Glóbulos vermelhos ou eritrócitos: características, tipos e funções

Os glóbulos vermelhos são corpos celulares essenciais para o funcionamento do corpo. Sem eles, os tecidos morreriam por falta de oxigenação.
Glóbulos vermelhos ou eritrócitos: características, tipos e funções
Samuel Antonio Sánchez Amador

Escrito e verificado por el biólogo Samuel Antonio Sánchez Amador.

Última atualização: 06 maio, 2023

Os seres humanos são formados por cerca de 30 trilhões de células. É interessante saber que até 84% de todos eles são eritrócitos ou glóbulos vermelhos, os corpos celulares modificados responsáveis pelo transporte de oxigênio no sangue, graças à hemoglobina.

Um ser humano contém aproximadamente 5.000.000 de glóbulos vermelhos por microlitro de sangue, ou seja, 1.000 vezes mais que a proporção de células imunes circulantes. Todos esses dados são essenciais para colocar em perspectiva a importância das hemácias no sistema circulatório e na manutenção fisiológica dos seres vivos.

Sangue: o fluido da vida

Antes de tudo, para entender a funcionalidade e a importância dos eritrócitos, devemos fazer um breve passeio pelo mundo do sistema circulatório e do próprio sangue. Este líquido é definido como um tecido conjuntivo fluido que circula pelos capilares, veias e artérias de todos os vertebrados. A cor vermelha é devida aos eritrócitos que nos interessam aqui.

O sangue é composto de duas grandes substâncias: os elementos figurados e o plasma sanguíneo. Os primeiros correspondem a todos esses componentes celulares e seus derivados, enquanto o plasma é um meio isotônico no qual flutuam esses elementos formados.

Os glóbulos vermelhos ou glóbulos vermelhos são, sem dúvida, os elementos celulares dominantes no sangue, mas nele também encontramos substâncias como proteínas plasmáticas —albumina representa 60%—, imunoglobulinas ou anticorpos e leucócitos, responsáveis pela resposta imune à entrada de patógenos.

Um tecido com infinitas funções

O sangue é um tecido fluido que atua como uma substância de comunicação vital entre os diferentes tecidos do organismo. Algumas de suas funções essenciais são as seguintes:

  1. Distribuição de nutrientes do intestino para os diferentes tecidos do corpo.
  2. Troca gasosa: é o transporte de oxigênio dos pulmões para os órgãos e tecidos e a coleta de dióxido de carbono dos tecidos para os pulmões.
  3. Transporte de resíduos: resultantes do metabolismo celular.
  4. Transporte de hormônios das glândulas endócrinas — como o pâncreas ou a tireoide — para os órgãos-alvo.
  5. Proteção contra microorganismos invasores através do transporte de leucócitos e glóbulos brancos.
  6. Uma função termorreguladora marcada.
  7. Função de proteção contra lesões e prevenção de hemorragias, devido ao transporte de plaquetas.
  8. Manutenção da homeostase tecidual: ou seja, que os fluidos corporais permaneçam em seus respectivos lugares.

Como você pode ver, o sangue excede o transporte de oxigênio para os tecidos. Sem ela, todo o organismo entraria em colapso, pois não seria possível o equilíbrio hidrostático que nos caracteriza. Estima-se que, se colocássemos todos e cada um dos capilares, veias e artérias do corpo enfileirados, o sistema circulatório de um único ser humano poderia dar duas voltas e meia ao redor do planeta.

Glóbulos vermelhos ou eritrócitos: características, tipos e funções
O sangue tem elementos formados e plasma. A combinação de ambos determina a existência desse tecido.

hemácia

Uma vez que descrevemos brevemente o meio aquoso em que flutuam, é hora de descrever o tipo de célula que nos interessa aqui. De acordo com o National Cancer Institute (NIH) um glóbulo vermelho, eritrócito ou glóbulo vermelho é um tipo de glóbulo que é produzido na medula óssea e é encontrado no sangue.

Esses tipos de células são caracterizados por terem grandes quantidades de hemoglobina —concretamente 450 miligramas da hemoproteína por mililitro—, que é responsável pelo transporte de oxigênio dos pulmões para todas e cada uma das células do corpo.

Morfologia dos glóbulos vermelhos

A forma dos glóbulos vermelhos é diferente dependendo de qual táxon de vertebrado observamos. No caso dos humanos, o eritrócito tem uma forma oval bicôncava de cerca de 6-8 micrômetros de diâmetro. É interessante saber que esses corpos celulares carecem de organelas, um núcleo e um esqueleto transcelular.

Por esse motivo, são considerados tipos celulares atípicos. Por exemplo, como não possuem mitocôndrias, devem utilizar a glicose como energia, seguindo-se um processo conhecido como fermentação láctica. Eles também não têm núcleo, então não têm DNA dentro.

A forma bicôncava dos eritrócitos aumenta a área de superfície disponível para troca, permitindo assim um maior fluxo de oxigênio e dióxido de carbono através de sua membrana, conforme indicado pelo Atlas de Biologia e Histologia Celular. Apesar da estabilidade dessa forma, os glóbulos vermelhos podem ser deformados para caber em minúsculos capilares.

hemoglobina

A hemoglobina é a chave do eritrócito, pois sem ela o transporte de oxigênio seria impossível. Essa hemoproteína dá ao sangue sua cor característica, já que o grupo heme — que contém o ferro — liga-se ao oxigênio, causando essa tonalidade avermelhada do ferro.

O processo de ligação do oxigênio à hemoglobina e sua forma é complexo. Basta sabermos que essa hemoproteína é formada por 4 cadeias polipeptídicas às quais se liga um grupo heme: um anel de porfirina que contém ferro em seu centro.

De acordo com a Universidade Autônoma do Estado de Hidalgo (EAU), os valores normais de hemoglobina no sangue são de 12 a 15 gramas/decilitro em mulheres e de 13 a 16 gramas/decilitro em homens. A anemia pode vir da falta de ferro que impede a síntese de hemoglobina, que causa disfunção nos glóbulos vermelhos.

Como surgem os glóbulos vermelhos?

Como dissemos, os eritrócitos são sintetizados na medula óssea ao longo da vida do ser humano por meio de um processo denominado hematopoiese. Quantidades extraordinárias de células sanguíneas são produzidas diariamente, pois sua vida na corrente sanguínea não é ilimitada.

Como indica o portal FFIS, esse processo é regulado por uma série de etapas que começam com a célula progenitora hematopoiética pluripotente. Células-tronco comprometidas – a primeira linha celular descendente do progenitor – dão origem a colônias de células que se diferenciarão em tipos sanguíneos circulantes.

A eritropoetina (EPO) é o hormônio responsável pela indução da proliferação e maturação dos precursores eritróides. É liberado em 90% nos tecidos renais e os 10% restantes nos hepatócitos, ou seja, as principais células do fígado.

Como eles morrem?

Os glóbulos vermelhos vivem em média 120 dias na corrente sanguínea, mas devido aos seguintes mecanismos acabam envelhecendo a nível celular:

  1. A redução da carga energética da célula.
  2. A diminuição do poder redutor do eritrócito.
  3. O estresse osmótico ao qual está submetido.

Qualquer um desses 3 sinais ou todos os 3 como um todo são os que promovem a eriptose, ou seja, a morte programada do glóbulo vermelho. Uma vez que o glóbulo vermelho esteja pronto para ser removido, ele é sinalizado por uma série de anticorpos específicos. Assim, os macrófagos hepáticos (células de Kupffer) são capazes de engolfá-lo e decompô-lo em elementos mais simples.

Vamos resumir esta jornada em uma série de pontos-chave, de acordo com estudos profissionais :

  1. A hemoglobina é reciclada. As globinas, ou seja, a parte proteica da hemoproteína, são decompostas em aminoácidos que podem ser usados novamente para a síntese de outras substâncias.
  2. Por outro lado, a porção heme é quebrada em ferro e bilirrubina. O ferro pode ser armazenado em diferentes tecidos e é transportado pela transferrina até a medula óssea; lá fará parte de novos glóbulos vermelhos.
  3. Já a bilirrubina acaba sendo excretada pela bile no intestino delgado. No final, a maior parte dessa substância é excretada nas fezes na forma de estercobilina que dá aquela cor marrom característica às fezes humanas.
Anemia e suplementos de ferro.
Quando há anemia ferropriva, um dos tratamentos consiste na contribuição de ferro artificial para favorecer a produção de hemoglobina.

contagem de glóbulos vermelhos

De acordo com a Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos, os valores normais relatados no teste de contagem de glóbulos vermelhos são os seguintes:

  • Masculino: 4,7 a 6,1 milhões de células por microlitro (células/mcL).
  • Mulher: 4,2 a 5,4 milhões de células/mcL.

Estes são os valores normais padronizados após a análise dos glóbulos vermelhos presentes na amostra de sangue do paciente, embora diferentes centros laboratoriais possam usar parâmetros diferentes. Um excesso de glóbulos vermelhos no sangue pode ser devido ao seguinte:

  1. Uso de tabaco.
  2. Cardiopatia congênita: problemas cardíacos desde o nascimento do paciente.
  3. desidratação.
  4. Tumores renais.
  5. Baixos níveis de oxigênio no sangue: hipóxia.
  6. Fibrose pulmonar: cicatrização ou espessamento do tecido pulmonar.

Por outro lado, baixos níveis de glóbulos vermelhos geralmente indicam anemia, sangramento excessivo -devido a úlceras ou menstruação-, problemas de medula óssea, deficiência de eritropoetina, leucemia, desnutrição, câncer de medula óssea e muitas outras patologias que comprometem a hematopoiese.

Os glóbulos vermelhos são resistentes

Como você deve ter visto, este é um tipo de célula fascinante. Os glóbulos vermelhos humanos carecem de núcleos e organelas, portanto, eles não são capazes de sintetizar proteínas e obter energia da maneira que qualquer outra célula faria. Portanto, eles devem ser substituídos de tempos em tempos.

Mesmo assim, os glóbulos vermelhos são resistentes. Eles são submetidos a estresse mecânico à medida que passam por vasos minúsculos, sofrem mudanças osmóticas contínuas e são expostos a radicais livres da troca contínua de oxigênio. Claro, conceber a vida como a experimentamos seria impossível sem eles.

Pode interessar a você...
Causas de sangue nas fezes
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Causas de sangue nas fezes

As causas do sangue nas fezes são muito variadas, sendo as hemorróidas e as fissuras anais algumas das mais frequentes.




Los contenidos de esta publicación se redactan solo con fines informativos. En ningún momento pueden servir para facilitar o sustituir diagnósticos, tratamientos o recomentaciones provenientes de un profesional. Consulta con tu especialista de confianza ante cualquier duda y busca su aprobación antes de iniciar o someterse a cualquier procedimiento.