Como lidar com a psoríase

Viver com psoríase pode ser muito difícil do ponto de vista físico, financeiro e psicológico. Paralelamente ao tratamento sistêmico, os pacientes devem aprender a lidar com a doença. Descubra como fazer isso de diferentes ângulos.
Como lidar com a psoríase

Escrito por Josberth Johan Benitez Colmenares, 29 Maio, 2021

Última atualização: 02 Junho, 2021

A psoríase é uma doença crônica para a qual ainda não existe cura. No entanto, vários tratamentos são eficazes para controlar as lesões, reduzir os sintomas e melhorar a qualidade de vida dos pacientes. Saber como lidar com a psoríase é muito importante desde o início, especialmente se você tiver uma das variantes mais graves.

O processo de aceitação da doença só é alcançado com tempo, apoio familiar, especialistas em psicologia e programas que procuram abordá-la em diferentes frentes. Hoje colocamos a lupa em algumas coisas que você pode fazer para enfrentar a psoríase e eliminar preconceitos, inseguranças e medos que só afetam negativamente a sua saúde.

Cuidados físicos e a psoríase

Como lidar com a psoríase
Os cuidados físicos e mentais estão relacionados nesta doença.

Nem todos os pacientes convivem com a doença da mesma forma. A evidência indica que as variantes mais graves, como psoríase pustulosa, palmoplantar e artropática, muitas vezes geram maiores complicações na qualidade de vida. Existem muitas coisas que você pode fazer para lidar com a situação, entre elas o cuidado físico.

É muito comum as pessoas dedicarem todos os seus esforços ao tratamento tópico ou sistêmico, deixando de fora algumas recomendações básicas para tolerar a doença com maior eficácia. Desta forma, todo paciente com psoríase deve considerar o seguinte:

  • Evitar expor as áreas lesionadas ao sol ou frio. Roupas apropriadas devem ser usadas para cada ocasião.
  • Manter a pele hidratada para evitar que o ressecamento piore as lesões.
  • Implementar uma dieta saudável. Alguns quadros podem piorar com a interação de alguns alimentos.
  • Fazer exercício diariamente.
  • Usar repelentes de insetos para evitar picadas nas áreas afetadas.
  • Evitar coçar as lesões. Isso só causa mais ardor, inflamação e vermelhidão.
  • Use roupas leves que minimizem o atrito.

Além disso, você também deve evitar hábitos prejudiciais, como beber álcool em excesso ou fumar. Manter um peso saudável, usar protetor solar e evitar depilar as áreas com lesões também é de grande ajuda para reduzir o aparecimento de sintomas.

Terapia psicológica para lidar com a psoríase

Hoje sabemos a importância que tem um modelo integral no tratamento da psoríase. É de especial interesse o aspecto psicossocial, pois existe evidência de que os sintomas, a ausência de cura e a deterioração da qualidade de vida geralmente afetam negativamente a percepção dos pacientes.

Surge assim, a necessidade de uma abordagem multidisciplinar que leve em consideração a saúde psicológica das pessoas afetadas.

Foram estudados os transtornos colaterais que a doença produz. Existe uma predisposição especial para desenvolver baixa autoestima, depressão e ansiedade. Os pacientes muitas vezes têm medo de sofrer estigmatização ou preconceitos em torno da doença, o que os leva a se isolar de seu círculo de convívio para evitar a rejeição.

Por tudo isso, é muito importante que logo após o diagnóstico, o paciente seja incluído no programa de tratamento que inclua terapias psicológicas, principalmente se ele estiver sujeito a sofrer lesões graves. Lembre-se de que a psoríase é uma doença com a qual você deve lidar por toda a vida e, embora passe por estágios de remissão, sempre estará latente no organismo.

A importância do apoio social ao enfrentar a psoríase

Como lidar com a psoríase
Viver com entes queridos ajuda a lidar com a doença.

O apoio da família é conhecido por ser de grande ajuda no momento de enfrentar a psoríase. É muito mais fácil para os pacientes melhorarem sua autopercepção com o apoio do grupo familiar do que sozinhos, portanto, o círculo familiar mais próximo é um bom lugar para começar.

Também é importante considerar como essa condição afeta a vida de quem acompanha a pessoa doente. Por exemplo, um estudo publicado no Journal of the American Academy of Dermatology em 2014 sugere que até 87,8% dos conviventes apresentam alterações na qualidade de vida após o diagnóstico.

Recomenda-se que os pacientes façam terapia de apoio em grupos de pessoas que sofrem da doença. Esse tipo de experiência pode contribuir para o desenvolvimento da alteridade, compreensão e aceitação; especialmente quando estiver na companhia de um familiar.

Embora sempre se aposta nas sessões presenciais, é possível optar por terapias online ou através das redes sociais.

Conselhos finais para lidar com a psoríase

Embora seja verdade que a eficácia e as opções de tratamento sejam limitadas para pacientes com psoríase, ainda existem dezenas de alternativas que podem ser experimentadas caso não seja percebida uma melhora nos sintomas. Isso é algo que cada pessoa deve saber: se um tratamento não der certo, sempre é possível optar por outro para amenizar as sequelas.

É de grande ajuda que os pacientes tentem conscientizar as pessoas ao seu redor. Por exemplo, existe o preconceito de que a doença pode ser disseminada pelo contato. Se familiares, amigos e colegas entenderem que isso está errado, é possível fortalecer uma interação social mais próxima que contribua para fortalecer o aspecto psicossocial.

O importante, em qualquer caso, é que as pessoas aprendam a lidar com a psoríase com o tempo, na companhia de especialistas e com o apoio de familiares e amigos. É um processo longo e demorado, que só gera repercussões positivas na gestão da doença. Quanto mais cedo você entender isso, mais rápido poderá aprender a conviver com ela.

Pode interessar a você...
Mascne: o que é e como tratar?
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Mascne: o que é e como tratar?

Mascne é o termo usado para descrever as erupções cutâneas causados pelo uso da máscara. Vamos mostrar detalhadamente o que causa esse problema



  • Barrio Lozano, A. D. Trastornos en la calidad de vida y plan de cuidados estandarizado en un paciente con psoriasis. 2019.
  • Martínez-García, E., Arias-Santiago, S., Valenzuela-Salas, I., Garrido-Colmenero, C., García-Mellado, V., & Buendía-Eisman, A. Quality of life in persons living with psoriasis patients. Journal of the American Academy of Dermatology. 2014; 71(2): 302-307.
  • Meneguin, S., de Godoy, N. A., Pollo, C. F., Miot, H. A., & de Oliveira, C. Quality of life of patients living with psoriasis: a qualitative study. BMC dermatology. 2000; 20(1): 1-6.
  • Perrott, S. B., Murray, A. H., Lowe, J., & Mathieson, C. M. The psychosocial impact of psoriasis: physical severity, quality of life, and stigmatization. Physiology & behavior. 2000; 70(5): 567-571.
  • Pibernat, M. R. Convivir con la psoriasis. Ed. Médica Panamericana. 2014.
  • Rodriguez, L. N. L. Living with psoriasis: Implications for counseling practice (Doctoral dissertation, University of Puerto Rico, Rio Piedras (Puerto Rico). 2008.
  • Wolkenstein, P. Living with psoriasis. Journal of the European Academy of Dermatology and Venereology. 2006; 20:28-32.