Teste de O’Sullivan ou exame de açúcar durante a gravidez: em que consiste?

As mulheres grávidas devem ser submetidas a muitos testes para garantir que tudo esteja funcionando corretamente. Quer saber em que consiste esse teste e qual a sua utilidade médica? Continue lendo!

As mulheres estão sujeitas a certas doenças durante a gravidez. Portanto, é importante estudar periodicamente o estado de saúde materna por meio de vários exames. Um dos testes que devem ser realizados é o teste de O’Sullivan, útil para o diagnóstico do diabetes gestacional.

O diabetes gestacional é a intolerância a carboidratos diagnosticada pela primeira vez durante a gravidez, a qual tem intensidade variável. Este é um problema comum em todo o mundo e estima-se que entre 2 e 9% de todas as mulheres grávidas o tenham.

Essa complicação da gravidez expõe o feto a grandes quantidades de glicose, o que pode fazer com que tenha um tamanho excessivo ou insuficiente. Além disso, gera problemas de saúde na mãe, como por exemplo hipertensão, o que pode levar a outras complicações.

O que é o teste de O’Sullivan?

O teste O'Sullivan requer uma amostra.
Este estudo requer uma amostra de sangue.

Em palavras simples, o teste de O’Sullivan consiste na medição dos valores de glicose no sangue após a ingestão oral de 50 gramas desse tipo de açúcar. A avaliação dos níveis plasmáticos deve ser feita 1 hora após a ingestão, para que o organismo possa processar os açúcares consumidos.

O teste não requer grande preparação antes de ser realizado, pode ser feito a qualquer hora do dia e sem levar em conta a ingestão alimentar anterior. Os pacientes não devem seguir uma dieta rígida nos dias anteriores ao exame, de fato, o melhor é continuar com sua vida diária normal.

Conforme mencionado anteriormente, um dos principais usos desse teste é determinar o risco de desenvolver diabetes gestacional. O teste O’Sulivan pode ser realizado a partir da 14ª semana de gestação, porém, o ideal é realizá-lo durante a 24ª e 28ª semana, onde atinge uma sensibilidade de 80%.

O diagnóstico precoce do diabetes gestacional é de vital importância, visto que a presença da patologia aumenta a probabilidade de sofrer complicações maternas e fetais. Desta forma, é possível tomar medidas corretivas a tempo e evitar danos permanentes.

Quem deve fazer este teste?

É muito importante que todas as mulheres grávidas façam este teste para garantir que os níveis de glicose no sangue estão dentro dos valores normais. No entanto, o teste de O’Sullivan adquire maior importância naquelas mulheres com risco moderado ou alto de sofrer complicações na gravidez.

Mulheres com risco moderado de diabetes gestacional são todas aquelas com mais de 25 anos de idade que não apresentam nenhum outro fator de risco. Nestes casos, o ideal é realizar o teste em questão apenas na 24ª semana de gestação. Se os resultados forem satisfatórios, o exame não deve ser repetido, a menos que o especialista o considere necessário.

Por outro lado, existe um alto risco de diabetes gestacional quando você tem mais de 25 anos e pelo menos 1 dos seguintes fatores de risco:

  • Obesidade com índice de massa corporal superior a 30.
  • Presença de glicose na urina.
  • Histórico pessoal ou familiar de diabetes gestacional.
  • Alguma patologia obstétrica.

Vários estudos estabelecem que essas mulheres devem se submeter ao exame correspondente na 24ª semana de gravidez. Além disso, deve ser repetido entre a 32ª e 36ª semana para ter melhor controle da evolução da gravidez.

Como é o procedimento de teste O’Sullivan?

O teste de O'Sullivan e seu desempenho.
Este teste é diferente de simplesmente medir seu açúcar com um glicosímetro.

O teste em questão não é muito diferente de um teste de sangue convencional. De fato, você pode ir a qualquer hora do dia para realizá-lo e não deve fazer jejum. Primeiro, o especialista irá extrair uma amostra de sangue para estabelecer os valores basais de glicose.

Após o término do primeiro passo, você deverá beber um copo de suco bem doce com 50 gramas de glicose. Em seguida, você terá que esperar sentado, sem comer ou beber nada, por pelo menos 1 hora, até que o especialista tire uma nova amostra de sangue para analisar a glicemia e compará-la com os níveis basais.

Após a segunda extração, o exame terminará e você estará livre para voltar às suas atividades diárias. O teste de O’Sullivan geralmente não apresenta efeitos colaterais imediatos, exceto dor nos locais de punção.

Análise dos resultados

Os níveis de glicose no plasma sanguíneo devem ser inferiores a 140 miligramas por decilitro 1 hora após a administração de glicose. Nesse sentido, quando um paciente apresenta valores mais elevados, o teste de O’Sullivan é considerado positivo, porém, isso não é suficiente para fazer um diagnóstico.

Este teste pode apresentar falsos positivos, portanto, sempre que você tiver um O’Sullivan positivo, será necessário submeter o paciente a um teste de tolerância à glicose oral. Esse teste é muito similar, a diferença é que a quantidade de glicose ingerida será maior, além disso as medidas serão feitas em 2 e 3 horas.

Por outro lado, uma glicemia basal maior que 125 miligramas por decilitro ou uma glicemia maior que 200 miligramas por decilitro em qualquer hora do dia serão critérios suficientes para fazer o diagnóstico de diabetes gestacional.

Um teste fundamental que não deve faltar

O teste de O’Sullivan é um dos testes mais importantes no segundo trimestre da gravidez, especialmente em mulheres com risco de diabetes gestacional. O diagnóstico precoce é essencial para evitar possíveis complicações durante a gravidez e no momento do parto.

Mulheres com O’Sullivan positivo precisarão fazer mudanças na dieta e diminuir a ingestão de carboidratos. Além disso, o constante check-up médico é de vital importância para detectar a tempo qualquer possível complicação e evitar danos graves.

  • Rojas-Carrera S, Márquez-Celedonio F, Lagunes-Mijangos A, González-Arriola V. Precisión diagnóstica de la prueba de O’Sullivan en diabetes gestacional. Rev Med Inst Mex Seguro Soc. 2013;51(3):336-9.
  • Plana Pintos R, Vázquez Troitiño F, Pérez Vences J, Malo García F et al. Diabetes Gestacional. Cad. Aten. Primaria. 2005; 12: 163-165.
  • Mañé Serra L. Un O’Sullivan alterado: caso clínico. Diabetes Práctica 2017;08(04):145-192.
  • Abenza Campuzano J. Cribado de diabetes gestacional con test de O’Sullivan. AMF 2015;11(2):103-105.
  • Codina M, Corcoy R, Goya M, Acosta Delgado D, Ballesteros Pérez M, Bandres Nivela M et al. Actualización urgente: alternativa temporal para el diagnóstico de hiper-glucemia gestacional y el seguimiento de estas mujeres y aquellas con diabetes pregestacional durante la pandemia COVID-19. Endocrinología, Diabetes y Nutrición. 2020;67(8):545-552.
  • Medina-Pérez E, Sanchez-Reyes A, Hernández-Penedo A, Martínez-López M et al. Diabetes gestacional. Diagnóstico y tratamiento en el primer nivel de atención. Med Int Méx. 2017 ene;33(1):91-98.