Enxaqueca e gravidez: como se relacionam

A enxaqueca é um distúrbio neurológico muito comum. De cada 4 pessoas que sofrem com a doença, 3 são mulheres, segundo dados da Secretaria de Saúde da Mulher.
Enxaqueca e gravidez: como se relacionam

Última atualização: 02 janeiro, 2023

Conforme relatado pelo Escritório de Saúde da Mulher ( OASH ), as mulheres entre 20 e 45 anos têm maior probabilidade de ter enxaquecas do que os homens. Ainda não se sabe o porquê, mas a verdade é que tudo indica que as mulheres tendem a sofrer mais. Essa é uma das razões pelas quais muitas mulheres se perguntam o que acontece em caso de enxaqueca e gravidez.

Durante a gravidez, o corpo passa por múltiplas mudanças, muitas delas simultaneamente. Alguns podem ser mais intensos do que outros, mas a verdade é que todos, em maior ou menor grau, influenciam o dia-a-dia das mulheres.

Em meio a tantas mudanças, a enxaqueca pode estar presente. Neste ponto, a preocupação de muitas mulheres grávidas é o quanto a enxaqueca afetará minha gravidez? Pode ser um sinal de que algo está errado com a saúde do bebê? Isso pode nos afetar a longo prazo? Você pode me dar um tratamento para enxaqueca?

Enxaqueca e fertilidade

Fertilidade, enxaqueca e gravidez
A enxaqueca pode afetar a fertilidade feminina. No entanto, os mecanismos exatos que explicam esse fenômeno ainda são desconhecidos.

Embora a origem exata da enxaqueca seja desconhecida, ela é considerada um distúrbio neurológico que envolve vários fatores, como genética, estilo de vida e fatores ambientais. No caso das mulheres, a atividade hormonal parece ter um papel fundamental.

O Manual MSD indica que os estrogênios (hormônios sexuais femininos) podem ser uma pista para a origem da enxaqueca nas mulheres. Mais especificamente, seu aumento (como ocorre durante a puberdade) ou flutuação natural (como ocorre antes, durante ou após a menstruação).

Os especialistas em OASH esclarecem que não se sabe com certeza qual é a relação entre o ciclo menstrual e a enxaqueca. No entanto, parece que a queda repentina no nível de hormônios como a progesterona e os estrogênios (que controlam as substâncias químicas no cérebro que influenciam a percepção da dor) pode estar relacionada.

Quando se trata de fertilidade, nenhuma evidência foi encontrada para indicar que a enxaqueca possa afetá-la como tal. No entanto, o estresse causado pela enxaqueca pode ter algum impacto na fertilidade. Mais estudos são necessários por parte dos pesquisadores para confirmar ou descartar essa ideia.

As mulheres relatam enxaquecas mais fortes e prolongadas (com ou sem aura), bem como queixas mais frequentes, especialmente náuseas e vômitos.

Pode ser hereditário?

De acordo com uma revisão publicada pela Associação Colombiana de Neurologia :

“A enxaqueca ocorre com mais frequência em alguns grupos familiares. Sua transmissão genética não segue um comportamento de acordo com as leis de herança mendeliana; envolve múltiplos fatores, que são modulados pelo meio ambiente”.

Isso significa que, embora a enxaqueca pareça ter um componente genético, não são apenas os genes que a causam. Estes são modulados por fatores ambientais. Assim, mesmo quando uma pessoa pode estar predisposta a sofrer de enxaqueca, se certas situações não ocorrerem ao longo de sua vida, ela pode não desenvolvê-la.

Enxaqueca e gravidez

Quanto à relação entre enxaqueca e gravidez, os especialistas concordam que na maioria dos casos não há motivo para preocupação. Sim, os sintomas podem ser muito incômodos em alguns casos, mas com autocuidado e orientação do médico, eles podem ser controlados.

“É aceito que a enxaqueca como tal não influencia a gravidez, nem aumenta o risco de abortos, nem de malformações fetais”, expõe uma revisão bibliográfica publicada na revista Clinic and Research in Gynecology and Obstetrics .

O Manual do MSD explica que as enxaquecas se tornam menos graves com o progresso da gravidez, quando os níveis de estrogênio são relativamente estáveis. No entanto, assim que a mulher dá à luz, os estrogênios diminuem novamente e a enxaqueca aumenta.

A enxaqueca na gravidez pode estar relacionada a vários fatores, desde falta de sono, fome, abstinência de cafeína, estresse físico ou emocional até pressão alta, baixo nível de açúcar no sangue ou mesmo tensão muscular devido à higiene postural inadequada.

A enxaqueca pode ser tratada durante a gravidez?

Enxaqueca e gravidez: os medicamentos são limitados
Infelizmente, muitos dos medicamentos usados para tratar enxaquecas não podem ser usados durante a gravidez.

No que diz respeito ao tratamento da enxaqueca durante a gravidez, é importante seguir as instruções do seu médico, pois nem todos os medicamentos são aprovados. O uso de paracetamol pode ser adequado, desde que autorizado pelo profissional.

Os medicamentos opioides são totalmente contra-indicados na gravidez, pois podem ter consequências graves para a mãe e o bebê, como parto prematuro, natimorto e defeitos congênitos.

Devemos evitar o recurso a qualquer forma de automedicação. Da mesma forma, não é aconselhável recorrer a qualquer tipo de terapia (farmacológica ou natural) sem antes consultar o médico, pois o risco de sofrer problemas de saúde é elevado.

E como isso poderia ser aliviado ou evitado?

Para o alívio da enxaqueca durante a gravidez, recomenda-se aplicar compressas frias, descansar e dormir o suficiente, aplicar técnicas de relaxamento e, se a mulher desejar, aproveitar a terapia cognitivo-comportamental.

De resto, na prevenção das crises de enxaqueca, podem ser utilizadas as mesmas medidas preconizadas para a população em geral. Manter bons hábitos de vida é sempre bom, ainda mais quando se trata de evitar enxaquecas.

Pode interessar a você...
Anemia na gravidez: tratamento antes, durante e depois
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Anemia na gravidez: tratamento antes, durante e depois

A anemia ferropriva na gravidez é um problema de saúde muito comum. No entanto, a boa notícia é que ela pode ser prevenida e tratada.




Los contenidos de esta publicación se redactan solo con fines informativos. En ningún momento pueden servir para facilitar o sustituir diagnósticos, tratamientos o recomentaciones provenientes de un profesional. Consulta con tu especialista de confianza ante cualquier duda y busca su aprobación antes de iniciar o someterse a cualquier procedimiento.