Câncer de endométrio: sintomas, causas e tratamento

O carcinoma endometrial é um dos tipos mais comuns de câncer em mulheres. Saiba tudo o que você deve saber sobre ele.
Câncer de endométrio: sintomas, causas e tratamento

Escrito por Josberth Johan Benitez Colmenares, 11 Setembro, 2021

Última atualização: 11 Setembro, 2021

De acordo com a World Cancer Research Foundation, o câncer endometrial é o sexto tipo de câncer mais comum em mulheres. Sua prevalência não parou de aumentar nos últimos anos. Atualmente, segundo os pesquisadores, é de 9,57 casos por 100 mil mulheres.

Também é conhecido como câncer do corpo do útero, para diferenciá-lo do câncer cervical. Ocorre quando as células do endométrio (revestimento interno do útero) começam a crescer descontroladamente. Hoje vamos mostrar tudo o que você deve saber sobre ele.

Sintomas de câncer endometrial

O câncer de endométrio é o tipo mais comum de câncer do corpo uterino em mulheres.
Dor abdominal inferior ou pélvica, anormalidades do ciclo menstrual ou sangramento uterino são sintomas comuns de câncer de endométrio.

Os sintomas do câncer endometrial geralmente não ocorrem nos estágios iniciais da divisão celular. Pode levar algumas semanas ou meses antes que você perceba um sinal visível, embora, ao contrário de outros tipos de câncer, eles sempre se desenvolvam. Com base no The Royal Women’s Hospital, convidamos você a estar ciente do seguinte:

  • Dor persistente ao urinar.
  • Dor ou desconforto na área do abdômen.
  • Corrimento vaginal incomum com sangue ou marrom (geralmente fedorento).
  • Períodos menstruais excepcionalmente intensos.
  • Sangramento entre os períodos.
  • Sangramento após a menopausa.

Este último é o sintoma mais característico, uma vez que a maioria dos casos ocorre após a menopausa das mulheres. Como nos lembra a Fundação para o Câncer da Mulher , todas as mulheres neste estágio devem estar cientes desse sinal.

As mulheres mais jovens também devem prestar atenção a eles, especialmente a respeito de mudanças repentinas em seu ciclo menstrual. Claro, esses nem sempre são indicadores de câncer de endométrio, mas em nenhuma circunstância você pode ignorá-los.

Principais causas de câncer endometrial

Como acontece com todos os tipos de câncer, os pesquisadores não têm certeza de quais mecanismos estão por trás do carcinoma endometrial. Claro, vários fatores de risco foram estabelecidos até agora. De acordo com a American Cancer Society, os mais importantes são os seguintes:

  • Obesidade: estudos e pesquisas continuam associando a obesidade a um risco aumentado de desenvolver câncer de endométrio. Por sua vez, pacientes obesos apresentam maiores complicações e pior prognóstico durante o tratamento.
  • Alterações hormonais: especialmente aquelas que ocorrem há muito tempo. Gravidez, uso de pílulas anticoncepcionais e terapia de estrogênio após a menopausa são os melhores exemplos. Também condições que alteram os níveis hormonais, como a síndrome dos ovários policísticos.
  • Histórico familiar: se você tem parentes diretos que desenvolveram essa doença ou câncer colorretal, é mais provável que você também possa desenvolver essa doença. Aplica-se principalmente a pais e irmãos.
  • Histórico de câncer anterior: especialmente de mama e ovário. Mesmo que você tenha superado com sucesso um desses tipos de câncer, é mais provável que desenvolva carcinoma endometrial do que uma mulher sem histórico.
  • Idade: embora já tenhamos apontado que as mulheres jovens também podem apresentá-lo, os pesquisadores concordam que é muito mais frequente entre os 50 e os 65 anos.
  • Dieta e exercícios: as evidências indicam que a atividade física, mesmo de baixa intensidade, está associada a um menor risco de desenvolver esse tipo de câncer (até 35%). Uma dieta rica em gordura e alimentos processados tem o efeito oposto.

Além disso, o uso do dispositivo intra-uterino, sofrer de doenças crônicas (como diabetes tipo 2 ) e ter histórico de hiperplasia endometrial também estão associados como fatores de risco. Se você faz parte de qualquer um desses grupos, isso não significa que você desenvolverá câncer, mas significa que você tem uma chance maior do que aqueles que não o fazem.

Alguns desses fatores você não tem como alterar, outros dependem do seu estilo de vida. Se você modificar sua dieta, praticar exercícios e perder peso, a balança estará a seu favor. Lembre-se disso, especialmente se você tiver histórico familiar de câncer ou sofrer de uma doença crônica.

Tratamento de câncer endometrial

Muitos casos de câncer endometrial são encontrados durante as primeiras semanas. Graças a isso, os especialistas podem agir mais rapidamente, atacando as células cancerosas para evitar que se multipliquem. O tratamento depende de muitos fatores. Johns Hopkins Medicine observa o seguinte:

  • Histórico médico e estado geral de saúde.
  • Suas preferências ou possibilidades.
  • O tamanho do câncer e sua extensão (estágio do câncer).
  • Taxa de crescimento (grau de câncer).
  • Tecido de origem (tipo de câncer).

Nesse sentido, podem ser identificados 6 tipos de câncer endometrial (entre os mais comuns, pelo menos), 3 graus e 4 estágios ou estágios de evolução. Tudo isso será descoberto durante o processo de diagnóstico e servirá de base para a escolha da melhor terapia indicada para o seu caso. Citamos a seguir as quatro opções mais utilizadas.

1. Cirurgia

A cirurgia é o principal tratamento para o carcinoma endometrial. Consiste em uma histerectomia (remoção do útero), salpingectomia (remoção das trompas de Falópio) e uma ooforectomia (remoção dos ovários). Os gânglios linfáticos também são freqüentemente removidos para verificar a expansão do câncer.

Dependendo do contexto, o especialista também pode realizar uma lavagem da cavidade pélvica, retirar o omento e realizar biópsias peritoneais. Se células malignas forem encontradas em outro lugar, será feita uma cirurgia para removê-las.

2. Radioterapia

Pode ser feito antes da cirurgia (para diminuir o câncer), depois (para remover vestígios de células) ou como terapia principal (se o carcinoma for muito pequeno, geralmente). A radioterapia consiste em sessões de 4 a 6 semanas nas quais é utilizada radiação de alta energia. Isso é fornecido por meio dos seguintes métodos:

  • Braquiterapia: materiais radioativos são colocados ao redor das células cancerosas.
  • Radioterapia de feixe externo: Uma máquina externa é usada para direcionar os raios para a área afetada.

O processo geralmente é indolor, embora acarrete vários efeitos colaterais. Os primeiros são cansaço e dores de estômago. Em seguida, aparecem vômitos, náuseas e diarréia. Irritação na bexiga, paredes intestinais, sangramento retal e bolhas na pele são relativamente comuns.

3. Quimioterapia

O carcinoma endometrial é um dos tipos mais comuns de câncer em mulheres. Saiba tudo o que você deve saber sobre ele.
Hoje, a quimioterapia é um dos tratamentos fundamentais para muitos tipos de câncer. Em várias ocasiões, é combinada com outras terapias para obter melhores resultados.

A quimioterapia é a administração de drogas para controlar ou matar o câncer. É usada antes ou depois da cirurgia, mas também como terapia principal. Nestes últimos casos, é preferível quando o câncer se espalhou para outras partes do corpo e uma ação mais geral é necessária (estágios III e IV).

A administração é feita pela veia ou por via oral com a ingestão de comprimidos. Isso é feito na forma de ciclos e com base em vários medicamentos. Os efeitos colaterais mais importantes são queda de cabelo, perda de apetite, úlceras na boca, úlceras vaginais, náuseas e vômitos.

4. Terapia hormonal

Seu uso é preferido para tratar os dois últimos estágios do câncer ou para episódios recorrentes (ou seja, câncer que voltou após o tratamento). A aplicação de alguns hormônios retarda o crescimento e a progressão do câncer. Os mais comumente usados são progestagênios, tamoxifeno, inibidores da aromatase e agonistas do hormônio liberador do hormônio luteinizante.

Entre seus efeitos colaterais destacamos uma sensação repentina de calor, ganho de peso, suores noturnos, secura vaginal e dores musculares. É uma terapia relativamente nova, com campos de pesquisa abertos sobre alternativas de uso para torná-la mais eficaz.

Outras opções de tratamento são imunoterapia e terapia direcionada. O especialista conversará com você sobre eles, caso seja detectado câncer de endométrio durante o diagnóstico. Você deve consultar um médico se descobrir o padrão de sintomas listados no início.

Pode interessar a você...
Causas e fatores de risco da síndrome dos ovários policísticos
Muy SaludLeia em Muy Salud
Causas e fatores de risco da síndrome dos ovários policísticos

Para as mulheres, um dos problemas de saúde mais comuns é a síndrome dos ovários policísticos. Descubra mais sobre ela a seguir.



  • Fader AN, Arriba LN, Frasure HE, von Gruenigen VE. Endometrial cancer and obesity: epidemiology, biomarkers, prevention and survivorship. Gynecol Oncol. 2009 Jul;114(1):121-7.
  • Matthews CE, Xu WH, Zheng W, Gao YT, Ruan ZX, Cheng JR, Xiang YB, Shu XO. Physical activity and risk of endometrial cancer: a report from the Shanghai endometrial cancer study. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev. 2005 Apr;14(4):779-85.
  • Morice, P., Leary, A., Creutzberg, C., Abu-Rustum, N., & Darai, E. Endometrial cancer. The Lancet. 2016; 387: 1094-1108.
  • Schmandt RE, Iglesias DA, Co NN, Lu KH. Understanding obesity and endometrial cancer risk: opportunities for prevention. Am J Obstet Gynecol. 2011 Dec;205(6):518-25.
  • Zhang S, Gong TT, Liu FH, Jiang YT, Sun H, Ma XX, Zhao YH, Wu QJ. Global, Regional, and National Burden of Endometrial Cancer, 1990-2017: Results From the Global Burden of Disease Study, 2017. Front Oncol. 2019 Dec 19;9:1440. d