O que é o abraço da esclerose múltipla?

O abraço da esclerose múltipla é um dos sintomas mais temidos pelos pacientes. Descubra como ele se manifesta e o que você deve fazer caso ele se desenvolva.
O que é o abraço da esclerose múltipla?

Escrito por Josberth Johan Benitez Colmenares, 06 Julho, 2021

Última atualização: 06 Julho, 2021

A esclerose múltipla é uma doença caracterizada por sintomas muito desconexos. Os danos ao sistema nervoso central provocam reações variadas que o paciente não consegue prever e, portanto, geram episódios que podem causar medo, ansiedade e até ataques de pânico. Hoje nos concentraremos em um dos mais excêntricos: o abraço da esclerose múltipla.

O abraço da esclerose múltipla é um termo informal que os pacientes usam para descrever uma sensação de aperto no peito. Nem todos desenvolvem esse sintoma, e cada um o experimenta de maneira diferente. A sensação pode durar de alguns minutos a até várias horas, portanto, o desenvolvimento é inconsistente. Vamos ver o que se sabe sobre esse sintoma e como ele pode ser tratado.

Sintomas de abraço da esclerose múltipla

O abraço da esclerose múltipla é um sintoma complexo.
Os sintomas da esclerose múltipla podem abranger vários órgãos e sistemas, devido a danos em várias estruturas nervosas.

Como aponta a Multiple Sclerosis Society UK, o abraço da esclerose múltipla é como uma sensação de aperto no peito ou na parte superior do estômago.

Alguns descrevem como a sensação de usar uma cinta ou anel nesta área, que aperta e gera desconforto. Como os relatos são muito variados, a seguir mostramos algumas das várias maneiras em que ele pode se apresentar:

  • Sensação de esmagamento nas costas e na frente do torso, como se a pessoa estivesse em uma máquina de compressão.
  • Ardor com pequenas sensações oscilantes de temperaturas muito frias ou quentes.
  • Sensação de formigamento que forma um círculo quase perfeito ao redor do peito.
  • Dormência sob a pele ao redor do tronco.

Muitos pacientes apontam que é como usar um elástico bem apertado na altura do peito, que pode ou não causar dor de acordo com os movimentos. A sensação pode se desenvolver sem aviso e durar 10 segundos, ou estender-se por várias horas ou dias.

Nem todos os pacientes desenvolvem esse sintoma, e aqueles que o fazem podem passar por estados de remissão que duram vários anos.

É um sintoma pouco estudado pela literatura médica, embora, como veremos a seguir, possa ter várias explicações. O que você precisa saber, é que este não é um sinal perigoso.

Alguns costumam entrar em pânico durante o primeiro abraço, temendo que a contração os deixe sem fôlego ou afete o coração. Isso não vai acontecer, embora seja necessário aprender a lidar com o sintoma caso a condição tenha tendência a se manifestar.

Causas do abraço na esclerose múltipla

Existem várias teorias que explicam por que ocorre o abraço de EM. Em primeiro lugar, você deve saber que esse não é um sintoma exclusivo dessa doença. Outras condições que podem desencadeá-lo são as seguintes:

  • Mielite transversa – é desenvolvida através da inflamação da medula espinhal. Pesquisadores observam que ela causa déficits neurológicos, como disfunção autonômica, perda sensorial e fraqueza.
  • Costocondrite: se manifesta como uma inflamação nas costelas ou articulações da parede torácica anterior. As evidências indicam que essa é uma condição benigna, embora possa ser acompanhada de dor.

Essas são apenas duas condições que podem simular uma sensação de pressão na região do peito, embora outras, como problemas cardiovasculares, também sejam possíveis.

Mencionamos este fato porque muitos associam informalmente o abraço como um sintoma característico e único da esclerose múltipla. Se você não foi diagnosticado e experimenta essa sensação, não significa que você necessariamente tem a doença.

Tendo esclarecido isso, e seguindo as informações apresentadas pela Multiple Sclerosis Trust UK, o sintoma pode ser explicado por dois gatilhos principais:

Espasmos musculares

Os espasmos musculares são um sintoma clássico da esclerose múltipla. Sua prevalência é amplamente documentada, tanto que se estima que eles possam afetar até 20% dos pacientes.

Frequentemente são acompanhados de rigidez e do que é conhecido no distúrbio como espasticidade. Quando estão concentrados na região do tórax, pode ser desencadeada a sensação de que a esclera se manifesta como um abraço.

Os espasmos geralmente são desencadeados por um fator externo: mudanças repentinas de temperatura, pressão, infecções, roupas apertadas, estresse ou problemas de postura.

Disestesia

A disestesia reúne uma série de sintomas heterogêneos relacionados a sensações anormais. A Multiple Sclerosis Association of America lista, junto com a parestesia, hiperpatia e a anestesia como alguns dos tipos de dormência que podem se desenvolver no curso da doença. A disestesia pode causar dor, embora geralmente ela seja controlável e, claro, benigna.

Um estudo publicado no Multiple Sclerosis Journal em junho de 2021 sugere que a flexão rápida para frente pode levar à disestesia circunferencial. Esta é caracterizada por uma sensação elétrica em forma de anel que envolve a área da cintura ou do peito. Mudanças repentinas no movimento, portanto, podem desencadear o desenvolvimento da esclerose múltipla.

Além dessas duas explicações, o estresse, a fadiga e a imobilidade permanente também podem ser responsáveis pelo sintoma. Se é a primeira vez que você o experimenta, é recomendável buscar um especialista para descobrir a verdadeira causa e assim buscar uma solução adequada.

Qual é o tratamento?

O abraço da esclerose múltipla tem tratamento.
Muitos medicamentos usados rotineiramente para controlar a doença podem ser úteis no tratamento do abraço da esclerose múltipla.

Não existe um tratamento específico para o abraço da esclerose múltipla, pois o mecanismo oculto por trás dele não é bem compreendido.

Se o especialista determinar que os sintomas estão diretamente relacionados à doença, ele pode prescrever alguns medicamentos como Zanaflex (tizanidina), Valium (diazepam), Lyrica (pregabalina) ou Cymbalta (duloxetina); relaxantes musculares, antiespásticos, antiespasmódicos e antidepressivos, respectivamente.

Ele também pode sugerir o uso de técnicas caseiras para reverter a sensação quando ela ocorre inesperadamente. Por exemplo:

  • Aplicar frio/calor na área.
  • Aplicar pressão com as mãos ou usar uma cinta para neutralizar a sensação.
  • Usar roupas largas.
  • Evitar ficar imóvel por muito tempo para reduzir a ocorrência do sintoma.

Como cada caso é diferente, é difícil determinar qual tratamento é mais eficaz. Por isso, é aconselhável ir a um especialista no primeiro abraço, para que seja feito um controle de quanto tempo ele dura, como se manifesta e qual tratamento é mais eficaz para aliviar os sintomas do paciente.

O importante é ter consciência de que esse sintoma não representa risco de vida, nem significa que a doença esteja progredindo para uma fase crônica. Mais da metade das pessoas diagnosticadas apresentam este sinal. Você deve estar ciente de que ele existe e saber o que deve ser feito caso ele se manifeste.

Pode interessar a você...
Sintomas da hipertensão
Muy SaludLeia em Muy Salud
Sintomas da hipertensão

A maioria dos pacientes com hipertensão não desenvolve nenhum sintoma. Por isso ela é considerada uma doença silenciosa.



  • Borchers AT, Gershwin ME. Transverse myelitis. Autoimmun Rev. 2012 Jan;11(3):231-48.
  • Honig LS, Wasserstein PH, Adornato BT. Tonic spasms in multiple sclerosis. Anatomic basis and treatment. West J Med. 1991 Jun;154(6):723-6.
  • Proulx AM, Zryd TW. Costochondritis: diagnosis and treatment. Am Fam Physician. 2009 Sep 15;80(6):617-20.
  • Reder AT. Thoracic flexion provokes circumferential dysesthesia: A symptom of thoracic cord lesions in MS. Mult Scler. 2021 Jun;27(7):1008-1013.