uma ajuda extra da memória. Ou seja, isso significa que, quando você se lembra de uma memória muito distante, muitos detalhes podem não ser totalmente precisos.

Esse fenômeno é conhecido como falsas memórias e há décadas intriga os cientistas que se dedicam a estudar esse processo cognitivo. Este é um fato curioso porque poucos percebem quais das suas memórias são reais ou falsas, pois, de acordo com estudos, essas memórias falsas são muito semelhantes às verdadeiras.

5. Está intimamente relacionada ao contexto e às emoções

A memória está ligada às nossas emoções e ao contexto ao nosso redor. Elas dependem em grande parte do que estimula a recuperação dessa memória.

Um exemplo disso é aquele momento em que você escuta uma música de que gostava durante a infância, mas da qual não se lembrava. Esse traço de memória é ativado e você consegue se lembrar, além da letra da música, do que ela te fazia sentir naquela época.

6. Hipermnésia

As curiosidades sobre a memória são múltiplas.
A memória está repleta de curiosidades que podem nos surpreender a cada dia.

Conforme já mencionamos, a maioria de nós tem uma capacidade de memória seletiva e que geralmente se esquece de detalhes considerados pouco necessários. Além disso, quando necessário, ela reconstrói alguns recursos para preencher as lacunas.

No entanto, embora sejam poucas, existem algumas pessoas que possuem uma capacidade superior. Elas conseguem se lembrar das suas memórias em detalhes e com grande precisão. As pessoas com hipermnésia têm a incrível capacidade de codificar, armazenar e recuperar informações muito rapidamente.

O curioso disso é que essas pessoas podem aplicar essa condição quase de forma perfeita para narrar as suas vidas, o que se conhece como memória autobiográfica, mas o mesmo não acontece com outras memórias.

7. Criptomnésia

Já te aconteceu de ter informações sobre algo, mas não saber onde elas foram obtidas? Se a sua resposta for afirmativa, tenha cuidado! Você pode estar plagiando alguém ao usar essas informações como suas. Acontece que existem pessoas que sofrem de criptomnésia, uma condição na qual o paciente não sabe que possui uma informação, nem de onde ela veio.

É um pouco confuso, é verdade; porém, refere-se apenas a uma informação que fica gravada no cérebro, mas que a pessoa não sabe como. Ela fica oculta e, quando resgatada pela memória, é fácil confundi-la com uma ideia própria, levando muita gente a cometer plágio sem saber.

8. Efeito Mandela

Por fim, chegamos ao último item da lista de curiosidades sobre a memória, que afeta mais de uma pessoa. Trata-se de uma espécie de falsa memória coletiva, conhecida como efeito Mandela.

Tem este nome porque o fenômeno foi descoberto quando foram encontradas várias pessoas que partilhavam a falsa memória de que Nelson Mandela tinha morrido na prisão, o que nunca aconteceu.

Você reconheceu essas curiosidades sobre a memória?

Talvez algumas dessas curiosidades da memória comprovadas pela ciência sejam familiares para você, enquanto outras nem tanto. Isso ocorre porque é impossível ter consciência das memórias que são verdadeiras e das que são falsos recursos do nosso cérebro, por exemplo.

Tudo isso porque, conforme explicamos no início, o cérebro e as estruturas que estão envolvidas na memória são muito complexas e continuam a surpreender a ciência cada vez mais.

  • Caitlin Aamodt. El efecto Mandela y los falsos recuerdos compartidos. Letras libres, ISSN 1578-4312, Nº. 187, 2017, págs. 56-57. Disponible en: https://www.letraslibres.com/espana-mexico/revista/el-efecto-mandela-y-los-falsos-recuerdos-compartidos
  • Nina Gramunt Fombuena. Normalización y validación de un test de memoria en envejecimiento normal, deterioro cognitivo leve y enfermedad de Alzheimer. Universitat Ramon Llull. Disponible en: https://www.tdx.cat/bitstream/handle/10803/9261/NinaGramunt-tesis.pdf?sequence=1&isAllowed=y
  • La memoria, programa de estimulación y mantenimiento cognitivo. Promoción de la solicitud en personas mayores. Instituto de Salud Pública. Disponible en: https://fiapam.org/wp-content/uploads/2012/10/maroto-memoria-01.pdf
  • Arnoldo Téllez López. La memoria humana: revisión de los hallazgos recientes y propuesta de un modelo neuropsicológico. Universidad Autónoma de Nuevo León, 2003. Disponible en: http://eprints.uanl.mx/1514/1/1020149160.PDF
  • Morgado Bernal, Ignacio (2005). Psicobiología del aprendizaje y la memoria. CIC. Cuadernos de Información y Comunicación, (10),221-233.[fecha de Consulta 17 de Marzo de 2021]. ISSN: 1135-7991. Disponible en: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=935/93501010
  • Adela Garzón, Julio Seoane. La memoria desde el procesamiento de información. Psicología cognitiva y procesamiento de la información. Disponible en: https://www.uv.es/seoane/publicaciones/Garzon-Seoane%201982%20La%20Memoria%20desde%20el%20Procesamiento%20de%20Informacion.pdf
  • Escobar A, Gómez GB. Estrés y memoria. Rev Mex Neuroci. 2006;7(1):8-14.
  • Ambrocio Mojardín-Heráldez. Origen y manifestaciones de las falsas memorias. Acta colombiana de psicología. 11 (1): 37-43, 2008. Disponible en: http://www.scielo.org.co/pdf/acp/v11n1/v11n1a04.pdf
  • Cuevas Remigio, Luis Fernando (2015). HIPERMNESIA DE RECONOCIMIENTO A TRAVÉS DE LA CONSTRUCCIÓN DE IMÁGENES MENTALES: UNA INTERPRETACIÓN A PARTIR DE LA COGNICIÓN CORPORIZADA. Enseñanza e Investigación en Psicología, 20(2),227-237.[fecha de Consulta 17 de Marzo de 2021]. ISSN: 0185-1594. Disponible en: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=292/29242799013
  • Daniel R. Martínez. La clasificación de los trastornos de la conciencia. Rev. Asoc. Esp. Neuropsiq. 2019; 39(135): 33-49. doi: 10.4321/S0211-57352019000100003