Como prevenir a doença de Lyme

As doenças transmitidas por vetores representam uma das principais causas de morbidade a nível mundial. Felizmente, a prevenção delas é simples e se baseia na redução da exposição a carrapatos e insetos.
Como prevenir a doença de Lyme

Escrito por Luis Rodolfo Rojas Gonzalez, 01 Setembro, 2021

Última atualização: 01 Setembro, 2021

A doença de Lyme é uma patologia infecciosa de origem bacteriana que ocorre através da picada de carrapatos infectados. Ela está associada a vários problemas cutâneos, sistêmicos, articulares e cardiovasculares de longo prazo. Te interessa aprender a se prevenir contra a doença de Lyme? A seguir ensinaremos como.

Atualmente a espiroqueta Borrelia burgdorferi é reconhecida como o patógeno responsável pela doença. Pesquisas afirmam que esta é uma das patologias causadas por carrapatos mais diagnosticadas em todo o mundo.

Como a doença de Lyme é transmitida?

Os principais vetores envolvidos na patogenia da doença de Lyme são os carrapatos. No entanto, nem todas as espécies de carrapatos participam da transmissão. Estudos sugerem que os do gênero Ixodes são os vetores com maior taxa de transmissão de borreliose.

Carrapatos fêmeas põem milhões de ovos por ano, que eclodem para se alimentar do sangue de pequenos roedores. Esses ovos se eles tornam ninfas e posteriormente insetos adultos que continuam consumindo o sangue dos animais, e se contaminando com a Borrelia spp. Os principais hospedeiros desses vetores na Europa e nos Estados Unidos são ratos e veados.

As pessoas geralmente são infectadas pela exposição a esses vetores ou a seus hospedeiros em áreas florestais, zonas úmidas e de pastagens, especialmente durante o verão. Por sua vez, o carrapato deve permanecer por um período mínimo de 24 a 36 horas aderido à superfície da pele para que os germes possam ser inoculados no sangue.

Medidas para prevenir a doença de Lyme

Na maioria dos casos, as doenças infecciosas transmitidas por insetos podem ser evitadas reduzindo a exposição a eles, e mantendo um hábito adequado de higiene corporal. Algumas medidas que podem ser usadas para prevenir a doença de Lyme incluem as seguintes:

Evitar áreas infestadas de carrapatos

O risco de exposição aos carrapatos é maior em áreas cobertas com grama alta, pastos e áreas arborizadas. Da mesma forma, eles podem ser encontrados nos gramados ao redor das casas e nos parques.

Por esse motivo, é fundamental permanecer dentro das trilhas e evitar entrar em áreas com arbustos e grama não podados. Além disso, é recomendável manter uma distância adequada de todos os animais que possam ser hospedeiros para os vetores, como camundongos e veados.

Caminhadas e prevenção da doença de Lyme.
Caminhar no verão é uma atividade de risco para contrair borreliose, portanto, alguns cuidados devem ser tomados.

Usar repelentes e pesticidas

O uso de repelentes nas roupas e sapatos reduz bastante o risco de picadas de carrapatos. O uso de repelentes com 20 a 50% de N, N-dietil-meta-toluamida (DEET) é recomendado na pele e nas roupas.

Da mesma forma, o óleo de eucalipto limão (OLE), para-mentano-diol (PMD) e 2-undecanona são repelentes úteis para prevenir a doença de Lyme. No entanto, essas substâncias podem causar efeitos colaterais na pele, como irritação e ardência. Além disso, o uso de OLE e PMD é contraindicado para crianças menores de 3 anos de idade.

Alguns estudos afirmam que a permetrina é outra substância eficaz para a eliminação dos carrapatos. Ela deve ser aplicada de forma prévia nas roupas e sapatos, em um ambiente aberto. Além disso, deve-se evitar a aplicação direta na pele e procurar atendimento médico o mais rápido possível caso apareça um sintoma estranho.

Além disso, os acaricidas são pesticidas que podem ser usados nos arredores da casa para reduzir as populações de carrapatos peridomiciliares. É recomendável aplicá-los no final da primavera ou início do verão.

Higiene e eliminação de carrapatos

Uma higiene corporal adequada é vital ao se expor a áreas com alto risco de infecção ou ao realizar atividades ao ar livre. Por este motivo, é aconselhável examinar a pele e as roupas pelo menos uma vez ao dia, para encontrar carrapatos que possam estar aderidos. Áreas quentes e úmidas como axilas, umbigo, virilha, nádegas e couro cabeludo devem ser verificadas com atenção.

Caso sejam encontrados carrapatos na pele, é importante manter a calma e eliminá-los o mais rápido possível. Para isso, costuma-se utilizar uma pinça de ponta pequena e luvas, evitando o contato direto com o vetor.

Uma vez que o carrapato foi retirado, deve-se verificar se a remoção foi completa e se não há restos de material aderido à pele. Além disso, é importante manter os cuidados adequados de acordo com o tipo de pele, para mantê-la saudável e evitar efeitos colaterais a curto prazo.

As dicas a seguir devem ser seguidas ao remover esses pequenos aracnídeos do corpo:

  • Não tente sufocar o carrapato com vaselina, óleo ou outras substâncias.
  • Evite esmagar ou torcer o carrapato ao retirá-lo.
  • Não o remova com a pele nua e desprotegida.
  • Evite aplicar calor direto ao carrapato.

Um bom banho e bastante shampoo podem ajudar a eliminar os carrapatos por arrasto. Além disso, roupas e calçados devem permanecer na secadora a uma alta temperatura por pelo menos 10 minutos, para matar os vetores que possam estar escondidos nas roupas secas ao entrar em casa.

Verificar os animais de estimação

O pelo dos animais de estimação constitui o habitat ideal para que os carrapatos entrem para dentro de casa. Por esse motivo, uma maneira eficaz de prevenir a doença de Lyme é inspecionar cuidadosamente os animais de estimação antes de permitir a entrada deles no lar.

Na maioria dos casos os carrapatos podem estar na pele do animal sem picá-lo, passando em seguida para a roupa humana. No caso de o animal apresentar vários carrapatos aderidos, as mesmas indicações feitas para a retirada no caso da pele humana devem ser seguidas.

Cães com carrapatos.
É importante verificar os animais de estimação, pois eles podem trazer carrapatos para dentro de casa.

Criar um ambiente livre de carrapatos

Os carrapatos geralmente não sobrevivem em áreas secas e ensolaradas. Além disso, a American Lyme Disease Foundation (ALDF) afirma que esses vetores não podem pular ou voar, portanto, precisam de um contato direto com o hospedeiro.

Nesse sentido, é aconselhável aplicar as seguintes medidas no entorno de casa:

  • Cortar a grama regularmente.
  • Limpar as bordas das calçadas.
  • Colocar placas de madeira ou cascalho para formar uma fronteira entre o jardim e as áreas arborizadas.
  • Verificar e limpar os comedouros dos animais de estimação.
  • Posicionar os equipamentos ou objetos de atividades ao ar livre longe de arbustos e árvores.

Reduzir a exposição aos carrapatos é o principal fator de proteção

A prevenção da doença de Lyme baseia-se na redução da exposição aos carrapatos responsáveis pela inoculação da bactéria Borrelia spp. Nesse sentido, uma atenção especial deve ser dada à higiene corporal e limpeza das roupas ao realizar de qualquer atividade ao ar livre.

Por outro lado, os carrapatos levam mais de 24 horas para transmitir a doença, portanto, encontrar esses pequenos insetos na pele não indica que a infecção aconteceu. É importante manter um monitoramento adequado da superfície onde ocorreu a picada e buscar ajuda profissional caso seja observado qualquer sintoma estranho.

Pode interessar a você...
Sintomas da doença de Lyme
Muy SaludLeia em Muy Salud
Sintomas da doença de Lyme

A doença de Lyme pode se manifestar por meio de vários sintomas, dependendo do estágio da doença.



  • Skar GL, Simonsen KA. Enfermedad de Lyme. En: StatPearls. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2021 enero-.
  • Herrera Lorenzo O, Infante Ferrer J, Ramírez Reyes C, Lavastida Hernández H. Enfermedad de Lyme: historia, microbiología, epizootiología y epidemiología. Rev Cubana Hig Epidemiol. 2012; 50( 2 ): 231-244.
  • Grear J, Koethe R, Hoskins B, Hillger R et al. The effectiveness of permethrin-treated deer stations for control of the Lyme disease vector Ixodes scapularis on Cape Cod and the islands: a five-year experiment. Parasites & Vectors. 2014; 7(1): 292.
  • Eisen R, Eisen L. The Blacklegged Tick, Ixodes scapularis : An Increasing Public Health Concern. Trends in Parasitology. 2018;34(4):295-309.
  • Jones E, Hinckley A, Hook S, Meek J et al. Pet ownership increases human risk of encountering ticks. Zoonoses and Public Health. 2017;65(1):74-79.
  • InformedHealth.org. Colonia, Alemania: Instituto de Calidad y Eficiencia en la Atención de la Salud (IQWiG); 2006-. Picaduras de garrapatas: ¿Qué son las garrapatas y cómo se pueden eliminar?.