Mudança de horário: quais os efeitos para a saúde?

A mudança de horário em algumas estações geralmente está associada a alguns problemas de saúde, especialmente em países temperados. A seguir, apresentamos os mais comuns.
Mudança de horário: quais os efeitos para a saúde?

Escrito por Daniela Andarcia, 16 Junho, 2021

Última atualização: 16 Junho, 2021

Em alguns países, como a Espanha, os relógios são atrasados ou adiantados para materializar a transição anual de e para o horário de verão (DST). A verdade é que cerca de um quarto da população mundial é afetada duas vezes por ano pela mudança de horário.

Adiantar o relógio em uma hora na primavera para a chegada do verão se traduz na perda de uma hora de sono, além de alterar os tempos de trabalho e descanso. De acordo com um estudo publicado na PLOS Computational Biology, é possível que o relógio biológico do corpo também mude. Descubra outras maneiras pelas quais a mudança de horário pode afetar a sua saúde.

Como a mudança de horário afeta a saúde?

A mudança de horário pode ser conflitante para o seu corpo.
A mudança de horário pode afetar a saúde física e mental das pessoas.

Como vimos, adiantar uma hora para o horário de verão durante a primavera leva à perda de uma hora de sono. Embora muitos pensem que não parece muito, isso pode afetar a saúde de várias maneiras.

De acordo com uma pesquisa realizada pela The American Academy of Sleep Medicine, mais da metade dos americanos tendem a se sentir cansados após o início do horário de verão. Vejamos outros efeitos da mudança de horário:

1. Aumenta o risco de ter um ataque cardíaco

De acordo com um estudo publicado na revista médica Open Heart, o horário de verão aumentou o risco de ataque cardíaco em 24% na segunda-feira após o seu início.

Por outro lado, o mesmo estudo descobriu que quando o tempo volta ao normal e as pessoas têm mais uma hora de sono, o risco de sofrer um ataque cardíaco diminuiu 21% na terça-feira seguinte à mudança de horário.

Uma pesquisa apresentada na conferência da American Academy of Neurology de 2016 descobriu que as mudanças de horário durante o DST aumentam a probabilidade de um acidente vascular cerebral isquêmico ou acidente vascular cerebral.

2. Pode desencadear doenças mentais

Acredita-se que perder uma hora de luz do dia durante a tarde devido ao horário de verão pode levar a doenças mentais como depressão, transtorno afetivo sazonal (TAS) e até transtorno bipolar.

Uma pesquisa publicada na Epidemiology mostrou que os casos de depressão aumentaram 11% após a mudança de horário, dissipando-se gradualmente 10 semanas depois.

Da mesma forma, um estudo publicado em Sleep and Biological Rhythms provou que houve um aumento nas taxas de suicídio masculino nos dias seguintes à mudança do horário de verão na primavera e no outono.

3. Pode afetar o humor

Assim como a mudança de horário e a falta de sono podem ser responsáveis por transtornos mentais como a depressão, também têm efeitos negativos no humor, aumentando a ansiedade, a irritabilidade e o esgotamento mental.

Além disso, considere que se você tem adolescentes em casa, o verão pode afetá-los ainda mais, pois eles precisam de mais horas de sono.

4. Aumenta a probabilidade de ocorrer um acidente

Perder uma hora de sono não apenas altera seu humor, mas também pode afetar seu desempenho cognitivo, te deixando confuso e mais lento, e consequentemente mais sujeito a acidentes.

Um estudo de 2001 que analisou 21 anos de dados sobre acidentes fatais de carro encontrou um aumento pequeno, mas notável, nas mortes em acidentes de carro na segunda-feira após o início do horário de verão na primavera.

O resultado foi 83,5 mortes em comparação com 78,2 mortes em média nas segundas-feiras.

Algo semelhante aconteceu com os acidentes de trabalho. Uma pesquisa publicada no Journal of Applied Psychology mostrou que na segunda-feira após a mudança do horário de verão, houve um aumento de 5,7% nos acidentes de trabalho e quase 68% mais dias de trabalho perdidos devido a lesões, o que indica que elas foram graves.

5. Pode causar abortos espontâneos

A mudança de horário pode afetar mulheres grávidas.
Embora seja improvável, algumas complicações obstétricas podem surgir.

De acordo com um estudo publicado na Chronobiology International, as taxas de aborto em pacientes de fertilização in vitro foram significativamente maiores após o início do horário de verão da primavera.

Como o retorno ao horário normal afeta a saúde?

Assim como perder uma hora de sono prejudica sua saúde, voltar ao normal pode ter alguns benefícios:

Quais dicas você deve seguir para se ajustar à mudança de horário?

Para atenuar os efeitos da mudança do horário de verão, considere as seguintes recomendações:

  • Ajuste seu relógio biológico. Se você começar a se levantar mais cedo do que o normal uma semana antes, será mais fácil fazê-lo na segunda-feira de manhã, assim como no resto dos dias.
  • Tome um café da manhã saudável logo de manhã. A comida serve para dizer ao corpo que é o começo do dia.
  • Exercite-se pela manhã. O exercício matinal não só te expõe à luz, que é essencial para o ajuste às mudanças, como também te ajuda a acordar, a aumentar a temperatura corporal e a começar o dia com mais ânimo e energia.
  • Não beba cafeína em excesso. Embora você possa tomar uma xícara de café pela manhã, não tome mais uma ou duas xícaras a tarde. É importante não alterar os seus hábitos com a mudança de horário.
  • Não tire cochilos. Mesmo que a mudança de horário te deixe mais cansado, não tire cochilos, isso vai te impedir de dormir a noite toda e, portanto, piorar a situação.

A mudança de horário pode ter consequências graves

O horário de verão costuma ser adiantado em uma hora, fazendo com que uma hora de sono seja perdida. Isso, além de causar falta de sono, altera o relógio biológico e, portanto, desencadeia uma série de doenças e complicações à saúde.

Entre eles estão; o aumento no risco de ataques cardíacos, doenças mentais e acidentes, além de afetar negativamente o humor. Felizmente, você pode se ajustar ao horário de verão com mudanças no estilo de vida, como tomar o café da manhã logo cedo e evitar café e cochilos à tarde.

It might interest you...
Sonilóquio: por que falamos durante o sono?
Muy SaludLeia em Muy Salud
Sonilóquio: por que falamos durante o sono?

Por que falamos durante o sono? O sonilóquio é um tipo de parassonia. Confira a seguir mais detalhes sobre esse assunto!



  • Zhang, H., Dahlén, T., Khan, A., Edgren, G., & Rzhetsky, A. (2020). Measurable health effects associated with the daylight saving time shift. PLoS computational biology, 16(6), e1007927. https://doi.org/10.1371/journal.pcbi.1007927
  • Sandhu, A., Seth, M., & Gurm, H. S. (2014). Daylight savings time and myocardial infarction. Open heart, 1(1), e000019. https://doi.org/10.1136/openhrt-2013-000019
  • Hansen, B. T., Sønderskov, K. M., Hageman, I., Dinesen, P. T., & Østergaard, S. D. (2017). Daylight Savings Time Transitions and the Incidence Rate of Unipolar Depressive Episodes. Epidemiology (Cambridge, Mass.), 28(3), 346–353. https://doi.org/10.1097/EDE.0000000000000580
  • Berk, M., Dodd, S., Hallam, K., Berk, L., Gleeson, J., & Henry, M. (2008), Small shifts in diurnal rhythms are associated with an increase in suicide: The effect of daylight saving. Sleep and biological rhythms, 6(1), 22-25. https://doi.org/10.1111/j.1479-8425.2007.00331.x
  • Varughese, J., & Allen, R. P. (2001). Fatal accidents following changes in daylight savings time: the American experience. Sleep medicine, 2(1), 31-36. https://doi.org/10.1016/S1389-9457(00)00032-0
  • Barnes, C. M., & Wagner, D. T. (2009). Changing to daylight saving time cuts into sleep and increases workplace injuries. Journal of Applied Psychology, 94(5), 1305–1317. https://doi.org/10.1037/a0015320
  • Liu, C., Politch, J. A., Cullerton, E., Go, K., Pang, S., & Kuohung, W. (2017). Impact of daylight savings time on spontaneous pregnancy loss in in vitro fertilization patients. Chronobiology international, 34(5), 571–577. https://doi.org/10.1080/07420528.2017.1279173
  • Janszky, I., & Ljung, R. (2008). Shifts to and from daylight saving time and incidence of myocardial infarction. The New England journal of medicine, 359(18), 1966–1968. https://doi.org/10.1056/NEJMc0807104
  • Coren S. (1996). Daylight savings time and traffic accidents. The New England journal of medicine, 334(14), 924. https://doi.org/10.1056/NEJM199604043341416