Miomas uterinos: sintomas, causas e tratamento

A presença de miomas uterinos pode gerar sintomas desconfortáveis e afetar significativamente a vida das mulheres. Felizmente, existem várias técnicas que permitem removê-los por completo ou, pelo menos, impedir seu crescimento.
Miomas uterinos: sintomas, causas e tratamento

Escrito por Luis Rodolfo Rojas Gonzalez, 20 Maio, 2021

Última atualização: 20 Maio, 2021

Um mioma é definido como “o crescimento benigno e anormal das células musculares de um órgão específico”. Os miomas uterinos são os tumores mais frequentes na área da ginecologia e podem afetar milhões de mulheres em todo o mundo. Quer saber quais são seus sintomas, causas e tratamento? Continue lendo!

Vários estudos afirmam que esses tumores estão presentes em até 40% das mulheres com menos de 40 anos em todo o mundo. Esses tumores aparecem na camada muscular do útero, e são compostos em grande parte por várias camadas de colágeno junto a outras substâncias, como fibronectina e proteoglicanos.

Os miomas uterinos podem aparecer em qualquer mulher, embora sejam mais comuns em afro-americanos do que em caucasianas. Suas características podem variar de pessoa para pessoa. Nesse sentido, podem ser únicos, múltiplos, tão pequenos que não é possível detectá-los ou tão grandes que geram compressão.

Sintomas

Sangramento de miomas uterinos
O sangramento pode ou não estar associado à menstruação.

Embora as neoplasias (tumores) estejam associadas a sintomas e patologias graves, as pesquisas mostram que a maioria dos miomas uterinos são assintomáticos. Na verdade, estima-se que apenas entre 20 e 50% das mulheres apresentem algum tipo de sintoma. O aparecimento desses sintomas está relacionado ao tamanho, localização e número de tumores.

O sintoma mais comum é o aparecimento de sangramento uterino anormal. Uma forma muito comum de sangramento é a metrorragia, ou seja, um sangramento vaginal que não coincide com os dias da menstruação. Também pode ocorrer sangramento menstrual muito intenso, conhecido como hipermenorreia.

A presença de múltiplos miomas uterinos e seu aumento de tamanho estão relacionados ao aparecimento de um quadro clínico bastante diverso. Nesse sentido, as mulheres podem apresentar os seguintes sintomas:

  • Necessidade urinar com mais frequência.
  • Dor ou pressão na pélvis.
  • Infertilidade.
  • Dor durante a relação sexual ou dispareunia.
  • Prisão de ventre.

Causas de miomas uterinos

Infelizmente, ainda não foi possível estabelecer uma causa específica que explique a aparição dos miomas uterinos. Até agora se sabe que surgem como resultado de uma alteração monoclonal, ou seja, que se devem ao crescimento e multiplicação de uma única célula muscular.

O aparecimento dos miomas uterinos tem sido relacionado à ação dos estrogênios e da progesterona circulante sobre o músculo uterino, devido à idade em que aparecem. Essas alterações são muito raras durante a puberdade, mas aumentam sua frequência entre a quarta e a quinta décadas de vida.

Muitos estudos relacionam o aparecimento de miomas uterinos com alterações em diferentes cromossomos, entre os quais se destacam os 1, 3, 7, 12 e 14. De fato, foi demonstrado que as variações nesses cromossomos têm origens diferentes, desde a translocação de suas porções até a deleção de algum gene (modificações no DNA).

Fatores de risco

Por outro lado, existem vários fatores de risco que aumentam a probabilidade de aparecimento de miomas no útero. Muitos deles estão relacionados ao aumento dos níveis de estrogênio no sangue e destacam os seguintes:

  • Ter idade entre 40 e 50 anos.
  • Ser afrodescendente.
  • Usar anticoncepcionais orais.
  • Ter obesidade e ser sedentário.
  • Seguir a terapia de reposição hormonal.
  • Ter histórico familiar de miomas uterinos.
  • Fumar com frequência.

Alguns desses fatores de risco estão relacionados à genética das mulheres, portanto, não podem ser modificados. No entanto, a maioria deles dependem do estilo de vida, por isso podem ser modificados. Nesse sentido, é possível reduzir a probabilidade de surgimento de miomas uterinos.

Diagnóstico

Diagnóstico por ultrassom de miomas uterinos
O ultrassom geralmente oferece informações muito valiosas para o diagnóstico.

De fato, diagnóstico de miomas uterinos pode ser muito difícil, pois a maioria deles tem apenas alguns centímetros de comprimento e são assintomáticos. O médico pode suspeitar da presença dessas alterações durante um exame pélvico de rotina, especialmente se elas tiverem um diâmetro significativo.

Diante da suspeita de um mioma uterino, o especialista indicará a realização de diversos exames ginecológicos, que darão o diagnóstico definitivo. A ultrassonografia pélvica ou transvaginal é um dos exames de imagem mais úteis nesse tipo de patologia. Ele usa ondas para obter uma imagem do útero e permite medir os miomas.

Em alguns casos, o ultrassom pode não mostrar claramente os tumores, sendo necessária a realização de outros tipos de estudos. Dentre os demais exames de imagem que podem ser utilizados, se destacam os seguintes:

  • Ressonância magnética.
  • Histeroecografia.
  • Histerossalpingografia.
  • Histeroscopia

Os exames de sangue são úteis na hora de  estabelecer diagnósticos diferenciais e descartar outras patologias que causam alterações menstruais. Nesse sentido, é possível indicar um hemograma completo e análise dos níveis de várias substâncias, como os hormônios da tireoide.

Tratamento de miomas uterinos

O tratamento dos miomas uterinos dependerá das características dos tumores e da presença ou ausência de sintomas. Nesse sentido, os miomas assintomáticos costumam ter conduta expectante, ou seja, não merece nenhum tipo de tratamento e só deve ser avaliado de vez em quando.

Por outro lado, na presença de sintomas incômodos, pode haver duas abordagens, uma conservadora e outra cirúrgica. Ambas as abordagens apresentam resultados muito bons e permitem melhorar a qualidade de vida da paciente.

Tratamento conservador

Esta opção terapêutica é destinada a mulheres com miomas de tamanho moderado, cujos sintomas não são graves. O tratamento terá como objetivo reduzir os níveis de estrogênio, a fim de prevenir o crescimento do tumor e reduzir a intensidade dos sintomas.

Nesse sentido, podem ser colocados dispositivos intrauterinos de liberação de hormônio, administrar anticoncepcionais orais ou administrar injeções de terapia hormonal. Além disso, os medicamentos podem ser usados para limitar o fluxo sanguíneo para o mioma, bem como usar compostos para aliviar a dor e tratar outros sintomas específicos.

Tratamento cirúrgico

A remoção cirúrgica de miomas uterinos é indicada em pacientes com neoplasias de tamanho considerável ou com sintomas graves. O procedimento a ser realizado dependerá da idade da paciente, do seu estado físico e do número e tamanho dos tumores.

De um modo geral, o procedimento procurará remover todo o mioma, preservando o máximo possível do útero.

As técnicas que podem ser utilizadas são muito variadas, vão desde a embolização arterial para reduzir o fluxo sanguíneo para o mioma e causar a morte do tecido (necrose), até a realização de histerectomia nos casos mais graves.

Uma patologia comum, mas benigna

Os miomas uterinos representam a causa mais comum de tumores pélvicos em mulheres em idade fértil. Eles podem surgir como resultado da ação dos estrogênios sobre as células da camada muscular do útero. Além disso, sua aparência é influenciada por múltiplos fatores de risco que dependem do estilo de vida.

Alguns desses tumores podem causar sintomas muito incômodos, inclusive existe a possibilidade deles afetarem a fertilidade e comprimir outros órgãos. Todos esses tumores são benignos e a chance de se transformar em câncer é muito baixa. No entanto, é importante visitar seu médico se tiver sintomas suspeitos.

Pode interessar a você...
3 exames ginecológicos essenciais
Muy Salud
Leia em Muy Salud
3 exames ginecológicos essenciais

Existem 3 exames ginecológicos que são essenciais. Você quer saber quais são eles? Continue lendo!



  • Ortiz Ruiz M, Matute Labrador A, Martínez Consuegra N. Miomatosis uterina. An Med (Mex) 2009; 54 (4): 222-233.
  • Fábregues F, Peñarrubia J. Mioma uterino. Manifestaciones clínicas y posibilidades actuales de tratamiento conservador. Medicina Integral. 2002; 40 (5): 190-195.
  • Sepúlveda J, Alarcón M. Manejo médico de la miomatosis uterina. Revisión de la literatura. Rev Chil Obstet Ginecol. 2016; 81(1): 48-55.
  • Parker WH. Etiology, symptomatology, and diagnosis of uterine myomas. Fertil Steril. 2007;87(4):725-36.
  • Fascilla FD, Cramarossa P, Cannone R, Olivieri C, Vimercati A, Exacoustos C. Ultrasound diagnosis of uterine myomas. Minerva Ginecol. 2016;68(3):297-312.
  • Sparic R, Mirkovic L, Malvasi A, Tinelli A. Epidemiology of Uterine Myomas: A Review. Int J Fertil Steril. 2016;9(4):424-35.