Trombose: sintomas, causas, prevenção e tratamento

A trombose é definida como o aparecimento de um trombo em uma veia ou artéria, o que pode dificultar ou impedir diretamente o fluxo sanguíneo para certas áreas do corpo.
Trombose: sintomas, causas, prevenção e tratamento

Escrito por Sara Santos Lorente, 17 Setembro, 2021

Última atualização: 17 Setembro, 2021

A trombose é a formação de um coágulo dentro de um vaso sanguíneo. Esse evento clínico é uma das principais causas de infarto do miocárdio, por isso as tromboses venosas e arteriais agudas são consideradas a causa mais comum de morte em países de alta renda.

Por exemplo, a doença isquêmica do coração é a principal causa de morte nessas regiões. Sem ir mais longe, esse evento está relacionado a uma em cada 4 mortes em todo o mundo e, nos Estados Unidos, causa mais mortes do que câncer de pulmão, AIDS e acidentes de trânsito combinados (cerca de 300.000 mortes por ano). Certamente, os números exigem respeito.

No entanto, deve-se notar que nem todas as pessoas correm o mesmo risco. Por exemplo, a prevalência de trombose venosa profunda (TVP) varia de 1 caso em cada 10.000 adultos jovens a 1 em cada 1.000 idosos, dependendo do setor populacional analisado e da condição socioeconômica. Se você quiser saber mais sobre este evento, continue lendo.

O que é uma trombose?

De acordo com a Navarra University Clinic (CUN), a trombose é uma situação vascular anormal em que um trombo se desenvolve dentro de um vaso sanguíneo. Isso pode acontecer tanto nas veias quanto nas artérias e impede o fluxo sanguíneo adequado para as diferentes estruturas do corpo, o que resulta em sequelas e / ou morte do paciente.

A capacidade do sangue de fluir adequadamente no corpo depende de uma relação homeostática complexa. Nele, os corpos sanguíneos (leucócitos, eritrócitos e plaquetas), proteínas plasmáticas, fatores de coagulação, fatores inflamatórios e a natureza do endotélio, a face celular interna do ducto, desempenham papéis essenciais.

Nosso corpo contém cerca de 5 litros de sangue. O coração bombeia quase tudo em questão de minuto.

Uma questão de pressão

A partir daqui, uma série de termos complexos entram em jogo que devemos descrever brevemente. A osmolaridade corresponde ao número de partículas por litro de uma determinada solução, medida em moles / litro (osm / l). Osmolalidade é um conceito muito semelhante, pois representa a concentração de solutos em uma solução, em osmoles por quilograma.

Em qualquer caso, nos fluidos internos do corpo, osmolaridade e osmolaridade são praticamente intercambiáveis. Conforme indicado pela Fundação para a Formação e Pesquisa em Saúde da Região de Murcia (FFIS), os valores da osmolaridade plasmática podem ser calculados usando a seguinte fórmula:

OSMp = 2 [Na +] + [glicose] + [uréia]. Normal = 290 ± 10 mOsm / kg H2O

Aqui, os solutos mais comuns no plasma sanguíneo são levados em consideração, que são o sódio (Na), a glicose e a uréia. Os valores normais ao aplicar esta fórmula são 282 +/- 4 mosm / quilograma. Esses dados são muito interessantes por si só, mas também são essenciais para saber qual é a situação normal no plasma de uma pessoa saudável.

Osmolaridade e osmolalidade não estão diretamente ligadas a outros processos, como a pressão arterial, mas os condicionam. A força exercida pelo sangue nas paredes das artérias à medida que é bombeado depende de muitos fatores, incluindo a concentração de solutos no plasma e, portanto, a osmolalidade / osmolalidade (OSMp).

Epidemiologia

As tromboses podem ser fatais.
A embolia pulmonar é uma das principais causas de morte em todo o mundo.

A epidemiologia da trombose depende se é venosa ou arterial, se é causada ou não por fatores anteriores, se é o primeiro episódio ou já ocorreu em outros casos. Com base nesses parâmetros, apresentamos algumas figuras de interesse em relação à trombose no mundo:

  • O tromboembolismo venoso (TEV) inclui trombose venosa profunda (TVP) e embolia pulmonar (EP). Sua incidência é de 1 em cada 100.000 crianças, 1 em cada 10.000 adultos em idade reprodutiva, 1 em cada 1.000 aposentados e 1 em cada 100 idosos. Com a idade, o risco aumenta.
  • A incidência de embolia pulmonar é de 29 a 48 pacientes por 100.000 pessoas por ano. 6% deles podem morrer, valor que aumenta para 30% se houver instabilidade hemodinâmica.
  • Estima-se que a trombose arterial seja menos comum do que a trombose venosa, especialmente em mulheres. No entanto, seu risco também aumenta exponencialmente com a idade.

Os tipos de trombose

Uma vez estabelecidas as bases do que é uma trombose e quais são os valores normais do sangue em um paciente, estamos prontos para dissecar os tipos de trombose. Podem ser diferenciados de acordo com sua localização, grau de oclusão e gravidade. Vá em frente.

De acordo com sua localização

Nesta categoria, diferenciamos a trombose por precipitação, hialina ou por coagulação. A trombose de precipitação, também conhecida como “trombos brancos”, é caracterizada pelo aparecimento de um trombo plaquetário. As plaquetas se desprendem e aderem ao colágeno, liberando substâncias que promovem a aderência de novas plaquetas.

A variante de precipitação é típica das artérias e do coração. Por outro lado, a trombose hialina também é produzida pelo desprendimento de fibrina e plaquetas, mas, neste caso, em vênulas ou capilares. Por fim, as tromboses de coagulação (trombos vermelhos) ocorrem nas veias, sendo as mais comuns de todas.

De acordo com o grau de oclusão

Dependendo de quanto fluxo sanguíneo é interrompido na estrutura afetada, uma trombose pode ser oclusiva ou mural. Na variante oclusiva, o vaso está completamente obstruído, enquanto na trombose mural, o resultado é uma obstrução parcial.

Existem muitos outros tipos de trombose, dependendo do local de envolvimento: jugular, renal, portal, cerebral, seio cavernoso e muito mais.

Fisiopatologia e causas da trombose

Conforme indicado pelo portal médico Stat Pearls, a trombose é um evento clínico de etiologia multifatorial. Como mencionado anteriormente, essa condição ocorre quando há um desequilíbrio endógeno no mecanismo de coagulação do corpo, que também é acompanhado por um desequilíbrio homeostático do sangue (osmolaridade e outras coisas).

Historicamente, três fatores comuns têm sido associados ao aparecimento de um trombo, conhecido como tríade de Virchow, em homenagem ao patologista alemão que os descreveu. Estes são os seguintes:

  1. Danos nas células endoteliais que revestem os vasos sanguíneos no interior: podem ocorrer devido à inserção incorreta de um cateter, uma lesão direta ou um procedimento cirúrgico, entre outros.
  2. Estado hipercoagulável: condições que aumentam o risco de formação excessiva e / ou inadequada de coágulos no sangue do paciente.
  3. Estase venosa ou arterial: circulação sanguínea venosa ou arterial lenta. É comum, especialmente nas veias profundas das pernas. Este caso específico é denominado trombose venosa profunda (TVP).

A hipercoagulabilidade é intrínseca à trombose, pois esse conceito descreve um conjunto de entidades clínicas que promovem um estado trombogênico, devido ao acúmulo de compostos pró-trombóticos no sangue.

Essa alteração no ritmo de coagulação pode ser decorrente da presença de fatores inflamatórios, viscosidade sanguínea elevada, maior quantidade de citocinas, aumento da protrombina no sangue ou deficiência de fatores anticoagulantes endógenos, entre outros.

Essa condição pode ser hereditária ou adquirida, sendo a deficiência de antitrombina III a variante congênita mais famosa.

A importância da hipercoagulabilidade adquirida

Como indica o portal  Medigraphic um coágulo e um trombo são formados da mesma forma. Em qualquer caso, o coágulo é uma resposta homeostática de alto valor biológico (evita a morte do indivíduo por hemorragia após uma lesão), enquanto a trombose é considerada patológica em todos os casos.

Este quadro clínico fatal é quase sempre causado por hipercoagulabilidade adquirida, uma vez que as variantes hereditárias são muito raras na população em geral. Isso pode ser resultado da ação de certos medicamentos, eventos inflamatórios agudos (gravidez, lesões ou cirurgias), infecções e patologias inflamatórias crônicas.

Entendemos doenças inflamatórias crônicas  as doenças como obesidade mórbida, colite ulcerosa, tabagismo excessivo e doenças reumatológicas graves.

No entanto, deve-se observar que o mecanismo de iniciação é diferente para trombose arterial e venosa. No primeiro caso, o gatilho é a aterosclerose, acúmulo de gordura, colesterol e outras substâncias nas e nas paredes das artérias. Por outro lado, a trombose venosa geralmente começa com danos ao endotélio que a recobre.

Tratamento de trombose

Como indica o artigo científico  Triggers, targets and treatments for thrombosis uma trombose venosa requer um tratamento muito diferente do arterial. Com base nessa premissa, realizamos as abordagens clínicas separadamente.

Trombose arterial

A trombose é definida como o aparecimento de um trombo em uma veia ou artéria, o que pode dificultar ou impedir diretamente o fluxo sanguíneo.
A trombose arterial está relacionada à aterosclerose.

O principal gatilho para a trombose arterial é a ruptura de uma placa aterosclerótica. Quando os lipídios se acumulam na parede de uma artéria, favorece a ruptura do endotélio modificado, que ocasiona o transporte e a ação das plaquetas até o local afetado. O crescimento de plaquetas na lesão promove a formação de trombos.

Para evitar essa situação e para controlar um quadro agudo, utiliza-se o uso de antiagregantes plaquetários. Conforme indicado pela Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos, os inibidores P2Y12 são prescritos para pacientes com doença arterial periférica (DAP) para prevenir a trombose e, portanto, a morte potencial.

Existem também outros medicamentos, como inibidores de integrina, inibidores de protease (PAR1) e outros.

Trombose venosa

A trombose venosa profunda (TVP) e a embolia pulmonar (EP) são a terceira causa de morte no mundo associada a um evento cardiovascular, só superada pelo infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral (AVC). Os trombos arteriais são ricos em plaquetas (brancas), enquanto os trombos venosos possuem hemácias aprisionadas (vermelhas).

As tromboses venosas ocorrem como resultado de alterações no sangue, como variações na espessura do plasma ou danos ao endotélio que reveste as veias. Nesse caso, os medicamentos de primeira linha são os anticoagulantes, mais especificamente a enoxaparina (Lovenox) e o fondaparinux (Arixtra), indicados pela Mayo Clinic.

Além disso, pode-se também recorrer a trombolíticos (solventes de coágulo), filtro na veia cava (se outros tratamentos forem impossíveis, para evitar a migração do trombo para o pulmão) ou meias de compressão, que evitam a coagulação do sangue. área.

Prevenção e riscos

Conforme indicado pelo portal Trombo.info, em metade dos casos de trombose venosa profunda e embolia pulmonar a causa desses eventos é desconhecida Em todo caso, os avanços médico-científicos têm conseguido elucidar alguns fatores de risco para o seu aparecimento, entre os quais:

  • Cirurgia ou trauma: como já dissemos, a lesão do endotélio venoso causa a ocorrência de trombo.
  • Repouso prolongado: pessoas que ficam imóveis por muito tempo são mais propensas à trombose. Não só isso, mas também são muito mais suscetíveis a úlceras.
  • Tratamento hormonal: alguns contraceptivos orais foram associados positivamente ao risco de trombose venosa.
  • Predisposição genética: algumas coagulopatias são genéticas, enquanto outras são adquiridas.

Apesar de, em muitos casos, ser impossível saber a origem do trombo, afirmamos que condições inflamatórias crônicas como obesidade mórbida, tabagismo e alcoolismo podem favorecer o seu aparecimento. A obesidade leva à estagnação ou estase do fluxo venoso, o que favorece sobremaneira a formação de tampões.

Por tudo isso, o que mais recomendamos a todos os leitores é que tenham um estilo de vida saudável e ativo. É muito difícil uma pessoa jovem sofrer um trombo se ela tem hábitos de vida saudáveis, mas infelizmente, na fase da velhice, este evento clínico é muito comum (1 em 100 habitantes). A única coisa que podemos fazer é tentar nos cuidar o máximo possível.

Pode interessar a você...
14 benefícios do yoga para a saúde
Muy Salud
Leia em Muy Salud
14 benefícios do yoga para a saúde

A prática do yoga pode ajudar a aliviar o estresse. Descubra quais são os outros benefícios que você pode obter ao praticá-lo com frequência.



  • Alliance G. Cómo entender la genética: una guía para pacientes y profesionales médicos en la región de Nueva York y el Atlántico Medio. Genet Alliance. 2009;1–112.
  • Copelli SB. Genética Desde la herencia a la manipulación de los genes [Internet]. 2010. 1-94 p. Available from: http://www.fundacionazara.org.ar/img/libros/genetica.pdf
  • Urbano A, Montoya E, Ochando I, Sánchez M, Rueda J. Ventajas del cribado de portadores en donantes de gametos con un panel de 15 genes mediante tecnología Next ‐ Generation Sequencing. Genética Médica Y Genómica. 2018;2:21–9.