Transtorno de esquiva experiencial

3 abril, 2021
This article has been written and endorsed by la psicóloga Paula Villasante
O transtorno de esquiva experiencial pode limitar a qualidade de vida de várias maneiras. Pessoas com histórico de abuso sexual ou transtorno de ansiedade generalizada têm maior probabilidade de sofrer dessa condição.

O transtorno de esquiva experiencial é uma patologia na qual os pacientes aplicam certos comportamentos de evitação de maneira rígida e inflexível. Isso pode dificultar a busca de objetivos pessoais, diminuir o contato com o presente e deteriorar o desempenho geral como pessoa.

É um problema complexo com várias origens psicopatológicas. Apesar disso, existem atualmente diversos métodos de psicoterapia capazes de gerar mudanças favoráveis na qualidade de vida.

Se você deseja descobrir as principais características desta patologia, recomendamos que continue lendo.

O que é o comportamento de esquiva experiencial?

A esquiva experiencial é um processo que envolve avaliações negativas excessivas. É caracterizada por pensamentos, sentimentos e sensações indesejáveis, bem como uma falta de vontade de vivenciar esses eventos privados e um esforço deliberado para escapar deles.

Em alguns contextos, esse comportamento reprimido pode ser visto como uma estratégia de autoproteção que tem como objetivo prevenir consequências desastrosas.

Um exemplo disso pode ser tentar não mostrar sintomas de ansiedade durante uma entrevista de emprego. A mesma coisa acontece quando se controla o sentimento de tédio ao falar com uma pessoa importante, ou ao se preocupar em controlar o medo sobre a ameaça antecipada de confrontar alguma coisa.

Nesses contextos, a esquiva experiencial pode ser uma estratégia benigna de curto prazo para controlar a expressão emocional. Como isso ocorre durante um curto período de tempo, as consequências negativas podem ser mínimas.

Ou seja, quando a pessoa que realiza a esquiva não vê a sua vida afetada por realizá-la, não há porque ter algum problema.

No entanto, a esquiva experiencial pode se tornar um problema quando aplicada de forma rígida e inflexível, conforme você verá a seguir.

Transtorno de esquiva experiencial

Essa patologia pode ser entendida como um tipo de comportamento generalizado ineficaz de evitação regulada de forma verbal.

Ela pode ser descrita de acordo com o paradigma clássico do autocontrole, com o acréscimo de formulações mais recentes sobre o comportamento verbal e a resposta relacional derivada.

De alguma forma, esse transtorno pode ser considerado como um caso especial de falta de controle ao qual a pessoa chegou por meio de sua situação pessoal e por valorizar “a necessidade de se sentir bem” como prioridade absoluta para se desenvolver no dia a dia.

Para alguém com esse tipo de padrão de comportamento, o desempenho pessoal é determinado por tentativas de eliminar e evitar a angústia imediata, embora isso possa levar a prejuízos generalizados na vida pessoal da pessoa afetada.

É um fato paradoxal que a pessoa afetada por esse padrão de comportamento se sinta convencida de que o seu plano e as suas ações são corretos e necessários para viver.

Um exemplo disso pode ser pensar coisas como: “Não consigo viver com esses pensamentos terríveis e dolorosos. Preciso fazer algo para me livrar deles”.

Este padrão de comportamento é controlado por uma redução imediata da dor e da angústia (reforço negativo) e pelo extraordinário poder de “fazer a coisa certa” ou de ser consistente com os próprios pensamentos (reforço positivo).

Ou seja, trata-se de sentir que as ações executadas pela pessoa são corretas para atingir os seus objetivos. Uma pessoa que age dessa maneira não terá outra possibilidade de escolher uma direção diferente.

Esse padrão de esquiva experiencial destrutiva pode ser explicado aludindo à história individual. Assim, múltiplas interações longitudinais, sejam elas acidentais ou deliberadas, promovem o controle de eventos privados como se fossem determinantes para a ação.

O transtorno de esquiva experiencial causa um grande número de sintomas.
O transtorno de esquiva experiencial geralmente se expressa de forma muito variada, pois depende da maneira como o paciente lida com a situação.

Então, quando a esquiva experiencial se torna patológica?

A esquiva experiencial, por si só, é uma parte normal da linguagem e não necessariamente precisa resultar em um processo patológico. No entanto, é importante procurar ajuda quando a evitação se generaliza para um repertório maior de eventos aversivos.

Uma análise sobre o transtorno de esquiva experiencial deve especificar as condições nas quais a angústia se desenvolve a ponto de aumentar a sua intensidade e se tornar uma barreira para a vida, depois de várias tentativas de se livrar dela.

O transtorno de esquiva experiencial é mantido graças ao comportamento da pessoa de acordo com os contextos de avaliação, literalidade, razão e regulação verbal para controlar eventos privados.

O construto de esquiva experiencial

É um fato bem conhecido da comunidade científica que os animais, incluindo os humanos, procuram evitar o afeto negativo. Por exemplo, quando um rato recebe um choque elétrico em uma câmara, ele fica relutante em voltar para este local.

Isso tem um claro valor de sobrevivência no sentido de que, graças a essa capacidade de evitar os sinais de perigo, o organismo evita danos físicos.

No entanto, pesquisas sobre o assunto sugerem que o problema da esquiva experiencial tem sua origem nas funções literais e avaliativas da linguagem e cognição humanas. Ou seja, isso significa que verbalizar a dor pode fazer com que ela seja vivenciada novamente.

Assim, a linguagem aumenta o número de sinais de perigo potencial. Um ser humano pode ser motivado a evitar não apenas sinais externos de perigo real, mas também representações simbólicas desse perigo.

Estratégias cognitivas e afetivas usadas na esquiva experiencial

A ideia de que os seres humanos são motivados a evitar experiências aversivas é atestada por uma literatura substancial que detalha estratégias cognitivas e afetivas como as seguintes:

  • Supressão de pensamento.
  • Enfrentamento de evitação.
  • Supressão emocional.
  • Autoengano.
  • Reavaliação.

Estratégias cognitivas como supressão e controle de pensamento envolvem a tendência geral de reprimir pensamentos indesejados e controlá-los através de meios como a distração e a preocupação.

Foi demonstrado que essas estratégias levam a um aumento paradoxal na ocorrência de alguns pensamentos.

Da mesma forma, foi demonstrado que a supressão emocional está associada a maus resultados de saúde física e psicológica.

O enfrentamento de evitação, ou a tendência de se envolver em estratégias comportamentais de evitação em resposta a situações estressantes, também tem associação com resultados psicológicos negativos.

Cada uma dessas estratégias pode ser entendida como esquiva experiencial, no sentido de que representam métodos específicos através dos quais são tomadas medidas para alterar a experiência privada aversiva.

Esquiva experiencial e sua psicopatologia

Do ponto de vista psicopatológico, existem várias maneiras de produzir a esquiva experiencial. A seguir, vamos comentar as três vias principais.

Primeira via

Neste caso, as estratégias de esquiva deliberadas geralmente são verbais e envolvem o elemento evitado. Um exemplo claro é dizer: “Não vou pensar em usar heroína hoje”, uma frase que inclui a representação simbólica do consumo de heroína.

Devido a esse fato, o elemento evitado pode realmente se tornar mais acessível e influenciar a cognição e o comportamento.

Segunda via

Aqui, as experiências privadas frequentemente são condicionadas e, portanto, podem não ser passíveis de estratégias de controle verbal.

O trabalho nas vias neurais do condicionamento do medo indica que as áreas corticais superiores (verbais) não são necessárias para a criação do medo condicionado. Além disso, as projeções subcorticais em direção ao córtex são muito mais densas do que aquelas que vão na direção oposta.

Ambos os achados sugerem que o uso de estratégias de controle verbal pode ser ineficaz para os processos não verbais envolvidos na patologia.

Terceira via

Mesmo que as estratégias de evitação sejam eficazes, elas podem levar a problemas secundários, como uma vida restrita pelos esforços para evitar o pânico ou a incapacidade de se adaptar a mudanças inevitáveis (tais como processar a morte de um ente querido ou uma mudança no lugar de moradia).

A esquiva experiencial, de forma implícita e explícita, foi reconhecida na maioria dos sistemas de terapia. Por exemplo, a terapia psicodinâmica dá muita ênfase à repressão.

Este é o processo através do qual o material consciente que é doloroso ou ameaçador é relegado ao inconsciente.

Embora as terapias comportamentais e cognitivas tenham se concentrado em mudar (em vez de aceitar) experiências privadas, mesmo dentro desses domínios, as emoções e outras formas de esquiva experiencial foram reconhecidas como um problema.

Os terapeutas cognitivos reconheceram que eventos desagradáveis tendem a ser ignorados, distorcidos ou esquecidos.

Assim, algumas terapias comportamentais modernas, como a terapia comportamental dialética e a terapia de aceitação e compromisso, concentram-se em aceitar experiências negativas em vez de controlá-las.

Fatores de risco para o desenvolvimento do transtorno de esquiva experiencial

Existem certos fatores predisponentes que podem estar relacionados ao aparecimento do transtorno de esquiva experiencial, como os seguintes:

1. Abuso de substâncias

Esse hábito representa uma estratégia de curto prazo muito eficaz para manipular uma experiência.

Mesmo que o abuso de substâncias não tenha sido iniciado como um método de evitação experiencial como tal, os efeitos das drogas em estados disfóricos ou de abstinência podem ser úteis para manter o padrão de abuso.

Assim, em muitos casos de abuso de substâncias, a esquiva experiencial geralmente é um indicador significativo. É o caso de pessoas que bebem muito por motivos de reforço negativo e reforço positivo.

2. Abuso sexual infantil

Este evento está relacionado a uma variedade de correlatos adversos de longo prazo, tais como depressão, transtornos de ansiedade generalizada, comportamentos autolesivos, transtorno de estresse traumático, vitimização adulta, transtornos de personalidade ou abuso de substâncias.

A evitação, neste sentido, é usada para aliviar temporariamente as experiências internas negativas relacionadas ao abuso.

3. Transtorno de ansiedade generalizada (TAG) e patologias relacionadas à ansiedade

O TAG conceitua a preocupação como uma forma de evitação. Isso sugere que a preocupação desempenha um papel em evitar a angústia interna.

Além disso, ela é reforçada negativamente pela redução de curto prazo da angústia e da excitação que a acompanha.

Assim, parece que o enfrentamento desadaptativo e as estratégias de autorregulação podem provocar angústia relacionada à ansiedade por meio da tendência de evitar experiências privadas indesejadas.

O transtorno de esquiva experiencial tem sintomas relacionados a um ataque de ansiedade.
Pessoas com TAG são mais propensas a ter transtorno de esquiva experiencial.

4. Automutilação deliberada

A automutilação, na ausência de qualquer intenção de morrer, poderia ser vista como uma estratégia para reduzir a angústia emocional e a agitação indesejadas.

Além disso, esses comportamentos destrutivos são mantidos e fortalecidos por meio do condicionamento de fuga e do reforço negativo.

Terapia de aceitação e compromisso, uma forma de tratar este transtorno

Esta terapia específica tenta alterar o impacto das emoções e cognições. Isso é feito por meio da alteração da luta com elas ao invés de tentar mudar a sua forma, frequência ou os contextos que as originaram.

Assim, os pacientes podem ser ensinados a entrar em contato com experiências psicológicas, de forma direta e completa, em vez de abandonar totalmente os esforços de mudança.

Esse tipo de terapia os direciona para domínios que podem ser alterados com mais facilidade, como o comportamento manifesto ou situações de vida concretas, em vez de pensamentos e sentimentos.

Além de promover a aceitação psicológica, a terapia de aceitação e compromisso também tenta enfraquecer os construtos verbais que apoiam o comportamento disfuncional. Também desestimula o grau em que os clientes respondem aos pensamentos como se fossem literais.

O transtorno de esquiva experiencial é multifatorial e complexo

Em suma, a evitação experiencial aparece e está relacionada a outros comportamentos e problemas. O tratamento para essa condição depende do próprio distúrbio subjacente.

De qualquer forma, abordagens como a terapia de aceitação e compromisso têm se mostrado úteis como um tratamento para esses tipos de problema.

 

  • Luciano Soriano, Carmen, Gutiérrez Martínez, Olga, Rodríguez Valverde, Miguel, Análisis de los contextos verbales en el trastorno de evitación experiencial y en la terapia de aceptación y compromiso. Revista Latinoamericana de Psicología [Internet]. 2005;37(2):333.
  • Luciano, Carmen, Páez-Blarrina, Marisa, Valdivia-Salas, Sonsoles, La Terapia de Aceptación y Compromiso (ACT) en el consumo de sustancias como estrategia de Evitación Experiencial. International Journal of Clinical and Health Psychology [Internet]. 2010;10(1):141-165.
  • Gil Roales-Nieto, J. (1996). La adicción como conducta. Variables diferenciadoras y dimensiones de interés. En J. Gil Roales-Nieto (Ed.), Psicología de las adicciones (pp. 1-20). Granada: Ediciones Némesis.