Cottagecore, um estilo de vida muito natural

O cottagecore é muito mais do que moda, belos vestidos e fotos impressionantes; ele tem um pano de fundo de reconciliação com o tradicional. Conheça!
Cottagecore, um estilo de vida muito natural

Escrito por Aylin Stefany Rodriguez Vinasco, 16 Junho, 2021

Última atualização: 16 Junho, 2021

A Internet apresenta diariamente muitas tendências em termos de diferentes estilos de vida, uma delas é o cottagecore, um estilo de vida muito natural. Se você já viu na web ou mesmo conhece alguém que segue esse estilo, deve ter percebido que são pessoas que se vestem à moda antiga e divulgam esse modo de vida.

Mas não é só isso, há outra coisa que vai além do que podemos ver: esse estilo de vida tem um pano de fundo especial relacionado com as tradições dos nossos antepassados, e a maneira como elas podem impactar em positivamente nossas vidas.

Analisando com mais detalhe esse estilo de vida, podemos identificar como as pessoas viviam antigamente e, mais do que isso, o cuidado e o valor que elas davam às coisas, pois a maioria delas eram feitas com as próprias mãos. Também aprendemos de forma mais significativa o cuidado com a natureza.

O que é cottagecore?

Campo e cottagecore.
Esse estilo de vida valoriza a conexão com o campo.

Embora já tenhamos descrito um pouco do que é cottagecore, vamos expandir o conceito para que fique bem claro. Esta palavra em inglês é o resultado de duas palavras: cottage, que significa cabana, e core, que significa centro ou núcleo. Assim, cottagecore está relacionado a viver no centro do campo.

Este é, então, um estilo de vida muito natural em que a perspectiva de vida é exaltada a partir das coisas simples e, mais importante, autossuficientes. Quem escolhe seguir esta corrente vive no estilo rural, tentando se unir à natureza e viver de uma forma diferente da que habitualmente se costuma fazer.

Esse estilo de vida consiste em deixar de lado as redes sociais e tudo que possa afastar as pessoas de uma forma natural e tradicional de desfrutar a existência terrena. Geralmente as redes sociais são usadas somente para possibilitar que outras pessoas conheçam o modo de vida.

É comum ver quem vive dessa forma mostrando seus passeios, caminhadas com os animais de estimação, o processo de assar um pão ou como é feita a comida tradicional em fogueiras. Além disso, mostram que tecem, correm e aproveitam a natureza para satisfazer suas necessidades.

Além disso, por sua abordagem naturalística, destacam-se por cuidar muito bem do seu entorno para que outras pessoas também possam aproveitar as maravilhas que ele oferece.

Origem do cottagecore

A razão pela qual os cottagecore se vestem à moda antiga ou vivem um estilo de vida chamado antiquado é porque estas são suas origens. Esta corrente tem sua origem na França do século 18, especificamente em Versalhes.

Segundo a história, tudo começou com a chegada da Rainha Maria Antonieta. Ela impôs uma moda que se caracterizou pelo uso de vestidos estilo pastor, cores claras, babados e rendas. Lindo né? Mas não é só isso, como podemos ver nas obras cinematográficas, essa dama da realeza gostava de viver no campo.

Embora pareça, e de fato seja de outra época, o cottagecore é um estilo de vida que vem ganhando muita força atualmente.

O confinamento em que vivemos tem levado as pessoas a retronar às suas raízes, repensar os modos de vida e encontrar refúgio no tradicional, valorizando cada vez mais os recursos que a Mãe Terra proporciona.

O estilo cottagecore

Embora o estilo cottagecore seja composto por inúmeros os aspectos,vamos nos concentrar em definir dois que são muito importantes: vestuário e decoração. Esses são os aspectos mais visíveis desse estilo de vida.

Vestuário

Embora a tendência no modo de vestir, como já dissemos, se deva ao estilo imposto pela Rainha Maria Antonieta, o estilista francês Simon Porte Jacquemus colocou este estilo na moda. Em julho de 2019, apresentou desfile baseado nessa tendência como alternativa de moda para a temporada primavera-verão 2020.

A inspiração também vem da sua criação, pois ele cresceu em uma fazenda onde teve, talvez sem perceber, uma convivência direta ao cottagecore. Lá ele teve contato direto com o uso de estampas florais e chapéus country em tons pastéis que contrastam de forma perfeita com os tons da natureza.

Decoração

A decoração é uma das maiores habilidades de quem tem esse estilo de vida. Quando algo é herdado, deve ser deixado na mesma condição em que foi recebido. Não é permitido mudar nenhum aspecto. A ideia é preservar a tradição de cada objeto.

O uso das redes sociais é feito para exaltar e divulgar a beleza das suas aquisições. Lá eles postam as fotos e descrevem a importância dos objetos. Conforme descrito anteriormente, esse estilo é mostrado a outras pessoas; para isso, podem ser utilizados catálogos ou outras formas de divulgação, nas quais predomina o estilo vintage.

Esses objetos tradicionais, geralmente porcelanas, bules, xícaras e tapetes, são exibidos da forma mais natural e tradicional possível. Porém, também faz parte de seus costumes aproveitar, reaproveitar ou transformar objetos ou peças antigas.

Quem realmente faz parte desse estilo de vida?

O Cottagecore.
Qualquer pessoa pode começar a seguir esta prática.

Homens e mulheres fazem parte dessa tendência, mas é mais fácil identificar mulheres. Por se tratar de uma tendência que está em alta atualmente, é fácil pensar que quem posta uma foto com características cottagecore está apenas seguindo a moda, mas não é assim.

Também é um erro pensar que apenas quem mora no campo pode pertencer a esse estilo. Atualmente, nem todas as pessoas têm a facilidade de viver em áreas rurais ou em fazendas. Mesmo assim, é possível tentar levar esse estilo de vida natural morando na cidade.

Isso porque cottagecore é mais do que uma estética, tem a ver com o interesse de viver em harmonia com a natureza, favorecendo processos lentos, valorizando as práticas artesanais e tradicionais. Portanto, é normal que haja um maior interesse pelos trabalhos domésticos tradicionalmente femininos, além de coisas ou instrumentos usados na antiguidade.

Tudo isso proporciona a oportunidade de apreciar o desenvolvimento da vida à quem faz parte dessa corrente, dando um espaço para refletir ou desfrutar.

Críticas ao cottagecore

De forma geral, como toda tendência que nasce e fica conhecida nas redes sociais, a cottagecore está exposta a críticas. Apesar da natureza da sua origem e do tempo em que está vigente, não há como estar isento de julgamentos.

A maioria das meninas que representam esse estilo de vida ou cultura, para muitas pessoas, reforça certos estereótipos. Geralmente são mulheres com tez branca, cabelos loiros e magras, pelo que costumam ser criticadas por uma suposta exclusão de outros tipos de feminilidade.

Por outro lado, há quem assegure que são ensinadas apenas as tarefas mais fáceis de realizar, deixando de lado as mais complexas e que também fazem parte da vida no campo. Algumas delas são coletar excrementos de animais, ordenhar vacas, preparar e arar campos, entre outras. Os críticos costumam dizer que essas tarefas são invisibilizadas.

Você conhecia o cottagecore?

Filmes como ‘Maria Antonieta‘, ‘Little Women ou Adoráveis Mulheres ‘ e ‘Me Chame Pelo Seu Nome mostram o estilo cottagecore em todo o seu esplendor. Se você os viu, pôde apreciar muito do que ele propõe. Ainda assim, você poderia não conhecer o conceito, mas agora já sabe do que se trata.

Hoje esse estilo é tão popular que muitas marcas, principalmente de roupas, têm várias opções para quem já pertence ou deseja fazer parte desse estilo.

Pode interessar a você...
10 exercícios para se conectar com a natureza
Muy SaludLeia em Muy Salud
10 exercícios para se conectar com a natureza

Passar um tempo ao ar livre permite descansar e recuperar as energias do corpo e da mente. Descubra outros benefícios de se conectar com a natureza...



  • Trottier, SL (2020). La poética colonial de TikTok: perros que hablan, cabañas codificadas queer y conocerse a sí mismo a través del algoritmo (tesis de maestría).
  • Zweig, S. (2012). María Antonieta (Vol. 241). Acantilado.
  • Hütt Herrera, Harold (2012). LAS REDES SOCIALES: UNA NUEVA HERRAMIENTA DE DIFUSIÓN. Reflexiones, 91(2),121-128.[fecha de Consulta 18 de Abril de 2021]. ISSN: 1021-1209. Disponible en: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=72923962008
  • Yissel Hernández Romero. Persistencia del pasado a través de los objetos del presente. Sociedad y Economía No. 23, 2012 • pp. 99-122. Disponible en: http://www.scielo.org.co/pdf/soec/n23/n23a06.pdf