10 exercícios para se conectar com a natureza

Daniela Andarcia · 30 março, 2021
Passar um tempo ao ar livre permite descansar e recuperar as energias do corpo e da mente. Descubra outros benefícios de se conectar com a natureza, bem como os exercícios que você pode fazer para alcançar este objetivo.

Embora as cidades tenham sido criadas para facilitar a nossa vida, não podemos nos esquecer de que o ser humano precisa se conectar com a natureza. Isso ocorre porque, entre outras coisas, os ambientes urbanizados não só geram emoções negativas, como também podem aumentar as chances de sofrer de certas doenças.

A natureza, por sua vez, apresenta-se como um ambiente ideal para descansar o corpo e a mente, bem como para recuperar as energias.

Ao estar exposto a esse tipo de ambiente, é possível reduzir os níveis de estresse, fadiga e irritabilidade, além de melhorar a autoestima e estimular a imaginação. Queremos te convidar para descobrir 10 atividades com as quais você poderá se sentir unido com a natureza.

Benefícios de se conectar com a natureza

Há evidências científicas que confirmam os benefícios de passar algum tempo ao ar livre. A seguir, veremos em detalhes quais são eles:

Outros benefícios associados às atividades ao ar livre incluem melhorar a memória e a concentração e a perda de peso.

10 atividades para se conectar com a natureza

Sem a abordagem adequada, aproximar-se da natureza pode acabar sendo entendiante ou complicado. Descubra quais são os exercícios que podem ser úteis para esta finalidade.

1. Tenha consciência da necessidade de se conectar

Conectar-se com a natureza requer reflexão.
Uma vez que estiver em um ambiente tranquilo, é conveniente refletir sobre vários aspectos.

Existem evidências científicas de que desfrutar de um ambiente restaurador, praticar um esporte ecológico e fazer atividades que girem em torno da natureza podem ter um impacto positivo na saúde.

Por essa razão e também para evitar o chamado transtorno do déficit de natureza, é preciso ter consciência para equilibrar o seu tempo entre os ambientes urbanizados e os naturais.

2. Faça perguntas para si mesmo para desenvolver a consciência

Embora pareça difícil de acreditar, fazer perguntas para si mesmo para desenvolver a consciência do que está ao seu redor pode aprimorar a experiência e, certamente, pode te ajudar a se conectar.

Nesse sentido, da próxima vez que você sair para uma caminhada, em vez de olhar para o chão, reserve um tempo para se perguntar coisas como:

  • O que você está observando agora?
  • Qual árvore, planta ou animal mais chama a sua atenção? Por quê?
  • O que você está escutando? O canto de um pássaro? Ou o som das folhas das árvores? Um riacho próximo?
  • Existe uma área mais verde do que a outra?
  • Quais são os cheiros que você está sentindo? O cheiro das flores? Da terra molhada? O cheiro da madeira?

Em geral, essas perguntas têm como objetivo mudar a perspectiva, direcionando a atenção para os pequenos detalhes e estimulando a autodescoberta, para que a conexão com a natureza possa ser estabelecida.

3. Encontre um lugar secreto

Encontrar um lugar secreto é uma das atividades mais fáceis e reconfortantes que podem ser feitas ao ar livre; você poderá observar, respirar e sentir as plantas ao seu redor. Sentar-se também aumenta a possibilidade de encontrar animais, o que aumentará ainda mais a sua conexão com a natureza.

Além disso, de acordo com um estudo publicado em Science Daily, caminhar ou ficar sentado durante um período de 20 a 30 minutos em um local que proporcione uma sensação de conexão com a natureza reduz os níveis de estresse de forma significativa. Da mesma forma, você também pode praticar técnicas de meditação que possam maximizar esses benefícios.

4. Dê um passeio descalço

Conforme foi visto, entrar em contato com a natureza pode aumentar a nossa conexão com ela; por isso, se você se estiver em um local favorável, caminhe descalço e sinta a terra, a grama e as folhas das árvores.

Tente reconhecer o que estiver pisando apenas com a planta dos pés e, ainda que isso possa parecer desconfortável no início, dê a si mesmo a oportunidade de experimentar e desenvolver novas habilidades.

5. Abrace uma árvore

Algumas pessoas afirmam que abraçar uma árvore faz com que se conectem ainda mais com a natureza e também argumentam que isso libera o acúmulo de estresse.

Embora ainda não haja evidências científicas para comprovar essas experiências, acredita-se que abraçar ou observar uma árvore em detalhes pode favorecer a desconexão com os padrões normais de consciência, tornando a natureza mais palpável.

6. Cultive um jardim

A jardinagem é um dos melhores exercícios para se conectar com a natureza. É considerada uma atividade interativa e enriquecedora, pois você terá a oportunidade de semear, regar e cuidar de diversos tipos de plantas, além de conviver com alguns insetos.

Da mesma forma, esta é uma atividade para quem não pode sair da cidade com frequência. Você pode começar um jardim no seu quintal ou até mesmo considerar a construção de um jardim interno.

7. Meditação com todos os sentidos

Você provavelmente já ouviu falar da atenção plena, que consiste em usar todos os seus sentidos para prestar atenção ao que está ao seu redor no momento presente. Também conhecida como mindfulness, essa meditação pode te ajudar a acalmar a sua mente. Como fazê-la? Siga estas etapas simples:

  • Reserve alguns minutos para ouvir em detalhes todos os sons da natureza, tentando distinguir cada um deles: o som de cada espécie de pássaro, o vento, as folhas das árvores, os insetos e até mesmo o som da estrada.
  • Então, deixe os outros sentidos assumirem o protagonismo: tato, visão, olfato e por que não? Também o paladar. Isso permitirá que você relaxe completamente para acalmar a sua mente.

Acredita-se que, com a prática contínua, é mais fácil alcançar a atenção plena.

8. Visite diferentes tipos de paisagens

Para os iniciantes, os ambientes naturais podem não variar muito. No entanto, uma pessoa que conhece árvores, flores e animais pode detectar as diferenças imediatamente.

Para começar a notar essas diferenças, programe um passeio com um especialista para percorrer diferentes paisagens e discutir cada uma delas. Desta forma, você não verá os ambientes naturais da mesma forma novamente e aumentará a sua conexão com a natureza.

9. Construir um comedouro para pássaros

Assim como a jardinagem, construir um comedouro para pássaros é uma opção para se aproximar da natureza se você não puder sair da cidade com frequência.

Além de desenvolver habilidades de observação e identificação, obter um comedouro e sementes também permite estudar os comportamentos das aves, tais como migração, disputas territoriais, entre outros.

Além disso, o comedouro também pode atrair outros animais, tais como esquilos e gatos. Se você tem interesse em se conectar com a natureza, observe como eles se comportam.

10. Siga um animal

A conexão com a natureza inclui o contato com os animais.
Os animais também são uma parte fundamental da natureza, por isso é importante conviver com eles.

Seja seguindo um pequeno inseto ou um esquilo, esta atividade não só fará com que você descubra o seu comportamento, como também vai proporcionar um pouco de diversão ao assumir o papel de cientista ou detetive por um tempo. Este exercício é ideal para os amadores.

Talvez você possa se surpreender com a organização e a comunicação entre as formigas, com a forma como os esquilos se tratam ou com a sua maneira de comer os alimentos. O método de observação vai permitir que você se conecte com a natureza, afastando-se dos problemas diários da vida durante alguns minutos.

Conectar-se com a natureza é sempre benéfico

O ser humano não pode estar completamente isolado da natureza; pelo contrário, é necessário visitá-la de vez em quando. Conectar-se com o meio ambiente oferece muitos benefícios, tais como aliviar a depressão, reduzir as doenças da velhice e fortalecer o sistema imunológico.

Conectar-se profundamente com a natureza requer um pouco de prática. Por isso, exercícios como caminhar descalço, praticar a meditação com atenção plena, seguir um esquilo e ter um lugar secreto são apenas algumas das muitas atividades que vão fazer com que você e a natureza se tornem um só.

  • The Office of Disease Prevention and Health Promotion. [Published February 2018]. Scientific Report. Available from: https://health.gov/our-work/physical-activity/current-guidelines/scientific-report
  • Howell, N. A., Tu, J. V., Moineddin, R., Chu, A., & Booth, G. L. (2019). Association Between Neighborhood Walkability and Predicted 10-Year Cardiovascular Disease Risk: The CANHEART (Cardiovascular Health in Ambulatory Care Research Team) Cohort. Journal of the American Heart Association, 8(21), e013146. https://doi.org/10.1161/JAHA.119.013146
  • DiPietro, L., Gribok, A., Stevens, M. S., Hamm, L. F., & Rumpler, W. (2013). Three 15-min bouts of moderate postmeal walking significantly improves 24-h glycemic control in older people at risk for impaired glucose tolerance. Diabetes care, 36(10), 3262–3268. https://doi.org/10.2337/dc13-0084
  • Harvard Health Publishing. 5 surprising benefits of walking. Available from: https://www.health.harvard.edu/staying-healthy/5-surprising-benefits-of-walking
  • Mayo Clinic Health System. [Published 2018 Dec 8]. Can I lose weight if my only exercise is walking? Available from: https://www.mayoclinic.org/healthy-lifestyle/weight-loss/expert-answers/walking/faq-20058345
  • Arthritis Foundation. 12 Benefits of Walking. Available from: https://www.arthritis.org/health-wellness/healthy-living/physical-activity/walking/12-benefits-of-walking
  • Zheng, H., Orsini, N., Amin, J., Wolk, A., Nguyen, V. T., & Ehrlich, F. (2009). Quantifying the dose-response of walking in reducing coronary heart disease risk: meta-analysis. European journal of epidemiology, 24(4), 181–192. https://doi.org/10.1007/s10654-009-9328-9
  • Nieman, D. C, Henson, D. A., Austin, M. D., & Sha, W. (2011). Upper respiratory tract infection is reduced in physically fit and active adultsBritish Journal of Sports Medicine, 45:987-992.
  • Nishiguchi, S., Yamada, M., Tanigawa, T., Sekiyama, K., Kawagoe, T., Suzuki, M., Yoshikawa, S., Abe, N., Otsuka, Y., Nakai, R., Aoyama, T., & Tsuboyama, T. (2015). A 12-Week Physical and Cognitive Exercise Program Can Improve Cognitive Function and Neural Efficiency in Community-Dwelling Older Adults: A Randomized Controlled Trial. Journal of the American Geriatrics Society, 63(7), 1355–1363. https://doi.org/10.1111/jgs.13481
  • Erickson, K. I., Raji, C. A., Lopez, O. L., Becker, J. T., Rosano, C., Newman, A. B., Gach, H. M., Thompson, P. M., Ho, A. J., & Kuller, L. H. (2010). Physical activity predicts gray matter volume in late adulthood: the Cardiovascular Health Study. Neurology, 75(16), 1415–1422. https://doi.org/10.1212/WNL.0b013e3181f88359
  • Wheeler, M. J., Green, D. J., Ellis, K. A., Cerin, E., Heinonen, I., Naylor, L. H., Larsen, R., Wennberg, P., Boraxbekk, C. J., Lewis, J., Eikelis, N., Lautenschlager, N. T., Kingwell, B. A., Lambert, G., Owen, N., & Dunstan, D. W. (2020). Distinct effects of acute exercise and breaks in sitting on working memory and executive function in older adults: a three-arm, randomised cross-over trial to evaluate the effects of exercise with and without breaks in sitting on cognition. British journal of sports medicine, 54(13), 776–781. https://doi.org/10.1136/bjsports-2018-100168
  • Randolph, D. D., & O'Connor, P. J. (2017). Stair walking is more energizing than low dose caffeine in sleep deprived young women. Physiology & behavior, 174, 128–135. https://doi.org/10.1016/j.physbeh.2017.03.013
  • Sharma, A., Madaan, V., & Petty, F. D. (2006). Exercise for mental health. Primary care companion to the Journal of clinical psychiatry, 8(2), 106. https://doi.org/10.4088/pcc.v08n0208a
  • Matthews, C. E., Moore, S. C., Arem, H., Cook, M. B., Trabert, B., Håkansson, N., Larsson, S. C., Wolk, A., Gapstur, S. M., Lynch, B. M., Milne, R. L., Freedman, N. D., Huang, W. Y., Berrington de Gonzalez, A., Kitahara, C. M., Linet, M. S., Shiroma, E. J., Sandin, S., Patel, A. V., & Lee, I. M. (2020). Amount and Intensity of Leisure-Time Physical Activity and Lower Cancer Risk. Journal of clinical oncology : official journal of the American Society of Clinical Oncology, 38(7), 686–697. https://doi.org/10.1200/JCO.19.02407
  • Fortes, C., Mastroeni, S., Sperati, A., Pacifici, R., Zuccaro, P., Francesco, F., Agabiti, N., Piras, G., Amleto, D., & Ebrahim, S. (2013). Walking four times weekly for at least 15 min is associated with longevity in a cohort of very elderly people. Maturitas, 74(3), 246–251. https://doi.org/10.1016/j.maturitas.2012.12.001
  • Stamatakis, E., Kelly, P., Strain, T., Murtagh, E. M., Ding, D., & Murphy, M. H. (2018). Self-rated walking pace and all-cause, cardiovascular disease and cancer mortality: individual participant pooled analysis of 50 225 walkers from 11 population British cohorts. British journal of sports medicine, 52(12), 761–768. https://doi.org/10.1136/bjsports-2017-098677
  • Ezati, M., Keshavarz, M., Barandouzi, Z. A., & Montazeri, A. (2020). The effect of regular aerobic exercise on sleep quality and fatigue among female student dormitory residents. BMC sports science, medicine & rehabilitation, 12, 44. https://doi.org/10.1186/s13102-020-00190-z
  • Chatutain, A., Pattana, J., Parinsarum, T., & Lapanantasin, S. (2019). Walking meditation promotes ankle proprioception and balance performance among elderly women. Journal of bodywork and movement therapies, 23(3), 652–657. https://doi.org/10.1016/j.jbmt.2018.09.152
  • Krall, E. A., & Dawson-Hughes, B. (1994). Walking is related to bone density and rates of bone loss. The American journal of medicine, 96(1), 20–26. https://doi.org/10.1016/0002-9343(94)90111-2
  • Your lungs and exercise. (2016). Breathe (Sheffield, England), 12(1), 97–100. https://doi.org/10.1183/20734735.ELF121