Ciática: sintomas, causas, prevenção e tratamento

A ciática é causada por uma hérnia de disco em 9 de cada 10 pacientes, mas nem todos os casos são devidos a esta doença subjacente. Na verdade, é uma doença com várias causas.
Ciática: sintomas, causas, prevenção e tratamento
María Vijande

Escrito e verificado por la farmacéutica María Vijande em 17 Setembro, 2021.

Última atualização: 17 Setembro, 2021

O termo ciática refere-se a um conjunto de sintomas que se caracterizam principalmente pela dor, fraqueza e dormência na região dorsal do nervo ciático. Este desconforto palpitante se torna muito mais evidente quando o paciente se vira, se dobra ou tosse.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 1,71 bilhões de pessoas em todo o mundo sofrem de distúrbios musculoesqueléticos. A dor lombar é a mais comum, afetando cerca de 568 milhões de pacientes. Você pode ficar surpreso ao saber que, destes, até 10% têm dores ciáticas na região lombar.

A dor lombar – ciática ou não – é a causa mais comum de incapacidade em 160 países, pois estima-se que até 80% da população mundial experimentará algum episódio de dor lombar durante sua vida. Como você pode ver, os distúrbios musculoesqueléticos são muito mais graves do que parecem. Se você quiser saber mais sobre a ciática, continue lendo.

O que é ciática?

Ciática e dor.
Este tipo de dor pode se espalhar para cima e para baixo na perna.

Vamos usar o termo ciática para fins informativos, mas como o portal BJGP indica, o que melhor descreve esta sintomatologia é a dor radicular lombar (LRP, por sua tradução em inglês Lumbar Radicular Pain). Dependendo da definição da condição, estima-se que 1 a 40 % da população tem ciática em sua vida útil.

A condição é considerada incapacitante, pois os pacientes com ciática requerem mais atenção médica do que aqueles com dor lombar normal. A maioria dos doentes pode ser tratada com abordagens primárias, mas uma pequena porcentagem dos doentes requer admissão hospitalar e até mesmo cirurgia.

Apesar da discordância terminológica, a ciática pode ser descrita como uma dor forte que vai desde a perna até a parte inferior das costas. Normalmente ocorre em apenas um dos dois membros e é comum que os pacientes também experimentem fraqueza e formigamento na perna afetada.

Dados epidemiológicos

Dependendo da definição do termo, estima-se que 1 a 4 em cada 10 habitantes apresentarão ciática em algum momento da vida. A revista médica StatPearls nos dá alguns fatos muito interessantes a respeito da epidemiologia desta condição. Não deixe de vê-los:

  • Não há uma clara predominância de gênero. Exceto por certas séries inconsistentes, é generalizado que a ciática afeta tanto homens quanto mulheres.
  • A incidência máxima ocorre na quarta década de vida, ou seja, a partir dos 40 anos de idade. Raramente ocorre antes dos 20 anos de idade, a menos que ocorra como resultado de trauma físico.
  • A incidência anual está entre 10 e 40 % da população em geral. Por ano, a ciática ocorre em até 5 de cada 100 habitantes (5%).
  • A presença de ciática não foi associada à altura do paciente, pelo menos até a idade de 50-60 anos.
  • A atividade física promove a manifestação da ciática naqueles que já apresentavam sintomas antes. Por outro lado, o exercício diminui a probabilidade de uma pessoa saudável ter ciática em primeiro lugar.
  • Este quadro sintomático é eminentemente ocupacional. Sua ocorrência tem sido associada a certos trabalhadores, tais como motoristas de caminhão, operadores de máquinas, operários e outros cargos em empregos onde as pessoas são repetidamente submetidas a posições incômodas.

Assim, o perfil típico de um paciente com ciática é o de um adulto, cuja ocupação envolve trabalho fisicamente exigente.

De acordo com a Revista Colombiana de Reumatología, até 74% das pessoas que realizam trabalhos manuais têm alguma forma de dor osteoarticular, além de outros problemas físicos e emocionais.

Causas da ciática

Como informa o British Medical Journal, 90 % dos casos de ciática estão associados a uma hérnia de disco espinhal. Ciática ocorre quando, de uma forma ou de outra, o nervo ciático é beliscado ou danificado. Este é o nervo mais longo e maior do ser humano, começando na pelve e estendendo-se até a coxa, onde bifurca até os nervos tibiais e peroneais comuns.

A pressão sobre o nervo ciático não garante que a ciática ocorra em todos os casos, pois pode ocorrer em pacientes assintomáticos. Várias patologias podem causar esta compressão nervosa de longo prazo, as mais importantes das quais estão listadas abaixo.

1.Hérnia de disco

A hérnia de disco ocorre quando parte de um disco intervertebral – ou o disco inteiro – entre as vértebras é deslocado em direção à raiz nervosa. Esta pressão causa hipoxia local, o que resulta em lesões por impacto. Quando este deslizamento do disco intervertebral belisca um dos nervos lombares ou sacrais, ocorre a ciática.

Esta é a causa de 90 % dos quadros clínicos. A hérnia de disco – e a ciática resultante – é mais comum entre as idades de 40-50 anos, resultado da atividade sinérgica entre o desgaste natural dos ossos e vértebras e o esforço pesado. A maioria das hérnias discais ocorre durante episódios de grande tensão, e os sintomas diminuem quando o paciente se deita.

2 % dos pacientes que apresentam dor nas costas têm uma hérnia de disco.

2. Estenose espinhal

Neste caso, há um estreitamento da coluna vertebral. A redução do diâmetro do canal vertebral causa pressão sobre a medula espinhal e estreitamento dos forames intervertebrais, onde os nervos espinhais se comunicam com os membros.

A maioria dos casos de estenose espinhal ocorre com o envelhecimento natural, mas excepcionalmente, algumas pessoas nascem com um diâmetro menor do canal espinhal. Esta é a causa mais comum de ciática após os 50 anos de idade, e pode ser promovida por artrite da coluna, doença óssea, tumores ou defeitos de crescimento, entre outros.

A estenose espinhal causa um beliscão dos nervos que se comunicam com a medula espinhal, resultando em condições semelhantes às da ciática.

3. Síndrome do piriforme

De acordo com a Biblioteca Nacional de Medicina dos EUA, a síndrome do piriforme ocorre quando o músculo piriforme – localizado no fundo da região glútea – pressiona o nervo ciático. Quando esta estrutura muscular tiver espasmos e ficar inflamada, causará danos ao nervo ciático, resultando no quadro clínico com o qual nos preocupamos aqui.

A síndrome do piriforme é uma condição clínica rara e de longa evolução. É mais comum nas mulheres (proporção 6:1), mas sua própria existência é hoje em dia questionada.

4. Outras causas

Há muitas outras causas de impacto do nervo ciático, tais como má postura, gravidez ou tumores envolvendo estruturas específicas. Lembre-se de que a ciática é multifatorial, mas em quase todos os casos, a razão de sua ocorrência é uma hérnia de disco.

Sintomas da ciática

Neste ponto, você já suspeitará que o principal sintoma desta condição é uma dor que se estende desde a coluna vertebral inferior até as nádegas. Este desconforto pode ser experimentado como um leve formigamento, uma dor silenciosa ou uma sensação de ardor muito perceptível. Em quase todos os casos, este sinal clínico é unilateral.

É comum que os pacientes manifestem paraestesia, que é um conjunto de formigueiros anormais, sensações de calor ou frio experimentados superficialmente na área afetada. Muitas vezes, este conjunto de sinais é descrito como se a perna do paciente estivesse “um pouco morta”.

Diagnóstico da ciática

A Ciática é diagnosticada clinicamente.
O diagnóstico é geralmente clínico.

A ciática é uma entidade clínica e, como tal, requer um exame físico minucioso e uma série de testes para ser devidamente diagnosticada. Raios-X, ressonância magnética, tomografia computadorizada e eletromiografia são muito úteis no diagnóstico de uma hérnia discal, a causa mais importante da ciática a nível mundial.

Além de todas essas técnicas de imagem, o exame físico e os testes de mobilidade também são muito úteis. Na consulta, o profissional médico pode procurar os seguintes sinais no paciente:

  1. Dificuldade de dobrar os pés para dentro ou para baixo.
  2. Dor ao levantar a perna reta (o membro afetado) enquanto o paciente está deitado.
  3. Reflexos anormais, fracos ou retardados e perda de sensibilidade na área de superfície afetada.
  4. Dificuldade com movimentos específicos, tais como tentar andar na ponta dos dedos dos pés ou dobrar-se para frente e para trás.

Todas essas anormalidades podem ser evidência de compressão do nervo ciático. Os testes físicos indicarão a existência de um problema, e as técnicas de imagem elucidarão a causa exata da patologia. Se sua dor nas costas, lombares ou pernas for evidente e continua, não hesite em consultar seu médico.

Tratamento

A ciática não é tratada sozinha, pois é conseqüência de outra patologia subjacente (hérnia, tumor, estenose, síndrome piriforme ou trauma direto, entre outras). Em alguns casos, não é necessária uma abordagem específica, pois fontes citadas acima argumentam que até 67% dos discos hérnias são auto reabsorvíveis.

Apesar disso, a sintomatologia do paciente pode persistir. O tratamento de primeira linha para sinais persistentes é analgésicos de venda livre como ibuprofeno e paracetamol, entre outros. É recomendável que o paciente siga um regime detalhado de cuidados domiciliares. Estes incluem o seguinte:

  1. Usar bolsas quentes e frias: isto ajudará a reduzir a inflamação local das áreas afetadas. Como resultado, os sintomas podem ser aliviados até certo ponto.
  2. Evite ficar em pé e sentado por muito tempo. Em casos de hérnia de discos, o descanso deitado e o exercício lento (como a caminhada) ajudam muito a reduzir a dor.
  3. Ter uma postura correta e exercitar-se continuamente, de forma leve, mas constante.
  4. Usar técnicas de levantamento adequadas para evitar que a hérnia piore, se esta for a causa principal.

Se nada disso funcionar, são utilizados medicamentos ligeiramente mais fortes, que exigem a prescrição de um médico. Neste grupo estão as drogas opioides, relaxantes musculares, anticonvulsivos (para dor neuropática), corticosteróides orais, injeções de corticosteróides e outros compostos químicos, caso a caso.

Entretanto, algumas dessas drogas não têm efeitos colaterais desprezíveis e outras podem ser viciantes. É sempre melhor tentar resolver a condição com mudanças de hábitos e só recorrer a medicamentos mais intensos nos casos em que tudo o mais falhar.

Cirurgia

Como o site da Spine Health afirma, a cirurgia da coluna ciática é considerada quando nenhum dos tratamentos acima funcionou dentro de 6 a 12 semanas e a dor do paciente é incapacitante. Dependendo da causa da dor ciática e sua duração, 2 procedimentos são considerados: microdiscectomia e descompressão aberta.

Na microdiscectomia, uma hérnia de disco é tratada removendo a parte do disco intervertebral que está beliscando o nervo ciático. Por outro lado, a laminectomia (descompressão aberta) é o caminho a seguir quando a causa é estenose espinhal. Estas abordagens não são infalíveis, mas 80% dos pacientes notam alguma melhoria depois delas.

Dica final: não fique prostrado

Com ciática ou qualquer tipo de dor lombar, o repouso absoluto só é recomendado por um dia ou 48 horas, no máximo. Se você sentir que a dor é insuportável, vá ao pronto-socorro e procure atendimento médico, mas não fique acamado. Se você deixar o tempo passar sem se mover, seus músculos só enfraquecerão e a condição ficará pior.

Para lidar com a ciática, é melhor buscar cuidados profissionais, usar analgésicos de venda livre, quando necessário, e manter um estilo de vida ativo. Os pacientes com ciática podem andar e fazer exercícios leves, portanto não deixe a condição te vencer e tente aproveitar ao máximo a vida.

Pode interessar a você...
7 dicas para melhorar a postura das costas
Muy Salud
Leia em Muy Salud
7 dicas para melhorar a postura das costas

A postura inadequada das costas está associada a dores, lesões e problemas no funcionamento dos músculos, órgãos e processos básicos do corpo.