Causas e fatores de risco do câncer de mama

Embora as causas do câncer de mama ainda sejam mal compreendidas, sabe-se que envelhecimento, histórico familiar e alterações hormonais estão relacionados em muitas pacientes. Descubra o que se sabe sobre a doença e seus fatores de risco.

De acordo com estimativas da American Cancer Society, há uma chance de 1 em cada 8 mulheres desenvolverem câncer de mama em algum momento de sua vida. Ou seja, 13% da população. A doença não foi totalmente compreendida, embora existam várias hipóteses para as causas do câncer de mama.

Juntamente a essas causas encontram-se os fatores de risco, que podemos dividir em evitáveis e não evitáveis. Fatores genéticos, ambientais, hormonais e naturais têm sido apontados como culpados, embora a prática indique que os mecanismos nem sempre seguem essas regras.

Principais causas do câncer de mama

O câncer de mama ocorre quando as células da mama começam a se desenvolver, crescer e se dividir de maneira anormal. Por que isso acontece ainda é um mistério, como acontece com outros tipos de câncer.

Isso se deve ao fato de muitas pacientes desenvolverem a doença sem que hajam fatores de risco ou causas aparentes delimitadas. E em contraste, algumas mulheres com mais desvantagem em termos de possíveis catalisadores nunca chegam a desenvolvê-la. As pesquisas apontam para uma explicação multifatorial em que convergem os seguintes elementos:

Predisposição genética

A possível relação entre genes e câncer de mama foi estudada em detalhe. De acordo com algumas estimativas, entre 5 e 10% dos casos se desenvolvem devido a essa predisposição.

Os genes listados são chamados de gene 1 do câncer de mama (ou BRCA1 ) e gene 2 do câncer de mama (ou BRCA2 ). Outros genes também foram identificados, embora os acima mencionados sejam os mais importantes.

Por causa disso, as chances de desenvolver câncer de mama (ou outros tipos de câncer) aumentam se houver histórico familiar da doença. É comum que especialistas façam testes genéticos para identificar a presença desses genes em pacientes com pais ou avós com câncer. Essa predisposição também foi associada ao câncer de ovário.

Desequilíbrios hormonais

As causas do câncer de mama incluem desequilíbrios hormonais
Os problemas hormonais podem envolver a alteração de vários órgãos dos sistemas endócrino e ginecológico.

Outra causa do câncer de mama, como indicam as evidências, são os desequilíbrios hormonais. Isso explicaria, de acordo com alguns estudos, por que alguns dos diagnósticos ocorrem durante os anos reprodutivos mais agudos das mulheres. Os desequilíbrios podem ser endógenos (internos) ou externos.

Dentre os desequilíbrios hormonais externos destacamos as terapias adotadas após a menopausa e a ingestão de anticoncepcionais orais. Em relação a este último, pesquisas atuais mostram que a ingestão prolongada aumenta as chances de desenvolver câncer de mama, em contraste com mulheres que nunca os usaram ou apenas por curtos períodos.

Desenvolvimento de doenças da mama

Algumas doenças da mama não estão relacionadas, pelo menos não diretamente, ao câncer de mama. Por exemplo, mulheres que tiveram ou sofreram de hiperplasia atípica ou carcinoma lobular in situ têm maior probabilidade de desenvolver a doença no futuro.

Aqueles que sofreram de câncer de mama, ovário ou outros tipos de câncer também são mais propensas a ter a doença, portanto, recomenda-se a supervisão de um especialista para detectar possíveis recorrências.

Idade

Foi demonstrada uma relação funcional entre câncer e envelhecimento e, claro, a variante da mama não escapa dela. Sabemos que as chances de desenvolver câncer de mama aumentam a partir dos 40 anos.

No entanto, após a menopausa, a incidência diminui comparativamente. O motivo ainda não está claro, embora o desenvolvimento da doença a partir de então seja mais lento e menos agressivo.

Embora varie de país para país, a idade média para o diagnóstico do câncer de mama é entre 50 e 60 anos. Acredita-se que a razão esteja nas mudanças hormonais, no acúmulo de fatores de risco e nas alterações no sistema imunológico.

Essas são as principais causas do câncer. Alguns dos diagnósticos podem ser explicados com a sua ajuda, mas nem sempre. Uma mulher, e em menor medida um homem, podem contrair a doença sem que uma razão sólida seja identificada. Às vezes, no entanto, o motivo pode ser encontrado em fatores de risco.

Fatores de risco para câncer de mama

Os fatores de risco para câncer de mama têm sido estudados em detalhe por mastologistas. Em geral eles são divididos em fatores que não podem ser evitados (ou intrínsecos / inerentes) e fatores que podem ser evitados (ou extrínsecos). A seguir, entenderemos essas divisões na apresentação dos mais frequentes:

Fatores de risco inerentes / intrínsecos

São aqueles que apresentam algum tipo de predisposição ou condicionamento natural irreversível. Ter um ou mais destes não significa que o câncer irá se desenvolver, apenas que as chances são um pouco maiores. Alguns dos mais importantes são os seguintes:

  • Ser mulher: embora se presuma que se trata de uma doença exclusivamente feminina, na realidade estima-se que 1% dos casos de câncer de mama diagnosticados anualmente correspondem a homens. Em contraste, as mulheres têm muito mais probabilidade de desenvolver a doença em termos percentuais.
  • Menarca precoce: há muito se sabe que o início precoce dos ciclos ovulatórios, em princípio antes dos 12 anos, está relacionado ao câncer de mama.
  • Menopausa tardia: da mesma forma, as imagens da menopausa tardia; ou seja, a partir dos 55 anos, também aumentam as chances de desenvolver a doença.
  • Densidade mamária: as evidências sugerem que o tamanho das mamas está relacionado ao surgimento do câncer em algum momento da vida.
  • Exposição ao DES: O dietilestilbestrol é uma droga que tem sido usada para prevenir abortos espontâneos em vários países. Hoje sabe-se que a exposição pré-natal a ela é um fator de risco para o desenvolvimento desse tipo de câncer.

Fatores de risco extrínsecos

As causas do câncer de mama incluem alguns hábitos de vida.
É possível evitar, eliminar ou reduzir esses fatores de risco progressivamente.

Nesse grupo encontramos hábitos, exposições ou estilos de vida que podem condicionar as pessoas a sofrerem desse tipo de câncer. Entre os mais comuns destacamos os seguintes:

  • Consumo descontrolado de álcool.
  • Ingestão de tabaco.
  • Dieta desequilibrada.
  • Ausência de atividade física.
  • Ingestão de alguns medicamentos (especialmente aqueles que causam alguma alteração hormonal).
  • Gravidez após 30 anos ou ausência dela. A incidência de fatores reprodutivos com câncer de mama é documentada.
  • Obesidade.
  • Alterações psicológicos, como estresse.
  • Abuso da exposição à radiação, seja no trabalho ou por meio de exames médicos.

Como você pode ver, esses são elementos que podem ser modificados. Embora isso não previna completamente o câncer, a OMS sugere que as chances podem ser reduzidas em até 30%.

Por outro lado, foram identificados alguns padrões positivos que neutralizam as possíveis causas do câncer de mama. Uma das mais importantes é a amamentação prolongada (benéfica para a mãe e o bebê). Além disso, uma mudança geral no estilo de vida no sentido de hábitos mais saudáveis é positiva para este e outros tipos de câncer.

  • Apter, D. A. N., & VIHKO, R. Early menarche, a risk factor for breast cancer, indicates early onset of ovulatory cycles. The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism. 1983; 57(1): 82-86.
  • Balducci, L., & Extermann, M. Cancer and aging: an evolving panorama. Hematology/oncology clinics of North America. 2000; 14(1): 1-16.
  • Benz, C. C. Impact of aging on the biology of breast cancer. Critical reviews in oncology/hematology. 2008; 66(1): 65-74.
  • ESHRE Capri Workshop Group. Hormones and breast cancer. Human Reproduction Update. 2004; 10(4): 281-293.
  • Hulka, B. S., & Moorman, P. G. Reprint of Breast cancer: hormones and other risk factors. Maturitas. 2008; 61(1-2): 203-213.
  • Kamińska, M., Ciszewski, T., Łopacka-Szatan, K., Miotła, P., & Starosławska, E. Breast cancer risk factors. Przeglad menopauzalny= Menopause review. 2015; 14(3): 196.
  • Kelsey, J. L., Gammon, M. D., & John, E. M. Reproductive factors and breast cancer. Epidemiologic reviews. 1993; 15(1):  36-47.
  • MacMahon, B. Epidemiology and the causes of breast cancer. International journal of cancer. 2006; 118(10): 2373-2378.
  • Martínez-Tlahuel, J. L., Arce, C., & Lara, F. Cáncer de mama en el hombre. Cancerología. 2006; 1(1), 201-10.
  • Mørch, L. S., Skovlund, C. W., Hannaford, P. C., Iversen, L., Fielding, S., & Lidegaard, Ø. Contemporary hormonal contraception and the risk of breast cancer. New England Journal of Medicine. 2017; 377(23): 2228-2239.
  • Nathanson, K. N., Wooster, R., & Weber, B. L. Breast cancer genetics: what we know and what we need. Nature medicine. 2001; 7(5): 552-556.
  • Palmer, J. R., Wise, L. A., Hatch, E. E., Troisi, R., Titus-Ernstoff, L., Strohsnitter, W., … & Hoover, R. N. Prenatal diethylstilbestrol exposure and risk of breast cancer. Cancer Epidemiology and Prevention Biomarkers. 2006; 15(8): 1509-1514.
  • Stephens, P. J., Tarpey, P. S., Davies, H., Van Loo, P., Greenman, C., Wedge, D. C., … & Stratton, M. R. The landscape of cancer genes and mutational processes in breast cancer. Nature. 2012; 486(7403): 400-404.
  • Wang, A. T., Vachon, C. M., Brandt, K. R., & Ghosh, K. Breast density and breast cancer risk: a practical review. In Mayo Clinic Proceedings. 2014; Vol. 89, No. 4: 548-557.