Viver com acne

Assim como há pessoas que têm menos dificuldade em lidar com o impacto estético da acne, outras precisam de ajuda para isso. Viver com acne pode ser difícil, mas existem formas de enfrentar o problema a partir de um ponto de vista psicológico. Explicaremos mais sobre isso a seguir.
Viver com acne

Escrito por Maite Córdova Vena, 04 Junho, 2021

Última atualização: 07 Junho, 2021

Embora não se fale muito sobre o assunto, viver com acne não é fácil para todos. Dessa forma, embora hajam pessoas que acham fácil tornar o assunto sem importância, outras têm dificuldade em fazê-lo por diversos motivos.

O impacto estético dessa doença afeta a autoestima e pode causar sofrimento psicológico significativo. E embora esse impacto possa variar de pessoa para pessoa, ele está sempre presente, em maior ou menor grau.

Segundo um estudo publicado no jornal mexicano Dermatología, “embora pareça uma doença sem grande significado, já que a maioria dos casos melhora antes dos 25 anos, as cicatrizes e repercussões psicológicas desencadeadas podem ser tão importantes como as de outras doenças crônicas “.

Dentre essas repercussões destacam-se a ansiedade e a depressão, mas também as ideações suicidas. Portanto, não estamos diante de um problema trivial.

Suporte profissional

Viver com acne pode ser difícil.
Os profissionais de saúde mental podem ser de grande ajuda nessas circunstâncias.

Embora haja tendência a pensar que a acne é um problema que só deve ser tratado ao nível da pele com o dermatologista, na realidade não é assim. Em muitos casos é necessária uma estratégia terapêutica que vá além do uso de produtos e medidas de cuidado externo. O suporte emocional também é necessário dentro e fora da consulta.

Conforme declarado em um artigo de opinião intitulado “O impacto emocional das doenças dermatológicas”, o cuidado externo em combinação com o cuidado psicoemocional é positivo e necessário para pessoas com acne.

Com uma boa comunicação, o dermatologista pode não apenas promover a adesão ao tratamento, mas também a satisfação com ele. Isso também facilita o encaminhamento ao psicólogo ou psiquiatra (se aplicável), de forma amigável.

Cuidado emocional

Compreender e aceitar que a acne pode ter um impacto emocional é um grande passo para todo paciente com essa condição. Acima de tudo porque ela torna necessário incluir uma rotina diária de limpeza e cuidados, e um espaço de cuidado emocional.

Além disso, é importante ter em mente que, ao conviver com acne, é normal:

  • Experimentar perda de confiança
  • Sentir-se envergonhado, sem esperança e fora de controle. A última ocorre porque os pacientes muitas vezes acham que, mesmo cuidando de si mesmos, a acne é difícil de controlar. Além disso são comuns as comparações (constantes) com outras pessoas. Assim, uma pessoa com acne que tenta cuidar de sua pele pode se sentir muito frustrada ao ver que outra pessoa dorme com maquiagem e nada acontece.
  • Ficar frustrado até encontrar o tratamento certo para o seu caso.
  • Sentir que tudo na vida gira em torno da acne. Conversas, necessidades, etc.

No caso de ter problemas para gerenciar todos os pontos acima, a ajuda profissional (de um psicólogo ou psiquiatra) será um recurso importante. Ela não deve ser descartada, pois pode contribuir muito para o bem-estar.

Por outro lado, aprender e aplicar estratégias diárias para controlar o stress e arranjar tempo para lazer e diversão regularmente são boas formas de se cuidar durante o tratamento da acne (e mesmo depois).

Obter apoio emocional de pessoas queridas também é importante quando se vive com acne. Não hesite em pedir ajuda.

Cuidado fisico

Embora muitas vezes seja certo que os pacientes tentarão cuidar de si mesmos de outras formas além do que o tratamento inclui, nem sempre é esse o caso. Portanto, é conveniente lembrar a importância de manter hábitos de vida saudáveis.

Hábitos como alimentação balanceada, exercícios e sono não resolvem os problemas (de pele ou outros), mas contribuem muito para o bem-estar geral e promovem a eficácia dos tratamentos. Pode-se dizer que são o “reforço” mais eficaz para as orientações médicas.

Dieta

Viver com acne é possível tendo hábitos saudáveis.
Uma alimentação saudável ajuda a mente e o corpo.

A relação entre dieta e acne possui algumas discrepâncias. Porém, é inegável que uma alimentação balanceada contribui para a saúde, mesmo quando se trata de conviver com a acne.

Especialistas em dermatologia explicam que, ao invés de buscar uma dieta anti-acne, o melhor a fazer seria manter uma alimentação balanceada, na qual o consumo excessivo de laticínios, alimentos com alto índice glicêmico, fontes de açúcar e as gorduras saturadas sejam evitados.

Isso ocorre porque foram encontradas evidências de que esses tipos de alimentos deterioram a saúde da pele e promovem o aparecimento (ou piora, conforme o caso) de erupções cutâneas.

Não é necessário ou aconselhável tomar medidas drásticas na hora das refeições, eliminando um ou mais alimentos. O ideal é evitar excessos e seguir as recomendações do médico.

Exercício

Os exercícios não eliminam a acne, mas contribuem muito para a melhora da saúde física e mental. Em relação a essa última, o exercício pode contribuir significativamente para melhorar a autoconfiança e segurança, além de aliviar a ansiedade e a depressão.

Orientações diárias para viver melhor com a acne

Junto com tudo o que foi dito, é importante aplicar o seguinte:

  • Não toque seu rosto: Tentar remover as espinhas e “fazer uma limpeza em casa” só vai piorar a acne e espalhá-la para outras áreas da pele. Se o que você quer é uma limpeza, vá ao dermatologista ou a um esteticista recomendado por ele.
  • Use um hidratante adequado diariamente (não comedogênico e sem óleo), após cada limpeza.
  • Use protetor solar diariamente. De preferência, um especial para peles com tendência acneica.
  • Aplique maquiagem especial para peles com acne (e que não tenham bases oleosas).
  • Remova a maquiagem antes de dormir com os produtos certos.
  • Siga todas as recomendações do dermatologista em relação ao tratamento da acne.

Se você tiver alguma dúvida sobre como proceder com um produto, notar uma piora ou tiver qualquer outra preocupação ou desconforto, é melhor consultar um dermatologista. Você não deve tentar a sorte com produtos sem receita ou testar fórmulas caseiras sem a permissão do seu profissional.

Pode interessar a você...
Como a acne é diagnosticada?
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Como a acne é diagnosticada?

A acne é um dos motivos mais frequentes de consulta em dermatologia. Você quer saber como a acne é diagnosticada? Continue lendo!



  • Guerra-Tapia, A., Asensio Martínez, and J. García Campayo. 2015. “The Emotional Impact of Skin Diseases.” Actas Dermo-Sifiliograficas 106 (9): 699–702. https://doi.org/10.1016/j.ad.2015.06.002.

  • Hazarika, Neirita, and M. Archana. 2016. “The Psychosocial Impact of Acne Vulgaris.” Indian Journal of Dermatology 61 (5): 515–20. https://doi.org/10.4103/0019-5154.190102.

  • Hull, Peter R., and Carl D’Arcy. 2005. “Acne, Depression, and Suicide.” Dermatologic Clinics. W.B. Saunders. https://doi.org/10.1016/j.det.2005.05.008.

  • Saldaña M, Fierro-Arias L. Acné y depresión. Dermatol Rev Mex. 2019;63(Supl. 1):S18-S24.