11 dicas para melhorar a saúde emocional

Identificar e regular as suas emoções são os primeiros passos para melhorar o bem-estar psicológico. Descubra essas e outras maneiras de obter essa melhora.
11 dicas para melhorar a saúde emocional

Escrito por Daniela Andarcia, 26 Março, 2021

Última atualização: 26 Março, 2021

O bem-estar psicológico está ligado às emoções que uma pessoa vivencia e transmite. Apesar de muitas vezes ser subestimada, a saúde emocional é importante para lidar com os diferentes cenários da vida.

A qualidade das suas relações pessoais e profissionais vai depender bastante de como você gerencia as suas emoções; por isso, vale a pena colocar várias dicas em prática para que isso possa ser feito da melhor maneira possível.

A saúde mental e a saúde emocional, apesar do que geralmente se pensa, não são a mesma coisa. A primeira inclui o bem-estar emocional, psicológico e social de uma pessoa, enquanto a segunda se refere apenas à regulação emocional.

Assim, com isso em mente, podemos ter um melhor critério para melhorar a saúde emocional. Vamos mostrar detalhadamente como  isso pode ser feito.

11 dicas que vão te ajudar a melhorar a sua saúde emocional

Não apresentar quadros prolongados de ansiedade, estresse ou depressão é uma das características de uma pessoa com saúde emocional. Esse estado, sem dúvida, transcende o simples ato de reprimir as emoções negativas e aparentar estar “feliz” o tempo todo.

Em vez disso, trata-se de desenvolver habilidades e ferramentas para usar essas emoções da melhor forma. Descubra algumas dicas para que isso possa ser feito.

1. Detecte o impacto das suas emoções

Para ter uma melhor saúde emocional, você precisa se conhecer.
Os exercícios de introspecção são necessários para aprender a identificar problemas.

As emoções intensas são difíceis de evitar, pois elas surgem espontaneamente quando somos tomados por sentimentos fortes. Raiva, ira, frustração, euforia ou medo são apenas alguns exemplos e, quando externalizadas, elas geram consequências para terceiros.

No entanto, quando estudadas e compreendidas, elas podem te ajudar a crescer; portanto, essas emoções avassaladoras não são totalmente prejudiciais. Elas também são normais, sendo o reflexo de que você se permite vivenciar grandes estímulos.

Porém, quando não são bem conduzidas, elas geram conflitos com terceiros, problemas de relacionamento e a necessidade de se medicar para controlar as explosões emocionais.

Nesse ponto, é fundamental que você reserve algum tempo para determinar a forma como as suas emoções intensas estão afetando a sua vida diária.

2. Escolha regular e não reprimir

Ser capaz de detectar o efeito das suas emoções é apenas o começo para conseguir controlá-las. E essa é a opção mais plausível; não é conveniente suprimir ou reprimir emoções, pois isso acabaria te prejudicando ainda mais. Porém, você também não pode navegar pelo mundo feito um ser muito passional, pois isso também acaba te prejudicando.

A melhor maneira de vivenciar essa faceta da vida é de uma forma consciente e controlada, que te ajude a encontrar o equilíbrio entre as emoções intensas e a ausência delas. Caso contrário, você pode adicionar à sua vida diferentes problemas, tais como ansiedade, insônia, depressão e estresse emocional e muscular.

3. Identifique as suas emoções

Identificar as suas emoções é necessário para ser capaz de controlá-las. Para isso, você pode se fazer algumas perguntas como as seguintes:

  • O que estou sentindo agora?
  • O que aconteceu para acabar me sentindo assim?
  • Pode haver outra explicação que faça sentido?
  • Eu quero fazer algo com esse sentimento?
  • Essa ação vai melhorar ou piorar o meu estado?
  • Há uma maneira melhor de lidar com isso?

Ao responder a essas perguntas, além de reservar um tempo para refletir, você terá uma abordagem melhor para materializar uma primeira reação. Lembre-se de que o ideal é tornar essa prática um hábito; talvez isso possa demorar, mas os resultados valem a pena.

4. Aceite todas as suas emoções

De acordo com estudos publicados na Cognition and Emotion e no Journal of Personality and Social Psychology, aceitar as emoções pode contribuir para aumentar os níveis de satisfação e bem-estar emocional.

Ao validar uma emoção intensa, lembre-se sempre de seguir o ponto anterior, pois isso vai permitir que você maximize a experiência em seu benefício.

Também evite minimizá-la. O estado de negação pode piorar a situação, pois, ao não reconhecer o sentimento de raiva, por exemplo, você não será capaz de encontrar uma solução adequada para a origem dessa raiva. Pelo contrário, aceitar a sua raiva pode te ajudar a se sentir mais confortável e menos culpado.

5. Mantenha um diário do seu estado de humor

Essa prática pode te ajudar a ter uma melhor compreensão dos seus sentimentos, ações e das pessoas envolvidas quando eles surgirem. Com esse registro, você pode retroalimentar os seus pensamentos e cultivar o seu comportamento para lidar com certas circunstâncias e pessoas de forma saudável.

Além disso, estudos publicados no Journal of Affective Disorders e em Psychophysiology descobriram que a escrita expressiva pode ser um tipo eficaz de terapia para pessoas com transtorno depressivo maior (MDD, na sigla em inglês) e preocupação crônica.

6. Respire fundo

Respirar fundo antes de agir ou dizer algo que nos comprometa ou que agrave a nossa situação é sinal de maturidade emocional. Quando experimentamos emoções fortes, geralmente agimos de forma impulsiva e nada consensual.

Respirar de forma lenta e profunda vai te ajudar a reduzir a margem de erros, além de oxigenar o cérebro. Assim, você não vai suprimir as suas emoções, apenas acalmá-las, lembrando-se de que as emoções intensas bem conduzidas podem se tornar grandes aliadas.

Assuma o controle aplicando as seguintes dicas:

  • Inspire de forma lenta e profunda; lembre-se de que esse tipo de respiração é feito com o diafragma. Além disso, tente manter o olhar focado em um ponto fixo ou feche os olhos.
  • Prenda a respiração, conte até três e então expire lentamente.
  • Experimente incorporar um mantra com, por exemplo, “tudo flui” ou “estou calmo”. Isso geralmente é útil para algumas pessoas.

7. Espere pelo momento certo

Esperar o momento certo para expressar as emoções intensas é algo que se conquista com o tempo e que é uma parte fundamental do bem-estar emocional. Por exemplo, quando se trata de uma relação de autoridade, é aconselhável agir com moderação.

Repreender o seu superior sempre termina em péssimas condições para o “subordinado”, por mais injustas que sejam as ações contra ele. Nesse caso, é sempre bom colocar em prática os pontos expostos e estar atento ao ambiente. Essas medidas vão te ajudar a encontrar o momento ideal para manifestar esse tipo de emoção complexa.

8. Dê um pouco de espaço a si mesmo

Desligar-se do lugar onde passa a maior parte do tempo, ou que esteja de alguma forma relacionado ao motivo pelo qual esses sentimentos intensos surgem, pode te ajudar a se acalmar.

Isso pode ser feito fisicamente ou, caso isso não seja possível, de forma virtual. Em geral, opções como caminhar, passar um tempo com um amigo ou animal de estimação, sair para comprar um café ou ir ao banheiro para se refrescar funcionam como paliativos.

9. Pratique a meditação

A saúde emocional pode ser melhorada com algumas técnicas.
A meditação e os esportes de baixo impacto podem ajudar bastante a melhorar a saúde emocional.

Atividades como meditação, tai chi ou ioga, por exemplo, vão te ajudar a canalizar os sentimentos negativos. A reflexão através da meditação eleva os seus níveis de consciência sobre o que você sente, a sua origem e a maneira como isso pode ser canalizado.

Essas disciplinas priorizam, acima de tudo, o lado positivo das coisas, incluindo esse tipo de emoção forte, aceitando a sua existência e desenvolvendo habilidades para a sua aceitação em prol de uma saúde emocional prolongada.

10. Diminua os níveis de estresse

Viver uma vida saudável é a chave para melhorar a saúde emocional. Comer de forma saudável, praticar atividades físicas e dormir na hora certa são boas práticas para reduzir os níveis de estresse que você pode estar apresentando. Existem até mesmo estudos que associam a privação de sono a um maior número de pensamentos negativos.

Lembre-se de que, ao controlar esse estado, você terá uma melhor resposta emocional em momentos fortuitos de alta tensão. A meditação como um hábito pode te ajudar com isso. Além disso, lembre-se de fazer atividades ao ar livre e de passar momentos relaxando com os amigos.

11. Procure a ajuda de um especialista

Caso não encontre resultados satisfatórios com essas dicas, não descarte a busca por ajuda profissional. Esses especialistas ajudam bastante quando as emoções são avassaladoras.

Lembre-se também de que certas patologias emocionais, tais como o transtorno bipolar ou o transtorno de personalidade limítrofe, requerem as habilidades desses profissionais e medicamentos.

A saúde emocional sempre deve ser uma aliada

A saúde emocional geralmente é subestimada; no entanto, o crescimento pessoal depende dela em grande medida. O ser humano é um ser social repleto de emoções e, ao se relacionar com os outros, é imprescindível conseguir controlá-las e gestioná-las.

Para isso, tente identificar as suas emoções, especialmente se elas forem de grande impacto, como a ira ou a raiva. Além disso, evite reprimir os sentimentos, pois isso pode causar o efeito oposto ao que você está procurando. Não se esqueça de manter um registro do seu estado de humor, pois isso vai te ajudar a entender melhor as suas emoções.

Por outro lado, é um bom hábito praticar a meditação, já que este tipo de atividade permite canalizar os sentimentos negativos. Além disso, tente manter rotinas de relaxamento e contato com a natureza com as quais você possa liberar os níveis de estresse e melhorar a sua saúde emocional.

Pode interessar a você...
Sonilóquio: por que falamos durante o sono?
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Sonilóquio: por que falamos durante o sono?

Por que falamos durante o sono? O sonilóquio é um tipo de parassonia. Confira a seguir mais detalhes sobre esse assunto!



  • Côté, S., Gyurak, A., & Levenson, R. W. (2010). The ability to regulate emotion is associated with greater well-being, income, and socioeconomic status. Emotion (Washington, D.C.), 10(6), 923–933. https://doi.org/10.1037/a0021156
  • Karnaze, M. M., & Levine, L. J. (2018). Data versus Spock: lay theories about whether emotion helps or hinders. Cognition & emotion, 32(3), 549–565. https://doi.org/10.1080/02699931.2017.1326374
  • Ford, B. Q., Lam, P., John, O. P., & Mauss, I. B. (2018). The psychological health benefits of accepting negative emotions and thoughts: Laboratory, diary, and longitudinal evidence. Journal of personality and social psychology, 115(6), 1075–1092. https://doi.org/10.1037/pspp0000157
  • Krpan, K. M., Kross, E., Berman, M. G., Deldin, P. J., Askren, M. K., & Jonides, J. (2013). An everyday activity as a treatment for depression: the benefits of expressive writing for people diagnosed with major depressive disorder. Journal of affective disorders, 150(3), 1148–1151. https://doi.org/10.1016/j.jad.2013.05.065
  • Schroder, H. S., Moran, T. P., & Moser, J. S. (2018). The effect of expressive writing on the error-related negativity among individuals with chronic worry. Psychophysiology, 55(2), 10.1111/psyp.12990. https://doi.org/10.1111/psyp.12990
  • Nota, J. A., & Coles, M. E. (2018). Shorter sleep duration and longer sleep onset latency are related to difficulty disengaging attention from negative emotional images in individuals with elevated transdiagnostic repetitive negative thinking. Journal of behavior therapy and experimental psychiatry, 58, 114–122. https://doi.org/10.1016/j.jbtep.2017.10.003