Papanicolau: o que é e quando dever ser feito?

O câncer do colo do útero é uma doença muito comum que causa a morte de milhões de mulheres a cada ano. Felizmente, o exame de Papanicolau permite o diagnóstico precoce e melhora a expectativa de vida.

A genitália feminina é uma estrutura onde muitas doenças podem proliferar e colocar em risco a vida de uma mulher. Por isso, existem exames ginecológicos que devem ser realizados periodicamente, um desses exames é o Papanicolau, mas o que é e quando é necessário?

O colo do útero tem diferentes áreas, como a ectocérvice localizada na direção da vagina e uma endocérvice na direção do interior do útero. Ambas têm células diferentes, nesse sentido células da ectocérvice serão planas com múltiplas camadas, enquanto as da endocérvice serão cilíndricas mucossecretoras.

Entre os dois epitélios existe uma área chamada junção escamo-colunar, que funciona como uma espécie de zona de transição. O câncer de colo de útero aparece com mais frequência nessa área devido à baixa altura das células. Portanto, é imprescindível o estudo constante dessas estruturas.

O que é o exame de Papanicolau?

O exame de Papanicolau é muito importante.
Esse estudo é feito para detectar precocemente o câncer de colo de útero.

Também conhecido como citologia cervical, é um exame que permite estudar a estrutura das células do colo do útero, tanto da endocérvice quanto da ectocérvice. O principal propósito do exame de Papanicolau é diagnosticar o câncer do colo do útero em mulheres.

Este exame foi desenvolvido pelo Dr. George Nicholas Papanicolau e tem sido usado como método de pesquisa na identificação de neoplasias cervicais desde a década de 1950. De fato, vários estudos afirmam que é uma das conquistas mais importantes quando se trata de detectar doenças.

As células do colo do útero se deformam na presença de câncer devido à desnaturação das suas proteínas. Além disso, o núcleo das células é afetado por alterações no DNA e aumento da motilidade celular.

O exame de Papanicolau pode detectar a presença de infecções por papilomavírus humano (HPV). Por isso, o teste é útil para identificar alterações celulares que podem se transformar em câncer no futuro.

Quando é necessário fazer o Papanicolau?

Antes de mais nada, é importante ressaltar que todas as mulheres devem fazer um check-up ginecológico regularmente para detectar a tempo qualquer anomalia. Por isso, deve ser realizado tanto o autoexame das mamas para prevenção do câncer de mama quanto o check-up médico oportuno no consultório ginecológico.

Um dos exames mais importantes para fazer um check-up ginecológico é o exame de Papanicolau. A revista American Family Physician recomenda que todas as mulheres com mais de 21 anos façam esse exame. No entanto, a frequência para realização desse exame poderá variar dependendo da idade da paciente.

As mulheres sem histórico com idades entre 21 e 65 anos devem fazer esse exame a cada 3 anos pelo menos.  No entanto, mulheres entre 30 e 65 anos podem fazer o exame de Papanicolau a cada 5 anos acompanhado de um teste de HPV.

Esse exame médico não apresenta grandes contraindicações, mas não é recomendado em mulheres com menos de 21 anos devido à baixa incidência de câncer de colo do útero nessa idade. Além disso, mulheres com mais de 65 anos sem histórico ou com histerectomia também não devem fazer o teste.

Preparação antes do exame

O exame de papanicolau é um exame rápido que geralmente não requer uma grande preparação. No entanto, é importante não fazer o teste durante a menstruação, pois o sangue menstrual pode dificultar a visualização das células cervicais.

Por outro lado, recomenda-se não ter relações sexuais ou aplicar duchas vaginais nos 2 dias anteriores ao exame. Os cremes, espumas e géis espermicidas também são contraindicados, porque eles podem eliminar ou esconder as células anormais.

É aconselhável usar roupas confortáveis e que não sejam apertadas, assim,  serão mais fáceis e rápido para se despir. A depilação não é necessária para o exame, faça o que te deixe mais à vontade na frente do seu médico.

Como é feito o exame de Papanicolau?

Este exame médico deve ser realizado sempre em um consultório ginecológico por profissionais qualificados. No momento do exame, o médico pedirá para você retirar a roupa da parte inferior do corpo ou tirar a roupa completamente, dependendo do caso, depois você deverá se deitar na maca.

O exame de Papanicolau é feito em uma posição médica chamada posição ginecológica ou litotomia. Nesse momento, você deve dobrar os joelhos e colocar os pés em uma área especial da mesa chamada estribo. Quando estiver nesta posição, o médico irá inserir um instrumento chamado de espéculo na vagina.

O espéculo é um instrumento que separa as paredes vaginais e permite a observação do colo do útero, a introdução dele costuma ser sentida como uma pressão na região. Após examinar o colo do útero, o médico insere uma escova especial para remover as células da endocérvice, e espalha essas células em uma lâmina.

As células endocervicais devem ser retiradas depois e isso é feito com um instrumento chamado espátula. A coleta das amostras geralmente não causa dor nas pacientes. Após a retirada das amostras a serem estudadas, o especialista retirará o espéculo e o exame estará finalizado.

É possível retomar as atividades diárias após do exame, a paciente não precisa ter  nenhum cuidado específico nas horas seguintes.

Análise dos resultados

Exame papanicolau
É sempre importante contar com o apoio de um ginecologista.

O exame de Papanicolau é negativo quando nenhuma célula anormal é encontrada, tanto na endocérvice quanto na ectocérvice. Mulheres com esse resultado não precisam seguir nenhum cuidado específico e devem ser examinadas novamente em 3 anos.

Por outro lado, se diz que o resultado é positivo quando células anormais são detectadas em qualquer uma das áreas. Dependendo das células afetadas, alguns dos seguintes termos podem ser encontrados no exame:

  • Células escamosas atípicas de significado indeterminado (ASC-US): neste caso, existem células anormais na ectocérvice, embora nem sempre sejam pré-cancerosas. Esse resultado geralmente é devido à presença de infecção por HPV, é necessário fazer estudos adicionais.
  • Lesão intraepitelial escamosa: esse resultado é um pouco mais delicado e indica a presença de células anormais que são pré-cancerosas. Essas células podem ser de baixo ou alto grau, o que determinará a rapidez com que podem evoluir para um câncer de colo de útero.
  • Células glandulares atípicas (AGC): um AGC indica a presença de células glandulares anormais, ou seja, da endocérvice. No entanto, ainda não está claro se elas são pré-cancerosas ou não, por isso mais estudos devem ser feitos para determinar sua origem.
  • Carcinoma de células escamosas ou adenocarcinoma: em alguns casos, as células estão tão alteradas que o médico pode diagnosticar o câncer. Quando isso ocorre, é necessário determinar rapidamente a extensão dele para decidir a melhor terapia a ser seguida.

Um exame ginecológico fundamental

O exame de Papanicolau é um dos exames ginecológicos mais importantes e deve ser realizado periodicamente. Ele permite o diagnóstico precoce de alterações no colo do útero e pode prevenir o desenvolvimento do câncer.

Apesar da sua utilidade, esse exame pode dar falsos positivos, portanto, estudos adicionais são sempre necessários na presença de resultados anormais. Por outro lado, pode haver falsos negativos, embora sua incidência seja quase nula se as recomendações acima forem seguidas.

  • Smith ER, George SH, Kobetz E, Xu XX. New biological research and understanding of Papanicolaou’s test. Diagn Cytopathol. 2018 Jun;46(6):507-515.
  • Rerucha CM, Caro RJ, Wheeler VL. Cervical Cancer Screening. Am Fam Physician. 2018 Apr 1;97(7):441-448.
  • Gutiérrez C, Romaní F, Ramos J, Alarcón E, Wong P. Factores asociados con el conocimiento y tamizaje para cáncer de cuello uterino (examen de Papanicolaou) en mujeres peruanas en edad fértil. Análisis del periodo 1996-2008. Revista Peruana de Epidemiología. 2010;14(1):39-49.
  • Nayar R, Wilbur DC. The Pap test and Bethesda 2014. Cancer Cytopathol. 2015 May;123(5):271-81.
  • Hartikainen J. The Papanicolaou test: its utility and efficacy in cancer detection. Contemp Nurse. 2001 Sep;11(1):45-9.
  • Meggiolaro A, Unim B, Semyonov L, Miccoli S, Maffongelli E, La Torre G. The role of Pap test screening against cervical cancer: a systematic review and meta-analysis. Clin Ter. 2016 Jul-Aug;167(4):124-39.