7 chaves para prevenir infecções de pele em crianças

Há muitas maneiras de prevenir infecções de pele em crianças. Vamos ver o que os especialistas têm a dizer e algumas dicas.
7 chaves para prevenir infecções de pele em crianças
Diego Pereira

Revisado e aprovado por el médico Diego Pereira.

Última atualização: 02 maio, 2023

As infecções de pele em crianças são muito comuns. Tanto que estão entre os principais motivos de visita ao especialista na infância. Não é possível eliminar completamente as chances de tal complicação, embora existam muitas estratégias para prevenir infecções de pele em crianças. Analisamos 7 delas de acordo com especialistas.

7 dicas para prevenir infecções de pele em crianças

Como alertam os especialistas, a maioria das crianças terá uma infecção de pele em algum momento. Algumas das infecções mais comuns são molusco contagioso, verrugas virais na pele, impetigo e micose do couro cabeludo. Eczema e doenças alérgicas da pele (como dermatite de contato) também são muito comuns em crianças, mas não são contagiosas.

As infecções de pele em crianças podem ser virais, bacterianas, fúngicas e parasitárias. As duas primeiras são as mais comuns. Existem muitas maneiras de prevenir infecções de pele em crianças, todas elas muito fáceis de implementar.

1. Lave as mãos com frequência

prevenir infecções de pele em crianças
É importante ensinar às crianças a importância da lavagem frequente das mãos para sua saúde.

A higiene das mãos é de longe a melhor estratégia para prevenir infecções de pele em crianças. Especialistas classificam a lavagem diária das mãos como a intervenção não farmacológica mais importante para prevenir a propagação de doenças infantis, incluindo infecções de pele. O hábito deve vir acompanhado de uma educação sobre sua importância.

Em geral, recomenda-se lavar as mãos antes de comer, após interagir com objetos e após usar o banheiro. Esfregar as mãos com água e sabão pode matar a maioria dos patógenos que podem levar à infecção. É muito importante incluir sabão no processo, assim como ensinar a lavar entre os espaços dos dedos e unhas.

2. Evite tocar o rosto e as mucosas

Os especialistas alertam para a possibilidade de propagação de infecções pelo hábito de tocar o rosto e as mucosas (boca, nariz e orelhas). Mesmo quando um hábito regular de higiene das mãos é implementado, é algo que deve ser ensinado aos pequenos. É mais difícil do que parece, pois é um reflexo natural que crianças e adultos fazem várias dezenas de vezes ao dia.

A educação a esse respeito é muito importante, embora deva ser sempre feita com amor. Como já reiteramos, é um reflexo evolutivo natural; por isso deve ser continuamente reforçado. Tal como no caso anterior, deve ser acompanhado de uma conversa sobre a importância de assumir o comportamento como um hábito. Esta é a única forma de o reforçar e consolidar esse hábito.

3. Mantenha roupas e toalhas limpas

Como alertam os especialistas, muitos patógenos podem aderir a diferentes peças de roupa e toalhas. Em particular, o poliéster, o acrílico e a lã são os locais onde estes tendem a proliferar. A lavagem regular de roupas e toalhas é muito importante, pois garante que os patógenos que podem causar infecções de pele em crianças sejam mantidos sob controle.

4. Evite espaços com água compartilhados

É importante evitar piscinas, lagos, lagoas, fontes termais, rios, banheiras de hidromassagem e banhos públicos. Sabe-se que nesses locais podem ser transmitidos acidentalmente agentes infecciosos, incluindo bactérias, vírus, protozoários e fungos. Por exemplo, através da liberação de matéria fecal, fluidos corporais ou escamas de pele.

A interação com corpos de água compartilhados e não compartilhados deve ser evitada a todo custo quando houver uma ferida aberta na pele. Também em locais que não cumpram com os respectivos regulamentos sanitários. Se ocorrer um corte nesses locais, a ferida deve ser desinfetada e limpa imediatamente.

5. Evite tocar em objetos de outras pessoas

É importante que as crianças evitem tocar em objetos como brinquedos de outras pessoas. Os pesquisadores os classificam entre os fômites com maior carga de patógenos com potencial para causar infecções. Por tudo isto, deve evitar tocar nos brinquedos das outras crianças, bem como desinfetar os seus regularmente. Como já alertamos, recomenda-se lavar as mãos antes e depois de cada interação lúdica.

6. Mantenha as feridas cobertas

Para evitar infecções de pele em crianças, as feridas devem ser cobertas
Cobrir qualquer lesão na pele da criança com um band-aid ou gaze limpa é importante para evitar complicações.

Uma ferida aberta pode infeccionar rapidamente, portanto, mantê-la coberta é um hábito que ajuda a prevenir infecções de pele em crianças. Se deve educar sobre a importância de fazê-lo, bem como não remover precocemente as crostas que se formam ao redor de uma ferida. Estas últimas são removidas por conta própria e a aceleração desse processo aumenta o risco de infecção.

7. Implemente uma dieta saudável

Finalmente, e de acordo com os especialistas, uma dieta pobre pode levar a um aumento do risco de infecções de qualquer tipo. O sistema imunológico é fortalecido por meio de uma alimentação balanceada, por isso hábitos alimentares saudáveis devem ser implementados para prevenir infecções de pele em crianças. A inclusão equilibrada de frutas, verduras, leguminosas e outros alimentos é fundamental no processo.

Os hábitos descritos são muito fáceis de implementar e todos eles também relatam benefícios gerais para a saúde das crianças. Como já reiteramos, a lavagem regular das mãos é a mais importante de todas. Esta é uma estratégia subestimada para evitar que patógenos proliferem e levem à infecção.

Pode interessar a você...
Corticosteróides: o que são e para que servem?
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Corticosteróides: o que são e para que servem?

Os corticosteróides são hormônios que podem auxiliar no tratamento de diversas patologias quando encontrados em altas concentrações.



  • Bonadonna L, La Rosa G. A Review and Update on Waterborne Viral Diseases Associated with Swimming Pools. Int J Environ Res Public Health. 2019 Jan 9;16(2):166.
  • Dewey KG, Mayers DR. Early child growth: how do nutrition and infection interact? Matern Child Nutr. 2011 Oct;7 Suppl 3(Suppl 3):129-42.
  • Ibfelt T, Engelund EH, Schultz AC, Andersen LP. Effect of cleaning and disinfection of toys on infectious diseases and micro-organisms in daycare nurseries. J Hosp Infect. 2015 Feb;89(2):109-15.
  • Kwok YL, Gralton J, McLaws ML. Face touching: a frequent habit that has implications for hand hygiene. Am J Infect Control. 2015 Feb;43(2):112-4.
  • Sladden MJ, Johnston GA. Common skin infections in children. 2004 Jul 10;329(7457):95-9.
  • Takashima M, Shirai F, Sageshima M, Ikeda N, Okamoto Y, Dohi Y. Distinctive bacteria-binding property of cloth materials. Am J Infect Control. 2004 Feb;32(1):27-30.
  • Younie S, Mitchell C, Bisson MJ, Crosby S, Kukona A, Laird K. Improving young children’s handwashing behaviour and understanding of germs: The impact of A Germ’s Journey educational resources in schools and public spaces. PLoS One. 2020 Nov 23;15(11):e0242134.

Los contenidos de esta publicación se redactan solo con fines informativos. En ningún momento pueden servir para facilitar o sustituir diagnósticos, tratamientos o recomentaciones provenientes de un profesional. Consulta con tu especialista de confianza ante cualquier duda y busca su aprobación antes de iniciar o someterse a cualquier procedimiento.