As 8 doenças degenerativas mais comuns

As doenças degenerativas são crônicas, se instalam aos poucos e geralmente não têm cura. Algumas afetam o sistema nervoso e a memória, mas outras apresentam sintomas muito diferentes.
As 8 doenças degenerativas mais comuns
Samuel Antonio Sánchez Amador

Escrito e verificado por el biólogo Samuel Antonio Sánchez Amador em 15 Setembro, 2021.

Última atualização: 15 Setembro, 2021

Muitas das doenças que os humanos sofrem têm um quadro agudo que se resolve em questão de dias ou semanas. Além disso, devido ao avanço da medicina e do conhecimento científico, diversas patologias que antes eram consideradas perigosas hoje são autolimitadas com o tratamento adequado. Mesmo assim, ainda existem doenças degenerativas comuns sem cura.

O termo doença degenerativa é bastante genérico, uma vez que a fronteira entre o dano produzido “naturalmente” e as infecções é difusa. O HIV é uma doença degenerativa porque piora com o tempo? Apenas as condições que envolvem o sistema nervoso “degeneram”? Continue lendo, pois respondemos a essas perguntas e mostramos 8 doenças degenerativas.

Quais são as doenças degenerativas mais comuns?

De acordo com o National Cancer Institute (NIH), uma doença degenerativa é qualquer condição em que a função dos órgãos ou tecidos envolvidos piora com o tempo. Por definição, uma patologia degenerativa é crônica (com duração de mais de 3 meses), mas nem todas as doenças crônicas degeneram da mesma maneira.

Embora a terminologia possa parecer complexa, podemos esclarecer que nenhuma doença degenerativa será infecciosa. A infecção bacteriana geralmente piora com o tempo, mas a ação é causada por microrganismos nocivos, não por um mecanismo intrínseco do paciente. Além disso, as doenças infecciosas têm cura geral, algo que não acontece nas doenças degenerativas.

Assim, é fácil concluir que uma doença infecciosa como o HIV não é degenerativa, mesmo que piore com o tempo sem tratamento. Tampouco o são lesão ou diabetes, pois se espera que piorem se não forem tratados, mas não causam por si mesmos em todos os casos a deterioração de um sistema ou órgão de forma lenta e inexorável.

Por mais arcaico que o termo possa ser a nível médico, ainda é de relativo interesse ao classificar certas patologias crônicas com uma série de sintomas característicos. Continue lendo, pois nas linhas a seguir falamos acerca das 8 doenças degenerativas mais comuns associadas ao sistema nervoso e muscular.

As doenças degenerativas costumam estar associadas à piora nos nervos e das habilidades motoras do paciente em longo prazo.

1. Artrite

As doenças degenerativas incluem artrite
Embora os casos de artrite geralmente não sejam fatais, eles tendem a diminuir significativamente a qualidade de vida.

Sem dúvida, a artrite é uma das doenças degenerativas mais comuns na população em geral. Esse termo abrange todas as condições que afetam as articulações, causando sinais clínicos como rigidez, dores nas articulações, inchaço, vermelhidão e redução da amplitude de movimento dos membros afetados.

Esse conjunto de patologias está sempre associado à idade. Como indica o CDC, 49,6% da população dos EUA com mais de 65 anos relata um diagnóstico de artrite, embora o número de casos reais seja provavelmente maior. Aqui estão algumas das condições artríticas mais comuns na sociedade em geral.

1.1 Osteoartrite (OA)

A osteoartrite é um tipo de artrite caracterizada pelo desgaste da cartilagem articular e pela fricção entre os ossos. Seus sintomas mais comuns são dores nas articulações após o exercício, inchaço das áreas afetadas, diminuição da amplitude de movimento, fraqueza e dormência nas extremidades.

Além de ser o tipo mais comum de artrite, a OA é o distúrbio articular mais prevalente em regiões de alta renda. De acordo com o NCBI, 10% dos homens americanos e 13% das mulheres com mais de 60 anos desenvolvem sintomas de osteoartrite nos joelhos. O desenvolvimento da OA pode estar intimamente relacionado à alta incidência de obesidade em alguns países.

Quanto mais peso as pernas têm de suportar, mais aumenta o estresse mecânico na cartilagem do joelho. Portanto, pessoas obesas são mais propensas a desenvolver OA nas extremidades inferiores.

1.2 Artrite reumatóide (AR)

A artrite reumatóide pode ser confundida com a osteoartrite devido aos seus sintomas, mas sua origem é diferente. Enquanto a OA está associada ao estresse mecânico e à passagem do tempo, esse quadro clínico é de origem autoimune. As células responsáveis por proteger o corpo contra infecções atacam o tecido articular saudável, resultando em inflamação crônica.

A prevalência da AR autodeclarada é de 1,6% da população adulta. No entanto, apenas 25% dos pacientes que acreditam ter AR de fato a têm, portanto a carga epidemiológica é estimada em 0,5%. Os sintomas mais comuns são os seguintes:

  1. Articulações sensíveis, inchadas e quentes ao toque.
  2. Rigidez articular, este sinal clínico é diferencial, pois geralmente ocorre principalmente quando o paciente se levanta.
  3. Cansaço, febre baixa e perda de apetite.

Além das articulações, 40% dos pacientes com AR apresentam sintomas em outras áreas do corpo. Por exemplo, pode ocorrer esclerite (inflamação da esclera) nos olhos e foi registrada uma certa tendência para desenvolver aterosclerose com o tempo. Como todas as doenças degenerativas típicas, a artrite reumatóide não tem cura.

1.3 Gota

A gota é um tipo de artrite inflamatória caracterizada por ataques de inflamação nas articulações. A dor surge rapidamente e atinge seu pico de aparecimento antes das 12 horas, acompanhada de sintomas como vermelhidão da área, calor ao toque e dificuldade de movimentação da área afetada. Na metade dos casos, o quadro se estabelece na articulação do dedão do pé.

Globalmente, a prevalência da gota varia de 0,1 a 10%, embora a média em países de alta renda seja de 1% da população. Nesse caso, a causa subjacente é clara: o acúmulo de cristais de urato na articulação afetada. Por esse motivo, até 10% dos pacientes com hiperuricemia desenvolverão gota em algum momento da vida.

A alta concentração de ácido úrico no sangue promove o desenvolvimento da gota no dedo grande do pé, mais cedo ou mais tarde.

1.4 Espondilite anquilosante (EA)

Na espondilite anquilosante, ocorre uma inflamação crônica das articulações localizadas na coluna vertebral. Embora as causas dessa condição clínica sejam desconhecidas, a genética parece desempenhar um papel essencial: conforme indicado pela Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos, a maioria das pessoas com ela apresenta teste positivo para o gene HLA-B27.

Os sintomas dessa condição se instalam gradativamente, com nítido pico de desconforto entre os 20 e 30 anos de idade. O sintoma mais comum é a dor constante na região lombar ou glútea combinada com um tronco rígido. Não existe tratamento que resolva a espondilite anquilosante, mas é possível contê-la com medicamentos e cirurgia.

85% dos pacientes com espondilite anquilosante são positivos para o genótipo HLA-B27.

2. Câncer

Com a artrite, descrevemos 4 das doenças degenerativas mais comuns na sociedade em geral. Mudamos completamente o terceiro, pois é hora de destacar o câncer, o mais temido e preocupante grupo das patologias degenerativas em nível médico.

O câncer é caracterizado pelo crescimento descontrolado de uma linha celular que, infelizmente, sofreu mutação para não responder aos processos normais de senescência e divisão. Assim, as células proliferam de forma exacerbada e não morrem quando é a sua vez, incentivando o surgimento de um tumor que pode se espalhar para outras partes do corpo. Este último evento é conhecido como metástase.

O câncer é degenerativo por definição, pois se não for tratado (quase) sempre acabará se espalhando por todo o corpo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) nos fornece alguns dados interessantes sobre a situação epidemiológica dessas neoplasias malignas. Resumimos na seguinte lista:

  • O câncer é uma das principais causas de morte em todo o mundo. Em 2020, esse grupo de doenças foi responsável por mais de 10 milhões de mortes.
  • Os tipos mais comuns são: câncer de mama (2,26 milhões de casos), pulmão (2,21 milhões de mortes), colorretal (1,93 milhão de casos) e próstata (1,41 milhão de casos).
  • A taxa de sobrevivência é altamente variável, dependendo do tipo de câncer. 95% das pessoas com câncer testicular se recuperam sem problemas com o tratamento, enquanto, em todos os seus estágios combinados, o câncer de pulmão tem uma taxa de sobrevivência de 25% 5 anos após o diagnóstico.

Curiosamente, estima-se que 80 a 90% dos cânceres são evitáveis. Só você não fumar isso já reduz muito as chances de desenvolver uma neoplasia, já que até metade das pessoas viciadas em tabaco morre por efeitos diretos derivados de seu consumo. Levar um estilo de vida adequado é sempre a melhor profilaxia.

3. Esclerose múltipla (EM)

A esclerose múltipla é uma doença autoimune degenerativa que afeta o cérebro e o sistema nervoso central. Nesse quadro clínico, o próprio corpo do paciente destrói as bainhas de mielina que recobrem os neurônios, deixando-os desprotegidos. Com o tempo, os impulsos nervosos para diferentes partes do corpo diminuem ou param.

De acordo com estudos, a prevalência de MS está aumentando. Cerca de 80-180 casos ocorrem por ano e é muito mais comum em mulheres do que em homens, com um total de 2,5 milhões de pacientes em todo o mundo. Os sintomas são principalmente motores, com um aumento característico do desconforto nas crises que diminui ligeiramente nas remissões.

Até agora, não há cura conhecida para a esclerose múltipla. No entanto, sua progressão pode ser retardada com certos medicamentos e terapias.

4. Doença de Parkinson

As doenças degenerativas são crônicas, se instalam aos poucos e geralmente não têm cura. Algumas afetam o sistema nervoso e a memória, mas outras apresentam sintomas muito diferentes.
Felizmente, hoje existem tratamentos eficazes para o Parkinson que retardam sua evolução.

A doença de Parkinson é um tipo de distúrbio do movimento. É uma doença neurodegenerativa crônica do sistema nervoso central que se apresenta principalmente com sintomas motores. Os mais comuns são tremor, rigidez corporal, movimentos mais lentos do paciente e dificuldade evidente para andar.

É a segunda doença degenerativa do nervo mais comum no mundo, perdendo apenas com o Alzheimer. Afeta cerca de 7 milhões de pessoas em todo o mundo, o que equivale a 0,3% da população em regiões de alta renda. É muito mais comum em idosos, pois a prevalência vai de 1% aos 60 anos a 4% aos 80 anos.

Conforme indicado pela Clínica Mayo, nesta patologia alguns neurônios do cérebro se decompõem e morrem lentamente. Muitos dos sintomas correspondem à perda de células que produzem dopamina, um neurotransmissor envolvido na comunicação entre os elementos do sistema nervoso. Como o resto das condições mencionadas (exceto câncer), não tem cura.

5. Alzheimer

Alzheimer é uma das doenças degenerativas mais comuns, senão a mais comum em países de alta renda. Estudos estimam que existam cerca de 47 milhões de pessoas com demência em todo o mundo e o Alzheimer é a causa de 60-80% de todos os casos. Embora a idade seja o principal fator predisponente para essa condição, ela não é uma característica normal do envelhecimento.

Essa condição começa lentamente e corresponde a um mau funcionamento do material proteico presente no cérebro. Devido a vários desequilíbrios, a atividade neural não pode ocorrer e os neurônios perdem a comunicação uns com os outros, enfraquecem e morrem. Acredita-se que sua aparição seja desencadeada pela predisposição genética, condições ambientais e estilo de vida combinados.

Os sintomas desta doença neurodegenerativa são múltiplos. Nós os agrupamos de acordo com a área afetada e o momento da apresentação:

  • Perda de memória: repetir a mesma pergunta repetidamente, esquecer acontecimentos, sistematicamente colocar objetos em lugares absurdos, perder-se em lugares familiares e esquecer nomes de parentes.
  • Problemas de raciocínio: dificuldade de concentração e raciocínio, incapacidade de controlar questões numéricas e piora do desempenho durante a multitarefa.
  • Mudanças na personalidade: depressão, isolamento social, apatia, irritabilidade, agressividade, desorientação, desinibição e delírios.

Apesar da dificuldade geral de relacionamento com o meio ambiente, os pacientes podem ter habilidades preservadas. Isso significa que muitas vezes realizam tarefas complexas, mesmo quando os sintomas se agravam. Como o envolvimento do cérebro é “em partes”, uma pessoa com Alzheimer pode ser capaz de contar histórias, falar ou cantar, mas mesmo assim não ter memória.

Drogas como os inibidores da colinesterase podem retardar a progressão da doença, mas não curá-la.

Notas finais sobre as doenças degenerativas mais comuns

No total, desta vez apresentamos a você 8 doenças degenerativas comuns, com ênfase especial na artrite e seus subtipos. É essencial destacar este grupo patológico, pois ele mostra que nem todas as condições desta natureza são neurológicas, como é o caso de Alzheimer, Parkinson ou esclerose múltipla.

Sem dúvida, as condições artríticas e os cânceres representam as patologias degenerativas mais comuns no mundo. As neoplasias malignas são a principal preocupação social e médica, pois sua alta prevalência e taxa variável de letalidade as tornam um grupo patogênico de prioridade essencial.

Pode interessar a você...
Como a artrite é diagnosticada
Muy SaludLeia em Muy Salud
Como a artrite é diagnosticada

O diagnóstico da artrite pode ser muito complexo, devido à grande variedade de manifestações que ela apresenta. Descubra o protocolo de detecção.