Distúrbio neurológico funcional: sintomas, causas e tratamento

6 junho, 2021
This article has been written and endorsed by la psicóloga Laura Ruiz Mitjana
Você já ouviu falar do conceito de distúrbio neurológico funcional (DNF)? É o transtorno de conversão prévio (ou neurose histérica), em que o paciente manifesta sintomas neurológicos sem uma lesão ou doença orgânica que os justifique.

O distúrbio neurológico funcional é, na realidade, um grupo de distúrbios ou alterações do sistema nervoso que não são explicados ou justificados por uma causa médica ou orgânica.

Ou seja, o paciente experimenta uma série de alterações (por exemplo: fraqueza, distonia, tremores…) mas não é encontrada nenhuma causa médica que possa explicá-las.

É um termo novo, porque anteriormente esses tipos de distúrbios eram chamados de distúrbios de conversão (por muitos anos, também foram chamados de “neurose histérica”). Se você quer saber em que consistem, quais são seus sintomas, causas e tratamentos, continue lendo!

Distúrbio neurológico funcional: o que é?

O distúrbio neurológico funcional é muito comum.
Os pacientes geralmente sofrem de distúrbios motores sem uma causa orgânica subjacente.

O distúrbio neurológico funcional (DNF) é uma condição médica em que os pacientes apresentam vários sintomas neurológicos, como distúrbios sensoriais, desmaios, tonturas, fraqueza ou distúrbios do movimento.

No entanto, não há doença médica ou alteração orgânica que possa explicar esses sintomas (por isso a nomenclatura “funcional”).

A nível de incidência, de acordo com um estudo de revisão de Restrepo et al. (2019), realizado na Universidade CES de Medellín (Colômbia), é um tipo de transtorno que atinge 2,5 pessoas a cada 100.000, e costuma aparecer entre os 20 e 40 anos.

Os transtornos de conversão

Na verdade, atualmente falamos em “distúrbios neurológicos funcionais”, no plural, porque o conceito engloba uma série de distúrbios ou alterações que podem ser heterogêneas.

O conceito também foi popularmente chamado de “neurose histérica” e, na verdade, eles também foram chamados de transtornos de conversão por muito tempo.

O transtorno de conversão foi definido de maneira semelhante; como uma série de sintomas ou deficiências neurológicas que se desenvolvem de forma inconsciente e involuntária e que afetam uma função motora ou sensorial.

Nova terminologia

Resumindo: DNF é um termo (não um distúrbio) novo (bastante recente). Pessoas que sofrem de um distúrbio neurológico funcional apresentam sintomas do sistema nervoso que, como dissemos, não podem ser explicados por nenhuma doença neurológica (ou outro tipo de doença).

Os sintomas que o paciente sente são reais e geram muita angústia, além de interferir no seu cotidiano.

Sintomas

Os sintomas que cada paciente com um distúrbio neurológico funcional experimenta podem ser muito diversos uns dos outros. Desta forma, podem variar em grau, gravidade e tipo (embora sejam sintomas neurológicos).

Além disso, os sinais e sintomas podem ter padrões específicos. De forma genérica, falamos de alterações na área motora (movimentos) ou na área sensorial (sentidos). Isso inclui uma deficiência na capacidade de ver, ouvir, engolir, caminhar…

Os sintomas podem ser de curta ou longa duração, mas possuem uma característica em comum: interferem na vida do paciente (é uma interferência clinicamente significativa) e/ou causam sofrimento. Por outro lado, não são produzidos intencionalmente, muito menos controlados. Mas de que sintomas estamos falando?

Sintomas que afetam o movimento

Entre os sintomas que afetam o funcionamento do corpo e movimento, encontramos os seguintes:

  • Dificuldade em engolir (ou sensação de “caroço” ou “nó” na garganta).
  • Episódios de falta de reação ou resposta.
  • Fraqueza ou paralisia em alguma parte do corpo.
  • Perda de equilíbrio ou tontura.
  • Movimento anormal (por exemplo: tremores, dificuldades para iniciar ou manter a velocidade de caminhada…).
  • Convulsões ou episódios de tremores.
  • Perda aparente de consciência (convulsões não epilépticas).

Sintomas que afetam os sentidos

Outros sintomas do distúrbio neurológico funcional são aqueles relacionados aos sentidos. Entre estes, encontramos:

  • Distúrbios ou problemas na fala (por exemplo, incapacidade de falar ou balbuciar).
  • Problemas de visão (por exemplo, cegueira ou visão dupla).
  • Distúrbios da audição (por exemplo, surdez).
  • Dormência ou perda de sensibilidade ao toque.

Causas do DNF

A causa exata do distúrbio neurológico funcional (ou distúrbios neurológicos funcionais) não é conhecida. Existem várias teorias sobre o que acontece a nível cerebral quando esse tipo de sintomas aparece. São teorias complexas, que englobam vários mecanismos que causam esse tipo de transtorno.

Sabe-se que existem certas áreas do cérebro responsáveis pelo controle dos músculos e dos sentidos, que poderiam estar alteradas e ser um fator etiológico desse distúrbio. No entanto, não há doença prévia ou anormalidade médica subjacente que justifique esses sintomas.

Por outro lado, existem certos gatilhos para esse transtorno, como:

  • Momentos estressantes.
  • Trauma físico (ou trauma emocional ).
  • Eventos traumáticos.
  • Alterações ou mudanças cerebrais (a nível estrutural, celular ou metabólico).

Apesar de a existência desses possíveis fatores desencadeantes ser conhecida, nem sempre é fácil identificá-los como causadores do distúrbio neurológico funcional.

Fatores de risco

Além das possíveis causas do distúrbio neurológico funcional, há uma série de fatores de risco que podem aumentar sua probabilidade de ocorrência. Entre eles encontramos:

  • Histórico familiar (ter um parente com o mesmo transtorno).
  • Ter um transtorno mental (por exemplo: transtorno dissociativo, transtorno de ansiedade, depressão…).
  • Um trauma físico.
  • Um trauma emocional.
  • Estresse significativo recente.
  • Ter uma doença neurológica anterior (como: epilepsia, distúrbio de movimento, enxaquecas…).
  • Histórico de negligência ou abuso sexual (ou físico) na infância.

Tratamento

O distúrbio neurológico funcional é reversível ; Isso significa que os sintomas muitas vezes desaparecem por conta própria com o tempo.

Os tratamentos mais utilizados para esse tipo de transtorno são a reabilitação neuropsicológica e a fisioterapia, sem deixar de lado a terapia psicológica (para tratar os sintomas emocionais derivados do transtorno).

Não se esqueça de que esse é um distúrbio (ou grupo de distúrbios) em que não há lesão nem alteração orgânica. Por isso, não existe medicamento capaz de revertê-lo, mas é um distúrbio que desaparece com o tempo, embora as opções terapêuticas mencionadas possam acelerar o processo de recuperação do paciente.

Reabilitação neuropsicológica

O distúrbio neurológico funcional requer tratamento.
A terapia é muito importante nesses casos.

Mas em que consiste exatamente é essa intervenção? Segundo Maater (2006), seria um tipo de intervenção que agruparia “todas as atividades destinadas a melhorar o desempenho cognitivo geral ou algum de seus processos e / ou componentes em pacientes com algum tipo de lesão do sistema nervoso central”.

Assim, é um tipo de intervenção que engloba todos os métodos, técnicas e instrumentos necessários para reduzir a incapacidade subjacente do paciente, o que lhe permite atingir um seu nível ideal em termos de autonomia e integração social.

No caso de distúrbio neurológico funcional, mesmo que não haja dano “real”, esse tipo de intervenção também pode ser benéfica.

O que devemos levar em consideração na reabilitação?

Há uma série de fatores que devem ser levados em consideração ao elaborar um tratamento para esse tipo de paciente. Esses fatores ou variáveis podem influenciar nos resultados da terapia, mas também em seu desenvolvimento. Estamos falando de:

  • Tempo de evolução (quanto tempo leva para o paciente começar a melhorar).
  • Variáveis pessoais (por exemplo: idade do paciente, reserva cognitiva, motivação para a mudança…).
  • Variáveis contextuais (ambiente, família…).
  • Equipe de reabilitação (atitude, habilidades, experiência…).

Fisioterapia

Como vimos, os distúrbios do movimento são sintomas frequentes nesse tipo de distúrbio. A fisioterapia terá como foco facilitar os movimentos habituais do paciente, por meio de diversos exercícios. O importante, nesses casos, será enfocar os padrões de movimento anormais e / ou disfuncionais para corrigi-los ou modificá-los.

Terapia psicológica

A terapia psicológica, por sua vez, terá como objetivo promover o bem-estar emocional do paciente e tratar todos os sintomas psicológicos e emocionais decorrentes do próprio distúrbio funcional.

Estamos falando de possíveis sintomas de ansiedade, depressão… e também sofrimento emocional em geral, derivado das limitações ou interferências geradas pelo DNF.

A importância de um bom acompanhamento

Como vimos, o distúrbio neurológico funcional engloba uma série de alterações no corpo, relacionadas ao movimento e aos sentidos.

Ou seja, os sintomas que aparecem nele são neurológicos, mas a diferença entre ele e os outros distúrbios ou doenças neurológicas não funcionais (por exemplo: esclerose múltipla, esclerose lateral amiotrófica [ELA]…) é que não há causa orgânica ou médica que justifica esses sintomas.

É por isso que o distúrbio é denominado “funcional”. Seus sintomas, muitas vezes, se resolvem espontaneamente com o tempo, embora um bom acompanhamento do paciente (além de um bom tratamento) possam ajudar a que os sintomas desapareçam mais rápido.

Além disso, não devemos esquecer as alterações emocionais que podem ser derivadas dessa condição, que também serão muito importantes para abordagem na psicoterapia.

  • American Psychiatric Association –APA- (2014). DSM-5. Manual diagnóstico y estadístico de los trastornos mentales. Madrid: Panamericana.
  • Bruna, O., Roig, T., Puyuelo, M., Junqué, C., & Ruano, Á. (2011). Rehabilitación neuropsicológica. Intervención y práctica clínica. Editorial Elsevier.
  • Caballo (2002). Manual para el tratamiento cognitivo-conductual de los trastornos psicológicos. Vol. 1 y 2. Madrid. Siglo XXI.
  • Espay, A. J., Aybek, S., Carson, A., Edwards, M. J., Goldstein, L. H., Hallett, M., LaFaver, K., LaFrance, W. C., Jr, Lang, A. E., Nicholson, T., Nielsen, G., Reuber, M., Voon, V., Stone, J., & Morgante, F. (2018). Current Concepts in Diagnosis and Treatment of Functional Neurological Disorders. JAMA neurology, 75(9): 1132–1141.
  • Mateer, C. A. (2006). Introducción a la rehabilitación cognitiva. En J. C. Arango Lasprilla, Rehabilitación Neuropsicológica. (págs. 1-14). Manual Moderno.
  • Restrepo, M. & Restrepo, D. (2019). Del trastorno conversivo a los trastornos neurológicos funcionales. ¿Superando el diagnóstico por descarte? Revista Colombiana de Psiquiatría, 48(3): 174-181.