Causas e fatores de risco da asma

Apesar dos avanços científicos em torno da doença, a medicina não estabeleceu as causas da asma. Porém, acredita-se que fatores genéticos e ambientais estejam envolvidos em seu desenvolvimento. Descubra-os junto com os possíveis grupos de risco.

Segundo estimativas da Organização Mundial de Saúde, atualmente existem cerca de 235 milhões de pessoas com asma. Embora a literatura médica tenha derramado rios de tinta em torno disso, não há consenso sobre as verdadeiras causas da asma.

Ainda assim, as teorias sugerem ser uma convergência de fatores; o mais importante de ordem genética e ambiental.

A asma é uma condição muito comum na infância, mas com prevalência significativa em adultos. Saber o que incentiva seu desenvolvimento e seus possíveis fatores de risco é útil para definir um plano que ajude a controlá-la. Afinal, a OMS considera isso um problema de saúde pública.

Principais causas da asma

Embora as causas da asma ainda não tenham sido definidas, se avançou muito em sua compreensão. Por exemplo, sabemos  que é mais frequente em países ocidentalizados; talvez pelas repercussões ambientais relacionadas à vida urbana.

As pesquisas tem tentado revelar sua etiologia, embora a prática indique que um único fator pode não ser suficiente para desencadeá-la. As causas da asma permanecem um mistério, embora a doença possa ser condicionada, em princípio, pelo seguinte:

Predisposição genética

Causas e fatores de risco da asma
Os genes e hereditariedade fazem parte fundamental da patogenia da asma.

A relação que existe entre a genética e asma está documentada. Embora a presença da doença na família não garanta o seu desenvolvimento, são consideravelmente maiores as chances de sofrer dela em comparação com pessoas sem histórico.

A Associação Americana de Pulmão estima que a predisposição genética aumenta entre 3 e 6 vezes as chances de contrair a doença. Essas porcentagens aumentam se os dois progenitores (pais) biológicos têm a doença, como foi demonstrado pelo menos por pesquisas etiológicas dos genes.

Existe um certo consenso de que um agente externo é necessário para ativar essa predisposição genética, de forma que as causas da asma são consideradas multifatoriais. Ainda assim, aqueles com histórico familiar devem estar cientes de sua inclinação natural para contrair.

Fatores Ambientais

Segundo alguns indícios, os fatores ambientais são os principais desencadeadores da asma. Boa parte dos diagnósticos pode ser explicada com ele, acompanhada de suposições de outros agentes desencadeadores. Existem muitos deles são relacionados à doença, dentre os principais destacamos:

  • Alérgenos: Pessoas sensíveis a alergias, ou com predisposição genética a elas, são mais propensas a desenvolver asma em algum momento da vida. Hoje é considerada uma das causas mais frequentes de asma e envolve uma variedade de manifestações (desde o eczema à rinite alérgica).
  • Irritantes: a exposição a agentes irritantes pode desencadear um quadro de asma, existindo ou não sensibilidade alérgica. Por exemplo, a poeira, vapores e alguns produtos químicos podem causar irritação respiratória.
  • Fumaça: em todas as suas variantes, desde a produzida pelo fumo, lenha, indústrias e veículos. Foi encontrada uma relação entre asma e poluição ambiental, sendo uma importante causa de seu desenvolvimento posterior (especialmente com exposições prolongadas durante os primeiros meses de vida).
  • Clima: estudos e outras publicações relatam a relação entre o clima e a asma. Isso explicaria, pelo menos parcialmente, o aumento das crises em pacientes quando há queda da temperatura. Também sua aparente prevalência em regiões menos quentes.

Outros agentes ambientais, como o mofo, o pólen, os pelos de animais, a urina e dejetos de alguns insetos, podem causar asma.

Infecções respiratórias

Foi descoberta uma relação entre as infecções respiratórias agudas e o desenvolvimento de quadros de asma. Estudos indicam que as probabilidades de contrair a doença aumentam quando você tem infecções respiratórias leves durante os primeiros meses de vida.

O papel das infecções respiratórias na morbidade de pacientes que já padecem dessa doença tem sido estudado. Em princípio, aquelas desenvolvidas pelas causas de rinovírus são mais sujeitos a exacerbações da asma, um catalisador a ser considerado em grupos de risco.

Essas são as causas mais frequentes de asma, embora a participação de outros fatores também pode influenciar, esses fatores são:

  • Alto consumo de medicamentos: principalmente anti-inflamatórios não esteroides e bloqueadores beta.
  • Alguns grupos de alimentares: que variam de acordo com cada pessoa, embora sejam geralmente relacionados com alergias. Essa causa é mais frequente em crianças e jovens.
  • Transtornos psicológicos: a princípio, são relacionados a alterações emocionais, como ansiedade, estresse ou depressão.

Fatores de risco da asma

Causas e fatores de risco da asma
Quanto maior o uso do tabaco, maiores são as chances de desenvolver crises asmáticas.

Foram identificados alguns fatores de risco da asma que, em conjunto com seus desencadeadores originais (predisposição genética ou alterações ambientais), podem criar o coquetel perfeito para o desenvolvimento da doença. Entre os principais destacamos:

  • Tabagismo: Vários estudos e outras publicações sugerem que fumar aumenta as chances de desenvolver asma. O deterioro da função pulmonar é prejudicial independentemente da idade, sem falar que é o gatilho para outras doenças mais graves, como o câncer de pulmão.
  • Viver ou trabalhar em áreas poluídas: A poluição ambiental não parou de crescer nas últimas décadas. Viver permanentemente em áreas com algum tipo de contaminação é prejudicial para as vias respiratórias.
  • Obesidade: a obesidade está relacionada ao desenvolvimento de muitas doenças, como diabetes tipo 2, problemas cardíacos e hipertensão. Também conhecemos sua relação com a asma, especialmente em suas variantes mais graves.
  • Conviver com micróbios ou manter uma má higiene: principalmente porque aumenta as chances de contrair uma infecção viral ou bacteriana. Por exemplo, a interação com ácaros pode facilmente desencadear quadros de asma na companhia de outros catalisadores.
  • Estresse: conforme mencionado nas possíveis causas, as alterações do humor não são positivas para o controle ou desenvolvimento da doença. Uma pessoa que vive exposta de forma recorrente ao estresse tem maior probabilidade de sofrer de asma.

Destacamos outros fatores de risco como a dieta alimentar, a prática de exercícios moderados ou intensos e ter uma relação próxima com animais de estimação.

A asma pode ser prevenida?

Lembre-se de que a asma tem mais chances de se desenvolver a partir de fatores multicausais do que de apenas um fator desencadeante. Diante disso, a evidência indica que as pessoas podem implementar uma série de hábitos para evitar o seu aparecimento ou, em todo caso, reduzir a gravidade dos sintomas caso apareçam.

Embora seja verdade que a asma não pode ser prevenida, algumas pequenas coisas são muito úteis para quem tem histórico familiar. Por exemplo, controlar o estresse, manter os quartos livres de poeira, se agasalhar quando a temperatura cai, perder peso ou parar de fumar os beneficiará a curto e longo prazo.

  • Akerman, M. J., Calacanis, C. M., & Madsen, M. K. Relationship between asthma severity and obesity. Journal of Asthma. 2004; 41(5): 521-526.
  • Antó, J. M.The causes of asthma: the need to look at the data with different eyes. Allergy. 2004; 59(2); 121-123.
  • Barnes, K. C. Genetic studies of the etiology of asthma. Proceedings of the American Thoracic Society. 2001; 8(2): 143-148.
  • Beasley, R., Crane, J., Lai, C. K., & Pearce, N. Prevalence and etiology of asthma. Journal of allergy and clinical immunology. 2000; 105(2): S466-S472.
  • Beasley, R., Semprini, A., & Mitchell, E. A. Risk factors for asthma: is prevention possible?. The Lancet. 2015; 386(9998): 1075-1085.
  • Boulet, L. P. Asthma and obesity. Clinical & Experimental Allergy. 2013; 43(1): 8-21.
  • Busse, W. W., Lemanske Jr, R. F., & Gern, J. E. Role of viral respiratory infections in asthma and asthma exacerbations. The Lancet, 376(9743). 2010; 826-834.
  • Brito, F. F., & Gimeno, P. M. Asma y contaminación. ESPACIO ASMA. 2011; 4(1): 8.
  • Hashimoto, M., Fukuda, T., Shimizu, T., Watanabe, S., Watanuki, S., Eto, Y., & Urashima, M. Influence of climate factors on emergency visits for childhood asthma attack. Pediatrics international. 2004; 46(1): 48-52.
  • McLeish, A. C., & Zvolensky, M. J. Asthma and cigarette smoking: a review of the empirical literature. Journal of Asthma. 2010; 47(4): 345-361.
  • McKeever, T. M., & Britton, J. Diet and asthma. American journal of respiratory and critical care medicine. 2004; 170(7): 725-729.
  • OYARZÚN, M. Factores ambientales relacionados con la gravedad del asma. Revista chilena de enfermedades respiratorias. 2004: 20(1): 25-29.
  • Puig, C., Fríguls, B., Gómez, M., García-Algar, Ó., Sunyer, J., & Vall, O. Relación entre las infecciones respiratorias de vías bajas durante el primer año de vida y el desarrollo de asma y sibilancias en niños. Archivos de Bronconeumología. 2010; 46(10): 514-521.
  • Plaza, V., Quirce, S., Delgado, J., Martínez Moragón, E., & Pérez de Llano, L. Debate multidisciplinar de expertos. Asma no controlada: causas, consecuencias y posibles soluciones. In Anales del Sistema Sanitario de Navarra. 20016; Vol. 39, No. 3, pp. 357-370. Gobierno de Navarra. Departamento de Salud.
  • Rojas-Martinez, A., Santillan, A. A., Delgado-Enciso, I., & Barrera-Saldana, H. A. Genetic aspects of asthma. Revista de investigacion clinica; organo del Hospital de Enfermedades de la Nutricion. 2000; 52(4): 441-450.
  • Soler Fonseca, V., Pérez Díaz, X., Rigñack Ramirez, L., & Hevia González, L. E. Relación entre las infecciones respiratorias agudas altas y el asma bronquial. Revista Cubana de Medicina General Integral. 2013; 29(3): 297-305.
  • Toskala, E., & Kennedy, D. W. Asthma risk factors. In International forum of allergy & rhinology. 2015; Vol. 5, No. S1, pp. S11-S16.
  • Thomson, N. C., Chaudhuri, R., & Livingston, E. Asthma and cigarette smoking. European respiratory journal. 2004; 24(5): 822-833.
  • Subbarao, P., Mandhane, P. J., & Sears, M. R. Asthma: epidemiology, etiology and risk factors. Cmaj. 2009; 181(9): E181-E190.
  • Verlato, G., Calabrese, R., & Marco, R. D. Correlation between asthma and climate in the European Community Respiratory Health Survey. Archives of Environmental Health: An International Journal. 2002; 57(1): 48-52.
  • Weiland, S. K., Hüsing, A., Strachan, D. P., Rzehak, P., & Pearce, N. Climate and the prevalence of symptoms of asthma, allergic rhinitis, and atopic eczema in children. Occupational and environmental medicine. 2004; 61(7): 609-615.